Paula Pfeifer

Paula Pfeifer

Paula Pfeifer, escritora.

Conhecendo Paula Pfeifer

Paula Pfeifer escreve o Crônicas da Surdez desde 2010, e também o blog Sweetest Person desde 2007. É bacharel em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Santa Maria, escritora e blogueira. Atualmente vive no Rio de Janeiro. Recebeu o diagnóstico de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva aos 16 anos. É usuária de implante coclear bilateral, tendo sido usuária de aparelhos auditivos por muitos anos. Em 2013 lançou o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que também foi traduzido para o inglês com o título New Chronicles of Deafness: my cochlear implant epiphanies.

No Rio de Janeiro, trabalha como gerente da Clínica SONORA, de diagnóstico, reabilitação auditiva e implante coclear, onde trabalha com o marido, Dr. Luciano Moreira (Portal Otorrino). A SONORA fica na Siqueira Campos 93 sala 1101, Copacabana. Você pode marcar sua consulta por SMS e WhatsApp se preferir: (21) 99556-2727 ou pelos telefones (21) 3734-4664 e (21) 4104-6069.

Paula Pfeifer, crônicas da surdez

 

Convites para palestras e eventos, use o formulário de contato.

Para saber mais:

81 amaram.

133 Comentários

  • boa tarde ,tenho uma filha que perdeu a audição aos 6 anos ,hoje ela está com 10 anos faz o uso dos aparelhos e do fm,mais infelizmente ainda não descobriram a causa da perda,gostaria de saber se tem alguém com a mesma história da minha pra eu saber mais um pouco se puder me ajudar.

      • Mandei minha solicitação no grupo do face. Há quatro anos faço uso de aparelho auditivo e tenho perda auditiva mista bilateral moderada a severa, fui diagnosticada com otosclerose. Hoje tenho 32 anos e penso em fazer a cirurgia em um dos ouvidos. Adoraria saber mais sobre outras pessoas que são como eu.

    • Bom dia, sou enfermeira e li alguns depoimentos no seu blog, estou muito emocionada meu filho tem perda auditiva neurossensorial profunda bilateral, estar em uso do AASI, e em terapia com fono, acho que ele é um candidato ao IC. Tenho muitas duvidas, medos e receios pelo caminhar de vida do meu filho. As vezes bate um desespero!!

        • Dona paula meu Nome e Poliana sou deficiente auditiva moro em sp eu estou com problema do ouvido Zumbido pois eu nao tive e ne Tenho condiçoes de Consulta os medicos bons para Descobri o porque estar Zumbido do meu Ouvidos poderia me ajuda preciso consulta com o teu marido sim ele atende pelo Sus?estou desesperada por favor..me ajuda

  • BOA TARDE DRA ROBERTA PFEIFER MOREIRA,EU GOSTARIA DE SABER PORQUE NÃO ESTOU RECEBENDO MAIS COMENTÁRIOS NO MEU -MAIL

  • Olá! Parabéns pela construção desse espaço tão informativo e estimulante, tendo em vista que problemas como a perda ou a deficiência auditiva são muito pouco discutido enquanto política publica e conquista de direito. Não vejo muito o que fazer se não tentar dialogar e unir força por direitos, pois lesões como as que sofri comprometem bastante a minha qualidade de vida e socialização com as pessoas. Fora isso, não temos muito a que fazer se não aguardar o avanço da ciência e lutar por meus direitos.
    Sou alagoana e moro em Maceió, formada em administração em 2008 e recentemente Assistente em serviço social pela UFAL 2012. Tenho 33 anos e perdi a audição do ouvido direito aos 17, ainda no final das atividades do ensino médio…bem na juventude e na fase de formação profissional.
    Antes da perda passei por um processo infeccioso e baixa da imunidade, alguns especialistas acreditam que tenha sido uma simples rubeola devido aos sintomas percebidos. A presença de um zumbido era constante e um entupimento me incomodava, então resolvi ir a um especialista que logo me solicitou exames e deu a notícias de que não recuperaria mais a audição do ouvido direito.
    A perda era severa à direita, triste notícia e fiquei inconsolável, não acreditava que podia perder algo tão importante. Tive muito apoio dos familiares no processo de investigação, realizamos visitas a vários médicos e alguns exames importantes, como por exemplo a tomografia com contraste. Chato era que todos os médicos sempre deram a mesma direção ao problema da perda, e nunca se interessavam por investigar as causas! A adaptação era a única solução, todos falavam a mesma coisa! Confesso que nunca me conformei, mas tive que enfrentar os desafios que vinham pela frente… sofri muita discriminação e todos notaram que rapidamente fiquei mais insegura em tudo o que fazia. Sempre fui muito comunicativa e interagia em tudo, mas depois da perda fui me frustrando, acho que hoje posso falar que não foi um processo de adaptação, mas um processo de esquecimento do problema. Só consegui admitir mesmo a minha perda após uma consulta com uma otorrino aqui de Maceió que se interessou por investigar a causa da minha perda, solicitando uma tomografia para descartamos pelo menos possibilidades de presença de algum fator cancerígeno na região da lesão do meu nervo auditivo. Foi um passo importante, pois através da tomografia pude visualizar o local onde o nervo auditivo dilatou e me conformar um pouco mais…mesmo assim, resolvi buscar um neurologista pra dar voz a especialidade dele, queria ir até o fim… até para o Centrinho escrevi carta, mas não havia na época atenção ao problema da perda unilateral.
    Foi então que me deparei com uma lição de vida, o médico havia perdido seus filhos em um crime e comparou minha situação com a dele, expressando que a sensação de perda jamais iria passar, mas se eu quisesse poderia me adaptar e superar pra ter qualidade de vida.
    Bom, moral da historia: Já passei quase a metade da minha vida frustrada e insegura com a mesma notícia de todos os especialistas que visitei, que indicaram terapias alternativas com Jinko Biloba, excluíram a possibilidade de aparelhos para o meu caso e na única tentativa que tive não me senti confortável, acabei aceitando a perspectiva das pesquisas em células tronco e pouco tenho acompanhado essa questão de saúde.
    Esses dias entrei em contato com minha otorrino e reavaliaremos o diagnóstico. Estou pensando em prestar concurso e preciso conversar com minha médica a respeito dos direitos que tenho enquanto deficiente, saber se já existem cirurgias menos agressivas e tentar novamente usar um aparelho.
    Se tiverem alguma dica, agradeço bastante.
    Aguardo novidades do blog. Abraços, Sônia.

  • Olá quero contar a minha história,perdi a audição do ouvido esquerdo desde os 8 anos de idade,mas até então o direito funcionava direitinho,um dia acordei com um barulhão no ouvido e ouvindo tudo muito baixo e distorcido,tv,conversas,fui na otorrino que fez uma audiometria e me receitou um monte de remédios,oque de nada adiantou,estou correndo atras pra ver oque eu tenho,fiz 2 audiometrias nas quais deram perda severa no esquerdo como eu disse e leve no direito,fiz uma tomografia hoje e estou ansiosa esperando que não seja nada,tenho medo de ser perda neurossensorial,pois não ouço direito oque a tv diz,não ouço nada em locais barulhentos,estou muito preocupada em perder a audição do direito embora tenha testado um aparelho do lado esquerdo e teoricamente deu certo,estou no aguardo do meu laudo.Lindo exemplo vc Paula,entro aqui e fico mais esperançosa,embora ainda com medo,rs…Um beijo pra vc

  • Olá Paula, sempre ótimo ler os artigos publicados aqui.

    Também tenho perda auditiva bilateral neurossensorial, uso AASI nos dois ouvidos, tenho perda grande porém consigo falar e escutar bem com u auxílio dos AASI, uso desde os 07 anos e não tenho certeza de como ocorreu minha perda, acho que foi progressiva, atualmente estou com 34, desde já desejo sucesso e continuidade para seu blog, beijos.

  • Olá Paula!
    Estou acompanhando crônicas da surdez e acho maravilhoso poder compartilhar experiências, minha filha Ana Clara de 5 anos e 11 meses usa AASI desde os 2 anos e 8 meses, com a graça de Deus ela teve uma boa aceitação e cuida do “Papapa” (maneira carinhosa como ela chama o aparelho) dela com muito carinho e dedicação, hoje o que eu estou buscando é relatos sobre o implante Coclear, pois é o que eu ainda temo, gostaria de fazer na minha Clarinha mais ainda tenho dúvidas. Minha dificuldade também é com relação ao acompanhamento escolar, pois hoje ela está no 1 ano do fundamental e a escola em que estuda ainda está se adaptando para esses acompanhamentos, pedi muito para que minha filha tenha um auxiliar na sala de aula para ajudar ainda mais sua oralidade, ela fala e escuta com ASSI, tem perda bilateral profunda, faz acompanhamento com fono semanalmente que ajuda a cada dia sei desenvolvimento, ela é meu exemplo de dedicação e força de vontade. E faço de tudo para que minha filha se deselvolva cada dia mais e mais, ela gosta muito de música e de cantar, faz aula de música também e a cada dia me mostra suas vitórias em suas determinações.

  • Oi, Paula, como vai, minha amiga assistiu o programa Encontro da Fátima Bernardes e viu sua reportagem ficou emocionada, então ela me ligou para contar a história. Agora vou contar um pouquinho da minha, por isso, estou entrando no seu blog para buscar informações e também compartilhar.
    Meu nome é Shirley tenho 40 anos e comecei a ter problema de audição aos 37 anos, foi muito difícil, porque quando aparece um problema desse com essa idade é difícil a aceitação, mas nunca desisti, fiquei depressiva, não queria aceitar, ficava com medo, vergonha, e como eu trabalhava como líder foi complicado uma vez trabalhava diretamente com pessoas e com atendimentos telefônicos, foi barra. Como você mesma disse em algumas reportagens a perda é bem difícil, chegou um ponto, que eu não estava escutando nada, tive que comprar os aparelhos de imediato para poder ter condições de continuar trabalhando.
    De acordo com laudo médico causa provável da doença é OTOSCLEROSE e estou com perda severa progressiva, sou usuária de aparelho de amplificação sonora bilateral. Fiz a cirurgia do ouvido direito, depois de 4 mês teve uma melhoria, mas voltei a ter perda desse ouvido de novo. Na época que coloquei os aparelhos, foi uma benção porque voltei a escutar, não tem coisa melhor você ouvir o barulho, estava eu no consultório quando coloquei o aparelho para testar e foi uma emoção. Gostaria muito de manter contato com você, pois, com sua experiência de vida sei que vou aprender muito.
    No momento estou desempregada e não está sendo fácil conseguir emprego, tenho uma boa formação e experiência, mas o mercado não está pagando bem, estou tendo dificuldades de uma recolocação profissional.
    Grande abraço.

