Deficiência Auditiva Notícias Saúde auditiva

Proteger a audição é proteger a sua saúde mental

Foto: Shutterstock

Fonte: Hearing Health Foundation

Outubro é o Mês de Proteger a Audição – dia 10/10 é o Dia Mundial da Saúde Mental, um momento para pensar em educação sobre saúde mental, conscientização e promoção. A perda auditiva e o zumbido podem aumentar o risco de desenvolver doenças mentais, incluindo depressão, ansiedade, esquizofrenia e demência, e também pode desencadear episódios de raiva extrema e idealizações suicidas. Proteger a audição não apenas previne a perda auditiva, mas também traz benefícios para a saúde mental. Entender os sinais de doenças mentais e ter acesso a recursos de saúde mental são duas coisas críticas – e podem salvar vidas – para todas as pessoas com deficiência auditiva e zumbido.

De acordo com um estudo publicado no JAMA Otolaryngology Head & Neck Surgery, 11,4% dos adultos que afirmaram ter perda auditiva têm depressão moderada-severa, porcentagem muito maior do que os 5,9% de ouvintes que também têm depressão. Os indivíduos com deficiência auditiva afirmaram sentir muita dificuldade em situações de grupo, entrar em conversas no momento errado, falar de coisas nada a ver com o assunto ou então dominar a conversa e parecerem rude simplesmente porque falar é mais fácil do que ouvir.

Isolamento social e depressão

Quando uma pessoa não ouve ou ouve mal, participar de conversas é uma luta diária que pode levar ao isolamento social e à depressão. Outros fatores podem aumentar o risco de depressão, incluindo ser do sexo feminino, de baixa renda, fumante, beber álcool,  ter problemas de saúde e distúrbios do sono. Contudo, mesmo controlando esses fatores, aqueles que têm perda auditiva ainda apresentaram taxas de depressão significativamente maiores do que aqueles que não têm perda auditiva. Em pessoas acima de 65 anos, a perda auditiva está entre as condições crônicas mais comuns associadas à depressão.

Além da depressão, a perda auditiva tem sido associada à esquizofrenia. Vários estudos apoiam a hipótese da derrota social, que propõe que a exclusão social e a solidão possam predispor as pessoas à esquizofrenia, aumentando a sensibilização do sistema da dopamina. Em estudo publicado na JAMA Psychology, os participantes com perda auditiva relataram ter significativamente mais sentimentos de derrota social do que os participantes ouvintes. Embora seus sintomas psicóticos tenham sido semelhantes aos do grupo de controle, ao serem expostos a um medicamento estimulante mostraram sensibilidade muito maior à dopamina do que seus pares ouvintes. São necessários mais estudos para tirar conclusões definitivas, mas esta pesquisa é o primeiro passo para entender a relação entre deficiência auditiva, derrota social e psicose.

Declínio cognitivo e demência

Em adultos mais velhos, a perda auditiva está associada ao declino cognitivo e à demência, de acordo com estudo publicado no JAMA International Medicine e vários outros estudos conduzidos pela Johns Hopkins University. Os cientistas concluíram que o engajamento social reduzido e a capacidade cognitiva focada em lidar com a surdez em vez de aumentar a capacidade cognitiva podem levar a funcionamento cognitivo mais fraco e a um declínio mental mais rápido. Os aparelhos auditivos podem ser uma solução simples para aumentar a função cerebral saudável na população mais velha e reduzir o risco de demência.

A exposição ao ruído geralmente resulta em zumbido em vez de – ou em adição a – perda auditiva, o que também pode contribuir para uma série de distúrbios psicológicos. O zumbido afeta 1 em cada 5 pessoas nos Estados Unidos e causa ruído permanente nos ouvidos. Embora as pesquisas para terapias estejam em andamento, ainda não há nenhuma cura para o zumbido. Sem terapia, o zumbido pode ser debilitante, pode afetar a performance no trabalho, causar insônia e provocar medo, ansiedade e raiva. Isso pode levar à depressão, idealizações suicidas e pode exasperar o transtorno de estresse pós-traumático.

A surdez é a deficiência invisível, muitas vezes não notada ou ignorada até mesmo por aqueles que a possuem. Contudo, a surdez e o zumbido são generalizados e podem ter graves consequências psicológicas. A perda auditiva causada pela exposição ao ruído é totalmente evitável através de medidas simples, como diminuir o volume dos fones de ouvido e usar protetores auditivos em ambientes de ruído extremo. Fazer audiometrias regularmente também ajuda na detecção precoce da perda auditiva. Converse com seu médico/fonoaudiólogo sobre a melhor forma de tratar a sua perda auditiva.

26 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

4 Comentários

  • Ola!muito bom estudo gostei de ser participante,da crónicas da surdez!tambem tenho problemas de surdez,recem vou fazer consulta para ver meu diagnostico,de vez em quando tenho zumbido,que esta hoje afetando minha saude!e esta me atrapalhando a minha vida nunca dei atencao a este problema!e hoje gracas a crónicas da surdez ,vc paula,estou concientizando a usar aparelho de ouvidos,muito obrigada por estes comentarios que nos ayudan muito valeu!tudo de bom pra vcs.amada paula.abracos.

  • Muito bom essa explicação, estou sempre aprendendo um pouco mais sobre audição. Sem entender sobre o assunto não dá para imaginar a influência com a mente, eu não imaginava tamanha ligação.

    Bom saber e aprender com tudo que é compartilhado aqui e no grupo no FB Paula Pfeifer

Deixe seu comentário