Crônicas da Surdez

Dois anos de implante coclear ativado

Foto: Shutterstock

Dois anos com implante coclear

No meu segundo aniversário de implantada, me vejo às voltas com duas sensações distintas: parece que foi ontem e parece que foi há dez anos. O melhor modo que encontrei de explicar para mim mesma como me sinto foi com essa ilustração que guardo há meses: parece que havia um bebezinho lá dentro da minha cóclea esperando para nascer e ganhar o mundo. E assim foi.

Dois anos depois de voltar a escutar posso dizer que sou uma pessoa feliz, realizada e grata por essa chance que revolucionou minha vida inteira. Às vezes estou num táxi (ou melhor, Uber!) e de repente escuto uma música dos anos 80 que não ouvia há dez anos, reconheço e encho os olhos de lágrimas. É muito louco voltar a fazer coisas que você achou que jamais faria outra vez!

É muito louco para um surdo profundo que sem a tecnologia não escuta NADA ser capaz de falar ao telefone, conversar no escuro, entender alto-falantes, compreender a fala em inglês, entender a letra das músicas, se deliciar com o som do mar, da chuva, das vozes das pessoas que ama.

Só fazendo um IC para entender a dimensão de ganhar a audição de volta. Se me permitem a ousadia, queria dizer a todos os surdos profundos que frequentam este blog: vão investigar se vocês são candidatos a uma cirurgia de implante coclear. Pode ser que ela faça por vocês tudo isso que ela fez por mim! 🙂

Já filosofei tanto sobre o IC que achei que seria legal responder às perguntas que vocês me fizeram lá na FanPage do Crônicas para dar uma variada.

FullSizeRender (4)

Juliana Sena Leitão Nestes 2 anos, qual foi o momento que mais marcou a sua vida?

O meu casamento, pois ali estavam todas as pessoas que me acompanharam durante o longo processo do implante coclear. Quando fui fazer um discurso me engasguei toda, pois olhava para o meu médico, minha amiga fono que me disse para fazer a cirurgia muitos anos atrás, minha mãe, minha vó, minhas amigas que me ajudaram tanto antes/durante/depois e meu marido que surgiu na minha vida após o IC. Difícil conter a emoção ao perceber o papel de cada pessoa que estava naquela festa. Muitos seguraram meu choro, foram meu ombro, diminuíram meus medos e me deram coragem para encarar essa trajetória nova e assustadora. Sem falar que estar ouvindo e falando perfeitamente no dia do meu casamento foi um presente do tipo que não tem preço.

Mariana Cicchilli Teve alguma coisa que você esperava realizar com o Implante Coclear e não conseguiu ? Se sim, qual?

Sempre digo e repito: eu não esperava nada. Achava que com o IC iria ouvir um pouquinho mais alto do que ouvia com meus aparelhos auditivos. Por isso, imagine o que é para uma pessoa que não tinha expectativa alguma de repente começar a realizar todos os seus sonhos enterrados: voltar a falar no telefone, não depender de leitura labial, conversar no escuro, entender a fala em outras línguas, melhorar a própria voz, entender a letra das músicas. Muito, muito louco!

Danielle A. M. Matteo Usa leitura labial? E como adaptou para ouvir música?

Sempre achei que as pessoas que falavam que a leitura labial ia piorando com o o uso do implante coclear estavam mentindo – na minha cabeça, isso não fazia sentido, já que passei 31 anos vivendo às custas dela. Mas é a mais pura verdade. Antes do IC eu conseguia entender o que alguém lá na esquina estava falando mesmo sem ouvir, hoje isso é impossível. Minha leitura labial não é mais a mesma, e acho que isso tem a ver com o fato de não precisar mais dela na grande maioria das situações. Ultimamente ando pensando no poder da plasticidade neural e me dando por conta do que ela fez comigo e com meu cérebro!! Sobre a música, comecei ouvindo com o cabo de áudio e depois passei a usar o Mini Mic. No início era baixinho, hoje ouço com 4 riscos de volume no iPhone já achando alto. A melhor parte é entender bem as letras.

Elisabete Calisto Nunca fez qualquer tipo de rejeição exterior/ interior? 

Fisicamente não, e interiormente, menos ainda.

Sônia M Ramires Almeida Quanto tempo levou para se decidir a fazer implante coclear?

Olhando para trás, vejo que minha decisão não demorou muito. A lembrança que tenho é de começar a pensar no assunto em junho de 2013, bater o martelo rapidinho e me operar em setembro. Sempre tive em mente que não tinha como ficar pior do que estava: surdez profunda, 100% dependente de leitura labial, entendimento de fala zero. As pessoas se apegam em medos e vaidades bobas na hora de tomar uma decisão que pode mudar completamente a sua qualidade de vida, ainda bem que não fiz isso.

Erica Lima Qual sua maior dificuldade em relação ao Implante Coclear?

Lembrar de estar com as baterias sempre carregadas ou de espalhar pilhas por todos os lugares para nunca ficar desligada por falta de pilha/bateria.

Samira C Baus Dutra Como se dá a manutenção, Check up do IC? Trimestral, semestral? Precisa ir ao laboratório? Estima-se a troca de antena? Se sim, qual a média de anos? Quando foi a primeira vez que você viu um IC? Qual a primeira sensação?

Quanta pergunta! Rsrsrs! A manutenção principal é o uso correto pelo usuário: limpar todo dia, colocar no desumidificador à noite, trocar os filtros de microfone a cada 3 ou 4 meses, manusear com cuidado. Porém, como qualquer dispositivo eletrônico, pode dar algum problema quando menos esperamos. Já uso há dois anos e até hoje não cheguei perto de precisar trocar algum componente. A primeira vez que vi e toquei num IC foi num encontro com a Lak em São Paulo, e isso me ajudou demais! Eu tinha a idéia equivocada de que o IC era pesado e complicado, e acabei constantando que era mais leve que o aparelho auditivo que eu usava. Nesse dia, perdi completamente todo e qualquer receio.

