Crônicas da Surdez Destaques

Alunos com deficiencia auditiva em sala de aula: dicas para professores

Fonte: Hear me Speak

Os professores precisam de dicas para lidar melhor com os alunos que têm deficiência auditiva em sala de aula. Especialmente aqueles que nunca conviveram com um! Decidi traduzir este post originalmente escrito em inglês pois ele tem ótimas sacadas. Eu sofri muuuuito na minha época de escola pois era muito cansativo acompanhar as aulas, acompanhar as bocas, lidar com a frustração quando alguém me chamava e eu não ouvia… Hoje em dia podemos minimizar muito os danos da surdez num ambiente assim se combinarmos tecnologia + professor engajado + acessibilidade. Depois escreverei um post com dicas pessoais baseadas na minha experiência como aluna com DA!

Dicas Básicas!

Minimize o ruído na sala de aula

Uma sala de aula padrão é um lugar barulhento. Crianças com qualquer grau de perda auditiva podem ter dificuldade para ouvir as informações importantes quando estão rodeadas por ruídos, pois eles mascaram as coisas importantes que são ditas e precisam ser ouvidas. Mantenha o barulho na sala o menor possível.

Assentos preferenciais

Coloque o aluno num assento que permita que os dois ouvidos estejam de frente para a fonte do som desejada e longe de sons como os de janelas, parquinho, ar condicionado e outras crianças conversando. Um assento na primeira ou segunda fileira, no centro, é preferível. Isso vai aumentar a oportunidade do aluno de ouvir, escutar e observar a linguagem corpora e a comunicação não verbal.

Durante as discussões em grupo

Faça com que uma pessoa fale por vez – uma dica é a regra de que só quem estiver com o ‘lápis da fala’ pode falar enquanto os outros escutam.

Use um caderno para se comunicar com a família

Assim você pode mandar observações diárias para os pais se for necessário.

Consiga a atenção 

Tenha certeza de que você tem a atenção do aluno. Diga o nome dele/dela ou peça a atenção da classe inteira quando for dizer algo importante.

A regra dos 6 decibéis

É importante entender que uma vez que o professor se afasta do aluno, o sinal acústico é diminuído. Se a distância dobrar, o sinal diminiu em 6 dB.

Sistema FM, Roger, MiniMic e afins

Os professores precisam aceitar usar toda e qualquer tecnologia disponível para ajudar o aluno com deficiência auditiva. Pode ser um sistema FM ou qualquer acessório wireless que melhore a relação sinal-ruído.

O colega que ajuda

Ter um colega parceiro de atividades fornece ao aluno um apoio amigável e ajuda o professor a ter certeza de que o aluno com deficiência auditiva está engajado em todas as atividades.

Pistas visuais e escritas

Todos os próximos testes, provas, eventos, trabalhos e anúncios devem ser escritos no quadro ou incluídos na agenda semanal ou numa newsletter que possa ir para a casa do aluno toda semana.

Overhear (ouvir por acaso)

Crianças com deficiência auditiva muitas vezes não ouvem por acaso (do inglês overhear) as conversas, novas palavras, etc. 90% da linguagem aprendida por crianças ouvintes se dá por aprendizagem incidental. Assim, os professores devem se certificar de que o aluno com deficiência auditiva está incluído nas conversas e checar se ele está mesmo ouvindo.

Os pais

Os pais têm bom conhecimento de como ajudar seus filhos. Dando a eles novos vocabulários, temas, tópicos e conceitos antes que os mesmos sejam mostrados em sala de aula irão ajudar a criança a entender de um modo muito mais fácil neste ambiente.

Disciplina

No que diz respeito à disciplina, o aluno com deficiência auditiva deve ser tratado do mesmo modo que os alunos ouvintes, e deve entender as regras da sala de aula.

Quando a comunicação falha

  1. Veja se a bateria e o funcionamento do AASI ou acessório estão ok e comunique os pais
  2. Aproxime-se e reduza o barulho
  3. Ao invés de repetir, pergunte à criança o que ela ouviu
  4. Repita a informação ou torne fácil para a criança entender
  5. Realce palavras-chave! Ex: “Quero que você pegue o seu caderno de inglês agora!”
110 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

6 Comentários

  • Ola boa tarde

    Gostaria de poder usar partes do conteúdo, para um trabalho sobre inclusão, estou fazendo pedagogia, na Univesp e o tema do trabalho do grupo é sobre deficiencia auditiva em sala de aula. Como devo proceder para que vocês me autorizem

  • Oi! Bom dia! Gostei muito das dicas e gostaria de levá-las para o processo de formação que ministro. Como faço para conseguir autorização?!

  • sei site é lindo, muito bem explicado gostaria de imprimir a matéria para passar em sala de aula mais esta bloqueado !?

  • só quem passou e/ou passa por esta situação sabe o quão penosa ela é. Sempre ficava e confesso que fico em pânico, tenho até calafrios quando estou em uma sala de aula ou palestra e alguém faz pergunta e está em lugar que impede que eu faça linguagem labial. Penso que as perguntas deveriam ser feitas uma a uma, e de preferência com o indagador de Pé, pois isto facilitaria a compreensão e amenizaria todo o sentimento de impotência, de fracasso que sinto nesta ocasiões.

Deixe seu comentário