Novidades

Apps para crianças com surdez

Fonte: HearinsSonyARose

Foto: Shutterstock

Quando a Sonia tinha apenas alguns meses de vida, a sua terapeuta de fala pegava um iPad durante as consultas e abria o jogo “Peekaboo Barn” – e eu ficava imediatamente preocupada. Sempre me disseram que aquela tela fazia mal para as crianças. Eu demorei a entender os benefícios desse equipamento eletrônico maravilhoso e tudo o que ele pode fazer por crianças com surdez.

Hoje, o iPad da Sonia se tornou uma das ferramentas mais importantes das sessões de fonoterapia. Usamos com responsabilidade. Nossa filosofia é que ela pode usar em pequenas doses e em contextos específicos. Sonia pode usar o iPad no carro ou no avião e em restaurantes. Focamos em entretenimento (jogos) e não em TV. E é um ótimo jeito de motivar a Sonia a colocar seus implantes cocleares. Aqui estão um dos nossos jogos favoritos para quem tem perda auditiva. Quem tiver dicas, compartilhe conosco!

PS: tradução livre minha, e os apps são todos em inglês, o que é bom se você quer que seu filho se familiarize com este idioma o mais cedo possível! 🙂

TODDLER JUKEBOX – Tiptap, Inc. (Grátis ou $1.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE:  Esse app tem ótima música (guitarra acústica e vocal) e o barulho quase não incomoda. Costumamos usar como uma ferramenta para a fala tocando a música, dançando com ela e então apertando o botão de pause e falando “pare”. Isso encorajou a Sonia a aprender a ouvir logo que foi ativada.

PEEKABOO BARN – Night & Day Studios, Inc. (Grátis)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE:  Ótimo app para construção de vocabulário. Tente além dele os apps PEEKABOO Trick-Or-Treat, PEEKAZOO, PEEKABOO Wild. Todos são maravilhosos. Os desenhos são fofos e simples. Usamos muito dos seis aos doze meses da Sonia.

MY VERY HUNGRY CATERPILLAR – Story Toys ($4.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE:  Estamos apaixonados por este, que é ótimo para encorajar a coordenação mãos-olhos e ensinar às crianças como usar o touch screen que, na minha opinião, só vai se tornar mais e mais importante.

FUN WITH DIRECTIONS – Hamaguchi Apps for Speech, Language & Auditory Development ($15.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE: Esta é uma ferramenta incrível para ajudar crianças a aprenderem a ouvir. Ele dá direções simples, e no final de cada fase a criança ganha uma “Superstar Direction”  na qual o jogo pergunta a ela o que foi pedido que ela fizesse. Ótimo para aprender a ouvir e para a memória auditiva. Como o app não tem propagandas dentro dele, achamos um ótimo investimento.

WHAT’S THAT SOUND? LEARNING TO LISTEN AND IDENTIFY SOUNDS – Different Roads to Learning, Inc. ($1.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE: É um jogo interativo no qual a criança associa um objeto aos sons associados a ele. É simples, mas mantinha a Sonia prestando atenção. Você pode adicionar ou remover figuras entre as disponíveis.

DANIEL TIGER’S DAY & NIGHT – PBS KIDS ($2.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE:  Além de melhorar a linguagem (compreensão, perguntas, seguir instruções ditas pelo jogo, etc.), nós adoramos como o personagem Daniel Tiger ensina habilidades sociais – mais do que qualquer vídeo ou jogo que já encontramos. Sonia adora ouvir a música “Goodnight Daniel” e isso nos ajudou com a nossa rotina da hora de dormir.

BLUE HAT, GREEN HAT – SANDRA BOYNTON – By Loud Crow Interactive, Inc. ($2.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE: É um e-book, mas as figuras fazem coisas divertidas e inesperadas. A criança pode escolher ler o livro ela mesma ou então ativar a narração. Ótima ferramenta para compreensão de linguagem e construção de vocabulário, além da descoberta de novos sons.

WRITING WIZARD FOR KIDS – By L’Esacapadou ($4.99)

VOCÊ VAI AMAR PORQUE: Ótima ferramenta para ensinar qualquer criança a escrever corretamente de um jeito divertido e cheio de recompensas.

8 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

3 Comentários

  • Olá!
    Procuro pessoas interessadas em discutir, pesquisar, descobrir metodologia de ensino, que realmente auxilie no ensino e aprendizagem de pessoas surdas.

    Sou amante da Andragogia, por isso trabalho com alunos a partir dos quinze anos de idade, ou que que sejam maduras.

    Na metodologia andragógica, o professor é coautor do conhecimento, ambos professor e alunos projetam os trabalhos dentro de uma zona de tempo com limite visível, e projeto construído a quatro mãos.

    Para ensino da língua portuguesa, todos os materiais em uso são e estão dentro da Pedagogia e de projeção via oral, Ditado e Aferição via leitura do aluno. Pronto já está fora. Porque o surdo deve aprender que não é deficiente e que a fala é música, que a fala tem “melodia, harmonia e ritmo” que as letras são imagens, logo, a voz deixa de ser ouvida, mas deve ser lida. Assim usamos o celular, a lousa eletrônica ou a tela do Notebook ou PC.

    E quem deve estar sempre presente além do fonoaudiólogo, o psicólogo, é o assistente social para prover condições operacionais e dar suporte ao novo modelo de trabalho. Perdão por me alongar. Grato

    • O seu foco é em oralizados ou sinalizados?

      Sou oralizada e estudei em escola construtivista a vida toda. As únicas orientações eram de me fazer sentar na frente, para facilitar a leitura labial, e que os professores buscassem ficar de frente para a sala. Por ser oralizada e sempre ter excelentes ganhos com os aparelhos, sempre fiz todos os ditados em sala de aula (com suporte de leitura labial). A única exceção que era feita para mim eram os exercícios de compreensão auditiva das aulas de inglês. De resto, eu era uma aluna como outra qualquer.

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.