Ícone do site Crônicas da Surdez – Surdos Que Ouvem – por Paula Pfeifer

Dicas para o seu casamento durar se você é surdo e o outro é ouvinte

Algumas dicas são preciosas para o seu casamento (ou namoro) durar quando você é ouvinte e o seu parceiro(a) é surdo(a). Parece bobagem, mas às vezes as pessoas esquecem estratégias básicas que fazem toda a diferença.

É muito bom ter alguém do nosso lado. A vida a dois ajuda a tornar tudo mais leve e divertido. Ter estratégias em dupla faz com que os dias sejam mais fáceis, fluam melhor e o seu relacionamento – seja casamento ou namoro – tenha vida longa.

Um precisa estar disposto a conhecer bem o outro, e a cada situação o casal vai analisando a melhor estratégia. Não existe certo ou errado; existe, sim, aquilo que traz melhores resultados sem causar constrangimentos e sem fazer com que o outro se sinta incapaz.

Segundo o dicionário, ter estratégia é aplicar com eficácia os recursos que você tem ou explorar as condições favoráveis para alcançar certo objetivo. A estratégia é aplicável não só à surdez, mas a tudo na vida.

Casamento de surdo com ouvinte dura?

É uma bobagem das grandes achar que você precisa casar com outro surdo porque só ele vai te entender. Não tem nada a ver com a realidade, porque relacionamento é via de mão dupla e não é a surdez que vai determinar que ele seja bom.

Não cometa o erro de pensar que ter deficiência auditiva te concede licença poética para fazer esforço zero no que diz respeito à comunicação. Relacionamentos são baseados em boa comunicação, em saber explicar suas necessidades e sentimentos.

O seu casamento ou namoro vai durar se ambas as partes estiverem comprometidas em garantir que isso aconteça. Se for um objetivo comum, vai dar certo.

Ajude a antecipar pequenos perrengues da surdez

Quando você se envolve na antecipação de problemas e nos nossos esquecimentos…nós amamos!

Você já parou para pensar em como um pequeno ato, como guardar pilhas de aparelhos auditivos na carteira do cônjuge para uma emergência, é uma estratégia que pode salvar o dia dele? Basta esquecer as pilhas auditivas em casa para ter um dia de cão ao ficar sem ouvir os outros.

A localização sonora

A maioria das pessoas escolhe um lugar para jantar pelo cardápio, pela música ou até mesmo pela decoração. Mas nós temos um item a mais na nossa checklist: conseguir ouvir e entender enquanto estivermos lá.

Quando vocês chegarem a um restaurante, analisem quem se sentará ao lado de quem. Quem usa aparelho auditivo ou implante coclear vai se dar melhor se estiver de costas para uma parede, pois assim não receberá ruídos desnecessários que impedem o entendimento da fala.

Estratégia básica: saber como é o local antes de chegar lá. Assim, você pode se antecipar e reservar uma mesa numa parte bem iluminada e menos barulhenta do restaurante, por exemplo. Isso faz a diferença num jantar romântico e ainda mais quando vocês vão jantar com outras pessoas.

O ouvido favorito

Muitas pessoas surdeas possuem um ouvido “favorito”.

Por isso, se o seu parceiro ficar posicionado do lado certo, isso facilitará muito a comunicação. Por mais bobo que pareça, essa é a diferença entre uma noite de conversas e risadas e uma noite de repetidos “Hãn?”, “O que?”, “Repete!”

Pode parecer óbvio para alguns casais, mas há aqueles novatos que nunca pensaram nisso. É fácil adquirir esse costume, e a dica aqui é para o cônjuge que ouve: seja a pessoa que pensa nisso primeiro!

Depois de algumas tentativas, a disposição perto do ouvido “favorito” vai se tornar automática, e isso se aplica a quando estiverem em ônibus, no carro ou até mesmo caminhando juntos.

Meu marido, por exemplo, sempre se posiciona do meu lado direito em qualquer lugar, porque sabe que esse é o meu melhor ouvido! 🙂

Trabalho em equipe

Quando falamos de um casal surdo-ouvinte, trabalhar em equipe significa desenvolver a habilidade de rapidamente socorrer o parceiro ao perceber que ele está em apuros.

No guichê de atendimento do supermercado ou em um posto de gasolina, por exemplo, ao ver que seu parceiro surdo não está entendendo o que outra pessoa diz, repita a fala de frente para ele – afinal, ele já está acostumado com seus lábios e fará a leitura labial de modo mais fácil, já que esses locais costumam ser barulhentos.

Em último caso, se for preciso, responda pelo seu parceiro. Pelo olhar dele você vai perceber se ele precisa que você faça isso!

Nem sempre dá tempo de parar e explicar que não escutamos e pedir para um estranho repetir o que foi dito cinco vezes. Em inúmeras situações, sentimos alívio quando nosso parceiro ouvinte responde depois de passarmos sufoco tentando entender um frase. 

