Aparelhos Auditivos Crônicas da Surdez Deficiência Auditiva

Como manter a sanidade usando aparelhos auditivos

1274131277653_f

 

Preciso dividir com vocês um ‘causo’ porque só vocês me entendem. Nessas horas eu agradeço a Deus por ter um dia tido a idéia de criar esse blog e, consequentemente, entrado em contato com milhares de pessoas que vivenciam exatamente as mesmas sensações que eu. Especialmente, quando elas são desesperadoras. Vamos lá, porque hoje eu preciso desabafar. Total estilo “fala que eu NÃO te escuto“, hahahaha.

Acho que foi em abril que os moldes dos meus Pure Carat começaram a ‘nadar’ dentro das minhas orelhas, apitando alopradamente e assustando quem estivesse por perto. Já me explicaram uma vez que as nossas orelhas vão mudando de tamanho interno, engordando, emagrecendo – e, consequentemente nos enlouquecendo junto. Mandei refazer. Os meus são de acrílico, pois o Carat me dá um baita ganho auditivo mas me exige um molde perfeito, bem justo, para evitar microfonia. Só que nessa do ‘bem justo’ é que mora Satanás. Assim que os dois voltaram, o esquerdo estava nos trinques. Como quando você compra um sapato e ele serve como se tivesse sido feito sob medida para o seu pé. Já o direito, senti uma ‘fisgada’ assim que falei alguma coisa. Essa ‘fisgada’ maldita já é minha velha conhecida, porque eu já passei por isso antes. Comigo, funciona assim: começa com uma leve fisgadinha lá dentro, que vai piorando, doendo, quando você ri chega a chorar junto de tanta dor, e já cheguei ao cúmulo de ficar com uma orelha praticamente paralisada por teimosia em querer usar o AASI com um molde que não servia bem.

Foi então que começou o meu calvário. Até hoje não conseguimos acertar ainda outro molde pra orelha direita. Ontem chegou nossa última tentativa (já perdi as contas se estamos no quinto, no sétimo ou oitavo, já nem lembro quantos moldes a fono já tirou com aquele mix de massinha verde e massinha branca também) e, assim que coloquei, foi mexer a mandíbula e dar um gritinho de dor no ato. Vou ter que ir a Porto Alegre na próxima semana para uma sessão ‘especial’ com a protética até acertarmos o babado antes que eu despiroque de vez e ela também.

Confesso que não faço nem idéia de como mantenho minha sanidade mental quando isso me acontece – não é a primeira vez e estou convencida de que tenho orelhas mutantes. Mutantes pro mal, diga-se. Minha real vontade é jogar no chão, pisar em cima, dar um soco na parede, chorar até desidratar, estrangular alguém, pegar uma agulha e furar o tímpano. Mas não adianta. A deficiência auditiva é uma desgramada sem coração que exige de nós uma resiliência e uma calma que nenhum outro ser humano é capaz de ter. E quem está por perto é que paga o pato, porque em alguém essa raiva precisa ser descontada (mil desculpas mãe, vó, Dudo!!!!). Não tem sido fácil. Em muitos dias me resta a única opção de colocar um sorrisinho amarelo no rosto, engolir o desatino, levantar e ir trabalhar de qualquer jeito. Não sou muito afeita à idéia de entrar em depressão ou deixar que a D.A. me ‘vença’, aliás, sem chance. Já cheguei até aqui, não vai ser uma orelha direita rebelde que vai me derrubar. Ahhhhh, não!

Obrigada pelo desabafo!

Agora me contem como é que vocês fazem pra manter a sanidade mental quando o AASI/molde prega essas peças sem graça em vocês também. “Tamo junto!”  🙂

Leia todos os posts sobre Aparelhos Auditivos

16 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

48 Comentários

  • Primeira vez que estou usando…não sei nada…estou desesperada!
    Acabo de ganhar…e aí falei vou marcar consulta com meu otorrino…e descubro e ele foi embora …deixou meu convênio…que decepção…mas vejo que é pra fono que devo ir …então eu tô perdida não conheço ninguém não tenho referências…
    Sou de São José dos Campos SP
    Se alguém quiser me ajudar meu número é 12 982831637…
    Eu tenho 29 anos nunca aceitei e agora já q ganhei tô tentando mas choro todos os dias…
    Tudo muito alto! Só qria as vozez mais nada !
    Não consigo cozinhar…meu marido está me ajudando … panela grita !
    Eu qria nem existir

