Crônicas da Surdez Deficiência Auditiva Histórias dos Leitores

Alunos com surdez: novas dicas para os professores

Foto: Shutterstock

O post com dicas para professores de alunos com deficiência auditiva é um campeão de acessos aqui no site. Em função disso, perguntei lá no Grupo do Crônicas da Surdez no Facebook quais eram as dicas que o pessoal gostaria de dar para os seus professores, e este post é um compilado com todas elas. Se você é professor de alunos com surdez, saiba que pode aprender muito com o seu aluno que não escuta ou escuta mal. Eu diria que a lição mais bonita é: aprender a ouvir. 🙂

Novas dicas

Juliano

Professor, se possível, sempre deixe os lábios visíveis e jamais faça atitudes que constranjam seus alunos. Deixe que ele se sinta à vontade e motivado a aprender. Tenha a expressão facial dócil, serena e muita paciência. Se conseguir alfabetizar ou passar algum conhecimento, será lembrado por toda vida dessa pessoa. Detalhe, fui aluno e minha primeira profissão, professor

Luiza

Que utilize os recursos disponíveis para facilitar a compreensão do aluno. Como o sistema FM por exemplo, não pense que ele não faz diferença, pois faz sim! Tenho que ficar no pé para que a professora do meu filho use o FM.

Ana Paula

Fundamental é o professor oferecer material de apoio, seja apostila, resumo, site, livros… e provas após a entrega, que seja oferecido o gabarito. Trabalhos em grupos, para que este aluno seja aceito e interaja com os mesmos.

Maria Esther

O aluno deve sentar perto do professor. Articular bem as palavras. Repetir para o aluno. Utilizar material concreto e recursos visuais.

Maria

Que o professor prepare o material escrito, indicar a bibliografia de apoio para o aluno surdo. Já aconteceu de eu fazer uma prova de biologia cuja matéria não encontrava nos livros de estudo.

Samira

Aluno com deficiência auditiva deve sentar na primeira fileira, evitar cantos/paredes (especialmente com perdas unilaterais – orelha melhor, jamais virada para a parede), explanar sempre de frente, jamais falar pro quadro/lousa. Boca sempre sob o olhar do aluno. Ditados, além do oral, usar imagens/figuras que representem o que foi dito.  Filmes/vídeos: sempre com legendas. Momento da chamada/lista de presença, olhar e ou apontar (não com dedo indicador, mas com a mão inteira) para o aluno (alguns profs. fazem a chamada, de cabeça baixa, lendo os nomes). Expor conteúdo/destaques do conteúdo no quadro/lousa/projeção. Anotar ou entregar anotações sobre a matéria dada; ex: página tal, assunto tal. Se o aluno usar aparelhos auditivos, receber orientação do responsável e ou fonoaudiólogo; quanto a troca de pilhas (caso de crianças pequenas que não saibam fazer). Saber manipular sistema de comunicação sem fio (Bluetooth/FM), no caso do aluno usar com seus aparelhos/IC.

Keilah

Professor fale, não grite. Professor, ouvir não significa compreender o contexto do que se fala. Professor, use mais visual em sala de aula (escrita na lousa por exemplo) para ater atenção do aluno com surdez e dos ouvintes. Professor, seus alunos DeficientesAuditivos são inteligentes, porém precisam ter suas habilidades desenvolvidas de forma diferente dos demais.

Anne

Não vire de costas, fale bem devagar por favor, não mostre os filmes ou vídeos dublados. Se for para fazer a monografia, grave as conversas dos orientadores para o caso de esquecer e tentar relembrar. Sempre mande as mensagens de WhatsApp para tirar duvidas, ou  então email.

Mariana

Uma coisa muito importante é que o professor deve primeiro passar o conteúdo no quadro e esperar os alunos copiarem e somente depois explicar o conteúdo. Porque copiar e prestar atenção na aula ou o professor escrever enquanto fala, não dá, é muito difícil para nós. E também na faculdade, principalmente, onde a aula é em data show, enviar para esses alunos a aula depois por email, pois assim eles não precisam escrever enquanto o professor explica e conseguem prestar atenção na aula e ainda tem o material disponível depois para estudar em casa.

Lucilene

Ser mais expressivo, deixar o aluno estar sempre de frente, falar de maneira que o aluno entenda (sem falar alto demais) e não o fazer lembrar sempre que é surdo.

