Acessibilidade Crônicas da Surdez Viagem Viajante Biônica

O dia em que descobri que a neve faz barulho

Acho que de uma lista de 10 coisas que mais amo fazer nessa vida, sem sombra de dúvida a primeira de todas é viajar. E agora que posso viajar ouvindo as experiências são muito diferentes de quando as viagens eram silenciosas ou do tipo ‘escuto, mas não entendo‘.

Primeiro porque o sentimento de ‘eu consigo‘ me dá uma segurança que antes não existia – quem viaja bastante sabe do festival de perrengues que podem acontecer, de todos os tipos e a qualquer momento, e todos acabam envolvendo, de alguma forma, comunicação com outras pessoas. Segundo porque agora cada viagem envolve descobertas e redescobertas sonoras que me emocionam e me dão um senso de presença no momento presente que nunca tive antes.

IMG_8942 IMG_8978 IMG_9140 IMG_9023 IMG_9106

 

Há algumas semanas atrás fomos para a Europa esquiar, com direito a uma parada de alguns dias em Paris. Ah, Paris. Já passei uma semana com a roupa do corpo lá por conta de uma mala extraviada – e o look único nem foi nada se comparado ao parto de assistir minha melhor amiga pendurada no telefone tentando convencer as atendentes do cartão de crédito que eu tinha deficiência auditiva e não falava ao telefone.

Paris

Dessa vez eu ouvi Paris. O barulho do trânsito, a madeira rangendo na Pont des Arts, muitas palavras em francês, os passarinhos parisienses, a musiquinha do carrossel da Tour Eiffel, o burburinho das pessoas na rua, o som do vento gelado batendo nos meus cabelos.

 

IMG_9348 IMG_9345IMG_9405

 

De lá rumamos para Valmorel. A última vez em que estive na neve foi no meu aniversário de 30 anos, em Valle Nevado no Chile. Usava aparelhos auditivos e minha lembrança auditiva dessa viagem é do desatino que eu sentia porque o taxista que me levou até lá queria ficar conversando comigo, que estava no banco de trás sem enxergar os lábios dele. Só lembro de pensar durante todo o trajeto “por que esse homem não cala a boca, meldels!

No primeiro dia em Valmorel tivemos a sorte de conseguir um dia ensolarado lindíssimo. Minha primeira impressão foi ‘poxa, a neve não faz barulho‘. Não sei que tipo de barulho imaginei, mas neste dia o som da neve foi apenas o das botas tocando e afundando o chão e das pessoas passando em alta velocidade com seus esquis – aliás, esse som é muito bonito. Nada de novo ou de muito emocionante.

IMG_9515

 

No segundo dia, abri a porta do quarto e me deparei com a paisagem acima. Tempestade power de neve. Céu branco e visibilidade difícil. Quando finalmente fui lá fora, estava com um gorro cuja parte de cima era de material sintético. Barulho de neve nas botas, ok. Barulho de neve dos esquis alheios, ok. Neve caindo nos olhos, ok. Foi então que comecei a escutar um barulho que parecia o de lareira, quando o fogo está consumindo a lenha, sabe? Uns estalinhos diferentes. Parei por uns segundos pensando ‘peraí, vamos raciocinar, que barulho é esse?

Tcharararaaaammmm…eram os flocos de neve caindo no meu gorro. Foi nesse momento que descobri que a neve faz barulho!!! Eu só queria ficar ouvindo aquilo, pois nunca tinha ouvido esse som em 33 anos. Era um som novo, desconhecido, lindo e poético. Isso deve soar tão babaca para os ouvintes que lêem este blog mas, para mim naquele dia, foi como descobrir a América. Já conhecia o som do vento, da chuva, do fogo. E aos 33 anos, pude finalmente conhecer o som da neve. Meu coração saltava pela boca de tanta alegria e contentamento.

 

FullSizeRender (1)IMG_6314

Antes de continuar, dois causos. O da foto superior é o cabo de áudio do meu IC, que me permitiu, pela primeira vez na vida, assistir a filmes no avião com áudio em português sem legendas e entender tudo. Cada palavra. Cada mísera palavra!! Justo eu, que sempre viajava louca de raiva nos vôos internacionais pela total falta de acessibilidade para os passageiros que não escutam, pude desfrutar de um vôo com prazer.

Aliás, isso é um grande problema. Ou os filmes não têm legendas, ou têm legendas em italiano/francês/chinês ou o áudio é em português. E quem não ouve, como fica? As companhias aéreas não dão a mínima para essa questão. Dificilmente os anúncios em vídeo são legendados e não existe chance de legendagem dos anúncios da cabine…

A segunda foto tirei na entrada de um teleférico  e ela mostra que a passagem de portadores de marcapasso é proibida. Avisamos a funcionária sobre o IC, que abriu a passagem lateral pra mim numa boa.

IMG_9423

IMG_9414

De olho nos ouvidos alheios

Encontrei vários usuários de aparelhos auditivos no hotel em que nos hospedamos. Na hora que o pessoal ia se paramentar para esquiar, eu ficava de olho nas orelhas e vi diversas pessoas encaixando seus capacetes enquanto usavam AASI nos dois ouvidos. Um dia notei uma moça de IC e não conseguia parar de observar. À noite, pedi ao Luciano que cutucasse ela para bater papo (sou envergonhada nessas horas). Acabei descobrindo que ela era de Israel, que usava IC num ouvido e AASI no outro, que esquiava só com o IC porque o AASI machucava, que precisou fazer a cirurgia duas vezes já que a primeira não deu certo e que, em função disso, não pensava ainda em implantar o outro lado.

