Aparelhos Auditivos Crônicas da Surdez Destaques Implante Coclear

Sexo surdez e aparelho auditivo

Foto: Shutterstock

A vida sexual de quem tem surdez e usa aparelho auditivo ou implante coclear existe, mas o engraçado é que ninguém fala disso – estamos falando de adultos, ok? Dia desses, alguém tocou nesse assunto no grupo do Crônicas da Surdez no Facebook e não consegui parar de pensar que precisava escrever um post! 🙂

O ponto mais delicado para qualquer deficiente auditivo usuário de tecnologias que permitem ouvir é se sentir à vontade com outra pessoa. É sempre motivo de tensão alguém tocar no nosso AASI ou IC. Quando usamos aparelho auditivo é ainda mais tenso, pois ele apita, tem microfonia, o molde machuca se colocamos a cabeça no travesseiro… Quem nunca se sentiu constrangido por causa disso com um paquera ou namorado(a) que atire a primeira pedra!

A surdez

A deficiência auditiva é um fardo bem pesado de carregar, e quando a gente encontra alguém que torna esse fardo mais leve e nos ajuda a carrega-lo, é um alívio. E todos nós sabemos que não é fácil de encontrar alguém assim. Os leitores me contam muitas histórias de namorados(as), maridos, esposas e ficantes absurdamente insensíveis e sem noção no que diz respeito à sua surdez.

A vida sexual

A vida sexual de qualquer ser humano envolve milhares de descobertas e muitas nuances que vão sendo desvendadas aos poucos. Sexo tem a ver com clima: meia luz, música de fundo, velas, toques, sussurros, gemidos. Duas pessoas que ouvem vão tirar isso de letra com a maior facilidade. Mas e quando um dos dois não ouve, ou ouve mal? É fato que ter que repetir algo na hora “H” quebra o clima e que precisar soltar um “HÃN?” quebra mais ainda, né?

Mas esse é o nosso mundo e não temos como fugir disso. Passaremos por mil situações constrangedoras e nos envolveremos com várias pessoas diferentes até ter experiência e sabedoria para conseguir relaxar e conduzir esse momento da melhor forma possível. Não tem fórmula mágica! O que torna as coisas mais fáceis – e gostosas – é ter intimidade com a pessoa.

Com certeza todos vocês que estiverem lendo isso e que já têm vida sexual ativa alguma vez estiveram com um(a) parceiro(a) com o qual se sentiram super constrangidos. E se o aparelho apitar? E se o implante cair? E se me falar algo e eu não entender – quem quer fazer leitura labial numa hora dessas??? Muita coisa pode acontecer, e acontece!

A vida sexual de quem usa aparelho auditivo

Os terapeutas de casal e sexólogos são unânimes em dizer que o melhor afrodisíaco que existe é uma boa comunicação. Quem não se comunica se trumbica, e quem é surdo precisa aprender o quanto antes essa lição preciosíssima.

Quando comecei minha vida sexual, o impacto da perda auditiva ainda era, de certa forma, sutil no meu dia-a-dia. Eu não me sentia ferrada pela surdez porque ainda conseguia ouvir muita coisa sem meus AASI. Santa inocência, Batman! Só fui entender tudo o que eu havia perdido dos 20 aos 30 anos quando voltei a ouvir com meu primeiro implante coclear. Foi aí que eu descobri que sexo tem trilha sonora própria: gemidos, sussurros, frases ditas ao pé do ouvido, e os lindos sons de dois corpos apaixonados e entrelaçados em movimento.

Foi aí que eu descobri como é gostoso colocar uma música de fundo, mudar o tom de voz, ouvir o barulho da abertura do sutiã, ouvir os sons que o outro faz quando está totalmente conectado com você, ouvir os sons das nossas respirações… Ai, ai!

