Histórias dos Leitores

Uma fonoaudióloga com deficiência auditiva – e que usa aparelhos auditivos!!!

 

“Olá, leitores do Crônicas da Surdez!

Com alegria recebi o convite da Paula, para compartilhar parte de minha história. Portanto: eis-me aqui! Sou Samira C. Baus Dutra. Feliz brasileira! Certidão de Minas Gerais, e criação na Ilha de Santa Catarina! Gosto de sorvete, cinema, pizza com amigos, refeições a beira do mar, jogar imagem & ação (mímicas, sou fera! hahaha), internet e… uma boa mensagem de fé e esperança! Da família paterna, herdei a perda auditiva progressiva. Sim, nasci ouvinte, e com o decorrer da idade, fui perdendo audição (ou seja, minha perda auditiva, de períodos em períodos,  aumenta).

Tenho a Fonoaudiologia como VOCAÇÃO. Busquei especializar-me em AUDIOLOGIA (diagnósticos audiológicos; adaptação de aparelhos auditivos e sistemas de comunicação). Antes da minha formação, tive todo um acompanhamento otorrinolaringológico e audiológico para a detecção da perda auditiva. Agradeço a todos os envolvidos nesta etapa, senti e recebi zelo e muitas orientações (tenho em quem me inspirar!).

Como assim? Fonoaudióloga e com perda auditiva???

A indicação para minha saúde auditiva não foi medicação e nem cirurgia. Para meu tipo e grau de perda auditiva, a indicação médica foi fazer uso de aparelhos auditivos (e estou nesta, há 11 anos). Com o passar dos anos, tornei-me paciente de mim mesma. A tecnologia me acompanha desde então. Iniciei com a mais simplificada, e atualmente, utilizo o que há “de ponta” (melhor)! Eu mesma programo meus aparelhos auditivos. Sinto “na pele” limitações pela falta de “ouvir, mas não entender”. Sinto também, os benefícios dos meus aparelhos. Usufruo de seus recursos, conforme minhas necessidades comunicativas.

Sinto-me bem usando os aparelhos auditivos. Sinceramente, ao longo do dia, esqueço que estou com eles. Eles fazem parte de mim! Assim como meus óculos (há 1 ano iniciei o uso para leitura -papel e computador – e assistir televisão). Coloco-os pela manhã e retiro antes de dormir. Já usei o modelo microcanal (CIC) e atualmente uso o com receptor no canal (RIC). A potência desde meu primeiro par até agora, aumentou, e bem! Estou ficando cada vez mais “surda”. Porém, como estimulo meu PROCESSAMENTO AUDITIVO há anos, tenho um bom reconhecimento de fala;  ou seja, cérebro ativado e sempre trabalhando (nada de ficar ocioso)! Quem tem perda auditiva e não usa aparelhos ou a quantidade ideal (um aparelho para perda em uma orelha; dois aparelhos para perda nas duas orelhas), nem imagina o bem que deixa de fazer pra sua atenção, percepção e memória auditiva.

Algo que a Paula me perguntou, foi: “o que ser uma fono usuária de AASI mudou a tua maneira de lidar com teus pacientes?”. Posso dizer que transformou meu olhar clínico. Então, como me sinto atuando com pessoas com limitações auditivas, sendo que eu tenho também tenho as minhas limitações auditivas?

A dedicação aos estudos em Audiologia, e minha experiência como deficiente auditiva  ajudam-me a “ENXERGAR e COMPREENDER” algumas posturas e sensações que a pessoa com perda auditiva tem. Claro que a maioria, se não todos os pacientes, são preocupados com a estética, com sua aparência. Geralmente ao receber o diagnóstico da perda auditiva a pessoa passa pelo período de NEGAÇÃO (“eu não preciso”; “não quero usar os aparelhos”; “todos verão que uso aparelhos”). Eu penso em conciliar com a discrição e eu sou um exemplo de que a vida continua; e segue com os aparelhos auditivos como acompanhantes.

Dias atrás relatei a um paciente: antes de usar aparelhos auditivos, quando eu abria uma bala na igreja, percebia que várias pessoas olhavam pra mim. Eu pensava, “nossa será que todos querem minha balinha”??? Já usando os aparelhos, fui repetir a cena. Quando comecei a mexer no papel para abrir, percebi como o barulho não era nada discreto, e concluí: as pessoas olhavam pra mim, pois eu estava sendo “barulhenta”. Hahaha

Um dia na aula (no último ano da graduação foi quando coloquei meu primeiro par de aparelhos), eu viro pra minha colega: “que som é este”??? Ela: “som?? Ah, começou a chover”! E eu saí da sala para olhar e ouvir a chuva. Foi então que eu disse a mim mesma: “Samira, este é o som da chuva”. Fiquei emocionada naquele dia. Eu não escutava mais o som da chuva. (voltei pra aula rapidinho, viu pessoal!!! hihi)

Uma bela noite eu experimentei dormir com os aparelhos auditivos. Alguns pacientes me disseram que dormiam com os aparelhos (moravam sozinhos, precisavam ouvir o despertador/campainha/telefone). Fui vivenciar na pele, ou melhor, ouvidos. Para mim, foi uma experiência nada confortável a qual não repeti desde então. Não consegui “desligar-me” do mundo externo, isto é, deitei-me e ouvia: som de caminhões/carros passando na rua; vizinhos conversando (em alto som). Imaginem se consegui pegar no sono logo: nada disso! Demorei! Definitivamente, uma vantagem em dormir, é poder tirar os aparelhos e ficar em modo OFF! Aí sim, pego no sono rápido. Portanto, com base em teoria e experiência própria, eu não recomendo dormir com os aparelhos auditivos. Durante este momento, as orelhas vão “arejar”. Evita-se que movimentos no travesseiro/cama, machuquem as orelhas e /ou danifiquem os aparelhos.

Compartilho um atendimento recente. Paciente jovem, concluiu o mestrado neste ano. Ficou aproximadamente 1 hora conversando ao celular (para quem usava celular prioritariamente com SMS, foi um ótimo resultado!!!!). O recurso tecnológico foi bluetooth integrando aparelhos auditivos com o celular.

