Destaques YouTube Crônicas Surdez

Novo vídeo do Crônicas da Surdez no Youtube

Pessoal, o canal do YouTube do Crônicas da Surdez está de cara nova – ficou tão bonito que tô me sentindo a Pauléfera (mix de Paula com Kéfera, rsrsrs). Para inaugurar essa nova fase, que só foi possível graças ao trabalho incansável da minha amiga e agora braço direito Dani Honorato (do site Unha Bonita) já temos um vídeo novo: Prefiro ser surdo do que ouvir essas bobagens!”

O vídeo já vem com legendas, então não é preciso ativá-las! Sou suspeita, mas acho que vocês vão gostar. A meta para 2016 é alimentar o canal com pelo menos 3 vídeos novos todo mês. Olhem só como ficou bonitinho!! E para quem não sabe ou não acompanha, já temos vários vídeos disponíveis, até mesmo da ativação do meu implante coclear.

Crônicas Surdez YouTube.bmp

Tem YouTube? Então inscreva-se já no Canal do Crônicas da Surdez! Assim você fica sabendo em primeira mão cada vez que um vídeo novo vai ao ar. 🙂

Agora, o mais importante: preciso saber que tipo de vídeos vocês gostariam de ver. Quais assuntos querem que eu aborde? Podíamos fazer um vídeo mensal só respondendo a perguntas de leitores do blog, que tal? Me mandem idéias, dicas, opiniões e sugestões para os próximos vídeos.

41 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 34 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

6 Comentários

  • Olá,

    sou deficiente auditivo. Aos 17 anos tive um rompimento do nervo auditivo, portanto, só tive coragem de usar aparelhos aos 38 anos (vergonha de usar aparelho auditivo). Foi uma história longa, tive que fazer terapia para aceitar a usar aparelhos.
    No entanto, sempre fui atleta, surfo e sou competidor de mountain bike, tenho uma necessidade em usar aparelhos a prova dágua, por que quando está chovendo nem treinar e nem competir gosto de ir, por que não ouço nada. Sobretudo fico muito restrito.
    Gostaria de aproveitar a oportunidade de solicitação de patrocínio de alguma empresa de aparelhos a prova dágua.
    Meu filho tem 4 meses e quando ele começar a entrar na piscina, praia gostaria de estar com aparelhos a prova dágua. Fica a dica, se alguém puder me ajudar.
    Att,

    Gerson Amaral.

  • Amei o vídeo … Eu passei pela fase de negar a surdez… Passava maiores apuros e quando resolvi assumir fiquei surpresa como passei a ser melhor tratada nos atendimentos ao público … Aceitar o implante foi outra dificuldade por causa da vaidade… E só conhecia homens na minha convivência que usavam … Quando decidi fazer mesmo que contrariada. Na minha primeira consulta no hospital das Clínicas SP conheci uma moça linda … Usando um rabo de cavalo e implantada , naquele dia tudo mudou, passei a aceitar e desejar o implante e hoje uso meu rabo de cavalo e tenho orgulho de ser mais uma do time dos implantados há dois anos.
    Suas histórias nos ajudam muito Paula… Estou sempre lendo seus posts… Beijão

  • Paula, adorei o seu video e do seu humor!

    Desde que eu me entendo por gente, sempre falei que era surda sem problemas, sem fase de negação pois assim fui criada desde bebê! Meu primeiro aparelho era gigante e super chamativo, aquele de caixinha. Minha mãe mandou fazer suspensório da caixinha em várias estampas e cores para combinar com as roupas. Eu adorava escolher!

    Já na fase dos ASSI nunca pensei mesmo em esconder o aparelho quando criança, pois era algo natural pra mim. Então adorava por laços no cabelo, fazer penteados.

    Como que gostava de usar arco de cabelo, os aparelhos ficavam apitando às vezes e os meus colegas de sala de aula tinham de me avisar para ajeitar pois acabava incomodando-os e eu nem tchum. Tudo era feito na maior normalidade.

    Também me divirto com os fatos que acontecem comigo na rua. Já aconteceu de um homem correr atrás de mim só porque me ouviu conversar com a minha mãe. Ele queria saber de que país eu era. E a minha mãe gosta de brincar com as pessoas de falarem comigo sem som e elas ficam surpresas quando as respondo como se fosse um truque de mágica!

    Acho super importante sempre explicar que sou surda porque esconder não me traria nenhum benefício na minha comunicação com as pessoas. Sou assim e ponto! As pessoas não nascem sabendo como lidar com os surdos então não me importo de ensiná-las.

  • VOCÊ CONHECE SIM UMA PESSOA QUE NUNCA, NUNQUINHA NEGOU A SURDEZ…eu,
    EUZINHA.
    USO APARELHOS AUDITIVOS DESDE OS ANOS 1970…COMECEI COM SURDEZ MODERADA QUE FOI EVOLUINDO. IMEDIATAMENTE DEPOIS DE FAZER OS EXAMES, COLOQUEI AASI, NUNCA ESCONDI. NÃO TENHO VERGONHA, NEM ORGULHO. e não passei por essa fase de negar a surdez…fiquei triste claro mas imediatamente me apaixonei pelos aparelhos auditivos.
    ENTÃO FIQUE CLARO QUE NEM TODO MUNDO NEGA A SURDEZ OU SE OFENDE AO SER CLASSIFICADA COMO SURDA…

    • Ainda bem que vc se sente assim porque a maioria nega, se constrange e se deprime sim por causa desse problema!Parabéns pela autoestima!

Deixe seu comentário