Beatriz

Considero importante se certificar de que o aluno entendeu o que foi dito, escrever todas as informações, no quadro e também na agenda da criança!

Linda

Em faculdades à distancia sempre colocar legendas nos videos para ajudar, caso contrário não entendemos. Os professores precisam falar de frente para o aluno e articular bem as palavras. Usar o sistema FM ajuda também, e se possível, nunca escrever e explicar as matérias de costas. Sofri muito na época da minha adolescência por causa disso: ir falando na sala sem estar de frente para o aluno dificulta e muito. Se pedisse para explicar de novo não aceitavam. Chamadas e ditados eram um inferno. Filmes precisam ter legendas, os ouvintes não gostam mas nós necessitamos!

Liliana

Na faculdade, além da projeção de voz, falar de frente sempre! Os professores no final das aulas disponibilizavam-me apontamentos com a matéria dada. Assim, se houvesse algo que não tinha sido bem entendido ou me tivesse escapado durante as aulas, bastava confirmar nos apontamentos do professor.

Marcia

Dar mais atenção, falar mais perto e mais alto, colocar a criança o mais próximo de onde o professor fica e explicar um comando/atividade de frente para o seu filho.

Rosa

Que a escola infantil esteja mais preparada para identificar a perda auditiva de uma criança.

Sonia

Sempre que for possível, nas aulas de leitura, pedir muito silêncio aos alunos que estão a ler em voz alta os textos de português. Incentivar o aluno a pedir ajuda ao colega do lado para que ele guie a leitura escrita para que possamos escutar/entender o que estamos a ouvir.

Minhas dicas

Eu sofri demais na minha época escolar pois precisava criar mil estratégias estressantes para me dar bem em sala de aula. A primeira delas era conseguir um lugar estratégico contra a parede, deixando meu ouvido direito direcionado para a sala. A minha principal dica é: informe-se. Aprenda sobre deficiência auditiva, sobre a tecnologia que o aluno usa para voltar a ouvir. Depois, converse com seu aluno e diga que ele está livre para lhe dizer o que precisa e como gostaria de ser tratado. Não enfatize a deficiência auditiva na frente dos outros alunos, pois ninguém gosta de lembrar que é diferente em público. Converse com os pais sobre quais cuidados eles gostariam que você tivesse com seu filho. E nunca esqueça que você tem um aluno super inteligente que precisa ser estimulado de outros modos além do modo básico, que é ouvindo. Ah, e incentive seu aluno a ler e escrever muito. Agradeço a um professor da quinta série, que disse que eu era uma ótima escritora e fazia grandes redações, o fato de ter feito da escrita a minha profissão!

 

Faça parte do Grupo Crônicas da Surdez no Facebook

37 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

7 Comentários

  • Que site mais interessante… Conheci agora mas já amo e me identifico ? não pare nunca Paula!
    Me estressa muito a falta de senso dos professores, aff

  • Muito interessante. Eu sou deficiência auditiva de nascença e com prematura de 7 meses. Eu fiquei muito prejudicada nos estudos. Eu não aprendi direito durante a minha vida colegial. Paula como você entendia o texto , fazia redação e agora você é escritora. E formou na faculdade. Na faculdade você fazia o quê para aprender, entender e resolver os exercícios ? Eu nunca tive monitoria no ensino fundamental e nem ensino médio. Agora no seculo 21 mudou muito agora está tendo monitoria para os alunos que tem deficiência auditiva isso ajuda muito. Eu sempre convevi com pessoas normais e nunca tive oportunidade de ter colegas e alunos com algum tipo de deficiência. Como eu não tinha aprendido a divisão de matemática a pessoa ficava me ensinando e tinha uma hora que eu não consegui aprender. Me chamou de Retardada. É muito complicado.bo que fazer para eu aprender. Para aqueles que tem problema auditivo é muito prejudicado na cabeca porque não entende nada.

  • Oi Paula eu gostaria de saber se uma pessoa com mais de 50 anos teria solução para fazer o implante coclear.
    será que daria resultado de ouvir e entender as palavras? Tire minhas dúvidas?

    Antonia

  • Oi Paula, gostaria de suas referências para que eu possa fazer uso dessas dicas em meu TCC. Participo do grupo no Facebook e tenho aprendido muita coisa legal com vocês, lembrando que também sou DA.
    Grata!

Deixe seu comentário