  • Bom dia galera! Paula hoje descobri essa sua página e fiquei feliz. Meu caso é simples, tenho perda auditiva bilateral para ruídos agudos. Tudo começou em 86 por causa de uma crise de estafa, nem existia a palavra estresse (eu acho), percebi o barulho na cabeça logo depois, no início eu percebia que era só de um lado, aos poucos já não sabia de que lado era e por fim o zumbido na cabeça (panela de pressão) tomou conta. Os sons foram modificando, hora agudos, hora graves, hora chiado, hora zunidos. De 2014 para cá vinha percebendo que tinha dificuldade de entender o que as pessoas falam e fui de novo procurar um otorrino que me aconselhou usar aparelho. Faz um ano e por enquanto tudo OK, o meu é interno com aquela peça externa, pequeno porque meu canal é estreito. Tenho sorte diante de tantas dificuldades e sofrimentos que acabei de ler. Vou acompanhar as notícias a partir de agora!!!! Obrigada!!!

  • Não há como usar moldes sem um ajuste feito depois de prontos e na orelha do usuário. Sempre vai ter um canto que vai pegar e machucar se ele for bem apertado. E uma lixadinha alí já resolve.

  • Caros amigos,

    A minha experiência pode ajudar! Tenho surdez profunda bilateral e sofri muito por muitos anos com apitos dos meus aparelhos auditivos de várias marcas. até que um dia testei os da marca Resound modelo Sparx, que são envoltos e protegidos por nanotecnologia e não têm feedback. Isto mudou a minha vida, os aparelhos não apitam mais. Moldes acrilicos ajudam muito também! Abraços, Cristina Possas.

  • Fato que a orelha muda de formato e ouvi dizer que todo ano. Já imaginam que quando ficarmos velhos,as orelhas crescem e nem consigo pensar que talvez ele vai alargar e lá vou fazer outro molde!!!
    Já usei de acrílico, foi uma tortura!!! Só machucava minha orelha e chegava a formar feridas,e atualmente, para o alivio, eu uso de silicone, ficou melhor e confortável. A orelha agradece!
    Agora, quando não ouvimos direito e mandando as pessoas repetirem o que não entendemos, com certeza (pelo menos no meu caso), é hora de trocar o tubinho porque quando fica duro, dificulta a passagem de som ao aparelho, ou seja, ele vem distorcido.
    O que mais me incomoda são os ruídos externos (motores de ônibus, moto, caminhão), avião, sirenes de ambulância que tem o som de porco gritando rs… , mulheres falando alto nos banheiros (quantos ecos!!!! um verdadeiro galinheiro!!! desculpem-me meninas!!! é fato!!!), e são estressantes e ainda mais, quando queremos nos comunicar. Já pedi a uma montadora criar um motor silencioso e ficaria rico…rs..rs..Com o excesso de ruídos, temos a vantagem de desligar o nosso aparelho, mas prejudica no desenvolvimento nos estímulos e identificação de sons no dia-a-dia.
    Uma boa ideia, ter um molde emborrachado que infla e molda de acordo com o formato da orelha. É só uma ideia.

    Um grande abraço a todos e Deus esteja com vocês!

  • Ola Paula , só posso dizer que ruim com eles pior com eles, já vi casos de pessoas que o vendedor (todo vendedor é um malandro) alegou que o aparelho era ruim e trocou por outro e ainda continuou o zunido! A perda financeira foi óbvia…
    Meu conselho: mantenha a paciencia e persista até acertar!
    O molde de borracha é pegajoso….
    Enfim estamos na chuva para nos molharmos…
    Não devemos nos abater jamais!
    Um beijo na alma!

