Deficiência Auditiva Destaques

Unidos pela Audição em Portugal

O MOVIMENTO PORTUGUÊS UPA – UNIDOS PELA AUDIÇÃO

Alice Inácio (implantada unilateral) conhecia Inês Laborinho (implantada unilateral) e conhecia também Filipe Silva, de quando a filha deste, Bea, tinha sido implantada. Já André Vasconcelos, (implantado bilateral), que pertencia na altura a uma associação de implantados, cruzou-se com os três num grupo do Facebook, dinamizado por Alice e por Filipe, que planeavam uma Concentração Nacional do Implante Coclear, para chamar a atenção para os problemas dos implantados com a assistência técnica e o acesso ao bilateral.

Em 28 de maio de 2016, foi o encontro em Coimbra, cidade portuguesa com uma Unidade Funcional de Implante Coclear: cerca de 20 implantados, familiares e amigos, numa tarde mágica, de partilha de testemunhos e emoções, de adultos e pais de crianças, o contar de histórias pessoais da surdez e o caminho até ao implante coclear. Lágrimas, muitas, e risos também! E revolta, pelas situações incríveis que se vivem em Portugal, por exemplo, sempre que o processador avaria e precisa de ser reparado, já que se tem de esperar e muito pela reparação, sem processador temporário na maior parte dos casos, sem ouvir, ponto!

Desta reunião acabou por nascer o UPA – Unidos pela Audição, um grupo português para portugueses, com sede virtual no Facebook, que reúne pessoas com perda auditiva, implantadas ou aparelhadas e pais de crianças e adolescentes, neste momento com cerca de 1400 membros.

Os quatro, Alice, André, Filipe e Inês avançaram com este projeto, constituindo-se de forma voluntária como equipa dinamizadora do UPA, já que este é um movimento cívico informal. 

O UPA são pessoas que escolheram ouvir, usando os meios tecnológicos ao seu alcance e que partilham as suas vivências, as dúvidas que têm e informações acerca da perda auditiva, das próteses auditivas (AASI), dos implantes auditivos (coclear e osteointegrado, entre outros) e de outros meios de apoio à escuta (sistemas FM, wireless/Bluetooth).

No grupo do Facebook do UPA são também discutidas questões essenciais do dia a dia, os problemas que surgem quando tentam aceder aos benefícios estipulados por lei para as pessoas com deficiência auditiva: a avaliação de incapacidade que permitirá usufruir de benefícios fiscais (desde que comprovadamente acima de 60%), a educação especial, o acesso ao mercado de trabalho, as quotas para pessoas com deficiência em concursos para emprego mas também para ingresso no ensino superior, o acesso ao implante coclear, a manutenção e reparação de implantes e próteses e um sem número de obstáculos na roda-viva da burocracia portuguesa.

Ainda que na lei portuguesa já haja muitas situações previstas, nem sempre as pessoas conhecem os seus direitos e muito falta ainda legislar para que as pessoas com perda auditiva/surdez vivam em igualdade de direitos com os outros cidadãos portugueses, para que a acessibilidade institucional e cultural e a inclusão plena sejam uma realidade.

O UPA está a lutar para que tudo isto se concretize, a apoiar quem o procura, a estabelecer parcerias com as autoridades estatais (ministérios, centros de implante e serviços de ORL dos hospitais públicos, empresas ligadas à reabilitação auditiva) para melhorar as condições de vida dos seus membros, mas também a de todos os portugueses com perda auditiva.

No passado dia 25 de fevereiro, cerca de 9 meses após o nascimento, o UPA apresentou-se publicamente, num evento, em Lisboa, por ocasião da comemoração do Dia Internacional do Implante Coclear, numa sessão em que estiveram presentes cerca de 120 pessoas, entre implantados e familiares, representantes de dois partidos políticos parlamentares (PCP e BE), da Direção Geral de Saúde, da Unidade Funcional de Implantes Coclear do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, da Sociedade Portuguesa de Otorrinolaringologia, e profissionais da área da reabilitação auditiva.

Foi uma manhã intensa, emocionante, talvez um dos maiores eventos recentemente realizados de implantados portugueses! Conhecemos finalmente pessoas com quem falávamos há muito tempo na net, abraçámo-nos como velhos amigos e voltámos a partilhar histórias e momentos. Por outro lado, mostrámos a quem esteve presente, e às entidades oficiais, que existimos e que, mesmo com muitos problemas, não vamos baixar os braços nesta luta por uma vida mais justa e com mais e melhores sons.

Próximos desafios: a audiência com o Presidente da República, já pedida, e o aniversário do UPA, a 28 de maio. Entretanto, continua a divulgação de informações, o apoio interpares e os contactos com diversos «atores» da reabilitação auditiva, para que a Saúde Auditiva em Portugal seja finalmente uma realidade!

Contato: ouvir.portugal.ic@gmail.com 🙂

19 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 34 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

3 Comentários

  • Paula, assistindo seu vídeo hoje sobre surdos oralizados e o recado para os RHs, fiquei pensado… Você não contou como foi sua experiência na multinacional que estava trabalhando. O que fez você deixar o trabalho? Acho que sua experiência pode ajudar muitas pessoas!

  • Dar acesso a um maior numero de pessoas com deficiência ou não, é muito importante. Trabalhos como os de Paula Pfeifer e a criação de outros tantos espaços virtuais que permitam a interação a respeito das dificuldades que todos enfrentamos, abrem um horizonte cheio de perspectivas bonitas e positivas. Fico grato por ter acesso a isto. Abraço a todos.

Deixe seu comentário