Menu
Aparelhos Auditivos / Implante Coclear

INDÚSTRIA DA AUDIÇÃO: a disrupção está chegando

Aguardo a disrupção na indústria da audição desde que tenho 16 anos. Infelizmente, essa indústria ainda faz o possível e impossível para manter o seu velho modelo de negócios, que traz  muito mais prejuízos para o paciente que precisa de aparelhos auditivos e implante coclear para ouvir do que benefícios.

Todos os aparelhos custam caríssimo, o modelo de negócio da indústria da audição no Brasil (e em boa parte do mundo) obriga o paciente a adquirir uma venda casada (produto + serviço) e, de uns anos para cá, surgiu a sub-indústria dos consertos dos aparelhos pelos próprios fabricantes, que só cresce devido ao tempo de vida útil dos dispositivos atuais, cada vez menor.

A liderança da disrupção que tanto queremos na indústria da audição pode finalmente acontecer por dois motivos: a legislação dos OTCs nos Estados Unidos finalmente está em vigor após um lobby agressivo dos fabricantes para que fosse engavetada (ela permite que as pessoas comprem aparelhos auditivos a preços baixos em farmácias, lojas de conveniência, etc sem a necessidade de um médico ou fonoaudiólogo) e os investimentos bilionários das grandes companhias de tecnologia globais em dispositivos auditivos (Air Pods, fones de ouvido sem fio, etc).

Até pouco tempo, os fabricantes de aparelhos auditivos focavam suas campanhas publicitárias em vender uma solução para a vergonha, mas agora todas as pessoas usam alguma coisa dentro do ouvido com a maior naturalidade. Parece que o jogo virou, em escala global – já não era sem tempo!

Para que vocês entendam melhor o assunto, traduzi e reproduzo aqui um artigo publicado na Revista Nature Medicine sobre o assunto. No final do post, há o link para o artigo original em inglês com todas as referências utilizadas pelos autores.

DISRUPÇÃO NA INDÚSTRIA DA AUDIÇÃO

A inovação tecnológica e as mudanças na regulamentação estão causando disrupção no setor de saúde auditiva (indústria da audição), com implicações para a privacidade de dados, segurança e acessibilidade dos produtos, além de oferecer desafios e oportunidades para uma saúde auditiva equitativa.

Estima-se que mais de 1,5 bilhão de pessoas em todo o mundo tenham perda auditiva. Além de seu efeito direto na comunicação, a perda auditiva muitas vezes coexiste com pior saúde física e mental. As disparidades no acesso à saúde auditiva podem ser vivenciadas por grupos étnicos minoritários e exacerbadas por fatores socioeconômicos2.

Espera-se que recursos digitais avançados e novos dispositivos para uso no ouvido, juntamente com mudanças radicais na regulamentação que permitem a compra de aparelhos auditivos sem receita (OTC) nos EUA, aumentem o acesso aos aparelhos auditivos.

Para garantir a segurança do consumidor e a igualdade de acesso aos cuidados com a saúde auditiva, é necessário entender as tecnologias emergentes e as necessidades do consumidor. Também é importante equilibrar os interesses das partes interessadas estabelecidas e novas, incluindo desenvolvedores, fornecedores e consumidores de produtos e serviços e gerenciar as relações de poder entre eles.

ACESSO E ACESSIBILIDADE

Dois grandes desenvolvimentos estão atualmente afetando o setor de saúde auditiva. Primeiro, os desenvolvimentos tecnológicos de dispositivos vestíveis intra-auriculares (conhecidos como hearables) criaram oportunidades para modelos de saúde auditiva diretos ao consumidor. Um exemplo são os fones de ouvido Apple AirPods Pro, que incorporam tecnologia de som avançada, semelhante ao que antes era encontrado apenas em aparelhos auditivos.

Em segundo lugar, uma chamada estratégica para ação da Organização Mundial da Saúde (OMS) instou os governos em todo o mundo a revisar suas políticas e práticas de saúde auditiva. Ambos os desenvolvimentos visam fornecer maior acesso a intervenções relacionadas à audição que podem aliviar o efeito generalizado da perda auditiva na comunicação, conexão social, educação, emprego, qualidade de vida e saúde1.

