Aparelhos Auditivos

Pure Carat, meu grande amor

IMG_20131029_155053

Eu sei o que é ouvir muito bem com os dois ouvidos. Sei o que é não ouvir com ouvido nenhum. Sei o que é ouvir muito bem com dois aparelhos auditivos. Agora sei também o que é ouvir apenas com um aparelho auditivo. Em breve saberei como é ouvir com um aparelho auditivo e um implante coclear. E claro que também vou testar como é ouvir apenas com um implante coclear. Quem sabe, um dia, saberei como é ouvir com dois implantes cocleares.

Nessa longa jornada, que começou quando eu tinha uns cinco anos de idade, tive muitos casos de ódio por aparelhos auditivos – aquela babaquice do ‘intracanal invisível’ , AASI’s mal adaptados, fonoaudiólogas interessadas somente em $$, etc. Fazendo uma retrospectiva, percebo claramente que o Pure Carat foi – e ainda é, pois é ele que uso no ouvido esquerdo – o meu grande amor. Esse aparelho auditivo me fez reaprender a amar ouvir música, coisa que já tinha deixado de lado há muito tempo. Me permitiu estar tantas vezes no trânsito e de repente ouvir E entender alguma palavra em inglês. Me fez sentir normal ao me deixar me conectar com meu notebook e assistir vídeos no YouTube enquanto ouvia as músicas direto nele.

Me fez sentir segura todas as vezes em que viajei sozinha. Me trouxe felicidade ao cancelar aquele barulhão horroroso de vento (vento + AASI= the horror) em lugares como praia, fazenda e piscina. Me deu nós no coração ao me permitir ouvir os resmungos chorosos do meu cachorrinho. Me surpreendeu ao me deixar ouvir a torneira do banheiro pingando. Não me deixou sentir medo quando precisei ficar sozinha em casa. Me fez dar boas gargalhadas ao ouvir as vozes de personagens de meus seriados favoritos pela primeira vez. E, graças a ele, pude, mesmo com surdez profunda, gravar para sempre na cabeça e no coração os timbres das vozes da minha família, dos meus amigos e de pessoas que foram muito especiais na minha vida.

Só de escrever isso, eu choro. É uma mistura de agradecimento com gratidão eterna. Ainda bem que fui capaz de deixar minha teimosia de lado, voltar a usar aparelhos, me apaixonar por eles e, assim, ter passado os últimos anos estimulando meu nervo auditivo e minha memória auditiva – se não fosse isso, não acho que teria sido candidata ao IC. Sempre soube que amava profundamente meu Pure Carat, mas a ficha só caiu aquela vez em que perdi o par horas antes de uma viagem. Me desesperei, fui procurar no lixo, tremia que nem vara verde só de pensar em mim sem eles. Durante muito tempo até hoje – e durante muito tempo ainda – eles foram e serão meus melhores amigos. Meu dia só começa depois que ‘visto’ meu Pure. Me sinto inteira, me sinto gente, me sinto em paz. Sem eles, me sinto nua e totalmente desprotegida.

Hoje o Pure direito voltou do conserto (foto acima). Na véspera da minha cirurgia de IC ele parou de funcionar, o que chegou a parecer um sinal de ‘estou me despedindo antes de não ser mais necessário‘. Não posso mais usá-lo, mas olho pra ele e sinto uma pontada no peito de saudade de tudo o que ele me dava. Tenho esperança de que o IC vá me dar mais ainda, mas meu amor pelo Carat é eterno e incondicional. Talvez quem também o use entenda um pouco o meu sentimento…

55 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

15 Comentários

  • Tatiana, somos parecidas. Me emocionei muuuuuuiito. Sou uma manteiga derretida, não paro de chorar. Tudo que leio neste blog me faz chorar. Sou usuária atualmente da Phonak e já usei Siemens. Infelizmente, estes aparelhos auditivos são caros. Mas, fiquei com inveja da Paula. Nunca me sentir desta forma. Quem sabe preciso experimentar outras opções de aparelhos. Abraços!

  • Qual o valor deste aparelho??
    E eu vi alguém sonhando com aparelho a prova d’água e achei no site da siemens um….

  • Confesso que ouvir é maravilhoso! Os cantos dos diversos pássaros, músicas new age, das águas, das vozes masculinas e femininas que são singulares, pessoas me chamando pelo telefone celular pelo meu nome ou de doutora, etc.
    Deste pequena sempre usei aparelhos auditivos das marcas Danavox, Bernafon e Audibel. Em diversas fases da vida, eu experimentei estes aparelhos e outras marcas, eu percebi que a tecnologia vem aprimorando cada vez mais.
    Na atualidade, a maioria dos aparelhos são digitais, uma vez que os sons são límpidos (como se fosse um CD), facilita as nossas escutas, compreendendo e identificando diversos sons, ora já existentes e descobrindo outros nunca ouvidos.
    Pena que os preços são salgados e a SUS demora muito ou até dificulta a aquisição do aparelho, segundo eu ouvi relatos das pessoas que perderam a paciência, eu entendo-os, é porque querem ouvir! Esses ouvintes que trabalham na área pública, aparentemente, nunca se colocaram em nosso lugar, ganham os salários que são os nossos impostos pagos e não dão um serviço adequado para os deficientes auditivos? Não entendo esse descaso…
    Tem momentos que não quero ouvir e é muito importante para eu estar dentro de meu ser e estar em paz! Principalmente na hora de dormir que é um sono efetivamente reparador.
    Legal este post sobre o Purê Carat, me parece ser um bom aparelho auditivo que talvez vou experimentar. É que vou pelo SUS…
    Deus abençoe a todas pessoas com deficiência auditiva que aparentemente são os maiores prejudicados da sociedade, uma vez que os benesses são pouquíssimos em prol desse público.
    Abraços!