    • Oi, Paula / Shirley.
      Shirley: Meu nome é Viviane e também tenho otosclerose (bilateral). Fiquei um tempo perturbada, mas devido a necessidade de conviver no trabalho, em casa e na própria sociedade, tive que aceitar logo minha condição, que piorava a cada dia, mes, ano…Não podemos viver sem comunicação e consequentemente sem trabalho. Espero que tenha conseguido um bom emprego…
      Minha prima tambem tem o mesmo problema e fez a cirurgia que foi um sucesso.E vai operar o outro lado no começo de 2016. Pena que é particular, mas se voce se interessar, é um médico renomado: Dr Pedro Paulo Bidart Sampaio Rocha ( 67 3327-3030 Rua Goiás, 771 , Jardim dos Estados – Campo Grande – MS). http://www.camara.ms.gov.br/?secao=noticia&id=170109

      Só ainda não fiz porque pretendo terminar os estudos e por enquanto uso aparelhos. Seja o que Deus quiser e que tenhamos um futuro melhor.
      Tudo de bom…

  • Oi Paula! Conheci seu blog há alguns anos e agora voltei a ver por conta da reportagem do IC… quero parabenizar pela iniciativa… continue sempre compartilhando crônicas da surdez rs.
    Estou fazendo exames para ver se é indicado para fazer IC.
    Me identifico com muitas coisas que escreve. Tenho deficiência auditiva neurosenssorial bilateral severa a profunda, congenita, faço leitura labial e uso AASI. Estudei em escola normal, fiz arquitetura, pós e mestrado em patrimônio histórico mas trabalho muito com acessibilidade arquitetônica. Aprendi Libras com 15 anos. E me identifico com o que escreve…
    Agora verei se faço o IC no ouvido esquerdo (perda profunda).
    Abraços!

  • Olá Paula,

    Adorei seu blog e sua iniciativa. Sou gaúcha de Rio Grande/RS, também deficiente auditiva bilateral neurosensorial de moderada a severa e faço uso de próteses auditivas desde os 5 anos de idade, e sou oralizada. Sou graduada em Administração e funcionária pública também. Neste momento estou necessitando trocar meus aparelhos e foi procurando opiniões sobre próteses auditivas que encontrei seu blog.Achei um máximo porque como você comentou as vezes nos isolamos em bolhas e parece que somos sozinhos. Faz falta ter alguém que tenha as mesmas dificuldades que você para compartilhar opiniões, porque tem certas sensações que só nós surdos sabemos como é.
    Parabéns pelo blog!

  • Sou santamariense também sou academica da educação especial na UFSM. Teu blog é muito bom, e me inspirou muito com os meus projetos.
    Que mundo pequeno!! Parabéns pelo blog.

  • ola Paula, recentemente passei em um concurso pra agente penitenciario aqui em MG mas como possuo deficiencia auditiva unilateral fui reprovado no exame médico ,e nesse concurso não oferecem vagas pra deficiente mas o estado abriu vagas para agente penitenciario socioeducativo com vagas pra deficiente só q eu não me enquadro nas vagas para deficiente e muito menos nas vagas de pessoas normais ,me sinto injustiçado e chateado .entrei com mandato de segurança pra tentar provar q tenho condiçoes de trabalhar .

  • Olá Paula, parabéns pelo trabalho e por cada vitória alcançada, ultrapassando os obstáculos da perda auditiva. Sou advogada em Brasília e essa semana iniciei uma pesquisa para elaborar um pedido administrativo em favor de um cliente, servidor público, que tem perda auditiva neurossensorial profunda bilateral. Ele precisa de horário especial para reduzir a carga laboral. Analisando os laudos que tinha em mãos, não entendia a linguagem indicativa de média limiar tonal acima de 90dbNA. Estava estudando, totalmente perdida, quando encontrei o seu blog e fiquei impressionada com todos os depoimentos que li. Ademais, tenho uma amiga acometida de surdez súbita unilateral. Passei a entender as dificuldades que ela enfrenta. Nossa, como precisamos respeitar as pessoas. Obrigada por me ajudar a enxergá-los com mais amor, mais respeito… Espero poder divulgar o seu blog e servir de instrumento para alertar outras pessoas sobre a deficiëncia auditiva. Sucesso!!! Fique com Deus! Miriam Brunet

  • Olá Paula,

    O que você sabe sobre a nova lei de aposentadoria para os deficientes?

    Como será considerado o DA?

  • Tenho 43 anos e também tenho perda auditiva bilateral progressiva com uso de aparelho auditivo em ambas as orelhas. Achei muito interessante o site e vou adquirir o livro pois acredito que será de grande valia pra minha vida. Quero na oportunidade pedir a sua ajuda contra a exclusão dos deficientes auditivos na lei que beneficia pessoas com deficiência com isenção de IPI/IPVA na compra de automóveis. Estou nessa luta desde 2011, tenho feito contato com políticos,fiz uma petição no site do Avaaz e tb fiz um facebook com o nome “isencaoipideficienteauditivo” e “isencaosurdos”. Antes de mais nada quero deixar claro que a minha luta vai muito além da questão financeira. Fico indignada pois vejo os deficientes auditivos sendo discriminado entre os discriminados não só nessa questão mas em várias outras. Alias te sugiro a escrever sobre isso, no quanto a nossa necessidade é subjugada pela sociedade e inclusive por nossos próprios parentes. Acho que a cegueira é a pior deficiência, mas isso não pode ser motivo de desfazerem das nossas necessidades. A comunicação é algo intrínseco ao ser humano e seus problemas trazem grandes transtornos para todas as partes envolvidas, especialmente para o que não ouve. Na questão da isenção de IPI, costumo dizer que se fosse só para quem tem problemas com a mobilidade, e neste caso nem todo deficiente físico tem, tudo bem. Mas não entra na minha cabeça o fato do deficiente VISUAL, MENTAL e AUTISTA terem direito e nós não. Não me conforme e tenho lutado e buscado apoio com pessoas que podem fazer a diferença nessa luta. E acredito que vc possa ser uma delas. Acesse a petição o face e avalie, se não quiser ajudar tudo bem já recebi a negativa de pessoas como Lak Lobato que diz não concordar com a causa e que não é para contar com ela. Não entendo mas aceito, e mesmo correndo o risco de sofrer mais uma decepção dou minha cara a tapa pois o não eu já tenho estou atrás do SIM. Abraços.

    • Vamos juntar a força galera e ir atrás dos nossos direitos!Gostei do blog Paula ..Vamos criar uma comunidade no facebook e juntar essa galera e procurar apoio politico!Alguém tem? Emocionei com depoimentos aqui e dizer NÃO ESTAMOS SOZINHOS!Vamos mostrar a nossa força

  • eu uso a 5 anos dois aparelhos e tenho vergonha de prender meus cabelos,aqui no seu blog…me sinto bem lendo os comentários….simplismente adorei lhe encontrar e falar do assunto…um grande beijo!!!!

  • Eu gostei do seu depoimento, só dar força para encarar o problema de frente.
    Eu gostaria de saber qual a diferença do aparelho digital e dos outros tipos de aparelho simples? Foi uma colega que me comentou que parece que não há diferença? Será? espero a sua resposta.