Pra finalizar, agradeço aos pacientes por depositarem a confiança em meu trabalho. Sei que o fato de eu ter a perda auditiva cria um link entre nós. E tenham a certeza que vocês estão sob os cuidados de quem ama o que faz. Amo quem sou! A frase “ama ao próximo como a ti mesmo”;  me remete a eu tratar o outro  tão bem quanto eu desejo o bem pra mim. Quem não quer o bem a si mesmo??

E você, se ama? Tem cuidado de si com o devido zelo?

Grande abraço a cada leitor, e claro, pra você, Paula!!!”

PS: a Samira trabalha na Audire, revenda da Siemens que fica em Florianópolis. Gente, eu acho IMPORTANTÍSSIMO que as clínicas que vendem e adaptam aparelhos auditivos em pessoas com DA tenham um profissional com deficiência auditiva. Ele pode dar outra visão, para toda a equipe, sobre como o paciente que tem DA se sente – além do mais, deve ser sensacional conversar sobre aparelhos auditivos com alguém que os usa no dia-a-dia e sente na pele essa emoção.

75 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 34 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

100 Comentários

  • Oi Samira, tudo bom?
    Vou precisar usar aparelho auditivo pela primeira vez porém gostaria da sua opinião. Qual é a melhor marca entre Siemens, Phonak e Beltone?

    Tenho perda auditiva bilateral moderada e até o momento testei os aparelhos Beltone e Phonak.

    Bjos

    • Olá, Priscila.
      Sugiro fazer teste com Siemens (Atuo com esta marca. Uso esta marca. Gosto bastante).
      Analise, qualidade do atendimento, confiança no profissional, e qual das 3 marcas te sentes melhor. Irás investir em aparelhos, e nos atendimentos com o profissional. Sucesso! Um beijo, Samira.

  • Ola Samira tenho otosclerose bilateral moderada a severa uso aparelhos mas parece que minha audição piorou depois que comecei a usamos direto e eu também entendo menos com eles, VC acha que posso fazer a cirurgia obrigd

    • Cristina, recomendo que procures um otorrinolaringologista, pois o médico é quem lhe informará se seu caso tem INDICAÇÃO para cirurgia. Torço por ti! Vá atrás de cuidados médicos! Beijinho!

  • Bom dia, Teresinha.
    Obrigada pelo carinho.

    Existem atualmente, diversos recursos para melhorar a captação de som, seja pelo aparelho auditivo, ou pelos sistemas sem fio, para destaque de fala, bem como para TV e celular.

    Eu atuo com a Siemens, em Florianópolis. Estou à disposição para atendê-los; ou se preferir pela proximidade, a equipe da Comunicare, é maravilhosa também. Acredito que temos opções que proporcionarão melhor bem-estar ao seu marido.

    Grande abraço!!! 🙂
    Samira

  • Boa noite Samira!!! Estou emocionada com tua história de vida, de superação, de capacidade. Parabéns!!! Meu marido tem 82 anos,teve perdde audição (ele era telegrafista da CRT),possui 2 aparelhos auditivos e não se adapta. Ele quer assistir TV e não consegue ouvir )ele ouve, mas não distingue) e fica mt irritado. Gostaria muito de descobrir um método q desse mais qualidade de vida para ele e assim ele pudesse ouvir um pouco melhor. Moramos em Viamão-RS mas consultamos em Porto Alegre, temos Unimed-Unimax.Se puderes me indicar um profissional ou um centro de atendimento onde eu pudesse levá-lo. O nome de meu marido é Mansur Possidin de Azevedo, meu telefone de contato é (51) 99853839 Vivo, podes me chamar a cobrar ou mandar mensagem. Obrigada pela tua atenção, abs Teresinha de Castro Silveira

  • Olá Samira,
    Tenho deficiência auditiva neurossensoral bilateral severa, escuto acima de 70 db, uso aparelhos auditivos há 10 anos (tenho 29 anos) e também iniciei o uso na faculdade, quando eu descobri o barulho da chuva, rs… Faço audiometrias periodicamente. Sou enfermeira e consigo realizar o meu trabalho normalmente, sem restrições. Sempre lidei com minha deficiência da melhor forma possível, não me envergonho de ser deficiente auditiva, não tenho problemas de auto-aceitação, tão pouco da aceitação dos outros, namorado e amigos aprenderam a se adaptar à minha deficiencia…Porém, minha perda auditiva, assim como a sua é progressiva… Esse é o grande problema, tenho percebido que a progressão tem ocorrido de forma muito rápida, há 6 anos escutava acima de 602dB, isso ta me gerando tamanho desespero que tô começando a perder o otimismo e a esperança, a beira de um surto…. Queria saber como vc lida com isso, com a possibilidade real da surdez e num período da vida de grande atividade profissional e social….

    • Olá, Mariana. Realmente a progressão é temerosa. Contudo, a tecnologia está em constante crescimento e mudanças positivas. Tenha práticas que estimulem sua memória, atenção. Exercite sua leitura labial (há colegas fonoaudiólogos que são excelentes para lhe dar suporte, neste sentido). Acompanhamento psicológico pode ajudar e muito!
      Tudo isto, é por experiência própria. Claro que vc deve fazer hobbies, exercitar a serenidade (e colocar a ansiedade em stand-by). Parabéns pela formação! Quer contato a mais, estou à disposição no email: samira@audire.com.br
      beijinho!

  • Oi Samira bom dia,

    Pode me ajudar me dando um conselho?