Em alguns dias percebi distorção do som do meu IC, e acho que devia ter a ver com o frio de 15 graus negativos. Quando começava a distorcer eu já ia logo tirando e colocando no desumidificador. Depois, parou. Um dia testei o volume do telefone do quarto e achei sensacional: alto, claro e limpo como jamais ouvi em telefone de hotel. E seguindo a dica dos leitores lá na FanPage, não levei as baterias recarregáveis, apenas as comuns já que estas não param de funcionar no frio.

Os melhores momentos são quando estamos sozinhos e de repente, numa situação totalmente inesperada, descobrimos um som novo, ouvimos novamente algo que não ouvíamos há anos ou então ouvimos e entendemos algo sem querer. Nessa viagem, a lembrança mais legal foi a de estar sozinha num ônibus e ouvir: “Prochaine arrêt, Piou Piou” – se não pirei de vez e estou com Alzheimer, acho que coloquei no primeiro livro que isso me aconteceu uma vez num trem na França, de AASI, quando ouvi ‘Prochaine arrêt, Villeneuve Loubet‘, entendi e fiquei dando pulinhos internos de felicidade.

A volta pra casa

Na volta para casa, o vôo era Genebra- Paris. Me surpreendi ao notar que o aeroporto de Genebra, tão moderno e sofisticado, não possui nenhum aviso sobre IC e marcapasso no detector de metais. Dentro do avião, haviam dois bebês HIS-TÉ-RI-COS chorando e berrando como se não houvesse amanhã. Olhei para o semblante de todos (um misto de tristeza com desespero pelo barulho), depois olhei para as nuvens da janelinha do avião e pensei: “Mas que sorte a minha! É só desligar meu implante coclear!” Passei o resto do vôo pensando que, quando for mãe, vou ter a opção de selecionar o volume tolerável de choro e, ainda melhor, de não ouvir choro nenhum! 🙂

Fico impressionada com o quanto as crianças acham o IC legal. Quando preciso explicar que não posso fazer tal coisa por causa do IC ou preciso fazer alguma coisa diferente por causa dele, as expressões são sempre de “UAU”, “Que legal” e afins. Ou quando estou com crianças em situações de barulho desagradável só vejo aqueles rostinhos me olhando e dizendo “Ei! Você pode desligar seu IC! Que inveja!

Por último, o veredicto: eu não esquiei! Hahahaha! Aluguei o equipamento, peguei capacete especial mais folgado, fiz tudo direitinho como manda o figurino. Mas quando calcei um esqui na neve e fui tentar pela primeira vez, me deu um treco e travei inteira. Saí correndo e não toquei mais no assunto…

Vídeo no YouTube

34 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

7 Comentários

  • Paula! Sobre choro de criança… sempre imaginei ser um som irritante para o IC, alias sempre foi rsrsrs, em ambientes públicos e tal. Agora, tenho uma sobrinha e passei 15 dias na casa dela, com ela tendo apenas um mês de idade. Mas eu adoro ouvir o choro dela! rsrsrs… achei engraçado isso… dava vontade de pedir à minha irmã para deixar a baby chorar mais um pouco pra eu ouvir, kkkkkkkkkkkkk… Duvido que consiga desligar o IC quando seu bebê, no futuro, estiver chorando, porque você vai querer identificar os diferentes tipos de choro também! Fome, sono, dor… rsrsrs.

  • Paulinha, ler suas aventuras sempre me emocionam e esta foi muito linda! Continue assim sempre. É muito motivador. Um beijo.

  • Paula,

    Parabénss pela matéria! Pois vejo, isso é uma conquista para você e motivador para todos nós! Adorei a parte que vc fala assim: ‘peraí, vamos raciocinar, que barulho é esse?’…hehe! Abraços!

  • Olá, Paula, há quase 6 meses tive perda súbita, apesar de ter tido desde o s 7 aninhos perda auditiva severa em um dos ouvidos. Vivi até os 32 com apenas um lado e aparelho auditivo TIC. Estou escolhendo meu IC para operar em Março e vou fazer a implantação nos dois ouvidos, sim!! Quero viajar em Maio, recém “ativada” para Londres. Minha fono me incentiva, meu médico também. E você, que passou pela experiência, acha que dá para estar nos trinques para fazer uma viagem em estilo light, sem neve,talvez com um pouco de chuva, por Londres? Vou com uma amiga, mas eu estava até tendo coragem de ir sozinha. Não sei porque, eu sempre acho que vai dar tudo certo : )

    Obrigada,
    Abraço
    Joice

  • Amei Paulinha! Ver a sua felicidade estampada iluminou o meu início do dia 🙂 Você merece todas as melhores emoções do mundo. Obrigada por compartilhar tuas conquistas 🙂 Um dia eu terei este prazer de ouvir a neve 😀 Beijos

  • Adorei tua história o que para mim parece um sonho…..ainda me pergunto será que vou conseguir fazer isso? será que vou conseguir fazer aquilo? Estou numa fase um tanto chatinha que é a fonoterapia. Será que vou conseguir entender o que muitas pessoas falam? Algumas entendo, algumas palavras entendo mas preciso olhar para elas, preciso fazer leitura labial. Será que vou falar num telefone novamente? Sim porque com meus AASIs falava normalmente. Será que algum dia vou entender o que falam na tv, no radio? Eu ainda me encontro na fase do “será”?

Deixe seu comentário