Notícias

Só 7% dos professores passam em certificação do MEC para o ensino de surdos

Fonte: Último Segundo

Essa matéria me lembrou demais deste post, sobre o livro “A child sacrificed to the deaf culture’. O autor falava sobre a total falta de preparo de muitos professores surdos, que dominavam um nível básico/intermediário de língua de sinais e eram responsáveis pela educação de centenas de crianças surdas em escolas especiais. Para pensar. E me perdoem, mas reclamar do nível de dificuldade da prova não é desculpa alguma – isso serve para separar o joio do trigo.

 

814l8om4gfltyp55xd6rysawp

 

Dos 2.427 candidatos que se submeteram à edição mais recente do Exame Nacional de Certificação em Libras, o Prolibras 2013, somente 164 (menos de 7%) foram aprovados na modalidade voltada a certificar professores ao ensino da Linguagem Brasileira de Sinais. É por meio dessa certificação oficial avalizada pelo Ministério da Educação (MEC) que muitas secretarias de educação e instituições de ensino superior selecionam professores para atuarem em turmas que contam com alunos surdos. Além da certificação para o ensino da Libras, o Prolibras também oferece uma certificação em proficiência na tradução e interpretação da Libras. Nessa modalidade, o índice de aprovados também é pequeno. Em 2013, dos 2.627 que compareceram para realização das provas, apenas 242 (9%) foram aprovados no final do processo.

O baixo número de candidatos aprovados no exame impacta ainda mais no déficit de profissionais com habilidades comprovadas no ensino da Libras nas escolas brasileiras, especialmente as da rede pública. Hoje, nem todos os professores que dão aula para alunos surdos dominam as Libras. As escolas também sofrem com a falta de intépretes em turmas onda há a presença de estudante com algum tipo de deficiência auditiva. É com o Prolibras que gestores públicos e instituições de ensino ficam cientes que o candidato, de fato, domina a Libras. Muitos concursos públicos voltados para a contratação de professor ou intérprete dispensam, inclusive, o teste prático que analisaria o domínio dessa linguagem daquele candidato que já possui o Prolibras. Outras seleções públicas exigem que o candidato, além de ter o curso de pedagogia ou licenciatura com foco em Libras, também apresente o Prolibras.

Além da educação básica, concursos para preenchimento de vaga de professor de libras nas universidades e institutos federais também veem exigindo a apresentação do Prolibras. Mesmo para aqueles postulantes que tenham se formado, por exemplo, em cursos de licenciatura com componentes curriculares em Libras. “Há universidades que criaram um curso específico em licenciatura em libras. Mas o fato de fazer a licenciatura em libras não significa que o estudante acabe o curso sabendo se comunicar em libras. É como ocorre hoje com os formados em licenciatura em inglês. Quem acaba essa graduação, nem sempre sai falando bem o inglês”, afirma Maria Cristina Marquezine, professora da Universidade Estadual de Londrina, especialista em Educação Especial.

Cientes da exigência do Prolibras nos concursos das universidades, muitos candidatos que já possuem diploma de nível superior se submetem ao exame. E mesmo se preparando com cursos de formação privados ou concedidos pelo poder público, eles esbarram na dificuldade do exame. Nessa última edição, até mesmo a equipe técnica que coordenou o exame assume que a primeira etapa do Prolibras, que conta com uma prova objetiva, foi “bem mais seletiva que a primeira etapa dos exames anteriores”, afirma relatório técnico do exame. “Ainda que preliminarmente, esse fato nos permite inferir que o grau de dificuldade da primeira etapa necessita ser revisto para os próximos exames”, cita o documento emitido pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que organiza o exame, em parceria com Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES).

A dificuldade do exame foi sentida na pele pelo professor mineiro Rosselini Diniz, de 26 anos. Desde 2009 ele vinha estudando para o exame. Só conseguiu passar na segunda tentativa. “Essa última achei bem difícil. Especialmente a primeira etapa. O tipo de pergunta exigia muito raciocínio”, fala Diniz. Segundo ele, no entanto, o nível de dificuldade ajuda a selecionar os bons profissionais. “Apesar de difícil, ela exige o que o profissional de Libras precisa ter. Atualmente, muitos profissionais não conseguem dar conta do trabalho, o que prejudica os alunos que precisam ter um professor que possa falar a língua deles”, diz o professor mineiro.

A falta de domínio de Libras é uma situação presente até em escolas especializadas para o ensino de surdos. Recentemente, por exemplo, parte dos professores do INES entrou em greve. Um dos motivos alegados pelos docentes para a manifestação era a falta de domínio que eles tinham com as Libras. Questionado sobre o nível de dificuldade do exame, o INES informa “que esse tipo de exame, como qualquer exame de proficiência com perspectiva qualitativa e não quantitativa, serve de balizador para os cursos de Libras que têm sido oferecidos em todo o País”. O instituto informa que a partir dessa última edição “houve uma reformulação das provas (objetiva e prática), no intuito de atualizar tanto as formulações das questões como de seus conteúdos para o exercício das respectivas profissões”.

Também foram consultados pela reportagem o Ministério da Educação (MEC), responsável pelo plano anual de execução do exame, e o INEP, responsável pela metodologia de avaliação do Prolibras. O INEP diz que o País tem 2.083 professores que atuam no componente curricular libras nas escolas de educação básica. O Governo Federal não informou quantos professores o Brasil ainda precisaria ter para atender a oferta de alunos surdos nas escolas públicas. No País, existem cerca de 800 mil pessoas com até 17 anos – em idade escolar – que são surdos ou possuem algum tipo de deficiência auditiva.

10 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

1 Comentário

  • Que saudades de ti guria!!!!!!
    Vou dar a minha sugestão para melhorar a tua inteligibilidade de fala. Eu particularmente não contumo aumentar a velocidade de processamento sem antes aumentar as máximas na programação, ou seja, quantos eletrodos participam da inteligibilidade de cada vez. Com a questão dos ruídos que estavas escutando a sobrecarga de estímulos me preocupou, mas fiquei feliz quando escreveste que estavas bem.
    Boa sorte na nova progrmação…..
    Super beijocas
    Adri

Deixe seu comentário