    Estou há 2 semanas com um barulho na minha cabeça que parece uma cpu ligada 24 horas por dia,sem falar que escuto tudo distorcido,musica,tv,as vozes das pessoas em local com barulho então nem se fala,isso no ouvido direito não estou conseguindo entender essa perda auditiva,já não tenho audição no ouvido esquerdo então está muito dificil,isso tudo aconteceu depois de uma visita ao otorrino na qual fiz uma audiometria e fui diagnosticada com surdez subita,mas leve no ouvido direito,ela me passou um monte de remédios incluindo betaserc que foi oque me causou isso,não sei mais oque fazer estou desesperada,preciso de um conselho amigo,pois estou entrando em depressão,irritada com tudo,fiz uma tomografia ontem e estou no aguardo do resultado,isso pode ser uma perda neurossensorial,me ajude por favor?Lhe mandei um e-mail por favor entre em contato comigo,estou testando um aparelho (Phonak) do lado esquerdo mas sem muitas esperanças,oque vc me indica,tem algum colega seu que vc possa me indicar,sou de Americana interior de São Paulo.

    Agradeço desde já

    Bjus

  • Samira querida, somente hoje que eu estou lendo esta tua história e acho você é uma grande fonoaudióloga, posso dizer assim pois já fui sua cliente. Além é claro, de ser uma simpatia em pessoa. Infelizmente é assim, quem tem perda auditiva sempre passa por “n” vivências; a surdez vai piorando, a minha também como sabes,é progressiva mas graças a tecnologia avançando cada vez mais pude trocar meu AASI pelo IC. Estou satisfeita e já bem faceira para fazer o 2º ainda neste ano. Se for o teu caso, faça também o implante e continue sendo esta pessoa maravilhosa e guerreira que você é. Deixo aqui um grande abraço e um beijinho prá você!!!!!!

  • Olá Samira! Parabéns por seu sucesso profissional e por compartilhar sua experiencia conosco! Uma dúvida que sempre tive, é se o uso de aparelho pode fazer a perda progredir um pouco, pois vejo que recorrentemente quem usa o aparelho tem que aumentar o volume do mesmo.
    O inverso tambem gostaria de saber, se a não utilização do aparelho faz a surdez aumentar… Um abraço!!

    • Olá, Tatiane. Não necessariamente. O importante, como nos casos oftalmológicos, é que faças o acompanhamento regular; para monitoramento (com progresso ou não).
      Beijinho.

  • Já mandei o e-mail Samira. Obrigada pela oportunidade de conhecê-la.
    Sou de São José do Rio Preto – SP, me esqueci de dizer isso.
    Abraço.

  • Olá amigos,
    Enfim, conheci vocês. Temos muitas coisas em comum e isso é muito bom, principalmente pela troca de experiências que nos poderão ser útil na nossa vida cotidiana, principalmente na profissional.
    Minha perda auditiva começou aos 15 anos, tenho otoesclerose bilateral, é hereditária e também, segundo os médicos pode ter sido acelerada pelo sarampo que contraí bem bebezinha. Hoje tenho 48 anos e sou uma pessoa ativa mas com alguns limites, já que meu diagnóstico dá como perda severa profunda nos sons finos e nos sons graves tenho perda severa moderada. Minha doença é irreversível. Então temos que nos adaptar a esse mundo e tentar tirar o máximo da tecnologia abençoada não é? É só querer e ir atrás. Tenho muita história para contar e se quiserem me conhecer é só me mandarem e-mail. O que mais gostaria de saber no momento é como vcs conseguem ouvir através do celular principalmente sem aqueles ruídos infernais. Tenho novos aparelhos digitais que são da marca Beltone e outro (a 3 anos)da Widex, mas em termos de ouvir no celular, deixam muito a desejar, mesmo com a regulagem para ouvir somente o som do telefone. Fico sempre insegura na hora de atender qualquer ligação. Por favor me mostrem alguma solução para isso, já que sou funcionária pública e preciso muito da tecnologia para ouvir melhor os sons.Por agora é só e aguardo ansiosamente por alguma resposta. Agradeço desde já.
    Abraço a todos.

    • Boa tarde, Silvana.
      Atualmente temos tecnologias que solucionam questões de atendimento telefônico.
      Posso lhe sugerir algumas.
      Aguardo que me informes a cidade onde resides.
      Segue meu email: samira@audire.com.br
      Abraço!

  • Olá,me chamo Antonio Fonseca e me identifico muito com o depoimento pois também sou Fgo. e deficiente auditivo. E quando atuava na área de audiologia, é claro,rs, era chamado de “garoto propaganda” por usar AASI e todos os pcte se identificaram.Hoje, por falta de oportunidade e tempo, pois estudo odontologia quase que todos os turnos, não estou atuando na área,mas concordo totalmente na importância que é ter um profissional deficiente auditivo lidando com um publico que mais parece sua “família”. Sabemos exatamente a realidade daquela queixa, que muitas vezes não é dada como importante por outros colegas!

    • Antonio, obrigada pela partilha.
      Sucesso na sua caminhada na Odontologia.
      Seus conhecimento em Fonoaudiologia, muito acrescentaram em sua prática clínica.
      Abraço!

  • Olá!
    Gostaria de tirar uma dúvida com você, meu filho tem 4 anos e tem perda auditiva moderada a severa no ouvido direito. Já no ouvido esquerdo ele possui perda severa/profunda.
    Ele não usa aparelho auditivo, esta aguardando pelo sus ja tem quase um ano.
    Pela sua experiência como fonoaudióloga e DA, qual a sua opinião em relação à adaptação com os aparelhos e a possibilidade de fala pra ele?!
    Obrigada! 🙂

    • Olá, Jessica!
      Com bons aparelhos, e acompanhamento fonoaudiológico, tenho boas expectativas quanto ao desenvolvimento de fala.
      Acompanho vários casos de boa desenvoltura.
      Retome o contato com o SUS de sua região. A estimulação, o quanto antes, tem melhor prognóstico.
      Abraço em ti e no teu filho!

  • Sucessos pra vc, Samira! vc merece! eu tenho perda auditiva de leve a moderada no dois ouvidos, usando aparelho poderá melhor a audição em quantos por cento? obrigado! bjs!

    • Olá, Humberto.
      Com certeza um percentual melhor que sem aparelhos.
      Não há um padrão em percentual, mas podes vir a ter respostas dentro da normalidade (hoje, com 13 anos de usos de aparelhos, já tenho repostas nesta faixa de normalidade).
      Sucesso na adaptação!
      Maior parte do sucesso, está na sua conscientização de que faz-se necessário o uso; e que seu cérebro receberá estímulos e sons, que até então, não recebia por completo.
      Abraço!

