Deficiência Auditiva Publicidade Saúde auditiva

Surdez em crianças: Cuidado Auditivo Amigo da Criança

A audição desempenha papel fundamental no desenvolvimento da linguagem e no desenvolvimento cognitivo da criança. Desde o nascimento, as crianças estão aprendendo com os sons significativos (fala) e com os sons do ambiente. Conforme elas crescem, aprendem a expandir seu vocabulário e aprendem novos conceitos. Dessa forma, a criança que tiver uma perda auditiva poderá apresentar atraso no desenvolvimento da fala e nas habilidades cognitivas, principalmente quando esta perda ocorrer na idade mais crítica: nos três primeiros anos de vida. Portanto, quanto mais precocemente a perda auditiva for diagnosticada e tratada, maiores serão as chances de sucesso no processo da habilitação/reabilitação auditiva e de linguagem da criança.

A perda auditiva na criança pode ser definida como o comprometimento da audição que reduz a capacidade da criança de ouvir e entender a fala, dificultando sua comunicação e afetando diretamente seu processo de desenvolvimento e aprendizagem. A perda auditiva pode ser parcial ou total, temporária ou permanente, de uma orelha ou de ambas as orelhas. Mas mesmo uma perda auditiva de grau mínimo e temporária, por exemplo, causada por algum tipo de infecção, pode afetar significativamente o desenvolvimento da criança. Se a sua criança ou alguma criança conhecida apresentar um ou mais dos sinais listados abaixo, aconselhamos procurar o Otorrinolaringologista-Pediatra e/ou o Fonoaudiólogo:

  • Ao balbuciar, o som é monótono e sem indícios de melhorias;
  • Dificuldades na localização do som;
  • Sem reação aos sons intensos;
  • Habilidades de compreensão e de produção da fala atrasadas para sua idade;
  • Trocas na fala;
  • Falta de interação social ou agitação exacerbada;
  • Frequentes infecções no ouvido;
  • Falta de atenção;
  • Baixo rendimento escolar;
  • Utilização frequente da leitura labial para acompanhamento do discurso.

A perda auditiva não causa um tipo específico de problema de comunicação. Os efeitos da perda auditiva irão depender do seu grau, configuração, duração e estabilidade.

A idade da criança na época em que a perda auditiva foi identificada e que a intervenção foi realizada são fatores importantes no desenvolvimento da linguagem/cognitivo. Uma criança que adquire uma perda auditiva importante após adquirir a linguagem (3 ou 4 anos de idade) terá uma deficiência linguística não tanto prejudicada quanto da criança cuja perda auditiva está presente ao nascimento ou que apareça nos primeiros meses de vida.

O principal prejuízo de uma deficiência auditiva é a perda da audibilidade para algumas ou todas informações acústicas importantes da fala, mas além disso ela poderá acarretar:

  • Atraso na aquisição da fala;
  • Problemas na aprendizagem e no desempenho escolar;
  • Dificuldades com abstração;
  • Distúrbios articulatórios;
  • Dificuldades na socialização;
  • Dificuldades na percepção, detecção, localização do som além da discriminação e compreensão comprometidas.

Meu filho tem uma perda auditiva, e agora?

Uma vez diagnosticada a perda auditiva, o processo de habilitação/reabilitação deve ser iniciado imediatamente, para que o resultado final seja satisfatório. E como plano de tratamento temos a adaptação de aparelhos auditivos, implante coclear ou prótese auditiva ancorada no osso (a indicação dependerá da real necessidade da criança) e concomitantemente a terapia fonoaudiológica. No que diz respeito a intervenção fonoaudiológica, existem abordagens distintas para o tratamento, como: o trabalho focado para o aproveitamento auditivo (desenvolvimento da linguagem oral) e/ou a aquisição da LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais). O importante é conhecer os diferentes tipos de abordagens, ouvir opiniões de diferentes pessoas e do Fonoaudiólogo, conhecer as condições e limitações do desenvolvimento da criança, para optar pela melhor forma de intervenção.

A perda auditiva não precisa restringir a capacidade da criança de se comunicar, socializar, aprender e desfrutar das experiências que a vida tem para oferecer. Com as soluções auditivas infantis que hoje temos, essa interação com o meio social é possível.

É importante lembrar, no entanto, que todas as crianças – com ou sem perda auditiva – se desenvolvem de forma diferente. Cada criança é única e cada uma reage de maneira diferente. Por isso é importante observar todas as situações em que a criança esteja inserida.

Muitos pais acreditam que os aparelhos auditivos irão restaurar a audição de seu filho. Mas essa não é a função dos aparelhos. Eles ajudarão a melhorar a qualidade de vida da criança.

O melhor conselho que podemos oferecer é amar, aceitar e incentivar o seu filho. Elogie-o sempre que ele fizer algo. Sorria sempre que possível. Preste atenção quando seu filho tentar compartilhar algo com você – mesmo nas coisas simples. Leia histórias para dormir. Estas atividades passam para a criança o carinho e o amor que você tem com ela, e irá estimulá-la, fazendo com que ela se sinta mais confiante.