A recentemente publicada OTC Hearing Aid Rule nos EUA (anunciada como efetiva a partir de 17 de outubro de 2022) é um exemplo de mudança regulatória que foi possível devido a novas capacidades tecnológicas e que visa remover o que é percebido como uma barreira desnecessária para acessar aparelhos auditivos. Esta regra apóia a venda OTC de aparelhos auditivos seguros e eficazes para perda auditiva leve a moderada, sem a necessidade do envolvimento de um fonoaudiólogo.

A concorrência de mercado também pode melhorar o acesso às tecnologias. As iniciativas de desenvolvimento de produtos relacionados à audição com foco no consumidor agora podem ser encontradas em empresas como Nuheara, Google, Apple e Meta (Facebook), com pelo menos as duas últimas tendo recrutado fonoaudiólogos de pesquisa em suas equipes. Isso sugere que várias empresas planejam expandir seus produtos relacionados à audição dentro de um mercado direto ao consumidor.

PROBLEMAS DE SAÚDE AUDITIVA

Espera-se que a resposta à chamada de ação da OMS para lidar com a perda auditiva, os rápidos avanços tecnológicos nas tecnologias auditivas e a regra de aparelhos auditivos OTC nos EUA transformem os serviços de saúde auditiva internacionalmente.

Os fabricantes, organizações e médicos que atualmente se beneficiam financeiramente com o fornecimento de aparelhos auditivos tradicionais provavelmente verão sua participação de mercado para tais produtos diminuir à medida que os consumidores com a gravidade mais comum da perda auditiva (leve a moderada) focarem sua atenção em alternativas como os OTCs.

Em resposta, as empresas podem desenvolver novas estratégias para influenciar mercados existentes e em desenvolvimento. Por exemplo, embora os adultos com perda auditiva mais severa não sejam alvo de produtos OTC, essa população pode se tornar o principal grupo-alvo de consumidores para os fabricantes de aparelhos auditivos existentes. Alternativamente, os desenvolvedores de aparelhos auditivos existentes podem mudar seus desenvolvimentos para produtos OTC, com desenvolvimento limitado de produtos voltados para perdas auditivas mais severas.

Essas decisões comerciais dos desenvolvedores de aparelhos auditivos ocorrerão paralelamente às decisões comerciais feitas pelos desenvolvedores de implantes cocleares usados por indivíduos que obtêm benefícios limitados dos aparelhos auditivos. Mudanças de mercado podem, portanto, levar tanto a uma diminuição de opções quanto a campanhas publicitárias mais agressivas para consumidores com perda auditiva mais severa. Como acontece com qualquer tecnologia disruptiva, os órgãos reguladores podem esperar tensões, conflitos e abordagens crescentes de lobby à medida que os mercados existentes são interrompidos e novos se desenvolvem.

Além de regulamentar novas formas de publicidade e concorrência, os órgãos reguladores precisarão abordar os riscos crescentes relacionados à privacidade de dados do consumidor, uso de dados e integridade de dados (ou seja, precisão, integridade e consistência de dados) que podem surgir com a integração de mais tecnologia digital de saúde em aparelhos auditivos.

Essas inovações incluem: biossensores para aparelhos auditivos e software integrado que podem medir a atividade auditiva, cardíaca e cerebral; microfones para aparelhos auditivos que podem ser conectados a sistemas domésticos inteligentes; e sistemas de aparelhos auditivos que podem rastrear a direção do olhar dos usuários, fornecendo coleta de dados e potencial de conhecimento sem precedentes para os desenvolvedores de tecnologia, que agora incluem grandes empresas de tecnologia como Facebook e Google.

Espera-se que esses avanços tecnológicos atraiam grandes mercados consumidores, dando suporte a uma melhor comunicação e conectividade para pessoas com e sem perda auditiva. Esses avanços também facilitarão meios já testados de vincular atividades cotidianas a cuidados médicos gerais, o que pode confundir ainda mais a distinção entre dados de saúde e não relacionados à saúde. perda auditiva.

Esses avanços também facilitarão os meios já testados de vincular as atividades cotidianas aos cuidados médicos gerais, o que pode confundir ainda mais a distinção entre dados de saúde e não relacionados à saúde.

CONFLITOS DE INTERESSE

Dispositivos auditivos tradicionais, como aparelhos auditivos e implantes cocleares, já incorporam tecnologias digitais complexas para aprimoramento da fala, cancelamento de ruído, registro de dados e conectividade sem fio, e podem ser vinculados a registros eletrônicos de saúde e aplicativos de suporte à reabilitação.