  • Oi Paula,
    Sei perfeitamente o que vc esta dizendo, ou melhor…sentindo! as vezes o aparelho auditivo me deixa mais irritada que a minha própria surdez,rs.Tenho deficiência auditiva bilateral,uso aparelho somente em orelha esquerda,pq a direita ja era!bem,por muitas vezes falto enloquecer com os “problemas” que o meu aparelho apresenta, e junto ençoqueço meu marido e meu filho tb; Meu marido ouve muuuuuuito bem, e não entende os transtornos que temos por essa nossa falta de som, e meu filho tem 6 aninhos, um príncipe que tenta me entender mais as vezes se irrita tb. Tenho lido seu blog que foi indicado por uma amiga do meu curso de libras,estou amando! e tb ja comprei o livro.vc é linda e inteligente,tenho adorado tudo que vc escreve,obrigada por compartilhar conosco esses sentimentos lindos!

    Um beijo no coração!
    Marcela

  • Na minha opinião, tinha que ser como um protetor auricular, que eu vi numa empresa.

    Tu aperta uma espécie de “almofada”, coloca na orelha e ela vai “enchendo” até tomar forma. E, claro, ficar firme la dentro.

  • Olá Paula!!

    eheheh, lembro que eu usei aqueles starkey, toda vez que eu dava risada apitava, e teve uma vez que todo mundo tava olhando para mim, e eu lá pensando: ué o que eles tem? aí percebi que meu molde tava fora do lugar e apintaandoooo eheheheh, agora que uso o IC isso não existe mais, Paula sei como é, doía minha orelha esses moldes, até olhava no espelho e via minha orelha, de tanto usar esses moldes a entrada ficava bem larga, e eu lá no espelho: putz, tá horrível!!! ehehehe

    Abração

    Glauber

  • Meu projeto de conclusão da faculdade, em 2004, foi justamente a criação de produtos voltados para usuários de aparelhos auditivos. Sou designer gráfica e de produto. Me recordo que em 2004 quase nenhum lugar daqui de Brasília confeccionava moldes na cidade (era preciso enviar para São Paulo), muito menos os lindos moldes coloridos que eu via nos sites gringos: azul, amarelo, com glitter, com estrelinhas… Nem os aparelhos auditivos eram coloridos. Eu desenvolvi um projeto para criação de capinhas de revestimento colorido, moldes de formatos diferenciados e materiais coloridos e uma caixinha compacta (e bonita) à prova de queda, água, poeira e adicionais bacanas como pilhas extras e testador embutidos. Hoje o mercado já oferece tudo isso, mesmo no Brasil.

    Mas me possibilitou entrar em contato com os diversos tipos de materiais. Fico imaginando porque não desenvolvem – ou trabalham com uma borracha mais rígida, porém adaptável ao movimento mandibular… Será que a NASA não conhece/inventa algum material desse tipo? Hehehe. Já pensou, igual aquela espuma que se adapta ao seu corpo??

    O curioso é que depois de anos usando moldes de silicone – e me acostumando à microfonia (o apito da felicidade, meus amigos batizaram, porque toda vez que eu rio ele apita), resolvi testar um de acrílico novamente. Não sei se é loucura, mas eu, claustrofóbica, não consegui ficar nem uma hora com ele nos ouvidos. Sentia que ele não se movimentava junto com a minha mandíbula, causando a sensação de prisão. Estranho, não?

    Mas é isso aí!! Na batalha, não desistir nunca, não é??
    Abraços

  • Também uso o Pure Carat, quando comprei e vi o Bixim(como eu o chamo), e coloquei na orelha, e senti leveza.Meu outro aparelho doía a aba da orelha com óculos então…

    Fui para casa feliz da vida e começou o calvário.Apitando que nem panela de pressão, aqui em casa o povo falava tira esse troço, pelo amor de Deus.O apito do Carat é bem alto.
    Lá fui eu enviar e-mail para a fono, tirar outro molde de silicone, já que o original parecia que ia rasgar de tão pequeno, minha orelha é pequena e também precisa de ajuste perfeito.
    Volto para casa e minha irmã disse: nossa no ônibus certeza que todos achavam que alguém estava com um passarinho escondido ou radinho, porque ta alto demais.kkkk

    Quis chorar de raiva tinha acabado de chegar da Fono.
    Volto na fono e falo este aparelho não era como eu pensava:Não basta ter ficado surda ainda tem isso, desculpem eu perdi audição adulta e nós quando estamos com raiva é assim.