  • Ei, Paula, tudo bem?
    Uma noite dessas perdi o sono e resolvi navegar pela internet e ler um pouco sobre IC (um milagre da tecnologia) até que o sono voltasse rsrsrs. O que me chamou a atenção foi o título “Crônicas da surdez”, então comecei a ler sobre sua entrevista no “Zero Hora”. Fiquei com muita vontade de contar um pedacinho da minha história:
    Meu nome é Adriana, tenho 38 anos, moro em Minas Gerais, sou advogada e servidora pública, casada há sete anos e tenho dois filhos (um menino de três e uma menina de um ano). Em abril de 2012, na reta final da minha segunda gravidez (38 semanas) tive meningite bacteriana decorrente de uma sinusite. Meu parto foi feito às pressas, pois meu estado era grave. Graças a Deus e por um milagre, minha filha nasceu perfeita e eu sobrevivi.
    A sequela que ficou foi uma surdez bilateral profunda.
    Fiquei internada no hospital quase um mês. Quando voltei para casa, tive grandes alegrias: reencontrar meu filho (que estava com 1 ano e 11 meses) e conhecer minha filhinha, já completando quase um mês (meu parto foi realizado com anestesia geral, por isso, não a vi nascer).
    Voltar para casa foi muito emocionante, mas, ao mesmo tempo, confuso e triste, porque já não podia mais ouvir a voz do meu filho, que começava a falar, e sequer conhecia o chorinho da minha filha. Foi muito difícil. No tempo em que estive internada, acho que por necessidade de voltar a me comunicar, aprendi a fazer leitura labial, o que me ajudou muito no início e continua a ser minha “fiel escudeira” no dia a dia. Meu esforço era muito grande, principalmente para tentar entender meu filho e não deixar que ele percebesse que a mãe dele já não podia mais ouvi-lo. Ele já tinha sofrido demais com minha ausência. Também tive que aprender a “entender” minha filha, a perceber suas necessidades, pois não ouvia sequer um choro dela.
    Fiquei com reserva auditiva mínima no ouvido esquerdo, mas que não me permitia ouvir praticamente nada!
    Após várias consultas, acabei sendo apresentada para o Dr. Arthur, otorrinolaringologista em São Paulo. Um profissional de extrema qualidade e competência, uma pessoa humana, que se prontificou a esclarecer todas as minhas dúvida antes que eu optasse por fazer a cirurgia. Todos da família (minha e do meu marido) tinham inúmeras dúvidas e o Dr. Arthur, de maneira brilhante, elucidou todas. Depois de vários exames e etc, marcamos a cirurgia para setembro/2012 (implante bilateral).
    A cirurgia foi muito tranquila e o pós-operatório também. Às vezes um pouquinho de desconforto com a faixa na cabeça, os dias sem lavar o cabelo rsrsrs, os trinta dias seguintes em silêncio absoluto, mas tudo isso PASSA, é bobagem. O maravilhoso é o que fica: A CHANCE DE VOLTAR A OUVIR ! E ISSO É PRA SEMPRE!
    Em outubro de 2012 ativei os aparelhos! A sensação foi um misto de alegria e tristeza (momentânea), pois os primeiros sons foram “estranhos” para mim, meio metalizados. Mas a cada mapeamento minha audição está melhorando. Hoje, quase uma ano depois, considero que minha audição está muito boa. Já estou totalmente adaptada aos aparelhos, as vozes das pessoas já estão praticamente “normais” para mim (já não são mais metalizadas), faço sessões de fono, o que tem me ajudado muito. Voltei ao trabalho, o que me deixou muito feliz! O melhor de tudo é poder ouvir a voz dos meus filhos!!!! Minha filha está começando a falar. E EU POSSO OUVI-LA! Meu filho me chama e EU POSSO OUVI-LO. POSSO OUVIR meu marido! Posso conversar com minha mãe por telefone (com viva voz).
    VOLTEI AO MUNDO DOS SONS!!! Adoro ouvir tudo!
    Os aparelhos se tornaram meus amigos inseparáveis. Antes de ter a deficiência auditiva nunca havia parado para pensar o quanto ouvir é importante, o quanto é difícil ser portador de uma limitação, seja ela qual for, e a importância em superar tal limitação.
    Como você, também aprendi a AMAR O SILÊNCIO. ELE CONFORTA. ACALMA. DESCANSA. ENSINA MUITO.
    O MOTIVO DE ESTAR ESCREVENDO TUDO ISSO, PAULA, NA REALIDADE, É PARA DIZER PARA VOCÊ NUNCA DESISTIR E CONFIAR SEMPRE! EU DESEJO TODA A SORTE NA CIRURGIA E QUE SUA RECUPERAÇÃO SEJA TÃO BOA QUANTO A MINHA. QUE O IMPLANTE COCLEAR SEJA, PARA VOCÊ, O QUE FOI PARA MIM: VIDA NOVA!

  • Olá Paula, muito bom ter um blog sobre surdes e/ou deficiência auditiva. Normalmente não temos a quem recorrer sobre o assunto, uso aparelho da Siemens também. Estou aproveitando que você tem um alcance muito grande nos seus blogs para falar a respeito da falta de legenda nos filmes brasileiros e principalmente na tv. a cabo. COM O TEMPO ESTÃO PARANDO DE COLOCAR LEGENDAS NOS FILMES,os filmes dublados não são mais legendados, isto é muito importante, a gente paga e fica sem assistir aos programas. Se tem pessoas que preferem tradução muito bem, mas nós com deficiências auditivas ou surdos também temos direito a legenda. Estou escrevendo para você a respeito disto pois telefono para a central de atendimento de TV. a cabo e ninguém resolve nada.
    Se você abordasse este assunto, poderia nos ajudar muito.
    Agradeço Emilia

  • FIQUEI FELIZ COM ESTE BLOG, MUITO SUCESSO ,PAZ E VIDA MELHOR PARA TODOS
    ESCREVO AQUI PARA RELATAR SOBRE ZUMBIDO QUE TAMBÉM FAZ PARTE DA PERDA AUDITIVA E É UMA MOLÉSTIA TERRÍVEL, MAS PODE SER TRATADA POR ESPECIALISTAS QUE SÃO INFORMADOS.
    PERCEBI O ZUMBIDO NOS DOIS OUVIDOS NO FINAL DE 2012.
    ATÉ ENTÃO DESCONHECIA ISSO.
    ENTREI EM DEPRESSÃO MUITO TEMPO POR CAUSA DISSO.
    CONSEGUI AOS POUCOS COM MEDICAÇÃO RETORNAR MINHAS ATIVIDADES E SEI COMO É PAVOROSO TER ESTA MOLÉSTIA, QUE NA REALIDADE É OTO NEUROLÓGICA.

    SIM…FIZ DEZENAS DE EXAMES E “NÃO TEM CURA” DE MÉDICOS QUE SEQUER PESQUISAM O ASSUNTO.
    EXAMES QUE APENAS CONFIRMARAM POUCA COISA QUE AJUDASSE E FIQUEI EM PÂNICO.
    FAÇO HÁ ALGUNS MESES A TERAPIA TRT – ” Tinnitus retraining therapy” ( VEJAM EM SUA CIDADE UM MÉDICO OTORRINO E FONOAUDIÓLOGA QUE POSSAM ORIENTAR TAL TRATAMENTO.

    (A TÉCNICA: SÃO APARELHOS NOS OUVIDOS (MELHOR TRATAR COM DOIS APARELHOS NOS DOIS OUVIDOS,COM UTILIZAÇÃO DE 8 HORAS DIÁRIAS ,OU, TALVEZ UM POUCO MAIS) .

    OS APARELHOS EMITEM SOM NEUTRO E ESTE SOM LIGEIRAMENTE MENOR QUE A SENSAÇÃO DO ZUMBIDO.(PODEM LER MAIS NO SITE DO DR. DRÁUZIO VARELA – http://drauziovarella.com.br/envelhecimento/o-tormento-do-zumbido/

    O PROCESSO É QUE COM O TEMPO( ENTRE 18 MESES ATÉ 2 ANOS\ PROVOQUE HABITUAÇÃO AO SOM TERRÍVEL E O CÉREBRO PODERÁ CONSEGUIR MELHORAR MUITO A SENSAÇÃO DE ALÍVIO E SÓ SENTIR SE VC PROCURAR, TAL CONDIÇÃO SE PROCESSA POR INTERMÉDIO DA NEUROPLASTICIDADE).
    RELATOS INTERNACIONAIS APONTAM 80 POR CENTO DE EFICÁCIA E MELHORA SUBSTANCIAIS.
    AINDA É A TÉCNICA PARA O ZUMBIDO, ALÉM DO SISTEMA NEUROMONICS( PARECIDA, MAS COM INTRODUÇÃO DA MÚSICA). PESQUISADORES EUROPEUS TESTAM CIRURGIAS PARA ISSO, MAS É TUDO MUITO NOVO.
    O CUSTO DE DOIS APARELHOS ESTA POR VOLTA DE 8.000,00(SIEMENS) PARCELADOS EM ATÉ 10 X).

    PROCUREM A CALMA E ORIENTAÇÃO.

    EU GOSTARIA QUE A HONORÁVEL ADMINISTRADORA DO BLOG PUDESSE POSTAR SEMPRE QUE POSSÍVEL ORIENTAÇÕES SOBRE O ZUMBIDO, POIS É CAUSA TAMBÉM DE PERDA AUDITIVA, IMAGINO QUE SURDOS TAMBÉM TEM ZUMBIDO, PERCEPTÍVEIS OU NÃO.

    TAL MOLÉSTIA AUMENTA CADA VEZ MAIS NO MUNDO(CERCA DE 15% DA POPULAÇÃO SOBRE COM ZUMBIDO).

    FORTE ABRAÇO PARA TODOS

  • Olá Paula, tudo bem?

    Gostaria de ressaltar a necessidade de nos unirmos como deficientes auditivos unilaterais. Possuo perda neuro-sensorial total da audição do ouvido esquerdo, e já fui prejudicado ao tentar entrar para a Vale do Rio Doce. Sei que é uma mineradora, área de trabalho com ruído, e eles me vetaram para trabalhar pelo fato de escutar apenas de um ouvido. O problema é que 4 meses depois deste ocorrido, tentei na mesma empresa um outro processo seletivo, para PCD, e a explicação que tive foi que não era surdo suficiente para ser considerado deficiente…..a partir desse dia minha vida mudou, passei a me sentir uma aberração perante nossa lei. Depois disso, caí de pára-quedas na profissão de professor de Inglês, a qual exerci de 2003 a 2012, mas não desejo continuar nela, devido ao nível de exigência dos ouvidos de um professor,(ainda mais de Inglês).
    Venho tentando vagas em concursos, mas nem com o recurso da perícia médica, incluindo cópias de mandados de segurança contra bancas organizadoras favoráveis aos surdos unilaterais, fui aprovado. Portanto venho aqui mostrar minha indignação, e convocar a todos para nos unirmos por essa causa, que para a maioria não faz sentido, mas que sabemos que somos prejudicados no nosso cotidiano, e merecemos uma reparação na lei de deficientes, ou nem que seja na justiça, até então, o único caminho que pode trazer algum resultado.