  • Pedro e Paulo,
    agradeço a partilha.

    Paulo, seu relato de “usa aparelho e não o sente”, é fantástico!
    O aparelho já está incorporado.
    Assim me sinto qto ao meu.

    Abraços,
    Samira

  • Parabéns pelo artigo,e pela profissão exercida com amor e dedicação Samira!
    Tenho deficiência auditiva no ouvido direito, desde a década de 80 e, só a partir de julho do ano passado, passei a usar aparelho.
    Além do zumbido ouço as batidas do coração, quando em ambiente silencioso. Um coração de 68 anos.Porém, já me acostumei com eles.
    Durmo sem aparelho sempre e, quando tem muito barulho,como uma festa com música barulhenta, deito-me de lado, para tampar o ouvido bom e pronto, pelo menos uma vantagem de ser surdo de um lado só…rs. Tenho somente 50% do tímpano e descobri isso recentemente,em consulta com um outro otorrino, pois a anterior nunca me disse isso.
    O meu aparelho um Phonak, micro audeo,programável, tem dois altos falantes e observo que um deles, ora funciona ora não funciona. Não sei ainda se irro faz parte do programa ou é defeito.
    Quem usa aparelho e não o sente,o que é o meu caso, tem que ter muito cuidado para não esquecer de tirá-lo antes do banho.

  • Em oito de maio de 2013, foi publicada a LC 142/13, que veio ao mundo jurídico para regulamentar o §1°, do artigo 201 da Constituição Federal de 1988, no tocante à aposentadoria da pessoa com deficiência segurada do RGPS – Regime Geral de Previdência Social.

  • 12.06.13 – Tenho 53 anos de idade de pois de uma gripe muito forte onde perdi a fala quase por completo por mais ou menos 15 dias. Quando estava melhorando da gripe senti um estampido forte dentro da cabeça, que durou poucos segundos, se durasse mais talvez sairia correndo, e após fui acometido por um zumbido bilateral que me acompanha há 16 anos, 24 horas por dia, com aumento de perda auditiva no OD. Faço acompanhamento com Otorrinolaringologista sistematicamente desde então.Por sugestão do médico, fiz várias cirurgias que poderiam segundo ele, ajudar a minimizar ou resolver o problema. Mas até agora a perda auditiva continua evoluindo e o zumbido também. Em 2002 Fiz a cirurgia onde me retiraram além da adenoide, úvula e parte do palato mole, e com isso passei a ter dificuldades para falar. Falava e as pessoas não entendiam. Fiz várias sessões de fonoterapia e a fala melhorou um pouco.Fiquei sabendo que aqui em Cuiabá tinha Faculdade de Fonoaudiologia e para conhecer mais sobre o problema assim como fez Samira na cronica acima e Van Riper,e com isso tentar melhorar minha qualidade de vida e ajudar outras pessoas, resolvi encarar esse desafio. Terminei o 5º semestre e estou gostando bastante.Tenho focado, pesquisado mais na área da audiologia e quero fazer o meu TCC, sobre Zumbido. Grato, Daniel

    • Olá, Daniel.
      Que bom receber de sua partilha, quanto a sua história de vida!
      Desejo uma linda trajetória na sua vida.
      Deus te ilumine e que sempre extraias o melhor de tudo o que vives!
      Esperança e seguir adiante: sempre!
      Abraço!

  • Olá Samira, uso os ap Há 7 meses posso dizer q me acostumei com eles, porém, eu tenho medo e vergonha, em falar , contar p as pessoas. Apenas minha familia sabe. Eu creio q com mais tempo eu vou me sentir seguro qto a isso.
    Com vocês aconteceu tbem?

    O que eu percebi nesse tempo de uso:

    O ZUMBIDO nao passa (o meu ap nao tem esse sistema de mascarar, ap Phonak) aAo dormir piora e tenho ouvido barulho de torneira e chuveiro. Mas n existe soh no meu ouvido. E as x ele apita: pimmmmm e para( diminuiu um pouco)
    Conforme aumenta o som a microfonia tbem aumenta.
    Coceira atrás da orelha. E qdo troca as olivas.
    Eu nao entendo qdo a pessoa fala e fica de costas p mim. Por exemplo no taxi.
    Meu deficit de atencao me parece q melhorou um pouco.

    Vou fazer Ressonancia e eletroencefalograma. Acho q n vai dar nada!

    Ufa. Parece q acabou!

    Espero ter ajudado c meus relatos.

    Tks
    Luciana

  • Possuo uma perda bilateral neurosensorial, de leve a moderada, gosto muito de música e desde pequena faço aulas de violão, canto,… Tenho receio q a perda me impeça de crescer em alguns aspectos, no caso de eu optar pelo uso de aparelhos, devo dar preferencia à aparelhos com mais canais? o que determina a necessidade de ser um aparelho com poucos ou muitos canais? Grata pela atenção

    • Olá, Andréia!
      Grata pela pergunta.
      Os aparelhos auditivos estão em constante evolução;
      a tecnologia sendo aprimorada, para que, cada vez mais, o som com qualidade, seja enviado ao cérebro (facilitando o processamento do mesmo).
      Os canais servem para proporcionar melhor e maior precisão no ajuste; isto é, através deles, as freqüências são trabalhadas, conforme a tua necessidade auditiva.
      Aliados aos canais, existem recursos para deixar o som mais confortável.
      A Siemens, atual marca dos meus aparelhos auditivos, e com a qual eu trabalho, possui em alguns modelos, recursos de ênfase em freqüências altas, acredito que para sua atuação musical, seja importante.
      Caso tenhas interesse em trocar idéias, estou à disposição no samira@audire.com.br
      obs: sabendo sua cidade, posso verificar um(a) colega para lhe dar suporte.
      Um beijo!
      Samira

  • Bom dia, Juliana!
    Obrigada pelo comment!
    Há como acompanhar seu caso e verificar o melhor aparelho para sua saúde auditiva (não necessariamente melhor aparelho, seja o de maior valor).
    Caso tenhas interesse em enviar seus dados clínicos para que eu lhe oriente, segue meu email: samira@audire.com.br

    A intenção é que os aparelhos te ajudem e sejam confortáveis (fisicamente e acusticamente).
    Ressalto: os meus são confortáveis nestes aspectos.
    Acredito que encontrarás os teus!! Lembre-se: paciência e perseverança são fundamentais no processo de adaptação!!