    Minha Fono ,que tem a calma de um monge e atenciosa ao máximo , me falou é o molde e regulagem, ligou para SP e disse:Vamos tentar acrílico, vamos tentar Tudo até que um dê certo.
    Quando ficou pronto achei estranho, nunca usei de acrílico, pensei que iria doer horrores, pois o de silicone dói nos primeiros dias.
    Enfim deu certo, parou os apitos.
    Eu tenho zumbidos muito altos tem dias, e eu fiquei sem paciência e aqui em casa também, rolou um estresse quando diziam que não agüentavam mais este apito.
    Eu disse tem 4 anos que ouço um apitos/chocalho 24horas por dia no ouvido (zumbidos) e vcs não aguentam nem cinco minutos???
    Minha irmã falou, é vc agüenta muito, eu já teria dado um tiro nesse troço.
    C’est la vie!!!!!!!!!

  • Fala, Paula! Este seu post é tudo a ver com tudo! 🙂
    Isto faz parte da minha vida como usuária, e da minha prática profissional!
    Entendo bem!
    Acredite, como profissional, é um desafio. Sempre me preocupo com o conforto ao uso dos aparelhos, moldes, cápsulas, micromoldes.
    NÃO É COM TODO MUNDO QUE ACONTECE ISTO, ACREDITEM! MAS ALGUNS CASOS, ACONTECEM! JÁ ACONTECEU COMIGO!
    O que ajuda muito são os 3 “P”: PERSISTÊNCIA, PERSEVERANÇA e PACIÊNCIA. Eu acredito que seus moldes ficarão bons!
    Uma analogia é como costureira/alfaiate… mesmo tirando as medidas certinhas, ora ou outra precisamos ajustar. E chega um momento que dá certo! Nem que tenha que recomeçar algumas vezes!
    Como disse anteriormente, eu já passei por isso… e reforço: não pode doer, nem machucar!!!! Se mesmo no momento da colocação dos aparelhos, não sentir NADA; e ao longo do dia, observar que começou a doer… tire! tire! tire! não coloque mais.
    Volte ao fonoaudiólogo e aponte o local que dói. Não continue usando, pois corre o risco de esfolar e não será nada agradável!

    obs: quem tem oscilação no peso, quem passou por tratamento dentário (restaurações, implantes…), quem sofre algum tipo de sobrecarga na articulação temporo-mandibular (região próxima à orelha que possibilita o movimento da mandíbula), pode ter modificada a região do canal auditivo e conforme a perda auditiva, pode repercurtir em mau-encaixe e suas conseqüências.
    Portanto, procure seu fonoaudiólogo SEMPRE que necessário! SEMPRE! SEMPRE! SEMPRE!
    Os fonoaudiólogos estão à disposição para ajudar nas soluções/alternativas. Não pensem que vão atrapalhar, ou incomodar!
    Eu fico muito feliz quando, LOGO, o paciente me procura.
    Convenhamos, pra que sofrer?? Só vai gerar sentimentos ruins com os aparelhos (que estão à nossa disposição para ouvirmos melhor e vivermos melhor!!!).

    Paula, acredite! Vai dar certo! Mantenha os 3 “P” no modo ON. 🙂

    Gosto muito desta frase que uma amiga vive dizendo: “No final dá tudo certo! Se ainda não deu certo, é pq não chegou no final!” (desconheço o autor – se alguém souber, me avise! )

    Beijo!

  • Olá.
    Eu li o teu desabafo e passei por algo parecido.
    Ah, sou português por isso estou a vos escrever diferente ehehe
    Eu tenho as minhas próteses auditivas há 5 anos, e daqui algum tempo tenho que comprar uns novos.
    Há algum tempo atrás, quando eu comia ou quando eu ria o meu aparelho esquerdo apita muito. Era o molde que estava pequeno, mas também tinha muita cera dentro do ouvido. Por isso convém de verem com um especialista a saber se tem ou não cera nos ouvidos se os moldes não estiverem bem adapta dados nos ouvidos.
    Cumprimentos
    António

  • Oláa

    Aiii entendo perfeitamente

    Ja tive probleminhas com microfonia, mas descobrimos que não era o molde. Era o próprio aparelho. Eu não sofro da “mutação”, mas sei como a morfofonia é capaz de tirar uma criatura do seu eixo de sanidade.