As experiências que tive me mostraram que o aparelho auditivo apita, mas não cai (bendito molde!) e que implante coclear não apita mas também não para no lugar. Engraçado pensar que quando usava aparelhos auditivos, na hora do vamosver tirava um deles para o stress ser menor, e agora que uso dois implantes cocleares é a mesma coisa: tiro um deles para poder manejar a cabeça no travesseiro do lado que está sem nada atrás da orelha! 🙂

Ainda não inventaram aparelho auditivo ou implante à prova de sexo

O aparelho auditivo perfeito não teria microfonia na hora “H” de jeito nenhum, não machucaria e ficaria quietinho no lugar mesmo que você esteja praticando as posições sexuais mais cheias de piruetas do planeta. Hahahaha!

O implante coclear perfeito não cairia da orelha e, se caísse, os microfones reconheceriam que estão roçando num lençol ou num travesseiro e não fariam aquele barulho pavoroso! Aliás, podia ter um programa “Sexo” nos mapas dos implantes cocleares, não acham?

Comigo acontece o seguinte: o IC cai da orelha mas o ímã continua grudado na cabeça, ou seja, eu continuo ouvindo, mas o som passa a ser das porradas que o microfone leva do lençol, do travesseiro, da cabeça, dos braços ou do que for que encostar nele na hora.

Ninguém merece!!! Não existe um modelo de IC ou AASI na face da Terra hoje que fique no lugar e não machuque ou incomode enquanto seu dono esteja se divertindo…

Eu não gosto de sexo sem som, acho que perde metade da graça não ouvir o que está acontecendo e as reações do outro. Porém, muitas vezes acabo desistindo do IC no meio porque é um saaaaaco ter que ficar recolocando no lugar toda vez que ele cai da orelha, e quando estamos falando de AÇÃO, ele cai trocentas mil vezes. E aqui no Crônicas da Surdez nós falamos de vida real de power users de AASI’s e IC’s: na vida real ninguém fica quietinho e paradinho num local silencioso, certo?

Tudo é uma questão do estado de espírito do dia: às vezes perco completamente a paciência e tiro o IC assim que ele cai pela quinta vez, às vezes a gente dá risada e segue em frente, às vezes o marido percebe o negócio despencando e minha irritação com isso e ele mesmo coloca de volta na orelha… Cada dia é diferente! O que importa é ter sangue frio e bom humor nessas horas, porque elas foram feitas para a gente se divertir, não se estressar.

As experiências dos leitores…

A.

Na hora do vamos ver eu tiro, meu IC tem muito ciumes de mim e faz de tudo para chamar a atenção, aí ele fica caindo, e eu sem óculos fico tentando encontrar e torcendo para não machucar o IC.

A.

Antes como ouvinte confesso que era mais segura. No começo com IC foi estranho, não conseguia ficar com ele na orelha até que desisti de usar nessa ocasião. Às vezes a comunicação com parceiro falha, mas nada que a gente não dê um jeitinho pra nao quebrar o clima. No meu caso que sou casada antes e depois da surdez ja tínhamos intimidade então sexo nunca foi problema.

N.

Como ouvinte os sons sempre foram estimulantes e um guia se está no caminho certo, pós-IC também sempre com ele junto. Sexo a 3 é bom demais: eu+ela+ic! 🙂

F.

Eu sempre tiro o AASI por conta da microfonia

F.

Minha dica é tirar o o AASI/IC quando o parceiro pausar pra colocar a camisinha

M.

Eu gosto de beijinho na orelha! O aasi apita…. Mas não ouvir o que o parceiro diz não é legal… comunicação é importante e também faz parte do clima. Como uso IC num ouvido e aparelho no outro, eu tiro só um. As vezes sofro com o IC que n paro no lugar! Mas sempre se dá um jeitinho.

S.

Eu gosto de ouvir tudinho. Não tiro os aparelhos!!

M.

Meu marido prefere não falar, porque eu sempre entendo errado e caímos na gargalhada! E tudo levamos na brincadeira, pois nossa cama é nosso playground favorito neste mundo!

R.

Uma vez achei que perdi o meu aparelho, fiquei procurando, não achei. Foi bem chata a situação porque eu não tinha intimidade assim com a pessoa. Mas depois tudo se encaixou…rs. E quando fui embora nem conseguia pensar se tinha sido bom porque eu tava só imaginando a grana que eu tinha que desembolsar pra comprar outro aparelho, quase chorei na frente do cara mas me segurei. Aí eu abri a bolsa em casa….e lá estava ele guardadinho em um compartimento que geralmente não uso…rsrs. Dei pulos de alegria! E então senti que meu caso de amor era com meu aparelho porque sem ele…não estou ainda preparada.

