Crônicas da Surdez Deficiência Auditiva Destaques

Tenha paciência com o idoso que tem deficiência auditiva

Como surda que escuta, mas, principalmente, como surda que até três anos atrás não escutava quase nada, devo dizer que o modo como tratamos nossos idosos que não escutam não é legal. Eu mesma já me vi em situações de falta de paciência com a minha amada vó Tereca (te amo, periquita!), portanto, se eu, uma criatura que exigiu paciência e respeito das pessoas à minha volta durante toda a vida já fiz dessas, o que sobra para o resto da população?

Acima de tudo, o idoso que não ouve ou ouve mal é um ser humano. Com medos, sentimentos, angústias. A grande maioria dos idosos que eu conheço não querem de jeito nenhum causar qualquer incômodo para os seus familiares, portanto, é muito comum que eles tratem a deficiência auditiva como um problema que pode ser deixado para lá. Só que não pode. Saúde auditiva é assunto muito sério, principalmente porque já está mais do que provado que surdez não tratada pode causar depressão, apressar Alzheimer, fazer com que a pessoa se isole do mundo, etc.

Raras são as famílias que percebem a surdez de um idoso e tomam uma atitude, em vez de achar que é ‘coisa da idade’. Surdez não é coisa da idade em idade nenhuma: todo ser humano merece ouvir, audição é saúde! E digo mais, audição é saúde mental para os nossos pais, avós e bisavós. Como alguém pode achar normal deixar a surdez de um idoso pra lá só porque é mais um problema para resolver na correria do dia-a-dia? Já conheci muitas pessoas com essa atitude, e o que me deixava mais triste era constatar que eram pessoas que foram ajudadas por esses idosos durante uma vida inteira. Ingratidão define.

  • Você não tem paciência para repetir algo que disse quando seus pais/avós/bisavós pedem?
  • Você acha que surdez é ‘coisa de velho’?
  • Você se irrita quando seus pais/avós/bisavós falam “HÃN?” várias vezes?
  • Você zomba ou faz piada dos seus pais/avós/bisavós que não ouvem ou ouvem mal (mesmo que não faça isso na frente deles)?

Pois saiba que um dia pode ser você. Saiba que a expectativa de vida hoje é altíssima, e raras serão as pessoas que não terão nenhuma perda auditiva ao longo dos anos. Do câncer e da surdez nesse mundo louco e poluído – inclusive sonoramente – em que vivemos, poucos escaparão. Deixo algumas dicas para lidar com idosos que possuem perda auditiva:

  • Fale de frente para a pessoa articulando bem os lábios
  • Fale de um jeito natural, é mais importante falar devagar do que berrar
  • Seja direto, evite frases muito longas
  • Se a pessoa pedir para repetir, repita!
  • Evite conversar em ambientes com muito ruído
  • Evite ambientes escuros
  • Quando estiverem entre várias pessoas, peça que cada um fala de uma vez e não todos ao mesmo tempo
  • Converse sobre uma ida ao otorrinolaringologista
  • Leve-o para fazer uma audiometria
  • Encoraje-o a usar aparelhos auditivos
  • Seja colaborativo e compreensivo no período de adaptação aos aparelhos
  • Ajude-o a tornar o uso do AASI como algo rotineiro e indispensável
  • Engaje a família toda na missão de dar qualidade de vida ao idoso com perda auditiva! 🙂
35 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

2 Comentários

Deixe seu comentário