Crônicas da Surdez

Professores de idiomas para alunos com deficiência auditiva

vintage_classroom_college_university_students_professor

 

A idéia deste post foi do Gui Chazan que, no lançamento do livro Crônicas da Surdez em Porto Alegre, conversou bastante com uma professora de inglês com vasta experiência em dar aulas para alunos com deficiência auditiva. Não sei se já comentei com vocês, mas o que sei de leitura labial em inglês aprendi assistindo os seriados do Canal Sony. Como leio MUITO rápido, numa fração de segundo eu lia a legenda e ia direto prestar atenção na boca dos personagens. Requer muito treino e tempo, mas dá certo. Claro que aprendi a parte escrita e peguei vocabulário bem antes disso. Hoje em dia eu adoraria fazer inglês e espanhol com um(a) professor(a) particular para treinar a minha pronúncia e também para escutar palavras que nunca escutei e portanto não sei como são pronunciadas.

Mas…e encontrar professores de idiomas que sejam aptos a dar aula para quem não ouve ou ouve mal?

Acho que os requisitos básicos seriam:

  • articular muito bem os lábios
  • ter paciência
  • ter uma voz clara e pausada

 

O Gui comentou também sobre intercâmbios. Eu nunca fiz, e tempos atrás contatei a Central de Intercâmbio sobre o assunto e eles me informaram que não tinham a modalidade ‘intercâmbio para deficientes auditivos’. Se alguém já fez, conte nos comments com qual agência e como foi a experiência. Sei que muuuuitos de nós sonham em cair no mundo, mas às vezes falta a coragem necessária de encarar um local estranho num idioma estranho e ainda por cima…sem ouvir!

A idéia deste post é fazer um cadastro de professores de idiomas que possam nos atender por todo esse Brasil. Se você é professor, deixe seus dados (nome, email, cidade e Estado, preço da aula) e diga de qual idioma você dá aula. Se você é leitor do blog e já teve aulas com algum professor e gostaria de indicá-lo, faça a mesma coisa. Já pros comments, gente!!!

22 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

61 Comentários

  • Alguém conhece alguma escola ou professor de inglês que atue com pessoas com deficiência auditiva em Goiânia/GO?

  • Olá! Sou professora de Língua espanhola e tenho formação de Tradutora/ Intérprete de Libras. 17 anos de experiência no atendimento de alunos surdos, realizados ou não. Ministro aulas de espanhol com metodologia voltada para surdos, em Fortaleza, Ceará, ou via Skype.
    Mais informações : luannaveras@hotmail.com

  • Alguém conhece professores de inglês para pessoas com deficiência auditiva região SP e ABC Paulista. Se souber será de grande valia.
    Desde já, grato.

  • meu nome é Eliane Miranda tenho 26 ano, sou estudandte da universidade federal do estado do pará, e curso letras lingua espanhola, estou trabalhando nessa area.

  • Olá, vi o comentário de alguns, e decidi deixar o meu Sou de Recife, e tenho 50% da minha audição comprometida geneticamente, e tenho muita vontade de aprender outro idioma, a principio o inglês. Mas, realmente é complicado, o entendimento das palavras é difícil, tornando ate constrangedor fazer um curso normal de inglês, com pessoas que escuta perfeitamente. Já tentei estudar sozinha mais sem sucesso, bate até um desespero, pois com o idioma, meu currículo irá alavancar. Mas, neste caso o que fazer?

    • Oi. Eu conheço uma professora de inglês muito boa em Recife que trabalha com surdos. Eu tive aulas com ela por mais de 2 anos e me ajudou muito quando fui morar nos EUA por um período de 6 meses. Eu sou surda oralizada (surdez profunda) e consigo falar inglês mais ou menos, mas tenho fluência na escrita e na leitura. Eu posso até te ajudar na parte escrita, se quiser 🙂
      Ah. Se quiser o contato dela, basta enviar um email para mim e a gente pode conversar também sobre outras coisas, viu?

  • Pessoal preciso de uma indicação para aulas de espanhol para deficientes auditivos na grande São Paulo. Alguém poderia me indicar um profissional ou uma escola que possa me atender?