    Abraço,
    Samira

  • Há! E parabéns Paula pelo Blog maravilhoso!!! Muito bom compartilhar nossa vida e mostrar as pessoas o quanto podemos vencer independentemente da perda auditiva! Abraços!!

  • Bom dia Samira!
    Eu tenho deficiência auditiva bilateral desde criança e sempre tive aparelhos, porém nunca consegui me adaptar com eles. Recentemente eu testei um aparelho com toda essa tecnologia de ponta, bluetooth, etc.. Eu simplesmente detestei, pois pra mim, o que importa é ouvir normalmente, não ficar com um monte de controle remoto, pra la e pra ca, assim como eu nao gostei do fato do aparelho baixar quando estou numa balada ou aumentar quando estou num ambiente silencioso, pois o que eu quero é ter as limitacoes normais de uma pessoa normal. Não ouvir de mais só porque tenho aparelho. Eu tbm não me adapto com o som metálico, gostaria de algo mais natural.. É normal sentir isso?! Eu nao sei se é por conta desses sentimentos que nao consigo achar algo que se encaixe pra mim, as pessoas que vendem aparelho só querem saber de vender o mais caro com todos os recursos, eu só quero um que eu escute normalmente e esqueça que ele está no meu ouvido. Aparentemente existem dezenas de aparelhos auditivos de toda sorte e espécie, mas como saber qual é o ideal pra cada pessoa?! É muito fácil o vendedor chegar e falar pra vc que é sse ou aquele, ele simplesmente não entende quando explicamos o que queremos.. Por isso pergunto a você que por ser fonoaudióloga, usa aparelhos e poderia entender o que penso e sinto.. Outra coisa, mesmo com perda, consegui me formar, viajei pra varios países, fiz vários cursos e hj sou advogada! Ao amigo Juliano, não desista, a perda auditiva não é e nunca poderá ser um empencilho na sua vida. Eu nunca deixei que ela atrapalhasse qualquer plano, estando eu de aparelho ou não. Esforço é necessário à todas as pessoas, tenha foco que você chega lá! Abraços!

  • ola samira tudo bem?
    adorei sua sua batalha, enfim foi emocionante o resultado desta historia.
    Eu tenho uma perda auditiva de 50 a 60db surdez moderada desde crianca, atualmente tenho 24 anos, faço acompanhamento desde 5 anos de idade e ateh hj nao consegui adptar me com aparelhos, nao ouso telefone, vozes graves ou grossas, barrulhos de aviao ou tremores ou roncos de carro ervas, contudo sofro varias barreiras na area do estudo e tbm do trabalho, pensei em fazer varias faculdades mas minha deficiencia me deixa confuso, portanto fiz enfermagem e nao atuo na area pela falta desse problema auditivo, nao sei mais o que fazer, o ano q vem vou fazer eng civil, e estou a procura de algumas sugestoes ou conselhos. tenho um aparelho novo da beltone com 54canais algo assim, dizem q eh top, mas eu nao quero um top, pelo menos ouvindo ja basta nao acha? n sei se eh pq esta mal regulado mas, me ajude, o q devo fazer, as vezes eu penso, puttsss sera q eu tenho q me formar em fonoaudiologo para resolver meu proprio problema kkkkkkkk.
    entao se puder responder me agradeço.
    um beijo p vc
    tudo de bom.

  • Ola gostei de ler o seu comentario, queria saber se o paciente pode ter um programa para poder programar sozinho o aparelho?

    • Bom dia, Jorge.
      Quanto a sua pergunta:
      Alguns modelos de aparelhos auditivos possuem controles remotos, nestes, o fonoaudiólogo programa alguns níveis de volume e/ou programas onde podes fazer as modificações. Terás certa autonomia nestes controles.
      É importante conversares com seu fonoaudiólogo para saberes se seus aparelhos possuem estes recursos. Caso não faças uso de aparelhos auditivos, no momento da aquisição, fale do seu interesse em poderes ajustar volume/programas.
      Sucesso!
      Abraço,
      Samira

  • Olá Samira. Parabéns pelo seu relato. Gostei muito. A minha mãe, recentemente, passou a usar aparelho em ambos os ouvidos, e sinto que ela ficou um pouco deprimida com a perda auditiva, então eu sofro junto com ela, pois ela sempre foi uma pessoa muito alegre.
    Atualemente estou tendo dificuldades em encontrar um celular que seja bom pra ela, pois ela reclama que o que ela tem não dá pra ouvir direito.
    Assim sendo, gostaria de saber se você pode me ajudar, dizendo qual marca devo adquirir?
    Muito obrigada e faço questão de mostrar seu relato à minha mãe.
    Grande abraço!
    Isabel Fialho.

    • Isabel, agradeço o carinho. Relatos como o seu me animam a compartilhar minha história! 🙂 Desejo que sua mãe retorne à ALEGRIA!!!
      Quanto a celular recém respondi o post anterior, segue a ti também:
      Ontem mesmo fui com meu pai (tem perda auditiva também), comprar o celular dele. O melhor celular é aquele que você pode testar e perceber o benefício.
      Eu uso iPhone, meu pai está com um Nokia (daquele dual chip – básico) – testamos e foram com boa desenvoltura! Tenho pacientes com Samsung, Motorola e que estão bem.
      Recomendo manter a saída do som do celular, direto no microfone do aparelho auditivo.
      Grande beijo a ti e tua mãe!! 🙂

  • Olá ,
    Bom dia!
    Gostaria de compartilhar algumas informacoes sobre deficiencia auditiva.
    Tambem uso aparelho auditivo e gostaria que me indicasse o melhor celular para quem usa aparelhos auditivos.
    Abracos
    Ana Paula

    • Ana, bom dia!
      Ontem mesmo fui com meu pai (tem perda auditiva também), comprar o celular dele. O melhor celular é aquele que você pode testar e perceber o benefício.
      Eu uso iPhone, meu pai está com um Nokia (daquele dual chip – básico) – testamos e foram com boa desenvoltura! Espero tê-la ajudado! bj

      • Samira, como disse você “O melhor celular é aquele que você pode testar e perceber o benefício” e hoje…
        Ana Paula, hoje para mim, o melhor está sendo é o da marca Motorolla.