  • Olá Paula!
    Tenho uma filha de 28 anos e lendo sua reportagem na Vogue desse mês parecia que estava vendo a minha filha. Descobrimos a sua deficiencia quando fazia vestibular que ela trocava muito de ouvido quando falava ao telefone. Levei a vários médicos e constataram uma perda de 50% da audição. Ficamos muito tristes mas intrigados como pode acontecer isso se ela nunca tinha notado a diminuição da escuta. Portanto os médicos me falaram que ela podia ter nascido assim.Achei estranho pois Nathalia era a melhor aluna e falou com 2 anos.Mas enfim,gostaria de saber qual é o aparelho que vc usa pois ela não se adaptou com o que comprei que na época era o mais moderno e bem carinho.Vou comprar o seu livro e parabéns pela sua iniciativa.Bjus Ana

  • MINHA FILHA PERDEU AUDIÇÃO ,COM 11 ANOS JA A DOIS ANOS ESTA USANDO APARELHO, NOS DOIS OUVIDOS,FOI PERDA GRANDE E MUITO RÁPIDA TBM , ELA APRENDEU A FAZER LEITURA LABIAL ELA NÃO DEMOSTRA A PERDA PELO FATO DE FAZER LEITURA LABIAL, ESTA SUA HISTORIA SEU LIVRO ESTA AJUDANDO ELA A SUPERAR FORAM MOMENTO MUITO DIFÍCIL PRA NOSSA FAMÍLIA E PRINCIPAL PRA ELA ,ENTORNO 2 MÊS ELA PERDEU AUDIÇÃO ,QUE FEZ ISSO FIO ANTIBIÓTICOS QUE ELA TOMOU COM 4 ANOS ,MAS SE DEUS TIROU ISSO DELA MAS ELE DEU MUITAS OUTRAS COISAS MARAVILHOSA ELA …SEU LIVRO VAI AJUDAR MUITO ELA TENHO CERTEZA….USO DO APARELHO NESTA IDADE É BEM COMPLICADO ,O MEDO DA DESCRIMINAÇÃO ,POUCAS PESSOAS SABE QUE ELA USA APARELHO ELA NÃO GOSTA DE FALAR SOBRE ISSO ,TEM MEDO DE ALGUÉM PREGUNTAR TBM ..ELA FICOU ADI MIRADA COM SUA HISTORIA QUER LER TODO SEU LIVRO TBM…

  • Olá,

    Meu nome é Ricardo Alves e gostei muito do seu blog Paula, realmente ajuda muito os deficientes auditivos como eu. Sou portador de deficiência severa no ouvido direito e moderada no esquerdo. Uso 2 aparelhos auditivos da marca Oticon (fornecida pela empresa Telex). Ambos estão com mais de 5 anos de uso, e estou pensando em trocá-los por melhores(os meus já são digitais, mas mesmo assim carece de tecnologias). E aí eu queria saber mais sobre seu aparelho da marca Siemens, se ele supre bem as necessidades do dia a dia.

    Vou lhe contar as minhas queixas em relação ao aparelho que uso: O principal problema é em relação ao vento que bate no aparelho do lado direito, que é do tipo ITE (o esquerdo é do tipo ITC, que embora também possua problemas em relação ao vento, não afeta tanto assim). Quando bate o “temido” vento, não dá para escutar praticamente nada do que outra pessoa está conversando, só ouço o barulho do vento, como se uma pessoa estivesse soprando ao microfone.

    Outro problema que enfrento é quando a passoa fala com a mão na boca (ou tampando parte dela) ou quando o rosto não está virado de frente para mim. Tenho muitas dificuldades para escutar desta forma.

    Portanto eu gostaria de saber se você enfrenta esses problemas (principalmente em relação ao vento), se a marca de seu aparelho é boa, se seu tipo de perda auditiva condiz com a minha para mim ter mais ou menos uma noção, se com seu aparelho auditivo você consegue escutar direito quando a pessoa fala com rosto não virado para você, se tu consegue escutar bem em ambientes como salões, galpões, ginásios, etc.

    Obrigado desde já pela ajuda! Ricardo Alves. (Não consegui enviar esta mensagem pela página de contato).

  • Oi Paula! Nesse momento estou conhecendo tua história, que me emocionei pois sou portadora de deficiência auditiva.Não tenho audição no lado esquerdo e no direito uso aparelho sevido a Sindrome de Menier, do esquerdo na realidade fazem muitos anos que não escuto e consequentemente foi atingindo o direito, passei por diversas crises onde ficava vários meses sem escutar praticamente nada, até que um dia um proficional iluminado se imteressou pelo meu caso e então comecei a fazer todos os exames possíveis novamente para ver se era passível ouvir menhor com aparelho foi aí que eu comecei a ouvir melhor e aos poucos com muita medicação as crises começaram a dar trégua, foi um período longo e horrível, mas graças a Deus agora posso dizer que vivo normal. Uso um aparelho de outro marca, mas lendo os comentários notei que maioria das pessoas usam o marca Siemens, gostaria de saber mais sobre esse aparelho.Adorei teu blog e gostaria de ficar por dentro de todas as novidades a esse respeito, se puderes colocar mais informações ficarei muito feliz.Beijo Terezinha

  • Oi Paula! Acabei de conhecer sua história na Zero Hora Donna e também já garanti o meu livro Crônicas da Surdez. Me identifiquei muito contigo, porque também tenho perda auditiva. Hoje tenho 26 anos, descobri que tinha a perda auditiva neurossensorial aos 17 anos através de uma Avaliação Audiológica. Até então, a minha família não tinha percebido, até mesmo por eu ser uma pessoa calma, de pouca conversa, gostava de ficar sozinha no meu quarto lendo, escutando música e tentando decorar a letra das música, que por sinal não era fácil. Eu também não ligava (porque não sabia do meu problema, achava normal) para a dificuldade de escutar as pessoas a distância, quando falavam comigo em cômodos diferentes da casa, rádio com volume muito baixo, conversa em tom baixo (procurava olhar pra boca da pessoa), enfim várias situações. Na minha infância meus familiares, meus professores falavam que eu era “distraída” quando falavam comigo e eu não respondia. As situações me constrangiam e até me impediram de uma maior socialização, pois tinha muita vergonha de pedir para repetirem ou até mesmo explicar que não tinha ouvido. Muitas vezes, em conversas respondia outra coisa bem diferente da que a pessoa tinha perguntado, era horrível! Convivi sem saber do problema até meus 17 anos, foi nesse período que minha ficha começou a cair, pedi a meus pais para consultar com um otorrino.
    O otorrino não detectou alteração nenhuma no meu conduto auditivo,foi então que me encaminhou para a Avaliação com a Fono. Os exames acusaram perda auditiva neurossensorial.
    Sempre estudei, nem sempre tirei as melhores notas, cursei o Magistério, Faculdade e Pós, na cara e na coragem, passei muita dificuldade, procurava sempre sentar próximo dos professores para ouvir e entender o que eles falavam. Quando algum colega que estava em outro ponto da sala dava opinião raramente entendia ( ouvia que ele estava falando mas não entendia as palavras), era uma cruz também, quando o professor resolvi fazer ditado dos conteúdos, sentia dificuldade de entender muitas das palavras ditadas .
    Ouvia falar nos aparelhos auditivos, mas já lembrava da aparencia horrível que fica por fora da orelha, nunca pensei no benefício e sim na estética, o valor muito alto, também nunca me fizeram imaginar adquirir um. A pouco tempo começei a aceita melhor o meu “problema”, explicava para as pessoas a minha perda e pedi para que falassem olhando pra mim e num tom de voz mais alto e calmo. No ano passado tomei uma decisão importante que mudou bastante minha vida, ao folhar um jornal local reparei a propaganda de uma Fonoaudióloga, não exitei, liguei para o consultório e marquei uma consulta, até mesmo, porque, sabendo da minha perda nunca mais tinha feito uma Avaliação. Minha intenção real era obter informações sobre aparelhos auditivos e a possibilidade de colocar um. Depois da consulta e exames, chegou o grande dia, a prova do meu aparelho auditivo intracanal, muita ansiedade é claro! Sai do consultório me achando a pessoa mais realizada do mundo, todo som era diferente, uma novidade pra mim, mesmo eu não tendo perda total. Deste dia em diante fui várias vezes ao cunsultório para a regulagem e daptação do aparelho. Hoje, sinto segurança e vejo o quanto o aparelho poderia ter me ajudado, se o tivesse colocado antes, quantos constrangimentos a menos, quanto conhecimento a mais teria adquirido, quantas amizades a mais. Tua história fez fortalecer em mim a vontade de prestar concurso e concorrer a vaga reservada para pessoas com defeciência, Foi assim que me identifiquei contigo e me emecionei ao ler tua reportagem e história de vida. Deixo neste breve histórico a contribuição da minha história de vida como portadora de perda auditiva neurossensoarial. Bjão Paula.

  • Olá Paula,
    parabéns pelo seu blog. Sou fonoaudióloga e trabalho com adaptação de aparelhos auditivos, foi pesquisando assuntos de relevância na área que te encontrei. Posso dizer que entendo e conheço as dificuldades enfrentadas por cada um. Graças a tecnologia que temos ao nosso alcance podemos proporcionar um ajuste e uma qualidade de vida melhor. Boa sorte e continue escrevendo suas histórias. Se me permitir recomendarei aos meus pacientes. Abraços, Clari

  • aderei todos os comentarios so quem tem deficiencia é que sabe como é dificil viver numa sociedade tão cheia de preconceito

  • Olá, Paula!
    Adorei o site! Não conhecia e, pesquisando outras coisas, me deparei com ele e gostei muito!
    Eu sou ouvinte, estudante de Ciências Contábeis na UFSC e fiz uma disciplina optativa de Libras semestre passado, e simplesmente me apaixonei por tudo que a surdez envolve.
    Agora, querendo aprender mais sobre a cultura surda, as pessoas e tudo que as envolve, vi aqui um ponto de conhecimento para mim e pessoas como eu, interessadas nisso.
    Parabéns. Virei leitora!

    Abraços!

  • …..É isto ai paula,sou economista(e não tenho que explicar os motivos que me levou a NÃO exerçer a profissão),VAMOS FAZER UMA BASE POLITICA SOMENTE PARA NÓS SURDOS????