  • Olá.Meu nome é Diego e sou professor de italiano muito esperiente (nativo de Veneza).Estou implementando um curso on line para deficientes auditivos e visuais que provavelmente vai começar em 2017.Mas já dou aulas para quem tem esse tipo de disturbo via presencial em São Paulo.Para quem quisesse entrar em contato a minha e mail é a seguinte: dgmozzato@gmail.com.
    Abraço.
    Diego Mozzato.

  • Olá.. Sou professora de inglês e pós graduanda em Educação para Surdos e conheço bem Libras. Caso precise de aluas particulares de Inglês e Português em São Paulo, entre em contato: ane_flora@yahoo.com.BR
    See you!

  • Sou graduada em Letras (Português e Espanhol), fluente em Libras e me coloco a disposição para dar aulas de Língua Espanhola para quem more no Rio de Janeiro.

  • ¿Hola? Sou estudante de Letras-Espanhol e estou pesquisando sobre esse tema,na verdade, o tema ainda está um pouco indefinido, mas gostaria de saber se alguém conhece algum DA brasileiro que se comunica ou se comunicou com DA da Venezuela ou de outro país hispano-hablante,ou mesmo tenha feita intercambio para estes paises

  • Olá,

    Sou de Brasília e gostaria de saber se alguém conhece algum professor de Inglês, de pronúncia, escrita, etc., que dá aula para DA. Fazer o curso normal junto com os outros é praticamente impossível, pois faço leitura labial e não consigo acompanhar a turma.

  • Oi pessoal, quero aprender inglês e sou de São Paulo, sou deficiente auditiva bilateral mas uso aparelho auditivo. Estou com medo pois tenho dificuldade no entendimento da fala, quem tiver um professor paciente pra me indicar eu agradeço rs

  • Tenho 58 anos, moro em Peruíbe Litoral Sul de São Paulo, Gostaria de aprender inglês e espanhol, e quem sabe futuramente outros idiomas, sou deficiente auditivo, matriculei-me em uma escola de idiomas aqui e comecei a estudar inglês tendo aulas individuais, mas o a professora tinha que cumprir o esquema da escola, e por causa da deficiência sou um tanto lento, então estava pagando muito caro e não havia terminado o primeiro livro, então um dia a professora não aguentou e começou a rir na minha frente, me senti humilhado tranquei a matricula, e se por acaso houver algum professor ou professora aqui na cidade que tenha experiência e fale pausadamente, para que eu possa entender ficarei muito grato, quero ter aulas particulares, não estou atrás de diploma, só quero provar que mesmo com deficiência posso falar outros idiomas.

    Grato

    Mario Sergio

  • Olá Daniela Guidugli,
    Continuo aguardando o contato da professora Thaís Tolentino de Buchman, não consigo localizá-la. Me ajude
    abraços Sonia

    • Oi Sonia! Realmente ela não está mais no instituto, mas vc pode localiza-la pelo facebook. Eu a tenho em meu perfil. Pode me adicionar: Dani Guidugli

  • Sou surda bilateral com perda profunda, estou precisando de um professor de inglês aqui na cidade de Curitiba, conhece algum?

  • Prezados,
    Gostaria de me indicar um ou mais professores particulares que darão as aulas de inglês para surdos na cidade do Rio de Janeiro?
    É urgente.

    Abraços fraternos, e me notifique por e-mail rleandros@gmail.com

  • Paula,

    Fiz aula particular com a profa. de espanhol Fátima Beatriz Caballero, ela é super excelente em fisionomia oro-facial e tem uma ótima articulação labial, nunca achei tão fácil falar espanhol, ainda mais com o IC também para distinção fonética.

    Contato: fatimacbarbosa@hotmail.com
    Cel (sim, ela responde SMS): 41 9901-3121

    Quanto a profa de Inglês, indico a mega maravilhosa Thaís Tolentino, de Buchman Professional Business Institute (www.buchman.com.br). Foi a melhor de toda minha vida. As aulas dela me lembrava das sessões de fono, treinava bastante as falas e [eca!] as difíceis pronúncias! Pelo menos foi com ela que aprendi a pronunciar “Russian” perfeitamente!

