Menu
Histórias dos Leitores

Soprano, funcionária pública e surda oralizada

MartaGainoCoral

 

“Olá Paula,

Acabei de ler seu livro e me identifiquei com quase todas as situações relatadas por você e pelos demais leitores. Incrível como a gente aprende sobre si mesmo a cada dia que passa, basta estarmos abertos para o mundo. Após a leitura me deu vontade de contar minha história, quem sabe também não consigo ajudar alguém, não é mesmo? Sou paulista, tenho 52 anos e moro na Bahia há 25 anos. Aqui fiz minha formação em serviço social e coincidentemente, concurso para a Secretaria da Fazenda, onde exerço o cargo de agente de tributos, acho que é equivalente a seu Técnico de Tesouro ai no Sul.

Tomei consciência de minha perda auditiva no trabalho. Um dia estava em minha mesa concentradíssima num relatório quando uma estagiária sentou-se à minha frente e perguntou se eu podia conversar com ela em particular, parei o que estava fazendo e fomos para uma salinha de reunião conversar. Ela começou dizendo que precisava de um feedback (foi assim mesmo, estagiária de pedagogia usando termos técnicos) porque estava sentindo que eu não valorizava o trabalho dela, pois toda vez que ela falava comigo eu não respondia e às vezes ela se sentia excluída e humilhada na frente dos outros funcionários e queria saber se o problema era com ela ou se era por ela ser estagiária. Fiquei estupefata com a situação, nunca em minha vida pensei que ouviria esse tipo de reclamação ou comentário de alguém, justo eu que me preocupava tanto em saber como estava o “clima” de minha equipe. Disse-lhe que devia ser impressão dela, mas ela continuava a afirmar que eu não atendia quando ela me chamava. Eu pedi desculpas e prometi que iria prestar mais atenção para que isso não acontecesse novamente, que ela não se preocupasse porque era uma ótima estagiária e seria uma grande profissional (feedback dado).

Daí que quem ficou preocupada fui eu. Naquela tarde chamei meus dois coordenadores para conversar no final do expediente, contei o caso e eles deram risada dizendo, todo mundo sabe que você deve ser surda, ela é que não te conhece e achou estranho. Fiquei irada. Como assim todo mundo sabe que eu sou surda? E ninguém me conta? Ficaram relembrando os casos em que eu não atendia o telefone, não respondia as pessoas que estavam em mesas mais distantes, e tantas outras vezes em que desistiam de falar comigo e passavam email para poder garantir que eu havia recebido o recado. Cheguei em casa e comentei com meu marido, e ele falou, grande novidade, você não entende nada do que a gente fala e ainda fica perguntando o que? hã? o que foi que você disse?

Marquei um otorrino na mesma semana, na consulta ele me virou do avesso, mandou que eu fizesse um mundo de exames e a única coisa errada que encontrou foi um desvio no septo para o que ele queria fazer uma cirurgia. Perguntei se isso ia resolver o problema do ouvido, como ele disse que não, mandei esquecer. Não foi detectado nenhum problema orgânico nem na estrutura do ouvido, não tive nenhum trauma, não caí nem bati a cabeça, nunca corri atrás do trio elétrico, então ele ficou sem poder fechar o diagnóstico, disse-me apenas que deveria ser um problema genético ou alguma infecção que eu tinha tido recentemente, e me encaminhou para uma fono para fazer uma audiometria.

Na consulta com a fono foi detectado uma perda auditiva leve a moderada de 40%, simétrica nos dois ouvidos, compatível com uma pessoa de 80 anos, e eu tinha 40 à época (em 2001) , com indicação para usar aparelhos auditivos nos dois ouvidos. Perguntei, tem cura? Ela me respondeu que não, mas que os aparelhos poderiam me ajudar a ouvir melhor e com sorte e insistência estagnar a perda, garantindo melhor qualidade de vida. Saí dali convencida de que tinha de usar os aparelhos e fui procurar onde comprar.

A única referência que eu tinha era de um senhor colega do trabalho que usava aparelhos, perguntei onde ele tinha comprado e fui na mesma clínica conhecer. Quando a fono colocou um aparelho de teste para ver como me sentia foi um choque, comecei a ouvir meu marido falando de costas para mim, o som do teclado, ela abriu a porta e pude ouvir as pessoas conversando na recepção. Eu não tinha noção do quanto eu não ouvia, do quanto eu estava isolada dentro de minha cabeça, percebi inclusive que minhas dores de cabeça eram na realidade esse zumbido infernal que não me largava nenhum minuto!

Meu primeiro aparelho foi um par intra-canal, comprei sem dó nem piedade pois me custaram à época R$3.800,00 cada um, quinze dias depois eles chegaram e comecei a usar imediatamente. Foi uma festa lá na seção, as pessoas ficavam me testando para ver se eu estava ouvindo mesmo. Uma colega quis pegar na mão para ver como era, como funcionava, e brincavam dizendo que agora eu era uma pessoa “antenada”, por causa da anteninha que os aparelhos tinham. Enfim, eles se integraram inteiramente à minha vida e eu a eles, aliás fiquei dependente deles, não saia de casa sem. Esse amor todo durou uns dois anos, a partir dai comecei a sentir muita dor de cabeça quando usava os aparelhos e um pouco de tontura. Voltei na fono e ela me disse que meu cérebro já estava acostumado com os aparelhos e que era preciso mudar para outro tipo mais novo. Como assim mudar? E a “fortuna” que eu havia pago por aquele par? Saí indignada da clínica, coloquei os aparelhos na caixa e guardei na gaveta. Fiquei uns três anos sem usar, mas aos poucos fui voltando àquela situação de “o que você disse”? Hã? Criou-se em mim uma resistência em aceitar que eu tinha perda auditiva e precisava usar aparelhos, me perguntava por que eu? Acho que o que mais me incomodava é que eu fazia parte do coral da empresa e era primeira soprano, não usava os aparelhos nos ensaios mas mesmo assim percebia qualquer pessoa que desafinasse no coro, os colegas se orientavam pela minha afinação, a maestrina me usava como referência nos ensaios e fazia solos nas apresentações. Como é que eu podia ser surda?