  • olá paula, estou iniciando nesse mundo onde pouco se ouve…rs, tenho perda total lado esquerdo e parcial lado direito…uso um siemens aquaris…e estou querendo conhecer pessoas como eu…ficar mais por dentro de todo esse assunto…obrigadooooooo

  • Olá Paula, eu não entendi muito bem, mas tem dois blogs: o seu e da Samara a fono, estou certa?
    Tenho surdez leve a moderada nos dois ouvidos, estou descobrindo, pesquisando sobre o assunto, há pouco tempo, pois decidi usar o aparelho, devido o forte zumbido nos ouvidos e além da surdez.
    Na verdade tenho muitas dúvidas: vou adquirir um aparelho da phonak. Todos no blog citam o siemens.
    vc conhece a marca phonak?
    Desde de já, obrigada e ótimo o seu blog!
    Abç..
    Luciana

  • Minha mensagen é de decepçaõ com a revenda da Siemens aqui em Criciuma ,Santa Catarina.Minha filha tem perda auditiva sereva a profunda ja usa 2 aparelhos ,bom comecei a fazer teste com um pure carat 301 com receptor de 75 db em um ouvido só ,apos 20 dias naõ vi resultado em minha filha e nem ela,resolvi fazer o molde do outro ouvido mas o gerente da loja naõ aceitou fazer o outro molde e nem continuar o teste antes que eu comprasse um aparelho ,acho um absurdo isso .
    Gostaria de ter uma resposta da SIEMENS ,pois acho que naõ é correto oque foi feito naõ por min mas por minha filha que precisa dos aparelhos.

  • Oi, Paula, vou contar a minha história: quando eu era bebê, não tinha problema de ouvido, era perfeito para mim. Mesmo crescendo, meu ouvido foi deixando a audição. Minha mãe Fernanda procurava soluções para eu conseguir escutar novamente em Londrina(moro nessa cidade ainda) e encontrei um lugar de colocar aparelho auditivo, mas mesmo assim não deu certo. Continuamos procurando, telefonando, perguntando aos parentes, vizinhos e outros. Finalmente encontramos um lugar hiperbom que o nome da cidade é Bauru-SP. Eu achei estranho mas foi se acostumando. Passou anos e dias, meus pais decidiram colocar o implante coclear, que melhorou muito minha vida e meu ouvido. Acho melhor começar no início da história: no mês de outubro de 2009 meus pais decidiram colocar o implante coclear. Para colocar o implante coclear tem que fazer uma cirurgia demorada e eles decidiram para o meu ouvido melhorar!! Agora vivo em Londrina, com meus pais e meu irmão gêmeo, com muita saúde e audição, com 10 anos, na escola O Peixinho.

  • Olá Paula!

    Sou portadora de deficiência auditiva neurosensorial , de severa a profunda (bilateral). Uso próteses auditivas há 34 anos. Minha vida não foi diferente da vida das pessoas que aqui deixaram seus relatos. Talvez até mais difícil pelo fato de naquela época não termos as facilidades que temos hoje. Confesso que não foi fácil, mas me considero uma vencedora, pois mesmo com muitas dificuldades consegui concluir o Curso Superior (Pedagogia – Administração Escolar). Fui Professora e posteriormente Administradora Escolar, cargo em que me aposentei há 14 anos.

    Quero te parabenizar pela iniciativa e dizer que você é uma pessoa muito iluminada por abrir novos horizontes para pessoas que muitas vezes não acreditam nem em si próprias.

    Mais uma vez PARABÉNS e que Deus conceda a você muita saúde e otimismo para continuar ajudando tantas pessoas que precisam de uma palavra de conforto.

    Paz e Luz…Grande abraço!

  • OI Paulaaaa!!! prazer t conhecer. eu também tenho perda de audição surdez oralizada, tenho 29 anos. Gostei do seu blog, muita coisa eu não sabia sobre AS informações nem imaginava, direito, dificuldade etc. Pensei q só tinha eu neste mundo, os desafios e as dificuldades que passo no dia a dia, escola, trabalho,amigos, família é muito complicado. Sempre uma barreira para superar. por isso me identifiquei com seu Blog. Por favor preciso da sua ajuda! beijos!

  • Sou deficiente auditiva bilateral severa e uso aparelhos há mais de 30 anos, não consigo levar uma vida normal sem eles, Sem dúvidas esse blog Crônicas de surdez veio para me auxiliar ainda mais sobre os problemas que enfrentamos no dia a dia, sou funcionária pública, já tive muita dificuldades no trabalho em relação ao preconceito de colegas de trabalho, mas aos poucos estou superando… Hoje estou em outro setor e recebo valor e estímulo para lutar… é tão gratificante isso!!! como amo meu trabalho e as pessoas que fazem parte dele… procuro ser otimista sempre…

  • Olá Paula! Conheci seu blog quando procurava informações sobre perda auditiva, numa tentativa de entender melhor o universo de informações sobre esse tema…Tenho um filho de 1a e 7m de idade, ele tem perda auditiva (de um lado, leve e do outro, iniciando a moderada)e ainda me sinto um pouco perdida, até mesmo porque não conheço ninguém que tenha perda auditiva ou sequer use aparelhos, então fico cheia de questionamentos…Meu filho terá de usar aparelho auditivo e sempre questiono os médicos se ele ficará com diferença na fala (quero dizer, com dificuldades de falar ou de ser entendido) mesmo usando aparelho auditivo desde já, mas nenhum deles me responde com clareza…enfim, gostaria de me informar cada vez mais sobre o assunto e para tanto, ficarei sempre dando uma olhadinha no seu blog! Parabéns pela iniciativa em fundar o Crônicas da Surdez! abraço

    • Suellen,
      Ele é muito pequeno ainda pra saber se terá fala perfeita…Na verdade, quando temos uma deficiência, temos que esquecer a palavra perfeição.
      Meu conselho é que tu procures uma ótima fonoaudióloga, que é quem vai te orientar melhor. Estimule sempre ele sonoramente falando e não deixe que ele fique sem usar seus aparelhos auditivos nunca! É preciso estimular a audição que ele tem.
      Qualquer coisa, me escreve.
      Seja bem-vinda.
      bjo

    • Olá Suellen, sou pai de um menino de sete anos, que tem perda auditiva profunda bilateral. Nós só descobrimos quando ele tinha dois anos e meio, pois quando ele nasceu, não tinha o teste da orelhinha. Ele usa aparelhos, e ainda está em faze de aprendizado, mas ele se comunica de várias formas, por gestos, por sinais, pelos olhos… Eu só queria dizer pra você não se preocupar, que tudo vai dar certo. Se teu filho não ouve sem aparelhos, com certeza ele vai se superar de outras formas. É assim com o Gabriel, ele sempre nos surpreende. Um forte abraço.

  • Olá, sou o pai do Gabriel, já comentei com você antes a respeito dele, ele está usando aparelhos da Phonak. Ele se adaptou muito bem com os aparelhos novos, e está falando mais.
    Ele usava o Bernafon, porém, acredito que a potencia era pouca, pois o aparelho atual é mais potente. ele está bem mais “falante” agora. Ele já consegue até dizer o nome da mãe dele (Rosangela).
    Eu comprei aquele desumidificador que você indicou. É tão bom quanto o outro que eu comprava antes.
    Tá tudo muito bem, mas não estou conseguindo fonoaudióloga para ele. Encaminhei pelo SUS a quase tres meses e pela escola, no mes passado, mas até agora ainda não tenho retorno.
    Parabéns pelo site, é muito bom mesmo. Continue com esse trabalho diferenciado que você faz.

  • Oi, Paula!
    Parabéns pelo blog!Para nós, mães de DA, é muito bom ter os contatos e informações que vc disponibiliza.Isso sem contar as inúmeras experiências que aprendemos. Minha filha Isabela tem 10 anos, é DA e implantada há 3 anos. Teve uma perda progressiva pelo mesmo motivo do depoimento do médico C.(alargamento do aqueduto). Mas, graças a Deus,aos médicos, fonoaudiólogos, família… ela está se desenvolvendo super bem. Deus continue te abençoando e te fazendo viver todo esse potencial que vc tem, e ainda está dividindo com a gente. Parabéns!! Sensacional!! Vou mostrar logo para ela, ela adora blogs. Bjs, Fernanda

  • Paula Pfeifer!!!

    Meu nome é Paulo Henrique Lira moro em Brasília-DF tenho perda auditiva.
    A princípio estava em uma busca incansável a respeito de relógios com alarme vibratórios.E Descobri seu blog show de bola. Quero agradecer e parabenizar pelo excelente trabalho realizado. Exemplo a ser seguido.
    Sou obrigado a tirar o chápeu para você.
    Espetáculo o Crônicas da Surdez!
    Tenha um excelente feriado!!!

    att. Paulo Henrique Lira

  • Paula, adoro seu blog, a maneira de expressar seus pensamentos é demais. um dia vou conhcer você, ee vou desfrutar as minhas ideias.
    Tambem sou def. auditivo.
    Abracos, continue assim.

  • Olá,

    Tenho 23 anos e uma perda auditiva moderada bilateral, ainda não uso aparelhos, pois quando recebi a confirmação da perda não aceitava, hoje graças a Deus e a blog como esses, aceito e vejo essa deficiência com outros olhos, estou em processo para compra dos meus aparelhos, to super ansiosa não vejo a hora de voltar a ouvir Novamente.

    Bjos a todos, e Parabéns pelo Crônicas da Surdez, é Maravilhoso !!!!!!

  • Olá, que legal esse blog!!!
    Sou Anna Luzia tenho 22 anos, sou surda, sou universitária, sou de Maceió Al. uso I.C.
    Tenho amigos ouvintes, amigos surdos implantados, amigos surdos que usa língua de sinais.
    Eu nem conhecia esse blog, a amiga da minha mãe leu na revista TAM e falou pra ela…
    http://www.fotolog.com.br/_anna_luzia_/288000000000011944/ esses são meus amigos implantados, eu sou de calça branca! Moramos todos em Maceió, aqui não faz I.C. então cada um fez em lugar diferente, eu fiz em BH, minha amiga fez UEA, meu amigo em Bauru, uma fez em Natal RN. e as outras em SP.