    Pena que descontinuei por falta de tempo…! =/

    • Oi Daniela, quero te agradeçcer a indicação da Tháis Tolentino, mas voce tem como me dizer o telefone dela, porque ela não trabalha mais
      no institulo. Fico aguardando e obrigado Sonia

  • Olá pessoal, sou de BH e gostaria de saber se aqui há algum professor de inglês especializado para lidar com deficientes auditivos. Estou fazendo o nível 1 em um curso comum, mas não consigo entender nada! Está super difícil :/

    Beijinhos

  • O Gui Chazan que me recomendou que eu comentasse aqui já que estou fazendo intercâmbio no Canadá. Uso Implante Coclear e fui pela agência STB. Na primeira vez em que a contatei, avisei da minha “pequena” particularidade, a qual eles disseram que não haveria problemas. Pedi para que avisassem a escola e a minha hostfamily, principalmente para ter alguém que me acordasse caso meu despertador não funcionasse (acontece!). Quando cheguei em Toronto, minha hostmother foi super querida e já sabia do Implante e ela me acorda todos os dias para ir na escola. No meu primeiro dia lá, na hora de me entrevistarem e aplicarem testes para avaliar meu nível, infelizmente o entrevistador não sabia do Implante e tive que o avisar, mas surpreendentemente ele foi compreensível e fiz a prova do listening separado dos outros novos estudantes, ouvindo o professor lendo as perguntas. Os outros professores também sabem, caso aconteça alguma coisa. Em relação a entender a lingua, mesmo tendo um bom inglês antes de chegar aqui, acredito que é normal às vezes não entender bem… são muitos sotaques diferentes que até os ouvintes se atrapalham. Sei que muitos surdos têm medo de viajar sozinho: basta ficar prestando atenção nos paineis de voo ou pedir auxílio para a companhia área. Essa experiência não é fácil, e não digo porque sou deficiente auditiva, digo porque temos que lidar com muitas novidades; isso para mim é incrível, mas ao mesmo tempo pode ser cansativo… Sempre quis fazer interâmbio e não me arrependo, estou adorando! Para os surdos que quiserem ter a mesma experiência, recomendo que se tem algo incomodando, é para falar! Surdo não é mudo! (:

    • Olá Camila, sou de Santos/sp, sou surdo oralizado. Eu estou planejando pra fazer intercâmbio em Canadá. Só que tenho algumas dúvidas. Gostaria que você me mandasse o seu email para saber mais informações.
      Obrigado pela atenção.

    • Boa noite Camila. Atualmente estou aprendendo inglês em casa, por causa da pronúncia estou tendo muitas dificuldades, quero muito fazer faculdade no Canadá e pelo fato de você já ter feito intercâmbio em Toronto, eu gostaria de saber como é as coisas ai para um deficiente auditivo. Por favor, entre em contato comigo pelo e-mail ou pode me encontrar no grupo de intercâmbio no facebook. E-mail: nito_raposo@hotmail.com
      grupo intercâmbio: https://www.facebook.com/groups/295577627231903/

  • Paula, eu sou licenciada em Letras-Inglês (UnB) e apesar de não dar mais aulas para nenhum nível, estudei como dar aula para deficientes auditivos, mesmo porque minha mãe é fonoaudióloga, tive problemas auditivos (perda moderada) quando era pequena e na minha faculdade também tem o curso de Português do Brasil como Segunda Língua, destinado a estrangeiros ou deficientes auditivos. Então sempre me identifiquei com o tema e estudei aqui e ali. Não sou especialista no assunto, mas na faculdade estudei técnicas para ensinar inglês até para alunos com dupla deficiência (auditiva e visual). Consistia basicamente em colocar a mão do aluno no rosto nos pontos onde havia vibração (saída do ar, vibração do fonema na garganta, bochechas, etc). Meu pai fez curso nos Estados Unidos com essa técnica e nem é deficiente auditivo. Infelizmente no Brasil essa técnica não é aplicada, o que dificulta o aprendizado de muitas pessoas, deficientes ou não.