        Beijos.

  • Olá Samira, tenho perda auditiva e ZUMBIDO nos 2 ouvidos. 40db e 3db. Estou na fase de adaptação dos aparelhos, os meus sao da Phonak, eu não sei se são bons qto os siemens, pra mim esta complicado pois os ap. Apitam, fazem barulho concha do mar, e qdo eu tiro eles o ouvido fica abafado. Ou seja ta uma bos.. Sorry.
    Você saberia me dizer porque tem tanto barulho no ap? , eles sao novos. Me arrependi de comprar phonak!
    E se usando os ap. Minha perda vai parar?
    Obrigada
    Luciana

  • Quero dizer apenas que:Sinto o maior orgulho em dizer que essa pessoa maravilhosa,faz parte da minha vida:Desde que te conheci,muito aprendi e tive um grande crescimento interior.Tu és a melhor mulher que meu filho poderia ter!!
    Um grande beijo e parabéns por essa brilhante carreira.

  • Grande Samira! Parabéns pelo seu depoimento!

    Admiro muito você, não só pela competência no seu trabalho, mas principalmente pelo ser humano maravilhoso que você é. Continue com suas armas poderosas: simplicidade, humildade, caridade, sensibilidade, fé, carinho e essa ânsia inesgotável de querer ajudar as pessoas. Agradeço a Deus por tê-la colocado em meu caminho. Com você aprendi a me superar a cada dia.

    Obrigada! Abração!

    • Zenaide, apenas hoje li seu comentário aqui. Obrigada pelo carinho e a confiança de sempre.
      Juntas seguiremos superando as limitações auditivas.
      Beijinhos

  • ola gostei mto da sua declaraçao eu tbem uso aparelho nas duas orelhas gostaria de te perguntar o que é pra vc o melhor aparelho auditivo de ponta eu uso modelo naida da phonac o qual nao esta mais me satisfazendo entao gostaria de saber sobre o que ha de melhor no mercado para aparelhos auditivos …ok aguARDO RETORNO

  • Oi Samira

    Sabe, eu sempre pensei que seria muito “massa” uma pessoa com deficiencia auditiva trabalhar nessa área. Fico feliz em saber que pessoas como vc existem!
    Sou usuário de aparelhos desde 2007 e já estou no meu segundo.

    Acabei “caindo” nessa entrevista porque estou fazendo uma pesquisa intensa sobre novos modelos, tecnologias, pois pretendo fazer um Up até final do ano. Mas foi uma “perdida” mais “achada” que já tive na internet, onde as vezes, ao invés de navegar, a gente naufraga, não é mesmo?

    Como os comentários acima, também senti em saber que não posso contar com os cuidados de uma profissional como você, devido a distância (moro em Maringá-PR).

    Mais uma vez, obrigado pelas suas palavras!
    Abços 😉

  • Samira, eu lí sua história e fiquei aqui pensando( me emocionei muito em ler).Será que eu vou conseguir ouvir com o aparelho?
    Vou relatar meu caso…
    Fiz cirurgia de timpanomastoidectomia dia 13/04, agora já cicatrizou, fiquei com o tumor no ouvido direito por quase 1 ano, sempre tive perda auditiva, mas no decorrer se agravou, e ao retirar o tumor,retiraram quase tudo do meu ouvido, bigorna, martelo…
    Meu ouvido abre e fecha,tudo parece confuso, pois nem o barulho da chuva ouço,o barulho do microondas, telefone é estranho demais…enfim, farei a audiometria e já foi dada a “sentença”(desculpe o termo, mas eu confesso que tinha no meu coração a esperança de ainda voltar a ouvir),a médica disse que terei de usar aparelho, não sei o tipo e serão 2 ou 1.
    O que eu gostaria de saber, (até porque você é fonoaudiologa),é se ao utilizar o aparelho para teste,eu já começo ou não a perceber e identificar os sons perdidos, se precisarei de uma adaptação disso com consultas com a fono? No caso eu sou professora e estou afastada há quase 1 ano, o período de adptação e eu retornar ao trabalho, será em breve ou demorará? porque pergunto isso?Porque quero voltar a trabalhar, viver…porque depois dessa cirurgia, tive de tudo um pouco, depressão, negação, baixa autoestima..
    Se possível me oriente.Obrigada

    • Suely, obrigada pelo seu comentário! 🙂
      Sabe aquela frase que ora é bem vinda e ora não é bem vinda: “CADA CASO É UM CASO”?
      Então, recomendo a vc que procure o melhor profissional de sua cidade, leve seus anseios, desejos. Conte de sua rotina/dia-a-dia. Leve seus exames audiológicos, juntamente com a indicação médica para uso de aparelhos auditivos. Com certeza ele(a) vai lhe indicar o que é mais recomendado no seu caso. A tecnologia está a nosso favor.
      Dependendo de como estiver sua condição anatômico-funcional, vc poderá obter resultados já no período de teste.
      O que peço a vc: DETERMINAÇÃO E PACIÊNCIA.
      Acredito que benefícios terás.
      E com a ADAPTAÇÃO, dia após dia, vais percebendo as diferenças.
      Caso estejas em Florianópolis, disponho-me a atendê-la.
      Se desejares alguma indicação de profissional, peço que envies a cidade onde moras, para o meu email: samira@audire.com.br
      Beijinho
      Samira

    • ola samira gostei muito da sua historia e gostaria de saber si eu posso atuar na area de fonoaudiologia,o motivo ta pergunta é que sou surdo do ouvido direito (não ouço nada do ouvido direito mas sim escuto no ouvido esquerdo perfeitamente) não uso aparelho converso com as pessoas e que nem elas sabem que eu tenho problemas de audiçao, gostaria muito trabalhar na area para ajudar o proximo porque eu sei como e ter uma audição prejudicada . agradeço des de já!

