Crônicas da Surdez Viagem Viajante Biônica

Aventuras sonoras em Lisboa

Logo vou completar quatro anos de implante coclear ativado, por isso não fico mais esperando grandes descobertas sonoras a esta altura do campeonato. Para minha mais absoluta surpresa, adivinhem qual foi o som que descobri nesta viagem? Tcharaaaaaam: eu não sabia como era o som de um pavão histérico! Descobri em pleno Castelo de São Jorge, com essa figurinha da foto se exibindo e gritando com os turistas! 🙂

Agradecendo em Fátima

Não sei se já contei a vocês, mas em 2012 fui à Europa com a minha avó Tereca, e naquela viagem aconteceram várias coisas esquisitas. Uma delas foi nossa ida à Fátima, onde fiz um pedido muito particular que acabou sendo atendido – dois, na verdade, e ambas as graças me foram concedidas.

Voltamos até o túmulo dos Pastorinhos para rezar e agradecer. Foi muito emocionante porque não imaginei que voltaria lá com a vó 5 anos depois e que minha mãe não estaria mais entre nós. Prova de que a vida é o que acontece enquanto você faz outros planos…

Chorando litros num show de fado

Fomos jantar num lugar chamado Don Afonso El Gordo e chegando lá ficamos sabendo que haveria um show de fado. Em 2012  também fomos, mas só ouvi uns gritinhos sem graça que não fizeram muito sentido.

Dessa vez, nossasenhoradadesidratação, a voz do cantor e da cantora foram como um soco na cara. Parecia que alguém tinha pego meu coração e arrancado para fora, feito picadinho e me dado pra ver!

A emoção tomou conta de mim num grau que chorei feito louca e fiquei com a cara inchada – o pessoal das mesas ao lado ficou meio apavorado, hehehe! Claro que havia uma certa dose de vinho envolvida, mas foi uma noite inesquecível.

O som do violão, as vozes potentes, as letras das músicas… Achei mesmo que fosse ter um troço, porque até com falta de ar eu fiquei!

Numa ida à LX Factory, entrei numa livraria super fofa e a moça que trabalhava lá viu meus IC’s e começou a bater papo comigo, inclusive contou que uma grande amiga dela, que era brasileira, também tinha implantado.

Peguei um Uber cuja motorista, chamada Filipa, viu meus IC’s e engatou um papo frenético, pois ela mesma era usuária de aparelhos auditivos e tinha mil dúvidas a respeito de implantes.

Não vi muitas pessoas usando AASI’s na rua – tenho mania de observar as orelhas de todo mundo o tempo todo. Os poucos que vi eram idosos. Também não vi aro magnético em lugar algum.

E o sotaque português? Um dos meus grandes prazeres de ter voltado a ouvir é captar cada sotaque e me deliciar com eles, imitar, rir e conversar com as pessoas de cada lugar. Moraria fácil em Lisboa, ô cidade mais gostosa!

19 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

1 Comentário

  • Amei seus relatos da viagem. E eu tb tenho essa mania de ficar olhando a orelha dia outros pra ver se tem AASI ou não. Continue contando suas experiências. Bjs!

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.