Aparelhos Auditivos Deficiência Auditiva Publicidade

Deixe a vergonha de lado: os 10 anos da Menthel

Sintonia total ou conjunção dos astros, o fato é que recebi um convite que balançou meu coração: compartilhar aqui no Crônicas da Surdez a campanha que comemora os 10 anos da Menthel Aparelhos Auditivos – a maior revenda Signia/Siemens do Norte/Nordeste do Brasil, com lojas em Recife, João Pessoa, Maceió, Fortaleza e Salvador. 

A Menthel decidiu comemorar sua primeira década fazendo diferença na vida das pessoas com a campanha #deixeavergonhadelado. Uma nova abordagem frente à deficiência auditiva e o uso de aparelhos auditivos. Vergonha? Escondê-los? Isso ficou no passado! Achei lindo a empresa ter entendido que não adianta comprar um AASI se você tem pânico de usá-los: incentivar os pacientes a deixar a vergonha de lado é o primeiro passo para transformá-los em nossos melhores amigos. E, quando atingimos esse patamar, tudo muda.

Como fui usuária de aparelhos auditivos por vários anos, posso dizer que o primeiro contato que temos com uma fonoaudióloga quando vamos em busca do nosso primeiro AASI faz toda a diferença no resto da nossa jornada com ele. Por que? Simples! Estamos ali, com a alma nua, com nossa fragilidade exposta, tristes e amedrontados. Se a primeira abordagem for a velha de sempre (AASI’s discretos, ninguém vai ver, fica escondido, blablabla) a chance é a de cairmos na armadilha e passarmos mais bons anos dominados pela vergonha.

Isso não ajuda o paciente a longo prazo, muito pelo contrário. Por experiência própria, me fez guardar os aparelhos numa caixa e sentir raiva deles, além de nunca mais voltar à loja. Agora, se você se depara com uma fono que te chacoalha e te incentiva a entender que sentir vergonha é uma perda de tempo, pode saber: sua jornada será infinitamente mais leve e mais fácil.

#DeixeAVergonhaDeLado

Quem é leitor do Crônicas da Surdez me vê desde 2010 batendo insistentemente nesta tecla: “Vamos sair do armário“. A vergonha da surdez é um atraso na nossa vida. Embora cada um tenha o seu tempo, quem deixa a vergonha de lado retoma a própria vida, reconstrói sua autoestima e ainda descobre as maravilhas que a tecnologia é capaz de fazer por nós que temos deficiência auditiva.

Deixar a vergonha de lado não é apenas libertador: é transformador. A hashtag #deixeavergonhadelado me fez voltar no tempo, quando criei o Crônicas. Naquele momento, após tomar a decisão de não ser mais escrava da minha vergonha, finalmente me apaixonei pelos meus aparelhos auditivos. O resto é história! 🙂

Quantos momentos incríveis você deixou de viver por vergonha?

Eu, muitos! Passei minha adolescência e início da vida adulta paralisada pela vergonha. A cada “hãn” que falava quando não ouvia algo, me sentia a última das criaturas. Perdi festas, perdi músicas, perdi almoços de domingo, perdi amigos, perdi conversas com pessoas especiais, perdi momentos que nunca mais voltarão e joguei muitos sonhos no lixo por causa disso. Se me arrependo? Até o último fio de cabelo.

Não perca os sons da vida!

Pense nos sons da vida: o choro do seu bebê, a voz do seu filho, o ‘eu te amo’ dito pela pessoa que você ama, aquela música que te deixa completamente arrepiado, os passarinhos na janela, as ondas quebrando, o vento batendo na janela, o latido do seu cachorrinho, o fogo queimando na lareira num dia frio de inverno. Cada um deles possui uma beleza única e indescritível. Perdê-los por vergonha da surdez? Não faça isso!

Use seus aparelhos auditivos!

