Site icon Crônicas da Surdez – Surdos Que Ouvem – por Paula Pfeifer

Crônicas da Surdez na Globo – Encontro com Fátima Bernardes

Ontem foi um dia de altas emoções! Fui convidada para ir ao programa Encontro com Fátima Bernardes falar sobre minha experiência com o implante coclear. Meu amado (quase marido) Dr. Luciano Moreira – do Portal Otorrino – foi junto e no fim acabamos os dois falando sobre a nossa história. Foi bem bonito! A Fátima é uma paixão e deixa os convidados super à vontade, parece que você está na sala da sua própria casa.  Tive a chance de conhecer a família linda que tem trigêmeos e dois deles têm implante coclear, sendo que um deles havia sido ativado ao vivo no programa no dia 7/10, e foi lá mostrar sua evolução após 15 dias. Super sapeca, dança, canta e adora barulho! Família super guerreira, amei conhecê-los. Além disso, eu tinha uma leitora que trabalhava no programa e não sabia – a Fernanda, que também tem deficiência auditiva e está animada avaliando a possibilidade de um IC. Quem quiser assistir ao vídeo, clique aqui – já aviso que infelizmente não tem legendas.

 

 

Depois da Globo fomos para a TV Brasil dar uma entrevista para o Sem Censura, da Leda Nagle. Foi muiiiito bacana. O vídeo só será disponibilizado por eles daqui uma semana, segundo a produção do programa me informou. A Leda é muito simpática e foi uma fofa conosco, adoramos.

 

 

 

Eu gostaria de explicar algo – embora realmente não precise ‘dar uma explicação’, sinto que devo – já que recebi ataques grosseiros e desnecessários de ‘líderes surdos’ pelo Facebook me xingando de tudo o que vocês possam imaginar. Em ambos os programas eu estava falando sobre a MINHA própria experiência de vida. Eu nasci OUVINDO, eu amo o som e a deficiência auditiva progressiva, no meu caso, quando chegou ao grau profundo, foi uma morte para mim. E o implante coclear me proporcionou um renascimento. Me orgulho muito disso e não tenho vergonha nenhuma de dizer, muito pelo contrário, grito aos quatro ventos a delícia de voltar a fazer parte do mundo sonoro. Realmente não entendo como alguém pode se ofender com a experiência de vida alheia. Quando deixei de ouvir todos os sons, as vozes das pessoas que amo, o barulho do vento, do mar e todos os barulhos da vida isso foi, sim, uma morte. Quem não conhece o som não tem o direito de julgar aqueles que conheceram e querem o som de volta se for possível. O mais engraçado é perceber que os que mais pregam a ‘tolerância e o respeito’ são os que menos toleram e respeitam as opiniões e vivências alheias. Eu e todos os surdos oralizados somos TÃO SURDOS quanto qualquer surdo sinalizado, e se não fazemos parte da ‘cultura surda’, não usamos língua de sinais e não estudamos em escola especial, isso não nos torna menores do que ninguém. Parem com essa tentativa inútil de homogeneizar a surdez e querer convencer os ouvintes de que é ótimo perder um sentido – nascer sem um sentido é uma coisa, perdê-lo ao longo da vida é outra bem diferente.  Tenho muito orgulho da minha história, de tudo o que o implante coclear me trouxe de maravilhoso, dedico boa parte do meu tempo a ajudar as pessoas a buscarem qualidade de vida através da tecnologia (AASI’s e IC’s) e sou uma entusiasta apaixonada pela reabilitação auditiva.

Um beijo do tamanho do mundo e obrigada a todos que enviaram milhares de emails, mensagens, tweets e inbox! Foi um dia especialíssimo. E fico emocionada de ver cada mais gente conhecendo e se deslumbrando com os benefícios do implante coclear e dos aparelhos auditivos!  <3

Sair da versão mobile