  • Olá, que legal esse blog!!!
    Sou Anna Luzia tenho 22 anos, sou surda, sou universitária, sou de Maceió Al. uso I.C.
    Tenho amigos ouvintes, amigos surdos implantados, amigos surdos que usa língua de sinais.
    Eu nem conhecia esse blog, a amiga da minha mãe leu na revista TAM e falou pra ela…
    http://www.fotolog.com.br/_anna_luzia_/288000000000011944/ esses são meus amigos implantados, eu sou de calça branca! Moramos todos em Maceió, aqui não faz I.C. então cada um fez em lugar diferente, eu fiz em BH, minha amiga fez EUA, meu amigo em Bauru, uma fez em Natal RN. e as outras em SP!!!
    Adorei conhecer o blog.

  • Gostei muito do blog.Me chamo Mércia,sou deficiente auditiva,utilizo aparelho auditivo.Tenho Otosclerose,ou perda auditiva bilateral cronica.Gostaria de saber mais a respeito dessa doença.
    Um abraço,
    Mércia.

  • Parabéns pelo seu trabalho. Soube do seu blog através da Revista TAm. Tenho uma filha de 04 anos, chamada Júlia, e ela usa implante coclear. Ela é minha vida. Ensino a ela todos os dias a ser forte, e que ela é capaz de fazer o quê quiser. abraços

  • Oi, Paula! Adorei esse perfil, ficou muito legal. Eu olhei a revista da TAM que ela fez entrevista, achei esse blog!
    Eu também sou surda, sou implantada há 15 anos e sou gaúcha de Santa Maria. Eu gostaria de saber se você podes me passar e-mail dela? Eu quero muito conhecer ela, eu já morei em Santa Maria há mais 13 anos, já estudei na UFSM.

    Obrigada!

    Beijos.

    Larissa Schmitz

  • Paula…conheci seus blogs em 10 minutos e já vou tirar o chapéu pra voce!! a princípio entrei no seu blog sweetest person, e peguei dicas incríveis ( de comprinhas pelo e-bay) a qual procurava a tanto tempo e não encontrava. Daí achei nos links esse outro Blog. Parabéns pela iniciativa de falar um pouco sobre o mundo dos surdos. Sou fonoaudióloga ( ou melhor, me formo este ano rs) e sou apaixonada por surdez. Com certeza aqui vai ser um lugar de mt aprendizagem e troca tbm.. vou jáaaa recomendar para meus amigos de fono e áreas afins!! Beijoss, que Deus continue te abençoando pra continuar fazendo esse trabalho lindo!!

  • Olá, meu nome é Cassiano,tenho um filho maravilhoso de seis anos que se chama Gabriel.
    O Gabriel tem perda auditiva profunda bilateral. Eu estava pesquisando sobre fatores genéticos, em relação a perdas auditivas e encontrei este blog. Eu sei que descobrir o motivo pelo qual meu filho não ouve não vai resolver nada, mas ficamos sem saber o que aconteceu. Ele provavelmente nasceu assim, ele nunca teve infecção nem dores no ouvido, minha esposa não teve nenhum problema na gravidez. A última coisa que um médico disse é que pode ser fator genético. Na verdade minha avó materna perdeu a audição na adolescência, ela se adaptou a perda, e aprendeu a ler lábios, ela se comunicava muito bem. Esse é o único registro de problemas auditivos de meu conhecimento na minha família, na minha parte paterna, não sei nem o nome de meu pai.
    Quando Gabriel ainda engatinhava, reparamos que ele parecia querer coçar o ouvido. Os pediatras NUNCA nos disseram que poderíamos fazer exames nele. Eles diziam”a criança tem a hora de falar”. A gente ouvia a voz dele, mas não sabíamos o que era normal ou não. A gente não sabia que poderíamos ter feito exames tipo “BERA”, ou simplesmente audiometria. Finalmente aos dois anos e meio de idade, fizemos exames, e foi descoberta a surdez dele. Minha esposa foi atrás de aparelhos auditivos para ele, sem pesquisa sem nada. Os médicos disseram que pelo “BERA” ele não ouviria nada, mas fizemos o teste e com aparelhos e ele ouviu! Desde então ele usa aparelhos “bernafon”. Compramos particular, meu sogro deu pra ele. Era para durar até seis anos, mas já fazem três que só dá manutenção, o aparelho não aguenta o suor dele, vive dando defeito, a desculpa é sempre a mesma “umidade” , gastamos no ano passado R$1200,00 em manutenção.
    Agora estamos vendo pela “audioclin” em Passo Fundo um aparelho novo para ele. Vai ser pelo SUS, mas o aparelho é digital, a vendedora de lá disse que ele terá um ganho de 20 % em relação ao aparelho velho. Não consigo lembrar a marca, pois não fiquei com nenhum encarte do aparelho, espero que seja melhor que o que ele usa.

    Quando li aqui teus relatos de descobertas de novos sons, me emocionei, pois tem coisas que meu filho faz para ouvir que me machuca o coração, ele adora ouvir musica, então ele aumenta ao máximo o “surround” do rádio pra ouvir, e tem vezes que eu pego ele como ouvido grudado na caixa de som pra não levantar o volume…

    Gostei muito daqui, vou continuar visitando, e vou relatar as conquistas de meu filho, Se eu tiver alguma dica eu vou mandar, pois gostei daquela do desumidificador….. Abraços

      • Então… numa das conversas como pediatra dele, comentamos sobre o implante, e ele disse que o isso é mais recomendado para pessoas que não tem resposta com o aparelho.
        O meu filho com aparelho bom, responde bem, entende, tenta pronunciar o que pedimos, ouve canto de pássaros, o cachorrinho dele latindo lá fora, por isso não questionamos mais sobre o implante.
        A nossa preocupação é ter o aparelho bom, quando está com os dois aparelhos ele fica outra criança.
        Dentro de 45 dias é para ele estar com aparelhos novos, não vejo a hora…
        Abraço

    • Olá, meu marido tem perda auditiva e tb temos muita dificuldade com a questão da umidade no aparelho. Façam contato, estamos precisando de ajuda para descobrir uma nova postura em relação à deficiência…

  • Olá Paula,
    Sou nova aqui que entrei a comunidade atravez do Facebook, entrei esse blog, muito interessante, bom para saber e novidades.
    Bem, eu tenho 45 anos, eu nasci com surdez de natureza congênita, profunda e severa. Desde criança, meus pais descobriram que eu não falava e nem escutava. Levamos ao médico, deram um aparelho com dois fios no ano 60.
    Comecei a aprender a fala numa psicopedagogia e fonoaudiologia toda semana, treinei bastante durante dez anos de treino. Meus pais me lutaram muito com carinho, e Graças a Deus eu ouço bem, não consigo escutar pelo telefone, porque eu olho os labios das pessoas e entendo bem.
    Sou surda oralizada, usava dois aparelhos, mas o ouvido direito está 0% profundo. E agora estou um aparelho num ouvido esquerdo que está 10%, uso aparelho digital da Widex. Essa empresa Widex é muito boa e é caro os aparelhos.
    Já sofri muito dos preconceitos, desprezos e indiferenças desde criança, adolescente e hoje. E hoje eu luto muito com a minha atitute contra eles. Sou muito determinada. Graças a Deus que me deu a força, coragem e da minha luta. amém!

  • Olá Paula!!
    Tive uma grata surpresa ao descobrir seu Blog ao realizar uma pesquisa sobre o AASI Aquaris da Siemens. Ainda estou lendo-o, vejo que você é uma pessoa de grande sensibilidade nos relatos do seu dia-a-dia como deficiente auditiva, pois narra de forma muito coerente, lúcida os percalços e conquistas dos deficientes auditivos. Me identifiquei profundamente com suas narrativas, me emocionei, ri e tomo a liberdade de dizer que muito do que narrastes se confundem comigo. Sim, sou deficiente auditivo também, por isso agradeço profundamente por você ter criado este Blog que tenho certeza que é e continuará sendo de extrema importância para nós.
    Deixa que eu me apresente: meu nome é Gabriel, tenho 37 anos, moro em Santo Ângelo/RS, sou formado em Direito, exerço o cargo de Oficial de Justiça do TJRS há 05 anos. Possuo perda auditiva congênita neurossensorial bilateral de grau severo a profundo no OE e de grau profundo no OD, utilizo prótese somente no OE desde os meus 05 anos. Desde então tenho sido ótimas adaptações com todos os aparelhos usados. Iniciei o uso de próteses com os aparelhos da Siemens, tive vários modelos, os últimos foram os 684 PAO e Signia (Este usei por quase 10 anos até a placa/amplificador pifar – não tem mais conserto, não existe mais peça, pois foi descontinuado, uma pena, excelente aparelho). Atualmente utilizo o Sávia Art 411 dsz da Phonak, excelente aparelho também. Ainda possuo o 684 da Siemens, verdadeiro tanque de guerra, super resistente, aguenta bem o suor e se molhar, o desumidificador resolve. Utilizo-o para práticas de esportes e aparelho reserva.
    Cada aparelho tem suas peculiaridades, em alguns ouvia determinados sons em outros não, infelizmente não temos um aparelho perfeito, pois em detrimento de alguns sons temos de priorizar a inteligibilidade, discriminação da fala. Por exemplo, no 684 PAO conseguia ouvir os sons de alguns pássaros cantando e até uma cigarra ao longe, hoje não, muito difícil, porém tenho uma qualidade de percepção, discriminação da fala no Sávia muito superior ao 684.
    Li em alguns tópicos, não lembro qual, alguém pedindo informações sobre as ‘camisinhas de látex’, digo que não valem a pena, pois muitas vezes ao invés de protegerem o aparelho acabam por prejudicá-lo criando verdadeiros balões de suor e água.
    Nunca precisei de escola especial, sempre estudei normalmente em escolas estaduais, particulares, graças a Deus sempre tive amigos e colegas sensíveis ao meu problema auditivo. Quanto à família nem se fala, importante apoio e base para enfrentar a dificuldade auditiva. Falar ao telefone, tenho pavor também, é muito difícil, evito-o sempre que possível, senão, falo rapidamente ou peço ajuda ao meu anjo da guarda, minha noiva. Tive que fazer fonoterapia para melhorar minha dicção. Exercícios e mais exercícios com a língua, uma espécie de musculação, pois utilizava diversos pesos para trabalhar os músculos da língua. Hoje estou falando melhor, ainda escorrego em algumas pronúncias.
    Bem, enfim, queria me apresentar, pois simpatizei demais com seu Blog, sempre que possível vou participar dele, se permitires. Vejo que és servidora da SEFAZ, antes de assumir meu atual cargo trabalhei na SEFAZ também, em POA, na sede junto à SELCO, em 2005/2006.
    Abraços e prazer em conhecê-la. Mais uma vez parabéns pelo seu Blog.
    Att.
    Gabriel.

