Crônicas da Surdez

O lado bom da crise do Coronavírus

O lado bom da crise que estamos vivendo com a pandemia do Croronavírus existe. Bastam poucos minutos de reflexão para perceber que o lado bom de toda crise são as oportunidades que ela gera.

Fiz uma lista de coisas que você pode ver como oportunidades e, quem sabe, colocá-las em prática nestes dias de isolamento social e quarentena.

Engajar os colegas de trabalho

Esse momento pode ser uma virada de chave incrível para os surdos que ouvem no ambiente de trabalho, pois muitos colegas e gestores, inclusive, terão que sair do armário da surdez, uma vez que calls e videocalls fazem com que a gente precise mostrar que necessita de ferramentas de acessibilidade.

O fato de quase todos precisarmos trabalhar home office agora fez com que os nossos colegas de trabalho passassem a conhecer algumas coisas que só nós conhecíamos. Por exemplo: como é difícil entender a fala num ambiente ruidoso. Videocalls ficam à mercê do silêncio dos ambientes nos quais as pessoas estão, e quando todos estão trancados em casa com crianças e cachorros, estão todos no mesmo barco!

Seus colegas também participaram, com certeza, de algum call em inglês e não entenderam nem metade do que foi dito. Por isso, essa é uma oportunidade de ouro para você enfatizar junto ao seu gestor, sua empresa e seus colegas, a importância da acessibilidade.

As ferramentas que te ajudam a participar de reuniões virtuais podem ajudar a empresa inteira! Boa hora para escrever um email para o seu time falando que acessibilidade é assim: quando menos esperamos, ela ajuda a todos.

Fazer uma consulta médica

Os surdos que não moram em grandes centros acabam, muitas vezes, longe dos otorrinos especializados em surdez. Esta crise fez com que o Conselho Federal de Medicina liberasse, em caráter extraordinário, a telemedicinaleia mais sobre isso aqui. Enquanto durar a COVID-19, os médicos brasileiros podem atender seus pacientes via teleorientação.

Essa pode ser uma chance de ouro para consultar com aquele médico que você sempre quis mas que a distância impedia. Sem falar que, se você não mora na mesma cidade que o médico que gostaria de consultar, essa é a sua oportunidade de não ter gastos com vôos, hospedagem, alimentação…

Intensificar o treinamento auditivo

A desculpa da maioria das pessoas para fugir do treinamento auditivo é falta de tempo. Se você tem deficiência auditiva e está com tempo livre de sobra, use-o de um modo inteligente: fazendo algo de bom pelo seu cérebro para ele te ajudar a ouvir melhor.

Nós já preparamos um post com Dicas de Apps Grátis para você fazer treinamento auditivo em casa.

Um modo divertido e eficiente de fazer treinamento auditivo é parear seu implante coclear ou aparelho auditivo com seu celular, tablet, notebook ou TV e assistir seriados com o áudio original e as legendas ativadas!

Engajar a família

Aproveite que estão todos confinados em casa para manter as legendas da TV sempre ativas e, assim, enfatizar para a família o quanto você precisa delas. Fazer com que todos entendam a importância da empatia e da acessibilidade nas relações familiares, num momento de crise tão aguda é fundamental. E esse trabalho, meu amigo, é todo seu!

Quanto mais você mostrar, de maneiras didáticas e no exato momento em que elas acontecem, como pequenas atitudes da parte dos seus filhos, marido, esposa, mãe, etc podem fazer toda a diferença para a sua qualidade de vida, mais você conseguirá engajá-los!

Alguns exemplos úteis!

Se alguém desativar s legendas da TV, quando estiverem todos sentados assistindo ao Jornal Nacional, ative as legendas e diga: “Vocês querem que eu me mantenha segura, certo? Então mantenham as legendas SEMPRE ativadas para que eu possa entender 100% do que é dito na TV! Conto com a colaboração de todos!”

Se alguém mandar áudio no WhatsApp, mande fotos do escuro. Quando a pessoa perguntar “o que é isso?”, responda “Pois é, é a mesma pergunta que me faço quando você me envia áudio mesmo sabendo que não consigo entender! Será que você pode escrever sempre suas mensagens? Obrigada”.

Usar o seus aparelhos o tempo todo

Por incrível que pareça, muita gente não usa os aparelhos auditivos/implante coclear em casa. A alegação é sempre a mesma: “em casa não precisa”, “chego muito cansado do trabalho/faculdade e não quero ouvir mais nada”.

Aí está uma chance imperdível de usar seus aparelhos da manhã à noite no seu ambiente, descobrir todos os sons da sua casa – e de brinde, da casa dos seus vizinhos, rsrsrs – e não deixar o seu cérebro em modo hibernação por pura preguiça!

Vou contar algo que aconteceu comigo durante a pandemia!

Na primeira semana de isolamento, como fiquei sozinha em casa com meu filho pequeno por sete dias, achei mais fácil usar só um implante. Uma semana depois, eis o resultado da minha falta de noção e preguiça: quando pus os dois novamente, o som estava muito estranho, fiquei tonta, o cérebro não queria aquilo de jeito nenhum e minha compreensão de fala despencou!

Em questão de uma semana desregulei um trabalho de sete anos. E foi assim que aprendi que a nossa casa é o ambiente no qual mais devemos usar as nossas próteses. Deixar seus AASIs/ICs de lado, sem uso, durante a pandemia – ou usá-los pela metade como eu fiz – é a PIOR coisa que você pode fazer.

Dar mais do que você recebe

Que tal entrar no nosso Grupo no Facebook e participar de, pelo menos, dez discussões por lá todos dias? Compartilhando suas experiências e conhecimento, você pode ajudar MUITA gente!

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 38 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

3 Comentários

  • Gostaria de comentar a respeito da legenda das emissoras de TV, nem todas estão ativadas!
    Nas legendas ativas percebemos frases incorretas e incompletas, nós deficientes auditivos necessitamos de progresso neste meio de comunicação. Como podemos acionar?
    Há um tempo atrás enviei e-mail para a Rede Globo, não obtive retorno… (contatei o Fale Conosco)

  • Olá, Paula, boa noite! Há alguns anos a Dra Marcia Cavadas me recomendou a leitura de seus livros e o blog que acompanho desde então e indico para outros amigos com deficiência auditiva. Adoro! Me reconheço em cada postagem. Hoje quando li sobre os aprendizados na pandemia corri para ver se conseguia aprender mais alguma coisa além do que já estou aprendendo. Sou psicóloga, tenho 70 anos e por esta razão estou em casa em quarentena. Mas, para dar o suporte necessário às pessoas que atendo, disponibilizei um telefone para atendimentos on line. Em pouco tempo, pela necessidade, aprendi a transcrever as mensagens de voz do whatsapp baixando o aplicativo “transcriber” no celular. Não me estresso mais com isso. Agora busco alguma forma de transcrição para áudios e também como legendar videos. Ainda não achei. Existem plataformas como o ZOOM que me permitiriam até fazer atendimentos em grupo. No entanto, a experiência que tive não foi boa. Acabei ficando à parte das conversas porque não conseguia ouvir. Você teria como me ajudar nesta busca? Conhece algum programa que nos ajude a “ler” áudios e videos não legendados? Um prazer imenso ler suas crônicas. Abraços. Tereza Cristina

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.