  • Catarina. Desejo que seu sobrinho (Fabio)consiga superar todas a barreiras possiveis. Acho que se ele se tratar, se for o caso de ajustar os aparelhos, por exemplo, vai ajudá-lo muito. Quem sabe até mesmo realizar o sonho de dirigir.
    Continue dando forças para ele e busquem ajuda. Tudo de bom à todos vocês.
    Viviane

  • Catarina, hoje em dia a tecnologia está bastante desenvolvida. Vcs moram onde?? No que eu puder ajudar/orientar, conte comigo!
    Abraço!

  • Fiquei emocionada pois tambem tenho um sobrinho nome de Fabio e as vezes temos decepçoes que ele nã escuta mesmo com aparelho e era mudo mas com muita fe em Deus ele mal as vezes entemos as não mas a mae sempre entende .Que neste momento com muita fe nada esta perdido voces serão os mais fortes para enfrentas todas as dificuldades.Chorei muito qdo meu sobrinho disse tia eu quero dirigir carro ,trator etc ,mas dizem que eu não posso por que não estou ouvindo não escuto a buzina .Mas acredito que vcs seram os maiores vencedores. Que Deus sempre acompanha.Bjs. Catarina .

  • Parabéns Samira pela entrevista!!! Tenho muito orgulho em conhecer esta ótima profissional e neste momento, admirá-la ainda mais com este lindo relato. E ter o mesmo nome então… Abraços, Fga. Samira Natascha Tschoeke Reyes

  • Viviane, que bom ler seu comentário!!!
    Tristeza, todos nós teremos nossos momentos! Não deixemos isto ser uma constante.
    Meu foco fica em: desfrutar da vida! Desfrutar dos bons relacionamentos com o próximo!
    beijinho.

  • Samira, tudo bem?
    Gostei muito de sua história de superação. Acho que voce tem o mesmo problema que o meu. Descobri depois dos 30 anos que tenho otosclerose. Desde então tento tratar da melhor maneira possivel. Sem entrar em desespero. Já passei pela fase de aceitação, mas confesso que tem dias que me sinto triste por isso. E quando começo a me lembrar que existem pessoas em situação semelhante e até mesmo pior, volto a pensar que tudo está bem e que vou conseguir encarar tudo de frente, sem medo de ser feliz. Afinal, como disse a Paula, devemos aceitar nossa condiçao e conviver com ela, enfrentando preconceitos de todo tipo.Trabalho e estudo normalmente, com ajuda de aparelhos. Sem eles não escuto certos tipos de sons. Algumas pessoas que falam em tons graves ou baixos, tenho dificuldades para ouvir. E depende do ambiente tambem (Se fechado ou pequeno). Vai entender este tipo de surdez…
    Abraços e tudo de bom.

  • Nossa Samira… Adorei a sua história!!!!! Conversei com você e não percebi em nenhum momento que você usava aparelho auditivo… Você está na profissão certa, usando a sua experiência e o seu aprendizado a seu favor!!!!
    Minha prima é muito privilegiada por poder contar com a sua colaboração junto a AUDIRE em Florianópolis!!!! Bjs Kathia

  • Essa é a minha fono, adorei o seu relato e compartilho contigo no que diz respeito ao dormir com o aparelho, também não consigo com os barulhos externos incomodam, tenho que tirar se não não durmo. Saiba que você é uma pessoa especial e compreensiva com os pacientes. E que as nossas risadas sejam constantes…rsrsrs…Beijosssss!!!

    • Ana, Ana, Ana! 🙂
      És uma figura, guria!
      Com certeza nossas risadas serão constantes!
      Vamos desfrutar desta vida e de nossa cidade maravilhosa!
      Beijinho e obrigada pelo carinho!

  • OLá Samira, magnífico esse seu depoimento!
    Admiro muito você como profissional e pessoa maravilhosa.
    Saudades!
    bjos com carinho
    fga.Milena
    Audição&Vida-Catanduva

    • Milena,
      nossos encontros sempre em cursos/atualizações/congressos.
      Nos encontraremos em breve! 🙂
      Beijinhos e continue com seu super cuidado aos teus pacientes. Admiro isto!

  • Muito legal sua historia, descobri agora, este ano que posso utilizar aparelho… depois de praticamente 12/13 anos que perdi audição no ouvido direito por conta da caxumba…

    • Olá, Rodrigo!
      Essa caxumba… tenho pacientes que também foram “visitados” por ela.
      Já estás sendo assistido por alguma fonoaudióloga(o)?
      Precisando de alguma orientação, estou à disposição. 🙂
      Abraço!

      • Eu tive perda profunda em ouvido direito, graças a Deus ela só me visitou depois que eu já falava,
        Veio por volta dos 6/7 anos. E meus pais perceberam logo, eu atendia o telefone, e sempre desligava achando que não era ninguém…
        Mas só agora depois de muito tempo soube que poderia usar aparelho, fiz vários acompanhamentos desde criança, a perda se manteve… mas ainda tenho algumas duvidas quanto ao aparelho, pois nunca usei, e isto ainda e novo para mim…

  • Samirinha, linda!!!
    Parabéns pelo belíssimo depoimento!! Honrosa história de vida!! Parceiraçaaaaaaa!
    Beijão e os cumprimentos de toda a Equipe Ressoar Sul SC – Aparelhos Auditivos Siemens.
    Rê, Di, Cíntia, Luiz e Sônia!

  • Samira, adorei seu depoimento!

