Menu
Deficiência Auditiva / Aparelhos Auditivos / Relatos de Pessoas com Deficiência Auditiva

Bebê prematuro com deficiência auditiva: a experiência da mãe

bebê prematuro surdez

Meu nome é Joice, e sou mãe de uma linda menina que foi um bebê prematuro – prematuridade extrema. A surdezdeficiência auditiva – entrou na nossa vida cedo.

O mais difícil em falar sobre como é ser mãe de um filho prematuro e deficiente auditivo é não ter o referencial da maternidade sem esses extras.

Desde que recebi esse título tão importante, sou mãe da Clara, prematura extrema, e depois de quatro meses descobri que ela não escutava.  

Reflexões sobre maternidade

Esses dias eu vi um vídeo que mostrava uma família feliz recebendo o positivo da gravidez, se preparando pro nascimento, planejando tudo como se fosse uma viagem à praia.

Chega o tão esperado dia do nascimento, só que no caminho pra maternidade, acontece um desvio e o casal é obrigado a ir para a montanha, ao invés de curtir a praia.

Uma metáfora para mostrar o que é passar por uma experiência da maternidade e paternidade diferente da sonhada.

Acho que é mais ou menos isso que aconteceu comigo: desviaram meu caminho e parei em um local muito diferente do planejado. Já passamos por muitas coisas difíceis, incluindo o diagnóstico da surdez, mas isso não implica que seja uma vida de tristezas. Existe beleza e muita alegria, assim como em qualquer maternidade.

O diagnóstico da surdez

Eu já questionava mil vezes o porquê da prematuridade, e quando recebi a notícia da surdez, passei a me questionar o motivo de mais isso em um quadro geral já complicado.

Um bebê prematuro nasce com desafios a superar, audição é um sentido muito importante para ajudar no desenvolvimento e a falta dele aumenta a dificuldade significativamente.

Só que descobrir o motivo de tudo isso é simplesmente inútil, não muda resultado final.

Passado o susto da notícia,  o importante é reagir, ir atrás e fazer o melhor para superar mais essa.

Maternidade e surdez

Na minha opinião existem dois momentos horríveis para uma mãe de uma criança deficiente auditiva.

Um deles eu já vivenciei: a notícia. São alguns dias de imensa tristeza, quase um luto. Enterramos dentro de nós uma criança idealizada e damos espaço para o nascimento de outra que ainda não sabemos como será.

De acordo com a minha teoria, o próximo momento terrível para mim será o dia em que a Clara irá enfrentar o primeiro preconceito e ter ciência disso.

A primeira vez que eu precisar confortar e tentar explicar uma coisa que talvez seja inexplicável a minha filha, eu tenho certeza que vai me machucar, e vou me sentir novamente impotente, como no dia do diagnóstico.

O nosso dia a dia

O dia a dia em si, passou a ser natural. Nos acostumamos a frequentar as terapias, persistir nos estímulos e comemorar cada pequena coisa.

Repetir, repetir e repetir mil vezes para receber um retorno, falar de frente, sempre próximo, reforçar a existência do som e ter paciência.

Cuidar dos aparelhos auditivos como um segundo filho, sempre confirmar mesmo sem perceber, se eles estão no devido lugar e aquele pânico quando descobrimos que não.

É tão normal o uso para nós que, quando vejo um bebê de orelha vazia, fico com a sensação de tem algo faltando! 🙂

O medo do futuro

O mais difícil é o futuro, o medo dele.

Eu procuro ir por etapas, vou sofrendo a angústia de cada fase, sem nem pensar na próxima. Primeira ansiedade era sobre colocar o aparelho, a demora nesse processo, a adaptação, não ter a certeza que funcionaria.

Agora estou focada na comunicação, na expectativa para que a Clara aprenda a falar e na decisão sobre o implante coclear. Ela vai conseguir evoluir sem ele? É necessário fazer? É possível fazer no caso dela?

Depois acredito que vem a fase da adaptação escolar, aprendizado, e assim vamos seguindo.

A cada dúvida respondida, parece que dois novos questionamentos se abrem. E observo que a maternidade é assim, tanto para mães de bebês a termo, prematuros, ouvintes, surdos, ou qualquer outra deficiência; todas passamos por questionamentos, expectativas e dúvidas. O que muda são os motivos e talvez a intensidade dessas questões. 