    • Gabriel,
      Seja super bem-vindo ao Crônicas!!!
      Que tal enviar o teu relato contando sobre como é ser oficial de justiça com deficiencia auditiva? Espero que tenha lido os relatos de outros leitores e suas profissões.
      Abração,

  • Muito interessante seu blog, está realmente de parabéns.
    Eu sou Analista de Sistemas, 38 anos, sou casado com uma ouvinte, tenho surdez bilateral severa, uso 2 aparelhos auditivos e sei um pouco de Libras, o suficiente para conversar com alguns amigos.
    Nunca havia encontrado um blog sobre surdez como o seu.
    Continue escrevendo !

  • Parabéns pela entrevista revista
    Olá, como vai? Meu nome é Flávio Peralta e devido a um acidente trabalho levei um choque de 13.800 volts. Por isso sou amputado dos braços. Em 2001 montei um site de auto-ajuda onde recebemos 50.000 mil visitas ao mês, de todo Brasil. Também fizemos mais de 400 palestras. Gostaria de saber se podemos ser parceiros, fazendo troca de link. Minhas palestras são direcionadas para segurança do trabalho e Sipat.
    Algumas empresas que são nossas clientes: Petrobras, Furnas, Kelloggs, Café Cacique, entre outras. Todo ano participamos em diversas feiras com estande para divulgar nossa idéia (Feiras de Segurança do Trabalho, Deficiência, Vendas e Congressos de Fisioterapia).

    Aguardamos seu retorno. Um abraço, Flávio Peralta

    http://www.amputadosvencedores.com.br

    http://palestranteflavioperalta.blogspot.com/

  • adorei o site Paula! muito bom ler tudo isso , perdi audição quando pequeno e mais ainda depois d grande devido a ruidos de trator , hoje tenho pouco mais de 50% de perda , não é tanto mas faz diferença .. hj tenho 21 anos.
    continue escrevendo, admiro pela grande pessoa que é abraços

  • paula !!!!!!!

    Hoje tomei coragem de registrar minha passagem por aqui, até por que sempre passo e não paro, aff, meio difícil ainda, sei lá , coisas de mãe, mas chegou o dia, custou , mas aqui estou.
    Minha filha tu és o orgulho di mamãe, pelo ser humano maravilhoso que és.
    sempre preocupada com tudo e todos, és uma menina com a alma leve e também uma mulher guerreira , determinada e objetivos claros.
    Até o cronicas nascer , passei muito tempo pensando , meu deus , será que tenho culpa de alguma coisa, quanto a audição da Paula, foram anos e anos para hoje eu falar isto , ainda emocionada, mas tomei coragem .
    A tua superação, é linda, como colocas isso no blog , é de uma maneira tão natural, que pelos relatos , a gente ve como tem ajudado a muitos.
    Sinto muito orgulho de ti , sua linda, fofa e como pessoa não tenho palavras.
    Este blog é do bem , é um portal para a luz , para iluminar os ouvidos de todos que aqui passarem , com muita energia positiva, com um sopro de vida.
    Para tudo dá se um jeito nesta vida , e voce é muito especial, colocando o que tem de mais moderno , acessível e com palavras doces e reais a todos os que passam pelo blog.
    Até eu, medrosa, me senti com coragem de postar algumas palavrinhas aqui.
    Sei que nada é fácil, tudo teve um percurso , mas o que interessa, é o hoje, as pessoas aceitarem as suas limitações ,mas também brigarem por elas, e terem este espaço aqui para desabafar… feito.
    com coração um pouco apertado, sim , mas feliz pelo lindo trabalho que sei, fazes de coração.
    Te amo muito e desejo saúde e felicidade a todos que passarem por este portal do bem.
    Continue assim Paula , Deus com certeza a cada dia ajudará mais e mais a todos. É tua missão. Da mãe que tanto te ama e orgulha-se de ti .

    ttizi veras.

  • Olá Paula!
    Sou de Portugal, me chamo Paula e tenho 30 anos e depois de pesquisar muito só consegui encontrar até agora este site onde encontro testemunhos de pessoas com deficiencia auditiva.
    Cerca de 3 anos que tenho perda auditiva bilateral(nos 2 ouvidos), vários médicos me aconselharam a utilizar aparelhos auditivos mas ainda não consegui dar o passo seguinte…..experimentar. Não estou a conseguir ultrapassar a questão psicologica….não está fácil.
    Gosto muito de ler o crónicas da surdez, me ajuda a perceber melhor o que sentem as pessoas com o mesmo problema

  • Olá, Paula!!!
    Primeiramente, gostaríamos de parabenizá-la pelo ótimo blog! Sem dúvida, é um espaço pra que os usuários de IC troquem ideias entre si, deixem depoimentos, e tenham dicas para levar uma vida com bastante qualidade, contornando as dificuldades características de quem possui alguma deficiência ou limitação (sobretudo sensorial).

    Temos também um blog, “Sopa de Números na Educação Inclusiva” (www.sopadenumerosecalculos.blogspot.com) no qual são abordadas questões relativas à Inclusão, Deficiência e Acessibilidade. Embora nosso foco seja a deficiência visual, sempre abrimos espaço para que outros tipos (auditiva, locomotora, etc) possam ser abordados e discutidos.

    Já divulgamos seu blog num de nossos posts! 🙂 Veja:
    http://sopadenumerosecalculos.blogspot.com/2011/07/tesouro-encontrado-na-internet.html

    Um abraço!

  • oi, adorei o site “cronica surdez”, mto legal, eu sou surdo, tenho 2 aparelhos auditivos, eu falo normal e nao sou libra, =].. parabens!!!

  • Também estou saindo do mundo dos ouvintes devido a uma doença genética chamada Otosclerose, que por sinal está me fazendo perder a vontade de seguir em frente, apesar de ter a família ao meu lado, é duro o processo de aceitação.

  • Oi me identifiquei bastante com o seu relato …
    eu tenho um blog relacionado ao assunto e tbem relacionado aos direitos dos surdos … principalmente dos unilaterais que é o meu caso …
    vou incluir seu link no meu blog e gostaria de postar o seu relato nele tbem se tu autorizar
    parabens bom fds.

  • Olá Paula Pfeifer!
    Moro em Santos, no litoral de de São Paulo…
    Que bom saber desse espaço…Você nem faz idéia do quanto!
    Uso aparelhos nos dois ouvidos desde 2009…Os aparelhos são coisa recente na minha vida, já a dificuldade de ouvir, não. Convivi com essa dificuldade por mais de quarenta anos sem que ninguém e nem eu mesma desse a devida importância, acredita? Hoje penso que muita coisa poderia ter sido diferente…Mas, não importa , meu tempo é agora…Mantenho-me atenta e escutando…Agora mesmo escuto um cello tocando…É uma suite de Bach…
    Amo…
    Meu gato Kalel acabou de miar…Amo mais ainda!
    Beijos e parabéns pelo blog

    Lália

  • Paula!!!!!
    Estou muito contente em “te conhecer”. Tenho uma sobrinha de 14 anos, que perdeu a audição aos 10 e passa por momentos difíceis. Explico: ela usa aparelho tem excelente leitura labial, por isso comunica-se muito bem com todo mundo. O problema é que estuda em escola para surdos e não é aceita por muitos colegas. Eles acham que ela não aceita ser surda, ou tem vergonha porq ela vive conversando com professores e outras pessoas / amigos que são ouvintes. Mas não é nada disso, pois sua melhor amiga é totalmente surda! Percebo que às vezes há uma espécie de “mundo fechado”, uma barreira colocada por pessoas que não se aceitam, crianças e adolescente que não são aceitos nem em casa e por isso carregam uma energia negativa. Estou indicando seu blog para minha sobrinha e encaminharei o link para a escola dela também. Tenho certeza que seu trabalho só poderá dar bons frutos a estes adolescente.
    Muito obrigada!
    beijo
    Vivi

  • Ola, Paula! parabens por esta iniciativa, sei que será util a milhares de pessoas, assim como eu, nasceu uma linda princesa! mas que apesar dos 2anos e 3 meses ainda não ouve, Bera 50% e comportamental 90%estamos descobrindo os caminhos juntas, bera, oto acustica, tubinhos de ventilação, e aparelho, agora estamos buscando a inclusão da terapia, que tem sido feita somente uma vez por semana, com regulagem do parelho eu gostaria de indicações de livros, brincadeiras ou qualquer material, para que eu e minha filha possamos ajuda-la.
    Agradeço, e Parabéns
    vovó shirley

  • Adorei seu blog. Sou ouvinte mas interessadissima em “libras”.
    Irei iniciar um curso longo para aprender e se possivel me tornar interprete. fica a sugestão para postagem de informações em relação a mercado de trabalho, sugestão de cursos, literatura e tudo que possa auxiliar os profissionais desta área como tradutores.
    Me apaixonei pela área após a convivência com uma amiga que traduzia. acredito poder possibilitar a assesibilidade e a aproximação com a contribuição de inclusão social de pessoas que tém muito a nos ensinar.
    Lindinho os aparelhos e fica super na moda.
    Achei original e divertido vc aproveitar pra curtir e viver melhor com o bom humor e originalidade. Valeu…..