  • oi ! tudo bem?adorei a idéia de cursos de línguas para DAs, o que posso contar é da minha experiência, como estudante de inglês, em Santa Bárbara (EUA), em 1996, eu já estudava a língua há algum tempo, quando resolvi comprar um pacote para estudar nos states, no Brasil, eu fazia aulas regulares em escolas comuns de inglês e mais tarde com professora particular em turma de 2 ou 3 alunos, apesar de ter perda profunda, e usar aparelhos bilaterais, não tive maiores dificuldades, é claro que naquela época, o método do listening, consistia em fones, que as vezes incomodam (e muito), nesta modalidade eu não ia muito bem, as vezes chutava as palavras…. porém, na escrita, na fala e interpretação nunca tive problemas! Acredito que na verdade, se tiver um bom professor,além da capacidade técnica e pedagógica, a pessoa falar de frente e bem articulado com o aluno, não haverá grandes problemas, deixo bem claro que isso só funciona no caso de surdos oralizados e que estejam bem adaptados com seus aparelhos!!
    andreacolleta@gmail.com.

  • Adorei a ideia de cursos de línguas para DAs, o que posso contar é da minha experiência, como estudante de inglês, em Santa Bárbara (EUA), em 1996, eu já estudava a língua há algum tempo, quando resolvi comprar um pacote para estudar nos states, no Brasil, eu fazia aulas regulares em escolas comuns de inglês e mais tarde com professora particular em turma de 2 ou 3 alunos, apesar de ter perda profunda e usar aparelhos bilaterais, não tive maiores dificuldades, é claro que naquela época o método do listening, consistia em fones, que as vezes incomodam (e muito), nesta modalidade eu não ia muito bem, as vezes chutava as palavras…. porém, na escrita, na fala e interpretação nunca tive problemas! Acredito que na verdade, se tiver um bom professor, além da capacidade técnica e pedagógica, a pessoa falar de frente e bem articulado com o aluno, não haverá grandes problemas, deixo bem claro que isso só funciona no caso de surdos oralizados e que estejam bem adaptados com seus aparelhos!

  • Pessoal eu morei na Venezuela durante 5 meses a trabalho pela empresa NEC do brasil , e aprendi o espanhol sem problemas me virei com a leitura labial e com a ajuda de meus aparelhos auditivo , sou deficiente auditivo bilateral , uso aparelho auditivo nos dois ouvidos e foi uma otima experiencia que tive , acredito que o intercambio funciona sim.Mas para quem é total não sei dizer.

  • Eu moro em Salvador- ba eu gostaria de saber tem alguém aqui pra que eu possa aprender falar em Inglês e Espanhol. Favor avisa-me.

  • Conheci uma mulher brasileira surda que fez um intercâmbio nos Estados Unidos na Universidade de Gallaudet em Washington D.C. Essa universidade é totalmente voltada aos surdos. A primeira língua usada por toda a instituição é a American Sign Language (ASL) e a segunda é a Língua Inglesa. O site deles é o http://www.gallaudet.edu. Dá uma olhada no site. De repente tem alguma oportunidade de estudar boa por lá. Boa sorte!

  • Eita isso que é rapidez!!! =D Valeu Gui!! Obrigada pelo post, Paula!!! Eu estou atrás de intercâmbio/curso de idiomas no exterior para DA!! Beijos

  • Olá Paula, vi que retuitou uma questão dos professores serem deficientes auditivos para uma turma de alunos sem deficiência. Se possível, faça um post sobre o tema, eu era professor universitário mas perdi audição e estou afastado, seria bom conhecer experiências de como outros professores nessa situaçao conduzem as aulas.

    Um abraço,

  • Pra quem é de Sampa e quiser aulas de inglês e francês, posso indicar minha professora de idiomas há 10 anos. Ela tem uma sala equipada para até 4 alunos (mas recomendo aulas individuais ou em duplas) no bairro de Moema. Posso passar o email dela, pra quem tiver interesse.
    Beijos

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.