Samira C Baus Dutra Qual o critério pra escolher a MARCA? Preferência sua? Ou era a marca que o otorrino usava?

Me baseei na experiência de outros usuários e em seus relatos. Já cheguei no médico com a decisão tomada, ele não teve influência alguma nisso.

Suzana Bezerra A audição com o Implante Coclear, supera a audição de um deficiente auditivo de grau moderado com uso de aparelhos? Em reuniões, jantar com uma considerável quantidade de pessoas, ainda sente aquele temível medinho de não entender o desenrolar das conversas? Nos programas de TV que você participou o IC foi 100% ou te deixou na mão em algum momento dos bastidores? Esta usando diariamente o aparelho auditivo no outro ouvido?

Um deficiente auditivo com perda moderada não é candidato ao implante coclear, apenas perdas severas-profundas são. No início eu sentia sim esse medinho que você relata, e quando fui ao programa da Fátima Bernardes confesso que estava em pânico de não entender alguma coisa. Mas deu tudo certo e não tive problemas!! Nos outros programas tudo correu bem também – só não me peçam para dar entrevista em programa de rádio que acho que ficaria com medo! Rsrsrsrs! Hoje em dia, o Mini Mic me ajuda DEMAIS em situações com muitas pessoas ou muito ruído.

Rosane Resende Pretende fazer o segundo implante? Ou acha que não terá necessidade?

Essa é uma dúvida boa. Ultimamente tenho sentido vontade! Hoje mesmo fui a um evento e uma menina que estava sentada do meu lado esquerdo ficava falando comigo e várias vezes eu nem tchuns pra ela. Isso de ter que pensar no lugar em que vou sentar quando estou com várias pessoas num restaurante, por exemplo, me irrita. O implante coclear acabou com o zumbido no meu ouvido direito, mas o zumbido no esquerdo continua com força – e em alguns dias isso me tira do sério, fico desejando ardentemente que o zumbido no ouvido esquerdo acabe também. Como o segundo IC não vai revolucionar minha vida tal qual o primeiro fez, fico adiando a decisão. Mas depois de ler aquele post do Portal Otorrino não consigo deixar de pensar que deveria estar estimulando meu nervo auditivo esquerdo também! Nos últimos dois meses notei uma melhora no meu paladar (para quem não sabe, perdi o paladar do lado direito e fiquei mais de ano com a sensação de língua formigando, que agora passou) e começo a sentir vontade e coragem de fazer o segundo IC.

Maria Esther Megahiperultrapower Foi muito difícil no começo? Qual a pior parte? Quando ficou tudo bem?

Trabalhando na SONORA todos os dias lido com pacientes que chegam dizendo ‘morro de medo da cirurgia’. Gente, a cirurgia não é nada! O bicho pega mesmo é depois da ativação, quando o cérebro volta a ser estimulado e fica enlouquecido (e tentando nos enlouquecer!!) enquanto busca decifrar todos os estímulos novos. A pior parte pra mim foi a parte emocional dos primeiros meses, porque me vi fazendo coisas que pensava que nunca mais faria outra vez nessa vida: falar ao telefone, conversar sem leitura labial, entender a fala em inglês, entender as letras das músicas. Passei por um longo período de raiva e luto pelo meu passado silencioso. O implante coclear requer de nós um esforço muito grande, o início é cansativo, mas depois é muito recompensador.

Camila Andrade O IC pode usar pra correr e academia?

Claro! Porque não poderia? Eu corro na esteira da academia com o meu IC ouvindo música ou ouvindo a TV. Dá até mesmo pra mergulhar e ouvir debaixo d’água usando implante coclear.

43 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

5 Comentários

  • Excelente post!
    Já com 38 anos de idade, sendo surdo desde nascença, serei implantado na semana que vem. Espero descobrir novos sons, apesar de ter bom relacionamento com os meus AASI.
    Se antes eu escrevia tudo errado e não sabia interpretar os textos até 17 anos, com o IC, conseguirei ouvir melhor!

    É isso ai, Paula!

  • Paula,

    adorei o post! Estou pensando em fazer o IC no meu pior ouvido, o direito. Mas te confesso que o que mais tá pegando (pode ser bobeira minha, mas enfim) é o lado financeiro. Se você não se incomodar, poderia dizer quanto gasta com a manutenção do IC (baterias, mapeamentos etc)?

  • Bom dia!
    Adorei o post!
    Sou ouvinte e meu noivo é usuário de IC. Sim, dá para usar o IC em atividades físicas. Pode ser que, com a transpiração, ele fique escorregando. É possível driblar isso com aquelas faixas (estilo Magic Paula).
    Meu noivo fez isso nas provas de corrida que participamos juntos.

  • Posso fazer M ais umas perguntinhas????? HAHAHAHA

    LEGAIS AS PERGUNTAS! INTERESSANTES E INSTRUTIVAS, AS RESPOSTAS!
    Sucesso e alegrias nos próximos anos, ouvindo melhor!
    E ótimas reflexões sobre o IC na OE. 😉
    Sou super adepta da estimulação bilateral. 🙂

  • Oi Paula! Tudo bem? Nossa, deveriamos comemorar juntas, pois hoje recebi a notícia de que sou apta para o IC!!! Ainda estou muito emotiva, se pudesse faria a cirurgia ainda hoje! Não vejo a hora de voltar a ouvir, e tão logo fazer o acompanhamento com a fono para não depender mais de leitura labial. Espero um dia podermos tomar café e contar como o IC revolucionou nossas vidas! Bjo grande!

Deixe seu comentário