  • Paula,
    Certas coisas são curiosas… tenho deficiência visual, miopia acentuada (grau acima de 6) com um igualmente acentuado astigmatismo que dificulta minhas opções cirúrgicas. Tanto quanto um deficiente auditivo, não sou capaz de exercer um dos meus sentidos sem ajuda de tecnologia (óculos e lentes de contato, no meu caso). Aliás, quando uso lentes de contato minha deficiência é tão imperceptível quanto (imagino) a de um deficiente auditivo com um bom e discreto aparelho. Mas por razões que podem ser mais complexas do que eu imagino, o estigma de minha deficiência parece menor que a das pessoas que estão comentando neste blog. Que fatores culturais atuam para marginalizar mais estas pessoas do que a mim?
    E a propósito, já deves ter ouvido falar de Hellen Keller… já assististe um filme chamado “O Milagre de Anne Sullivan”?
    Parabéns pelo blog, abraço!

    • Olá Arlei
      Permita-me “meter a colher” na conversa, mas acho que tenho uma resposta para a sua pergunta, porque também tenho miopia (6,0/5,5) e astigmatismo, além da perda auditiva bilateral com uso de AASI. Portanto, conheço os dois lados da sua dúvida, e o meu comentário não é de especialista, apenas de um usuário de todas estas órteses (óculos, lente de contato e AASI).
      O AASI não pode ser comparado aos óculos (ou lentes) por vários motivos.
      Primeiro, porque a audiometria é um exame de pouca precisão, cujos resultado pode variar conforme seja dia ou noite, vc esteja calmo ou estressado, o aparelho esteja regulado desta ou daquela maneira, etc. Segundo, a audiometria colhe uma “amostra” de algumas frequências principais, mas entre estas há uma infinidade de frequencias intermediárias (todas utilizadas na fala). Terceiro, mesmo o melhor dos AASI trabalha com uma frequencia mínima e máxima, que cobrem um espectro inferior ao do ouvido humano. Assim, enquanto um exame oftalmológico diz exatamente o seu “grau”, medido numa única variável (que não muda de um dia para o outro), a audiometria faz apenas uma “estimativa”, cheia de de variáveis e limitações. Por isso, os óculos fazem “correção visual” porque te devolvem a visão que vc teria sem a miopia. Já o AASI não “corrige”, apenas “dá uma ajuda”, de modo que o surdo continua naquele inferno de “ouço mas não entendo”, dependendo da leitura labial e da clareza com que os outros se expressam. Assim, antes das razões culturais (que existem) há um aspecto prático também importante. Espero ter ajudado.

  • Olá todos,

    Gostei muito do blog, sou deficiente auditivo de grau moderado, utilizo aparelhos auditivo deste dos 14 anos hoje tenho 21 anos.
    Tive muita dificuldade de adaptação com os aparelhos no começo porque é como sair de um mundo e entrar em outro completamente diferente, pelo qual pode ouvir diversos tipos de sons e mas com muita paciência, preverança e apoio dos familiares e amigos consegui superar esse desafio.
    Todos os dias é um desafio para quem possui deficiência auditiva, pois o preconceito é um dos principais barreiras na vida, mas aprendi a conviver com esse mal, todos os dias acordo motivado para encarar um novo desafio pelo qual muitas pessoas admiram minha força de vontade.
    Sou recém-formado Técnico em Química e trabalho como Analista Químico e estou no 1º semetre na faculdade de Bacharel em Química dando continuidade nos estudos.
    Admiro muito esse blog e continue sempre motivando e ajudando as pessoas conviver com a surdez .

    Abraços a todos.

  • Olá a todos!

    Gostaria de contar um pouco sobre a minha nova experiência com o aparelho auditivo Cic CIELO 2 da Siemens.
    Faz um mês que estou usando o aparelho CIC CIELO 2 da Siemens e estou me adaptando perfeitamente, e gostando bastante!
    Tenho notado algumas diferenças desse modelo em relação ao meu aparelho auditivo antigo, são elas: som mais nítido e claro, sem ruídos; maior durabilidade da bateria, maior conforto ao colocar (já que ele possui aquela função de atraso para ligar e não apita mais quando coloco), compreendo bem melhor a fala das pessoas mesmo em festas, na rua, etc.
    A minha nora, que é fonoaudióloga, adaptou o aparelho auditivo Cielo 2 – Siemens em mim e nos divertimos juntas quando vamos regular… tudo porque ela adora ver o datalearning e confirmar o quanto de tempo uso o aparelho e quais os locais que eu frequentei ( se tinha musica, barulho, silencio, entre outros).
    Outro ponto que quero elogiar nessa marca Siemens é que ele fizeram bem pequeno o meu aparelho! A – do – reiiiii! Ficou hiper discreto e confortável.

    Abraços a todos e até o próximo comentário…

  • Primeiro queria agradecer pela iniciativa de criar este espaço sobre surdez, muita gente se sente perdida ou isolada sem ter alguem que esclareça os diferentes problemas enfrentados no dia dia.
    Eu não tinha problemas de surdez ate o momento em que tive un serio problema economico e pessoal em una sociedad com um amigo, fui lesado com una quantia muito grande mas o que mais senti foi a perda de uma amizade de mais de 30 anos, por consequencia disto, entrei num estresse violento que paralizo todo o lado direito do rostro e consequentemente perdi 80% da audição do lado direito e com o tempo perdi um 40% do lado esquerdo, uso um aparelho da WIDEX faz 4 anos, eu não tive problemas no uso mas o atendimento da empresa tem me dado problemas, toda vez que levo o aparelho para limpar, eles encontram alguma coisa que esta com problema e sempre o orçamento e ao redor de 500 reais, gostei da parceria que vc tem com a Simens e pelo que tenho lido o atendimento e mais profesional, vou marcar una consulta. Estou narrando a minha anecdota, para as pessoas ter muito cuidado em não chegar ao extremo de estrese que eu cheguei bestamente, mas queria tambem dar uma dica para as pessoas que não tem condições de comprar um aparelho, existem duas empresas do governo, una e no ABC, se chama FUNCRAF fica em São Bernardo do Campo na Av. Senador Flaquer 130 Vila Euclides Tel. 11-41226103 e a outra empresa e em São Paulo, e a CEMA so tenho o telefone 11-26024165 ou 11-26024000 eu dei a funcionarios meus e eles coseguiram os aparelhos digitais que se coloca dentro do canal do ouvido e um pouco burocratico mas da certo,sem problema.
    Desculpem a minha ortografia, eu sou chileno e agora tenho uma pessima ortografia em español e em prtugueis.
    Um grande abraço a vc Paula e pelo teu blog que deve estar ayudando muita gente
    obrigado

  • Olá!!!

    Amei o seu blog, estou iniciando uma pesquisa para o meu artigo, em LIBRAS, e acabei achando o seu blog que não deixarei de visitá-lo. É muito bacana conhecer a surdez por uma visão diferente. Parabéns
    PS: gostei da indicação dos livros

  • Quando li no twitter que você estava montando outro blog fiquei pensando em qual seria o tema e nunca imaginei que pudesse ser a surdez, embora já soubesse do seu problema.Acho que por você ser conhecida pelo Sweetest Person, muitas pessoas chegarão ao Crônicas da Surdez e vão se dar conta de que os deficientes auditivos estão por toda parte, atuando em diferentes áreas e disfrutando da vida por aí como qualquer outra pessoa. Além disso, quem tem perda auditiva ou quem convive com isso vai ter mais um lugar pra ler, discutir e se informar sobre o assunto.Parabéns pela iniciativa e sucesso no blog novo!
    +1

  • Oi, Paula. Prazer
    Fiquei sabendo do seu blog atravez da Lak, Desculpe nao ouvi.
    Estou chegando agora, porem nao li td ainda.. mas ao poucos irei tudinho.. o unico q li.. achei super interessante.. “o aparelho da Siemens”
    Sou surda mas falo normal e em libras, usuaria de 2 AASI.

    Regiane

  • Achei de uma sensibilidade tão grande a criação desse novo blog!!!
    Muito sucesso e que Deus continue lhe abençoando!
    Bjos

  • Bacana o blog Paula! Acho de grande importância seu blog e fundamental para as pessoas que tem perda auditiva e zumbido. Muitos “zumbidores ” ficaram felizes em saber desse blog, principalmente os mais jovens.
    Você não tem noção como essa iniciativa é importante para quem convive com a perda auditiva, é uma maneira de trocar-mos experiência e desabafar um pouco. A sensação é ” não é só eu” , muitos estão no mesmo barco, inclusive EU!! RSS
    ABRAÇOS
    GRACE

  • Gostei da crônica , de grande utilidade para confortar aqueles que enfrentam esta realidade com deficiência auditiva e que vivem sufocados pelas situações inesperadas que surgem no dia á dia. Parabéns pela criatividade e iniciativa de criar o blog. Tenho deficiência auditiva bilateral
    e uso aparelho.
    Adelaide

  • Oi! Tive um pressentimento de que lhe verei brevemente no Programa do Jô pra falar do seu blog. Espero te ver lá!
    Bjs
    Sonia

  • Quando li no twitter que você estava montando outro blog fiquei pensando em qual seria o tema e nunca imaginei que pudesse ser a surdez, embora já soubesse do seu problema.
    Acho que por você ser conhecida pelo Sweetest Person, muitas pessoas chegarão ao Crônicas da Surdez e vão se dar conta de que os deficientes auditivos estão por toda parte, atuando em diferentes áreas e disfrutando da vida por aí como qualquer outra pessoa. Além disso, quem tem perda auditiva ou quem convive com isso vai ter mais um lugar pra ler, discutir e se informar sobre o assunto.
    Parabéns pela iniciativa e sucesso no blog novo!

  • Oi Paula. Adorei a crônica. Me identifico muito com você. Acho que tenhamos o mesmo problema. Deficiencia Auditiva bilateral. Sendo que não uso aparelho, pois o meu problema é mais sensorial. Isto é, entendo moderadamente o que as pessoas falam, dependendo da dicção da mesmas.
    Acho que podemos sempre nos manter em contato pelo email mencionado acima. Ficarei muito contente em trocar ideias com alguem do mesmo perfil. Tenho orkut. Cássia KK docinho. Lá vc encontra mais referências.
    Bjkas
    Cássia

Deixe seu comentário