Sempre que tiver dúvidas, não hesite em pedir ajuda ao Fonoaudiólogo de seu filho, médico, professores ou outros profissionais que estejam envolvidos neste processo. Eles farão o seu melhor para ajudar e apoiar você e sua família.

E lembre-se: sempre fale com seu filho, mesmo que ele não pareça entender completamente o que está sendo dito por você. Uma boa maneira de incentivá-lo a desenvolver uma linguagem falada é falando com ele.  Suas expressões faciais e linguagem corporal também irão contribuir.

Meu filho precisa usar aparelhos auditivos, o que fazer?

O processo de escolha do aparelho auditivo exige uma forte motivação e participação ativa da família. Mesmo sendo aparelhos auditivos mais avançados, se o seu filho não utilizar da forma correta e não tiver apoio da família, os resultados não serão satisfatórios. Além disso, alguns pontos devem ser levados em consideração como: o tipo e o grau da perda auditiva, bem como as necessidades auditivas e as habilidades gerais.

A vontade de seu filho em querer usar os aparelhos provavelmente irá depender do quanto vocês, pais, conseguem motivá-lo. Quanto mais ele conhecer e se envolver, mais fácil será.

Quanto mais cedo a criança aprender a lidar com sua perda auditiva e os aparelhos auditivos, mais ele vai ser tornar confiante e seguro. E para que isso aconteça, é importante que sua primeira experiência com os aparelhos auditivos, seja positiva (proporcionar sons confortáveis e suaves como uma música ou uma conversa amigável). Além disso, estar ciente da motivação como pai/mãe é fundamental. Seu filho irá reagir imediatamente de acordo com a motivação da família.

O objetivo dos aparelhos auditivos é proporcionar acesso aos sons do ambiente e principalmente aos sons da fala. É também aumentar a campo auditivo da criança, permitindo que mais sons alcancem seu cérebro para estimular o crescimento de centro auditivos.

A tecnologia atual dos aparelhos auditivos proporciona excelente qualidade sonora e conforto auditivo, já que esses equipamentos farão parte da criança. E é importante ressaltar que essas próteses auditivas precisam ser desenvolvidas e destinadas exclusivamente para a população infantil, por apresentarem necessidades específicas e distintas dos adultos. É por isso que a Telex através do Cuidado Auditivo Amigo da Criança conta com um portfólio pediátrico de soluções auditivas.

Crianças em idade escolar e que usam aparelhos auditivos ou implante coclear ou até mesmo as próteses ancoradas no osso podem precisar de um suporte extra dentro do ambiente de aprendizagem. Na escola, as salas de aulas são ambientes desafiadores, pois apresentam alto grau de reverberação e ruído, além do fato da voz do professor ter que percorrer um longo caminho até às orelhas das crianças.

Para que as crianças consigam ultrapassar essas barreiras à comunicação, elas poderão contar com ajuda de um grande aliado – O Sistema FM Amigo. Sua principal função é colocar a voz do professor em destaque frente aos ruídos de fundo. É importante ressaltar que o Sistema FM Amigo poderá ser usado em qualquer momento ou situação em que a criança esteja inserida e que precise de um suporte extra: escola, no carro com os pais, cursos, igreja entre outras situações. O benefício do FM Amigo para você e seu filho é a liberdade de ter benefícios em qualquer lugar e a qualquer hora.

Dicas de comunicação

Ao comunicar-se com o seu filho, tente se lembrar de algumas regras básicas:

  • Certifique-se de que os aparelhos auditivos estejam ligados – eles serão o elo entre a criança e percepção de fala e a chave para o aprendizado da língua falada;
  • Comunique-se de perto;
  • Falar, falar e falar – a linguagem é capturada e não ensinada, por isso disponibilize grande quantidade de linguagem significativa no ambiente da criança;
  • Reformular e expandir – se a criança ouve apenas parte do que está sendo dito, tente reorganizar a sentença ou expandi-la, permitindo que a criança junte as partes;
  • Comunique seu orgulho – seja realista sobre a perda auditiva do seu filho. Ensine-o que os aparelhos auditivos e o Sistema FM são parte do que ele é. Sua autoestima, confiança e crença serão fundamentadas nos valores e atitudes dos adultos que se preocupam com ele;
  • Tenha expectativas positivas – a perda auditiva é uma barreira para a comunicação, mas não deverá impedir a criança de se desenvolver e crescer.
32 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

1 Comentário

  • […] Quando a Sonia tinha apenas alguns meses de vida, a sua terapeuta de fala pegava um iPad durante as consultas e abria o jogo “Peekaboo Barn” – e eu ficava imediatamente preocupada. Sempre me disseram que aquela tela fazia mal para as crianças. Eu demorei a entender os benefícios desse equipamento eletrônico maravilhoso e tudo o que ele pode fazer por crianças com surdez. […]

Deixe seu comentário