Para facilitar o fornecimento dessas tecnologias avançadas nos serviços clínicos, foram formados relacionamentos estreitos e vários acordos de venda e suporte existem entre os desenvolvedores de aparelhos auditivos e os provedores de saúde auditiva.

Essas relações estreitas criam um ambiente no qual os conflitos de interesse podem influenciar a qualidade e acessibilidade dos serviços e produtos clínicos, o que pode contribuir para problemas de longa data em torno da confiança nos serviços de cuidados auditivos. Conflitos de interesse relacionados à venda de aparelhos auditivos são motivo de preocupação, pois estudos mostram um efeito placebo quando os consumidores são enganados ao acreditar que estão experimentando um novo aparelho auditivo.

Pesquisas sugerem que profissionais de saúde auditiva e consumidores discordam sobre o que consideram práticas antiéticas, e uma variedade correspondentemente ampla de práticas e regulamentações profissionais foi desenvolvida em vários países para gerenciar potenciais conflitos de interesse relacionados à venda de aparelhos auditivos.

Este espectro inclui serviços de saúde auditiva totalmente cobertos pelos serviços de saúde pública, regulamentos que impedem profissionais de saúde auditiva que recomendam aparelhos auditivos de se beneficiarem financeiramente da venda desses aparelhos e práticas que permitem a propriedade de serviços de saúde auditiva por fabricantes de aparelhos e permitem metas de vendas a ser definido dentro das clínicas.

Essas regulamentações variadas afetaram de forma diferente as relações de poder entre consumidores, desenvolvedores de dispositivos, profissionais de saúde que recomendam aparelhos auditivos e aqueles que se beneficiam financeiramente com a venda de aparelhos. Um mercado de saúde auditiva direto ao consumidor levanta mais questões sobre o efeito potencial de conflitos de interesse em indivíduos com perda auditiva.

Outro aspecto das vendas de aparelhos que influencia as práticas clínicas atuais é que, em muitas jurisdições, o custo dos aparelhos auditivos foi agregado aos custos dos serviços profissionais oferecidos pelos clínicos de saúde auditiva. Isso não apenas aumentou o custo esperado dos aparelhos auditivos, mas também ocultou os custos e benefícios dos serviços de saúde auditiva, bem como as fontes de renda dos profissionais de saúde auditiva. O desenvolvimento contínuo de aparelhos auditivos e do mercado de aparelhos auditivos OTC afetará a maneira como os diferentes sistemas de saúde e médicos oferecem informações e serviços de saúde auditiva.

O aumento das oportunidades de coletar dados de dispositivos auriculares exacerba as preocupações sobre os interesses que determinam quais dados são coletados, quem tem acesso a esses dados e para quais finalidades. Por exemplo, os dados do usuário podem ser monetizados devido à sua utilidade em publicidade e desenvolvimento de produtos.

Portanto, os fornecedores de produtos podem oferecer dispositivos mais acessíveis aos usuários em troca dos dados que os dispositivos coletam. Em tais transações, é importante estar atento aos potenciais conflitos de interesse e desequilíbrios de poder entre usuários e fornecedores de produtos. Além disso, o controle exclusivo sobre o que é coletado e a propriedade dos dados resultantes pelos desenvolvedores do produto podem impedir que médicos e pesquisadores independentes avaliem efetivamente a validade de alegações comerciais ou conduzam pesquisas clínicas independentes sobre os benefícios da intervenção. Tal controle exclusivo poderia, portanto, impedir o desenvolvimento de algoritmos usados em sistemas de informática e automação de saúde auditiva.

CUIDADOS AUDITIVOS

Uma variedade de políticas e regulamentos pode afetar a forma como diferentes grupos de partes interessadas colaboram no setor de saúde auditiva para fornecer informações, serviços e intervenções para consumidores com perda auditiva. O acesso a inovações deve ser promovido juntamente com o fortalecimento dos sistemas existentes e o estabelecimento de novos sistemas independentes para avaliar e proteger a integridade dos dados, bem como lançar iniciativas de transparência de pesquisa e educação que podem ser usadas para informar recomendações clínicas e alocar fundos para serviços e produtos auditivos.

Atualmente, os aparelhos auditivos são regulamentados principalmente em termos de práticas profissionais, segurança e eficácia do produto e no contexto da lei da concorrência.