A mãe da Clara

Ser mãe é doação incondicional a um ser que depende totalmente de você, e a Clara pede um pouco mais de mim – e tudo bem!

Percebi que nunca gostei de praia, e estou adorando essa subida por montanhas que nem sabia que existiam.

Talvez meu lugar sempre tenha sido a montanha, só eu que não sabia.

CLUBE DOS SURDOS QUE OUVEM

clube dos surdos que ouvem

Como MEMBRO do Clube dos Surdos Que Ouvem, você tem acesso às nossas comunidades digitais, conteúdos exclusivos, descontos em produtos e acesso aos nossos cursos. E o mais importante: a sua jornada da surdez deixa de ser solitária e desinformada e passa a ser muito mais leve, simples e cheia de amigos.

São 20 mil usuários de próteses auditivas com os mais diferentes tipos e graus de surdez para você conversar sobre as suas dúvidas a respeito do universo da deficiência auditiva.

Estar em contato direto com quem já passou pelo que você está passando faz toda a diferença! Vem com a gente aprender a retomar a sua qualidade de vida e a economizar milhares de reais na hora de comprar um par de aparelho auditivo – ou até mesmo a como conseguir aparelhos auditivos grátis quando você não tem grana para comprar do próprio bolso!

Se você for mãe ou pai de uma criança com perda auditiva, uma das comunidades digitais do Clube é um Grupo de Telegram com centenas de famílias se ajudando mutuamente todos os dias.











 

Acompanhe a Clara e a Joice nas redes sociais:

LEIA MAIS

About Author

Paula Pfeifer é uma surda que ouve com dois implantes cocleares. Ela é autora dos livros Crônicas da Surdez, Novas Crônicas da Surdez e Saia do Armário da Surdez e lidera a maior comunidade digital do Brasil de pessoas com perda auditiva que são usuárias de próteses auditivas.

3 Comments

  • Ana Luiza Alcântara
    01/10/2017 at 10:12 pm

    A CLARINHA É LINDA DEMAIS Á CLARINHA PODE SER DEFICIENTE AIDITIVA MAS DEUS VAI ENTRAR NA VIDA DELA E VCS Q SÃO PAIS VÃO INFRENTAR VÁRIOS OBSTÁCULOS CREIA EM DEUS QUE O RESTO ELE FARÁ TENHA FÉ QUE TUDO IRÁ DA CERTO, NUNCA PERCA AS ESPERANÇAS POIS É COM ELAS Q VCS VÃO SUPERAR ISSO . EU ACOMPANHO ELA NO INSTAGRAM. E O MAIS IMPORTANTE É QUE ELA É UMA CRIANÇA SAUDÁVEL, LINDA,FELIZ E O MAIS IMPORTANTE É QUE ELA É UMA MENINA ABENÇOADA POR DEUS . Beijos clarinha …

    #FORÇACLARA??

    Reply
  • Vi
    11/09/2017 at 5:57 pm

    Descobri que possuo deficiencia auditiva a alguns anos, apos analise posso dizer que a mais ou menos 8 ou 9 anos, porem comecou de uma maneira muito sutil ate que foi aos poucos se agravando e hj se encontra em estagio moderado a profundo. Acabei me aceitando e optando por usar aparelhos auditivos, porem hj aos 35 anos penso em engravidar novamente, porem tenho muitas duvidas a respeito, pois tenho receio de que isso possa passar geneticamente pro meu filho.
    Eu ja tenho um menino de 9 anos, entretanto ele não tem nenhum tipo de problema relacionado a isso, talves por ele ter nascido antes de isso ter inicio em mim.
    Os medico não sabem a causa dessa dificiencia, pois meus ouvidos são perfeitos. Já realizei diversos exames e ninguem sabe identeificar o por que, já que não existe historico na familia
    Será que voce poderia me dar algum esclarecimento sobre esse assunto.

    Reply
  • Alvarinda
    03/09/2017 at 10:34 pm

    Acompanho no Instagran e no Face, a história da Clarinha… Tenho muita experiência com bb’s prematuros e faço idéia de como é ser mãe de um ser tão frágil e indefeso que entrega todas as forças pra superar cada obstáculo imposto pela vida…

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Iniciar conversa
Clube dos Surdos Que Ouvem
Grupo SURDOS QUE OUVEM