    Mas tenho certeza que vc vai superar e logo logo essa “danada” sossega. Beijos e boa sorte

  • Sofro do mesmo problema. Fiz o molde para os dois ouvidos. E eles dançam. Quando mastigo então, tenho que empurrar com o dedo para se encaixar. Sem contar na microfonia. Minha fono pediu que eu ficasse quietinha pra fazer o molde. Assim não dá pra ficar.
    Beijos a todos.

  • Olá Paula, bom dia!

    Tudo bem?
    É impressionante como você escreve bem, é como se você estivesse descrevendo exatamente o que acontece comigo e imagino que com várias pessoas.
    Tenho 44 anos, sou deficiente auditiva, com o mesmo diagnóstico que o seu neurossensorial progressiva bilateral, tenhos os graves preservados, a perda é nos sons graves de severa a profunda, já passei pela situação dos aparelhos “dançarem” na minha orelha, senti muita dor, angústia, muitas vezes sem ter alguém para desabafar e o pior alguém que realmente entendesse o que era usar aparelhos audivos.

    Estou no 3º aparelho auditivo, os moldes estão mais adaptados, mas quando mudo a tulipa sinto muita dor.

    A minha sorte é que a minha Fonoaudióloga é um anjo que caiu do ceu e que me ajuda muito no dia a dia.

    Gostaria de agradecê-la por ter criado o Blog, você é um exemplo de atitude e postura.

    Um beijão e obrigada.

    Anita Gonçalves

  • Algumas dicas:
    – Quando marcarem para tirar a impressão da orelha, façam sempre ao final da tarde, porque vai aumentando conforme passa o dia;
    – Se estiver meio froxo, pode passar uma fita fina de micropore e testar diversos lugares onde fica melhor colocar esse reforço de micropore
    – Por fim, insistir com a protética
    Abraços
    Henri

  • Nossa! que sufoco, isso me é tão familiar!! passo por isso desde sempre, ou seja desde os 3 anos de idade, (tenho 47), eram moldes duríssimos que me deixavam com dores fortes e microfonia de enlouquecer, detalhe eu precisava viajar 180 km para fazer e refazer moldes… até que uma vez, o nosso dentista vendo o meu sofrimento ele mesmo com a broca e material dentário foi ajeitando o molde, foi um santo alívio.. Hoje uso os de silicone Phonak, as vezes demora pra acertar, mas no geral é bom. melhor seria se tivesse um pó ~´agico para ouvir tudo….

  • Olá Paula, tenho 23 anos e fui implantada desde 18 anos, já passei a mesma frustração que a sua. pois antes usava ASSI com varios moldes que tive que fazer mil vezes por ter apitado muito e estrassava por ter incomodado para quem esta perto de mim.mas agora com implante não preciso de molde para ouvir,só uso para os shows pra segurar mesmo =). eu te entendo perfeitamente, paula! beijos!

  • Fico encantada com a importância do blog, da interação e os resultados q advêm. Isto porque “Quem não se comunica se trumbica” já dizia o velho chacrinha!Bjs a tds e a vida é luta renhida mesmo, não dá pra desistir!

  • olá pessoal, meus últimos moldes estão excelentes e nunca mais deram microfonia, perfeitos e recomendo para quem quiser, são feitos com tecnologia 3D e são de silione, está dimensão em 3D se molda perfeitamente na orelha. O fabricante é da Phonak e posso garantir que é o melhor molde.