  • Paula e todas as meninas daqui…
    Me emocionei muuuuitooo quando li esses relatos e confesso que deu vontade de sair correndo do trabalho para ir em uma loja e procurar esse aparelho, o pure.
    Tenho perda bilateral neurosensorial severa e não sou candidata a IC… Ainda sofro muito com a impaciência das pessoas e luto diariamente para não perder minha felicidade de viver. Já perdi oportunidade de trabalho, relacionamentos e até mesmo pessoas que se afastaram de mim por isso.
    Sou Enfermeira com pós em Saúde Ocupacional, tenho 38 anos e um filhinho com 9 anos que é um amor de criança e sabe como se comunicar comigo.
    Um beijo pra todas vocês.
    Meu email… enf_tatiana@hotmail.com

  • Paula, também passei por casos de ódio por aparelhos. Vi que tenho que mudar urgentemente o do meu OE. Ele já está com perda em torno de 100-110db e não tolera mais o meu micro.
    Como sei que vc é bastante engajada com a Siemens, você poderia pegar indicação com a sua fono de alguma fono do Rio? Eu sou exigente e já me deparei com tantas incompetentes que agora só vou por indicação mesmo e, em geral, pego o avião e vou para SP.
    Sou de Brasília, mas atualmente moro no Rio e te garanto… as empresas de aparelhos auditivos de Brasília é algo horrível. No Rio tive a experiência com a Widex e Phonak e foram razoáveis.
    beeeeeeeeeeijos em ti 🙂
    ps: estou louca para saber da tua experiência de IC em um ouvido e o AASI em outro.

  • Legal seu comentário, Paulinha, mas não vejo a hora de vc nos comentar sobre o IC. Como eu sou usuária do IC, sempre tenho vontade de saber como as pessoas se sentem, se houve dificuldades, enfim, cada ser é diferente do outro. Então, estou na expectativa de ter novidades a respeito. Boa sorte! Um abração.

  • Sim….é também meu grande amor! Arrependo muito de não ter usado estes aparelhos auditivos qdo adolescente e olha que sou uma pessoa que assumo meus erros e não sou de arrepender…mas, como nunca é tarde, me conformo “com o atraso” hehehe

    Vou contar um episódio:
    …Numa noite, ao deitar, coloquei de qualquer jeito o meu aparelho auditivo no criado-mudo acreditando também que o derrubei durante o sono por eu ser muito estabanada.

    Pois bem, ao acordar sonolenta no meio da noite e pisar no chão para ir ao banheiro, senti um troço debaixo do meu pé achando que poderia ser uma barata, besouro ou sei lá o quê, pisei com força para matar…não é que deparo com o meu aparelhinho amado todo esmagado, triturado?
    QUASE MORRI!!!!!!!CHOREI!!!!! ENDOIDEI!!!! ESPERNEEI aos gritos MEU DEUS!!!! MEU DEUS!!!! MEU DEUS!!!???

    Depois desta lição, APRENDÍ que temos que ter carinho com aquilo que nos completa.

    Hoje guardo com muito carinho e cuidado dentro da gaveta deste criado-mudo.
    Ah! se este criado mudo falasse!!!

    Torcendo aqui por você Paula e doidinha prá saber o “seu final” do IC.
    Beijos.

  • Que bom que deu tudo certo com este aparelho que mais se parece com melhor amigo.
    Penso em ter um desses, mas é muito caro. Quem sabe um dia….
    Abraço e tudo de bom…

  • Que relato lindo!!!
    Também me emocionei lendo!
    É muito emocionante ouvir novamente e perceber tudo o que deixávamos de ouvir sem o AASI. Quem não usa por vergonha, birra, medo, etc não sabe o que está perdendo!
    Um beijo e um abraço bem apertado pra ti, sua queridona! rsrsrsrs

  • Oi Paula, eu não uso aparelho Siemens, experimentei mas o meu modelo de demonstração veio com defeito fazia um barulho terrível e mudei para Bernafon.
    Mas eu me sinto tão bem que me identifico com o sentimento.
    Benditos aparelhinhos, não me confonformo de existir pessoas que tem vergonha dessas maravilhas. Um beijo.
    Ah, sou um pouco nova no seu blog e nesse “mundo silencioso”, seu blog é maravilhoso pra mim.

  • Expusestes como me sinto com os meus aparelhos.
    Estes sentimentos e sensações, desejo promover aos meus pacientes.
    Amo meus pure (dourados)! 😉

Deixe seu comentário