Quando finalmente deixamos a vergonha de lado e começamos a usar aparelhos auditivos, tudo muda. Lembro direitinho do quanto isso mexeu comigo, porque passei a me sentir outra pessoa. A Paula introvertida foi dando lugar a uma Paula extrovertida e falante. A Paula que evitava conversar com as pessoas foi redescobrindo as vozes dos colegas de trabalho e dos amigos. A Paula que odiava ir ao cinema voltou a se deliciar com esse programa. A Paula que não ajudava em casa porque não ouvia os barulhos passou a abrir a porta e atender o interfone. A Paula que alguém precisava vir lá da cozinha chamar para almoçar passou a ouvir os chamados e a facilitar imenso a vida em família. A Paula que fugia de festas e baladas passou a sair de quinta a domingo, rsrsrs!

Quando falamos em surdez, a primeira coisa mais poderosa de todas é deixar a vergonha de lado. E a segunda, com certeza, é começar a usar os nossos aparelhos auditivos. São eles que nos trazem de volta ao mundo dos sons, mantém nosso cérebro sendo estimulado e nos devolvem qualidade de vida. Depois que a gente se apaixona por eles, não tem mais volta: é amor eterno.

O aparelho auditivo não muda quem você é

As pessoas não sentem vergonha de usar óculos, e aparelhos auditivos fazem por quem não escuta ou escuta mal a mesma coisa que os óculos fazem por quem enxerga mal. Há muito drama desnecessário envolvido, e muitas pessoas perdem tempo se importando com o que os outros supostamente vão pensar quando souberem que elas usam AASI. Também fiz isso!

Também imaginei que quando revelasse para o mundo a minha surdez os outros teriam uma atitude horrível e ficariam: “Ohhhhhhh!“. E quando finalmente o fiz, fiquei chocada e aliviada ao perceber que eles não estavam nem aí para o que eu usava nos meus ouvidos.

Os olhares eram de curiosidade, ou então, de alegria ao me ver fazendo aquilo que deveria ter começado a fazer há muito tempo. A surdez aparece mais do que qualquer aparelho auditivo!

Parabéns, Menthel!

Não apenas pela primeira década de existência, mas por quebrar esse velho paradigma da indústria da audição e mostrar, tanto para fonoaudiólogos quanto para pacientes, que a autoaceitação é infinitamente mais poderosa do que a vergonha. A vergonha aprisiona, a autoaceitação liberta!

Ver uma empresa que trabalha com aparelhos auditivos lançando uma campanha dessas e incorporando essa postura perante o mundo me faz sentir um orgulho imenso. Não apenas pela mudança de abordagem, mas também por estarem quebrando outro velho paradigma: o de passar a OUVIR os seus consumidores. Meus parabéns e meus mais sinceros agradecimentos por essa postura inovadora e louvável!

E por último

A Menthel fez uma playlist superbacana no Spotify, com uma série de músicas que vão de Bruno Mars a Stevie Wonder. Eu já estou seguindo e me divertindo com ela. Quem quiser seguir, basta procurar por #deixeavergonhadelado no app! Ah, e também criaram  filtro para avatar no Facebook com a hashtag #deixeavergonhadelado – para mudar sua foto de perfil, basta entrar na Fanpage da Menthel.

E quem já for cliente das lojas Menthel, não deixe de compartilhar nas redes sociais uma foto bem linda exibindo seus aparelhos auditivos usando a #deixeavergonhadelado. Usem também #surdosqueouvem e #aparelhoauditivo para que as fotos cheguem a ainda mais gente – nunca sabemos quem está do outro lado da tela e se sente inspirado a mudar ao ver alguém que não sente vergonha nenhuma de usar os seus aparelhos. Bora inspirar a galera, gente! 🙂

30 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

2 Comentários

  • Sou deficiente auditiva mas nunca consegui me aceitar já vivi muitos momentos difíceis em minha vida hj já faço uso de aparelhos mas mesmo assim ainda os escondia gostaria de viver esse problema livremente mas não consigo já fazem 15 anos e ainda não aprendi como mudar isso

Deixe seu comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.