    Ainda esse ano pretendo fazer um passeio a Florianópolis, se for possivel vou dar um pulinho na Audire.
    Bjs

    • Opa!
      Maravilha, Ge Santos!!
      Vais curtir muito Floripa e a AUDIRE. 🙂
      (desejando dicas turísticas, trocamos uns emails)
      Aguardo teu contato!
      Beijinho

  • Samira,adorei seu relato,foi de uma mistura de profissional e pessoa humana e bacana.
    Sua frase:”E você, se ama? Tem cuidado de si com o devido zelo?”
    Me tocou na alma.Se Deus me pede para amar meu próximo como a mim mesma, se eu não gostar de mim, não vou conseguir isso.
    Bjão
    Sucesso.
    P.S:Na igreja é sofrido quando a acústica é ruim viu.rsrs.
    Sonho de consumo.Sistema FM, mas vi que é caríssimo.

    • Olá, Greize!
      Que linda: “tocou a alma”!
      Realmente, muitas igrejas possuem uma acústica nada adequada. Porém, se vc tiver aparelhos auditivos que sejam compatíveis com sistema bluetooth, sai bem mais em conta $$ que um sistema FM (o qual sou fã também), apenas terá que conversar com a equipe de som, para conectar seu “transmitter”/bluetooth numa saída de audio da mesa de som deles.
      Maiores esclarecimentos, escreva-me (meu email está no site da audire). 🙂
      Beijinho.

  • Oi Samira, temos o mesmo nome e lendo seu relato, posso te dizer que ainda estou na fase de adaptação dos aparelhos auditivos, mas ainda sofro com essa realidade, pude comprar meu aparelho e sei que deveria esta feliz c essa possibilidade, mas as vezes choro sozinha, recentemente formei-me em direito sinto medo de não exercer minha profissão a contento, medo de ser discriminada por estar nesta condição.
    Tenho tentava esquecer esses medos e bola p frente, mais é difícil, no meu caso é familiar, avô e mãe, mas não foi tão cedo como aconteceu comigo, ao mesmo tempo quero me engajar em propostas para quem tem perda auditiva, é muito injusto com pessoas que não tem recursos p comprar seu aparelho.
    Isso, foi só um desabafo, tenho certeza q Deus me ajudará a entender e superar o medo de como a perda possa evoluir.
    Samira

    • Xará!
      Receba meu abraço!
      Esta condição auditiva não te fará menos competente para atuar. Estejas certa disto!
      És capaz!
      Siga em frente.
      😉

  • Olá, Jamile. 🙂
    Fico feliz em saber do seu interesse na Fonoaudiologia. Mais feliz ainda em saber que estás atuando em áreas de teu interesse.
    Sucesso!
    Venha me visitar em Florianópolis. Posso não ser sua fonoaudióloga, mas podemos nos conhecer. 🙂
    Beijinho

  • Querida Samira,

    Como eu estava torcendo para você estar em Brasília… Adoraria conhecê-la e tê-la como minha fonoaudióloga!!

    Adorei o seu depoimento, parabéns pelo espírito tão alegre e leve!! Me senti elevada!! Aproveito pra te contar que eu já quis fazer fonoaudiologia!! Quando eu era mais nova, sempre quis fazer medicina ou algo da área de saúde, mas infelizmente coloquei minha deficiência como uma barreira e desisti. Uma pena. Hoje sou designer gráfica e de produto, mas houve um período de crise de profissão em que tive vontade de mudar de ofício, e imediatamente procurei pela fonoaudiologia.

    No entanto, ouvi muitos de profissionais que eu não conseguiria alcançar a plenitude da profissão devido à deficiência auditiva. Novamente eu desisti. Então nada me alegrou mais do que ler o seu relato!!! Inspirador! Parabéns!!

    Hoje estou bastante satisfeita com a minha área, e de quebra, ainda encontrei uma solução para o desejo de atuar na área de saúde: me formei em acupuntura.

    Um beijão!!!

  • Acho que já tinha lido há tempos um reportagem com a Samira e mais duas outras fonoaudiólogas que usam próteses. Coloquei o link no Sulp. É com prazer que vejo uma entrevista atualizada. è bom ter uma profissional que conhece os dois lados da questão. Tenho certeza que isso aumenta a sensibilidade e portanto a ajuda às pessoas co perda auditiva. Parabéns Paula pela entrevista e Samira pela linda trajetória profissional.

  • D+ isso!!
    Parabéns pelo trabalho! *-*
    Bom, eu tenho que dormir com meus parelhos, pois é durante a noite que o meu zumbido fica mais alto e não me deixa dormirr! Então uso o modo (chiado) do meu aparelho sempre que vou dormir, é tipo um tratamento pra o outro ouvido (que tem o zumbido) esquecer um pouco do barulhãaoo que fica dentro da minha cabeça. Com essa função ativada eu durmo que é uma beleza! rs 🙂
    Passo o dia inteiro com eles e a noite inteira tb, só tiro na verdade pra tomar banho.
    Será que por passar tanto tempo com os aparelhos podem danificá-los? Oo

    Um Beijão pra todo esse povo bonito e abençoado!
    Que Deus continue Iluminando cada vez mais nossas vidas!
    Fiquem na Paz e Obrigado mais uma vez pelo lindo trabalho! :*

    • Olá!
      Agradeço o carinho expresso em suas palavras! 🙂
      No seu caso, para tratamento do zumbido, mantenha o uso dos aparelhos indicados. O cuidado para não danificar seria de evitar pressionar contra o travesseiro, ou se sair da sua orelha, correndo o risco de quedas e danificar o circuito eletrônico.
      O que existe e nas revendas Siemens dispomos, são os sistemas de terapia sonora. Num deles, vc insere as caixas acústicas no seu travesseiro e seleciona o som mais adequado para vc. Assim, evita riscos com os aparelhos.
      Beijo!

    • Parabéns Samira! Somente hoje 26 de dezembro de 2015 tive contato com seu relato. Meu nome é Lucinéa, sou psicóloga e enfrento muitos desafios na minha profissão. Gostaria de manter contato ou passear pelo sul: lucineapsi@gmail.com. Abços

Deixe seu comentário