Devido aos recursos de coleta de dados dos novos produtos auditivos digitais, a regulamentação também deve considerar a coleta de dados, integridade, acesso e privacidade do usuário. Os desenvolvedores de dispositivos, fornecedores e profissionais de saúde devem se concentrar em promover a saúde e a equidade na saúde, o que exigirá atenção aos desequilíbrios de poder e desigualdades estruturais. Estudos longitudinais serão necessários para avaliar os efeitos das mudanças no setor de saúde auditiva na experiência do consumidor, papéis profissionais e disponibilidade de serviços clínicos em países com diferentes regulamentações estruturais.

A educação do consumidor e o suporte para acessar serviços e produtos auditivos serão especialmente importantes para pessoas que podem ser mais vulneráveis a alegações de marketing enganosas devido à limitada alfabetização digital, de saúde ou pesquisa.

Mais de 65% dos adultos com mais de 60 anos apresentam perda auditiva, com claro aumento da prevalência a cada década de idade. A perda auditiva está associada a maiores riscos de demência e comprometimento cognitivo e pessoas surdas e com deficiência auditiva são mais propensas a enfrentar desafios de comunicação que limitam seu acesso à informação.

Grupos vulneráveis, incluindo populações mais pobres, têm menor probabilidade de acessar novas tecnologias do que grupos menos vulneráveis, e isso pode contribuir para a diminuição da equidade em saúde25. A perda auditiva também está associada a doenças comuns, como hipertensão e diabetes1, e ao aumento do risco de hospitalização e mortalidade. Adultos com perda auditiva são, portanto, excessivamente representados entre os pacientes que recebem outros serviços de saúde.

A educação profissional é necessária nos setores de saúde e deficiência para apoiar as necessidades de comunicação e segurança de pacientes com perda auditiva. Isso beneficiará particularmente os pacientes que não recebem cuidados auditivos e aqueles que podem acessar aparelhos auditivos direto ao consumidor sem os serviços de um fonoaudiólogo, como um audiologista ou um otologista.

Capacitar uma ampla gama de profissionais para melhor atender às necessidades das pessoas com perda auditiva pode melhorar o envolvimento e a satisfação com a saúde em geral. Isso também pode aumentar as oportunidades para adultos com perda auditiva receberem informações e conselhos independentes das vendas de produtos.

Todos com perda auditiva devem ter acesso a informações confiáveis e completas e a aconselhamento profissional independente ao selecionar suporte auditivo e de comunicação seguro, baseado em evidências e econômico. Mudanças tectônicas no cenário das indústrias de aparelhos auditivos e serviços auditivos podem representar uma ameaça crítica para atingir esse objetivo, além de fornecer novas oportunidades.

Mais pesquisas são necessárias sobre conflitos de interesse, lacunas na regulamentação e a rápida expansão de tecnologias emergentes para que os benefícios dessas inovações sejam percebidos por todos.

Fonte: Boisvert, I., Dunn, A.G., Lundmark, E. et al. Disruptions to the hearing health sector. Nat Med 29, 19–21 (2023). https://doi.org/10.1038/s41591-022-02086-6 na  Revista NATURE Medicine.

 

CLUBE DOS SURDOS QUE OUVEM

clube dos surdos que ouvem

Como MEMBRO do Clube dos Surdos Que Ouvem, você tem acesso às nossas comunidades digitais, conteúdos exclusivos, descontos em produtos e acesso aos nossos cursos. E o mais importante: a sua jornada da surdez deixa de ser solitária e desinformada e passa a ser muito mais leve, simples e cheia de amigos.

São 20 mil usuários de próteses auditivas com os mais diferentes tipos e graus de surdez para você conversar sobre as suas dúvidas a respeito do universo da deficiência auditiva.

Estar em contato direto com quem já passou pelo que você está passando faz toda a diferença! Vem com a gente aprender a retomar a sua qualidade de vida e a economizar milhares de reais na hora de comprar um par de aparelho auditivo – ou até mesmo a como conseguir aparelhos auditivos grátis quando você não tem grana para comprar do próprio bolso!

Se você for mãe ou pai de uma criança com perda auditiva, uma das comunidades digitais do Clube é um Grupo de Telegram com centenas de famílias se ajudando mutuamente todos os dias.







About Author

Paula Pfeifer é uma surda que ouve com dois implantes cocleares. Ela é autora dos livros Crônicas da Surdez, Novas Crônicas da Surdez e Saia do Armário da Surdez e lidera a maior comunidade digital do Brasil de pessoas com perda auditiva que são usuárias de próteses auditivas.

No Comments

    Leave a Reply

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.