E por fim, coisas que podem acontecer na hora “H”

  • A pilha acabar
  • O aparelho auditivo machucar
  • O aparelho auditivo apitar e quebrar o clima (com intimidade isso passa batido!)
  • O parceiro falar uma coisa e você entender outra (PE-RI-GO!)
  • O implante cair da orelha
  • Você não conta que usa AASI/IC e o parceiro descobre na hora e leva um susto
  • O AASI/IC desaparecer no meio da ação e você só perceber depois (e se desesperar!)
  • Colocar o AASI/IC na mesinha de cabeceira e o cachorro comer enquanto você se diverte
  • O parceiro falar algo e você nem ouve, entretido com os outros sons…

Como quase tudo o que diz respeito à vida de uma pessoa com deficiência auditiva, nossa vida sexual pode ser cheia de percalços em função da surdez – a falta de som, a comunicação truncada e alguns constrangimentos e situações pelas quais as pessoas que ouvem não precisam passar  são nossos desafios. Mas nada que não se resolva com intimidade e bom humor…

Sexo é bom e todo mundo gosta. Com som ou sem som, entendendo o que é dito – ou não -, com aparelho caindo ou ficando no lugar, esse é um dos momentos mais divertidos da vida. Relaxe e aproveite! 😉

95 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 34 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

9 Comentários

  • Gente eu tô doida pra dar uns beijinhos na orelha/pescoço de um cara, alguém que usa aparelho pode me dizer o que pode acontecer? Só pra me prevenir e.e

  • Paula sou sua fããããããã,tenho uma DA é maioria dos postos passo pra ela,que bom que os surdos oralizados contam com vc.??????????????

  • Comecei a perder a audição há mais ou menos 20 anos, já era casada, filhos, etc. Antes de precisar realmente usar meus AASI eu vivia perguntando a ele “o que você disse?” ou “repete por favor”, sempre com voz sensual…risos. Com o tempo me adaptei aos AASI, mas a microfonia é tenebrosa. Como gosto de luz acessa, eu “leio” meu esposo. E quando isso não é possível, “leio” seus gestos, toques e.. enfim, minha leitura corporal é muito boa e passo como ouvinte sem problemas…rs

  • Eu estou junto com meu esposo a 7 anos e ele usa AASI. Quando o conheci ele já usava. As primeiras vezes ele não tirava, dava microfonia nos ríamos e ficava tudo bem…com o passar do tempo e a intimidade ele passou a ficar sem já que as vezes nos acordavam os e ele já estava sem…para mim então não é confortável porqUE ele não me escuta…então conversamos e decidimos juntos a ele sempre usar…quando chega a hora a primeira coisa é pegar o AASI…é tudo fica bem e maravilhoso! Acho que a melhor forma e adaptação e conversa p ficar bom para os dois!

  • Como audiologista de adultos veterana na Austrália, posso guarantir que esse tema é abordado com grande frequência, inclusive pelas gerações mais avançadas!

  • Uma vez fui na balada com minhas amigas, um garoto pediu pra ficar comigo e aceitei. Na hora do beijo o IC caiu no meio da muvuca, foi um desespero! Aquela musica altíssima em volta, muita gente, o chão todo sujo de bebida.. eu me desesperei! Mas consegui achar, corri pro banheiro pra salvar o IC, por fim não aconteceu nada com o ic, ainda bem.. mas foi um climão e muito constrangedor.. nunca mais fiquei com alguem em uma balada e morro de medo de alguem esbarrar em mim e levar o IC.. muvuca é um perigo pra quem usa IC ou AASI..

  • Conheço um homem que manda a esposa retirar o aparelho pra não apitar. Ela fica constrangida com os barulhos do ato sexual afinal, ninguém quer ver sua intimidade sendo motivo de piadas na vizinhança.

Deixe seu comentário