Site icon Crônicas da Surdez – Surdos Que Ouvem – por Paula Pfeifer

Quase um mês se passou da cirurgia de Implante Coclear…

 

Dia 28/10 fará um mês que me operei. O corte já cicatrizou bem, o cabelo já cresceu um pouco. Até o zumbido estabilizou bem depois que passei a tomar Betaserc. Agora é só a expectativa pela ativação! 😀

Tenho recebido tantos emails, e gostaria de dividir um deles com vocês hoje, porque sei que muitas pessoas estão aí atrás da tela do computador com indicação para fazer Implante Coclear e temerosas de tomar uma decisão:

‘Hoje com 13 anos da doença já estou na surdez profunda e já estou consultando com especialistas para ver se sou candidata mas tenho muito medo de tudo. As pessoas já riem de mim com os aparelhos ainda mais com IC que é uma coisa que não dá pra esconder, todo mundo vai ver e vai ficar perguntando o que é. O medico me disse que não há outro caminho ou eu faço ou vou perder tudo a ponto de nem o IC resolver mais pra mim. Tenho um filho de 3 anos que precisa de me ter ouvindo mas bate um medo danado. Sou leitora assídua do Crônicas desde que eu descobri há uns 2 anos, acompanho passo a passo de tudo que você posta. Já li seu livro muitas vezes e fico impressionada com a força que você tem pra enfrentar tudo isso. Lembro do que você disse uns dias atrás que pra pessoa se submeter ao IC tem que ter a cabeça boa e eu tenho o psicológico muito frágil. Tenho pensando muito no assunto. Acho que não tenho outra escolha a não ser fazer. Mas pinta aquela sensação, vi você de cabeça raspadinha e penso no meu cabelo que é grandão, nossa bate uma tristeza.’

Quando decidi começar esse blog em 2010 decidi também iniciar na minha vida uma nova e eterna fase, que brinco chamando de “Os OUTROS que se explodam way of life“. E desde então vivo a minha surdez baseada nisso. Os olhares, os preconceitos, as perguntas nonsense e a ignorância alheias não me incomodam e nem tiram o meu sono – pelo contrário, somente fortalecem ainda mais essa decisão. Todo mundo tem questões mal resolvidas a respeito da sua própria deficiência auditiva; eu mesma morria de medo de fazer os exames para descobrir se era apta ao IC porque temia não ser. E a beleza da vida está em resolver todas essas questões.

Alguns não admitem que precisam usar aparelhos auditivos. Outros morrem de vergonha de usá-los. Muitas pessoas passam longos anos escondendo a sua surdez, e o mais triste é que não escondem dos outros, que a notam perfeitamente, escondem é de si mesmos. Nesse momento milhares de pessoas estão em depressão porque não aceitam o fato de que não ouvem mais como antes. Outros milhares, em depressão pelo zumbido. Enfim, são muitas questões. E, como disse no livro e vivo repetindo aqui, a grande lição é lutar contra tudo isso e dar um jeito de encontrar qualidade de vida e ser feliz. Compartilhei o email acima porque me dói um pouco o coração perceber que uma leitora tão antiga, tão fiel e tão querida está se apegando a questões bobas (cabelo, o que os outros vão achar, etc) e esquecendo da mais importante de todas: o seu filho precisa que você ouça para que você possa protegê-lo.

A surdez nos deixa a um oceano de distância da pessoa que está no quarto ao lado!! E fica a pergunta: se você tem indicação para fazer o implante coclear e não fizer por ficar focada só no que não importa ou por achar que é frágil (coisa que você certamente não é, a gente não sabe a força que tem até que nossa única alternativa é ser forte) o que é que você vai responder pro seu filho quando ele crescer e lhe questionar sobre isso? Imagine ele te dizendo: “Mãe, você não fez a cirurgia pois não queria cortar o cabelo e ficava preocupada com o que estranhos iriam dizer/pensar?”. Pois é. Talvez seja hora de rever as suas prioridades. Espero que você foque no que importa e não perca mais energia com bobagens! Um beijo.

Sair da versão mobile