Empreste os ouvidos

O ouvinte da relação vai naturalmente fazer as vezes de copiloto e emprestar os ouvidos quando for preciso.

Quando um está tentando ouvir um áudio e não consegue entendê-lo, o outro o repete para permitir a leitura labial. E, depois, instala um aplicativo no celular que faz isso e resolve de uma vez por todas o problema.

Se o micro-ondas apitou e você não percebeu, seu parceiro pode avisá-lo – e isso vale para campainhas, interfones e celulares tocando, pessoas chamando, a máquina de lavar que chegou ao fim do ciclo e até para quando começa a chover.

É importante que cada som de alerta que você não ouve seja anunciado pelo parceiro ou parceira que ouve. Isso é uma boa forma de demonstrar preocupação e carinho pelo parceiro surdo, além de passar uma mensagem de que existe uma relação de confiança que permitirá a ele saber tudo o que está acontecendo ao redor.

Depois que os ouvintes entendem que nem tudo o que eles ouvem nós conseguimos ouvir, mesmo se estivermos usando aparelhos, torna-se natural avisar sobre os sons perdidos. No começo, é um exercício, mas com o tempo vira um hábito, uma ação espontânea. 

Aeroporto e avião

Por fim, mais uma estratégia para quando estiverem em um aeroporto ou dentro de um avião: repita ou resuma os anúncios sonoros para seu parceiro surdo, principalmente os avisos de turbulência.

Sabemos como é complicado entender o som de alto faltantes, ainda mais com turbinas ligadas. Nessas situações, o companheirismo e a leitura labial salvam.

O parceiro surdo faz sua parte buscando a reabilitação auditiva, e o parceiro ouvinte faz a dele ajudando nas situações em que estiverem juntos e não der pra ouvir e entender algo.

Em casa

Uma coisa simples que pode salvar algumas situações no dia a dia: deixe a porta do banheiro destrancada ao tomar banho. Em casos de emergência, pode ser que você não escute seu parceiro chamando ou batendo na porta. 

Peça para o parceiro ouvinte criar o hábito de perguntar se você tirou os aparelhos auditivos antes de entrar no banho, pois isso evita muitos acidentes! Colar um aviso no espelho ou no box do banheiro também é válido, ainda mais para os dias em que você estiver sozinho em casa.

Além de ser uma atividade romântica, cozinhar em dupla também envolve estratégia. Pode ser que um de vocês não consiga escutar os estalos de quando a comida está queimando no fundo da panela, mas o outro consegue. Aqui, ele avisa ou desliga o fogo.

Se você esquece a torneira ligada enchendo algo, não sabe se a pipoca já terminou de estourar ou tem arranhado as louças com os talheres sem saber, por não ouvir, saiba que, para tudo isso, ter o parceiro junto ajuda muito, mesmo se ele também for surdo. Afinal, dois pares de olhos e de ouvidos funcionam melhor do que um.

Observando e aprendendo

Se você é ouvinte, fique atento para todas as situações que elencamos aqui. Desse modo, você cria uma estratégia de resposta e socorro ao seu parceiro surdo. Isso faz parte da preocupação com o bem-estar da pessoa que você escolheu para estar ao seu lado. 

Os ouvintes precisam compreender que a surdez não é curada com aparelhos auditivos ou implantes. Podemos ser usuários dessas tecnologias, mas sempre seremos surdos.

Contornamos diversas situações sozinhos e, em outras, precisamos de ajuda. Não existe uma fórmula que se aplique a tudo, uma solução pronta para cada empecilho que possa surgir. Muitas soluções serão construídas por vocês, como casal, como família, para que tudo funcione da melhor forma possível. 

Quem sempre escutou não faz ideia das dificuldades enfrentadas no dia a dia por quem tem surdez. Elas começam na hora de acordar – quando a chance de não conseguirmos ouvir o despertador tocar é grande – e vão até a hora de dormir – quando podemos deixar o aparelho cair no chão sem perceber e o cachorro mastigá-lo por inteiro, por exemplo.

Se você é surdo…

Se você é surdo, precisa se expressar com clareza e explicar quando precisa ou não de ajuda. Conte para seu parceiro quando passar por alguma dificuldade, por mais corriqueira que ela pareça. Mesmo quando um ouvinte já conviveu com outras pessoas surdas, ele ainda tem muito a aprender. Cada um de nós é único e possui suas particularidades no quesito deficiência auditiva.

Colocando estratégias em prática conforme suas necessidades e sua rotina, vai demorar pouco tempo para que, apenas com um olhar, o outro já saiba o que fazer, o que repetir ou como ajudar. Intimidade e sintonia se aperfeiçoam com o tempo e com a dedicação de cada um.

GRUPO SURDOS QUE OUVEM

Torne-se membro do Grupo Surdos Que Ouvem e entre em contato direto com outros 18.300 usuários de tecnologias auditivas (aparelho auditivo ou implante coclear).

LEIA MAIS

Sair da versão mobile