Aparelhos Auditivos Deficiência Auditiva

Usar aparelho auditivo é diferente de usar óculos

Fonte: Healthy Hearing

woman-with-glasses-with-hearing-aid

 

A perda da visão pode ser na maioria das vezes corrigida para um nível normal com óculos, mas aparelhos auditivos não são capazes de fazer o mesmo pela audição. Trocando em miúdos, não espere dos aparelhos auditivos o que os óculos conseguem fazer por você.

De acordo com o CDC, os transtornos de refração – como miopia, hipermetropia e astigmatismo – são os problemas oculares mais frequentes nos Estados Unidos, afetando até 11 milhões de americanos. A boa notícia é que nesses casos a visão pode ser corrigida com óculos de grau, lentes de contato ou cirurgias corretivas.

Quanto à audição, embora a tecnologia tenha evoluído substancialmente nos últimos anos, os aparelhos auditivos não são capazes de reparar o dano às celulas ciliadas do ouvido interno. As células ciliadas não se regeneram, quando elas morrem ou são danificadas o cérebro tem mais dificuldade em interpretar os sinais que elas enviam. Os aparelhos auditivos são ótimos em aplificar o som, mas infelizmente é mais difícil para eles escolher os sons que interessam do que para o seu cérebro. Os AASI digitais têm feito grandes progressos nessa área – os AASI de hoje são muito bons em processar sons complexos. Infelizmente, a maioria das pessoas espera vários anos até comprar o seu primeiro par de aparelhos auditivos, reduzindo a estimulação da parte auditiva do cérebro durante este tempo. Quando finalmente começa a usar próteses, o usuário precisa voltar a treinar o cérebro para que ele se acostume com a vasta gama de estimulação sonora outra vez.

O sistema auditivo é de difícil acesso

Cirurgias oftalmológicas podem corrigir uma boa varidade de problemas de visão, enquanto a maioria das perdas auditivas não podem ser corrigidas cirurgicamente.

A ciência médica moderna descobriu como substituir e realocar a lente do olho para corrigir problemas como miopia, hipermetropia e astigmatismo. Além disso, as cataratas, que são a principal causa da perda de visão nos Estados Unidos, podem ser removidas cirurgicamente. O CDC estima que 20,5 milhões de americanos têm catarata em um ou ambos os olhos. Ceratectomia fotorrefrativa (PRK) é a cirurgia que corrige miopia e laser (LASIK) é outra cirurgia corretiva. Tudo isto é possível porque o cirurgião tem fácil acesso aos olhos.

Aqueles com perda de audição condutiva podem ter a audição restaurada, já que esta condição é tipicamente associada à alguma obstrução – como excesso de cera, infecção no ouvido ou danos nos ossos do ouvido médio. Infelizmente, não é assim para quem tem perda auditiva neurosensorial, que responde por até 90 por cento de todas as perdas de audição. Este tipo de perda causa danos ao ouvido interno ou ao nervo auditivo. A localização do ouvido interno, profundamente dentro do osso temporal, torna difícil o acesso para reparar a estrutura – mesmo que fosse possível regenerar as delicadas células ciliadas do ouvido interno.

Tanto a sua visão quanto a sua audição são sentidos importantes que devem ser avaliados regularmente.

De acordo com um artigo sobre a perda da visão do MedicineNet.com, quase metade dos americanos se preocupa mais com a possibilidade de ficar cego do que com a possibilidade de perder a sua memória ou sua capacidade de caminhar ou ouvir. 12,2 milhões de adultos que necessitam de correção da visão não fazem nada em relação a isso. E 48% dos pais com filhos menores de 12 anos nunca levaram os filhos ao oftalmologista.

As estatísticas não são melhores quando se trata da audição. A pesquisa indica que a pessoa diagnosticada com perda auditiva espera uma média de 7 a 10 anos antes de procurar tratamento. Durante esse tempo, outros problemas sociais e médicos, tais como um aumento do risco de desenvolvimento de doença de Alzheimer e demência, bem como ansiedade, depressão e isolamento social, podem vir à tona.

Oftalmologistas recomendam que adultos tenham sua visão testada a cada dois anos, enquanto profissionais de saúde auditiva recomendam triagem auditiva neonatal, audiometrias regulares ao fim dos 50 anos e acompanhamento anual após os 55. Naturalmente, se você tiver qualquer dificuldade com sua visão ou audição, você deve procurar tratamento médico imediatamente.

Venha para o Grupo Crônicas da Surdez no Facebook

50 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

10 Comentários

  • […] O otorrino dá o diagnóstico e a etiologia da sua perda auditiva, mas depois disso, na maioria dos casos, você será encaminhado para um fonoaudiólogo para seguir o protocolo do tratamento. É ele quem irá lhe orientar sobre aparelhos auditivos (e adaptá-los, caso você venha a usar) ou fará uma enormidade de testes se você estiver sendo avaliado para um implante coclear. A minha dica é: encontre um profissional da fonoaudiologia com o qual o seu santo bata e apaixone-se por ele. Afinal, vocês terão uma longa jornada juntos, cheia de altos e baixos, de risos e choros, de sons bons e ruins. Você precisa se sentir à vontade e bem tratado, mas não esqueça que, em se tratando de surdez, ninguém faz milagres e que usar aparelho auditivo é diferente de usar óculos. […]

  • Tenho uma amiga que me chama de mulher biônica (na boa, é super amiga). Sempre damos risada quando ela fala. Eu uso AASI e óculos.

  • Gostei muito das comparações apresentadas, sobre limites na recuperação da visão e audição nas pessoas, por diferentes técnicas.

    Fala-se muito no uso de extratos com células-tronco, injetados, na região própria onde se encontram as células ciliadas. Alguns autores comentam que nascem novas células ciliadas com este tratamento. Este procedimento ainda é considerado experimental e não é ainda aprovado pela Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos. Espero, que no futuro, possa haver maiores progressos nessa área.

  • […] Aparelhos Auditivos não são como óculos: Aparelhos auditivos evoluem todos os dias. Sua tecnologia pode chegar a proporcionar aos usuários algumas capacidades que os ouvintes normais não têm, como transmissão do som sem fio e filtros de ruído para ambientes barulhentos. Entretanto, diferentemente dos óculos, eles não são capazes de corrigir a audição ao padrão normal. Para mais detalhes, leia esse texto no Crônicas da Surdez. […]

  • Muito boa a reportagem que me fez lembrar de um detalhe sobre a visão que pode resolver de varias maneira, exemplo é que tem alguns tipo de transplante como de córnea, mas audição desconheço.
    Na época da revolução do transplante de vários órgãos, pensei que era só fazer o transplante de ouvido que estaria ouvindo novamente como os demais órgãos.kkkkkkkkk

  • Sim é verdade: usar aparelho auditivo é diferente de usar óculos! Embora eu uso óculos e aparelhos, cada um tem sua função e devemos dar importância. Sou portadora de Síndrome de Usher: deficiência auditiva e visual ao mesmo tempo e por isso é muito importante avaliar o grau de perda em ambos os casos! Obrigada pela excelente postagem!

Deixe seu comentário