  • Ola Paula!
    Nao sei como e la, mas aqui sempre que tiravam meu molde me falaram para ficar queitinha, nao falar, nao beber e se puder, ficar sem respirar enqunto esperava o molde ficar duro.
    Passei anos com moldes que tinham “feedback”, aquela som chato cada vez que minha orelha me aproximava de algo.
    Ate que um dia resolvi tentar outro lugar. Ele me pediu para mastigar chiclete na hora de pegar meu tamanho e conversou comigo ao mesmo tempo, explicando que no dia a dia a orelha nao fica sem movimento e e melhor ela ficar “se mexendo”.
    So posso dizer que isso me salvou!
    Anos depois continuo falando e bebendo na hora de fazer os moldes, mesmo que mudei de cidade e tive que trocar de lugar. Ah, e se voce quer saber, eles continuam me falar pra ficar quieta na hora, mas eu ja sei melhor ne?

  • Como é ruim essa situação, nos sentimos mais frágeis e desconfortáveis com tudo ao redor. Semana passada deixei na fono um AASI para fazer a revisão semestral. Uso dois digitais e para suprir a falta de um, resolvi usar o antigo analógico. Foi péssimo trabalhar, pois a microfonia apitava a cada sorriso ou até na brisa rs… sem falar que era só ter alguma movimentação na mandíbula que o aparelho dançava no ouvido. Nessas horas, vale lembrar daquela frase: Fé, Foco e Força!

    • É engraçado mesmo, usei durante um tempão o Motion, e quando fui pro Pure Carat, lembro de uma vez que ele foi pro conserto e fui colocar o Motion e meu deussss….q loucura! O molde que ate então era perfeito ja me machucava horrores e causava uma microfonia louca.
      beijos

  • Me identifico demais com os seus posts.

    No meu caso o problema é que a minha orelha é muito pequena…com isso, simplesmente meus moldes não entram.

    Aparelhos com receptor no molde é dificílimo para mim pois o receptor é maior que o meu ouvido…

    As fonos nem sequer tentam no me caso…elas já falam que não vai dar para fazer.

    • O meu caso tb é esse… eu uso AASI desde pequena, a principio nos 2 ouvidos… só q em um misterioso dia eu perdi o AASI da orelha esquerda e nunca mais achei e meu pai, na época não podia repor a perda, pq era EXTREMAMENTE caro (estou falando de cerca de 20 e poucos anos atrás) e sigo usando só na orelha direita até hoje.
      quando fui fazer o meu novo aparelho (que uso até hoje, com 30), já com 16 para 17 anos, a fono me informou que mesmo se eu quisesse usar um intracanal na orelha esquerda, pois o meu canal era muito estreito… que a direita só daria pois havia usado aparelho a vida td e foi alargando o canal…
      eu, por algum milagre, acho, nunca tive problemas com moldes 😀

      • Paula e Thais: Nesses momentos a gente precisa ter bom humor.

        Fui na Widex e na Siemens para testar meu ganho com um AASI top. E recebo a informação de ambas revendas que o meu canal é estreito…nas revendas eu chorei muito, hj, já penso que não era para ser…
        Não basta ter a perda auditiva, temos ainda que ter problemas com moldes e afins.Haja paciência!

  • Paula, tenho adiado muito minha aquisição de aparelhos auditivos e um dos motivos é justamente essa vontade de atirá-lo longe, pois me sinto “tampada” e tenho a sensação de que tenho um gramofone enfeitando minha cabeça rsrs
    Por outro lado não sei oque é mais estressante se a adaptação ou a necessidade de ouvir e se comunicar com o mundo, pois tenho pra mim que tudo isso junto diz de nós que ainda não conseguimos aceitar o fato de termos ficado surdas… Mas não podemos desanimar, você vai conseguir ajeitar esse molde e vai seguir linda e confiante como sempre!!

  • heueheueheue Eu uso os mesmos aparelhos e passo pelas mesmas coisas, irei fazer o molde acrílico também, pois a orelha esquerda é um pobrema. A microfonia enlouquecedora conseguimos consertar ontem, minha fono não estava e a fono substituta resolveu meu problema magistralmente.

    Mas eu não me sinto a beira da doidera, pior seria não te-los..rs

    bjos

  • Te entendo perfeitamente, já me aconteceu algumas vezes. A dor que começa discreta se espalha pela cabeça toda ou pela metade da cabeça. Eu não sabia que orelha doía tanto até ter problemas de molde. O pior é que se o molde é folgado fica dançado na orelha e apitando. Boa sorte amiga!

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.