Fui a outro otorrino, fiz novamente todos os exames e ele também não conseguiu identificar a causa nem fechou o diagnóstico, mas me disse que como eu havia usado os aparelhos por um tempo meu cérebro havia reaprendido a ouvir e identificar a fala, que minha perda era específica para entender a conversação e que não tinha dificuldade com a música porque é um som puro. A conversação é modulada e como eu tenho os graves preservados e minha perda é na região dos agudos, eu entendia só metade dos fonemas, e que existiam aparelhos com tecnologia para atender as minhas necessidades. Enchi-me de coragem e fui procurar novos aparelhos. Dessa vez comprei o modelo retro-auricular que uso com olivas abertas, isto é, ouço os sons graves naturalmente e os aparelhos traduzem os agudos dentro do canal auditivo, o zumbido foi embora e estou feliz da vida!

Agora cinco anos depois da mudança de aparelhos estou pesquisando para a compra de um novo par. Com o uso diário e intenso (uso das 07:00h às 22:00h) percebi quais são minhas reais deficiências e dificuldades como atender o telefone por exemplo, entender pessoas que falam atrás de mim, falam comendo (ninguém merece!), falam rápido, passam falando sem me direcionar a palavra ou então resolvem me ajudar e falam baixinho em meu ouvido (odeio isso!). Pretendo comprar novos aparelhos com tecnologia Bluetooth ou Wifi para me conectar ao celular, aproveito e compro um smarphone novo, kkk, e vou viver a vida, porque eu mereço, aliás todos nós merecemos!

Nunca me senti deficiente, nem nunca me considerei surda e coitadinha, nunca também havia prestado atenção sobre o fato de que existem vários tipos e amplitudes de surdez e foi através de seu blog que me liguei no quanto vivi presa apenas em meus problemas, perdi tempo e oportunidades de descobrir pessoas e dicas de como superar as dificuldades que tenho passado nesses 13 anos desde que aquela estagiária chamou minha atenção para o fato de eu não ouvi-la. Tenho muitas outras histórias para contar, mas enfim, vivendo e aprendendo!

Marta Gaino

About Author

Moro no Rio de Janeiro e tenho 39 anos. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Sou autora dos Crônicas da Surdez e Novas Crônicas da Surdez.

7 Comments

  • Karen
    01/01/2014 at 5:12 pm

    Nossa que legal a sua história, Marta Gaino!!!
    Como esse blog é maravilhoso, Paula! Vamos descobrindo que os deficientes auditivos oralizados estão indo para qualquer profissão e atividades com que se identifica! Muito interessante!!!!
    Pessoas, eu também tenho dificuldades por telefone, principalmente no celular, pois eu necessito procurar um local silencioso para poder entender o outro lado da linha. Se eu estou no carro, eu fecho os vidros, se estou em algum lugar barulhento, procuro um local melhor para escutar…Nossa quanta luta!!!
    Rs…Já aconteceu de eu solicitar a uma pessoa mandar por torpedo um endereço que eu não entendia…rs…
    As pessoas acham que devem gritar e eu falo que pode falar em tom normal, pois gritando eu não entendo nada! rs…E elas ficam sem graça com aquela cara sei lá o que…rs…
    Quando aos aparelhos mais modernos, não consegui me adaptar ao que possui a possibilidade de usar o celular, pois ele me atrapalhava e muitas vezes eu achava que o aparelho estava com problemas, pois quando o celular toca, o aparelho automaticamente fica mudo e você não sabe se é celular ou é problema do aparelho. Vou esperar uma tecnologia melhor.

    Reply
  • Daiane Queiroz
    31/07/2013 at 2:14 pm

    Uauuu, eu me identifiquei demais com ela. Como existem pessoas inspiradoras! Como é gratificante conhecer pessoas que passaram por essa situação parecida com a minha. Eu também sou deficiente auditiva de leve a severa em ambos os ouvidos, sou oralizada e busco um aparelho auditivo que faz tudo e inclusive servi um cafezinho(risos). O mais engraçado é que as pessoas que convivem comigo, não acreditam que eu tenho essa deficiência, porém eu tenho e não tenho vergonha de dizer.
    Lá vou eu em busca do aparelho auditivo perfeito..rs Até mais. =)

    Reply
  • Samira
    22/07/2013 at 12:11 pm

    Marta, parabéns por expor sua história de vida (auditiva).
    Fico feliz que estás adaptada e percebendo os benefício e tendo os aparelhos como aliados.
    Sucesso em sua caminhada!
    Abraço,
    Samira

    Reply
  • 20/07/2013 at 12:28 am

    Adorei sua história, é bem proxima da minha. Um dia minha coelga falou para as outras colegas, você está ficando surda, que eu saíba não a única surda aqui é a Gê. Ela com medo que as outras viessem contar para mim, veio correndo me informar o que havia dito para as outras. Fiquei super chateada. Corri e pedi ajuda a otorrino….Não sabia mas em casa quando chegava do serviço ao bater o portão o pessoal de casa falava, a velha surda está chegando. Fiquei sabendo desses comentários em 2008, quando fui na fono com a minha irmã mais velha, ela contou para fono como o pessoa de casa falava de mim pelas costas e pela frente sem eu ouvir nada. A surdez me pegou de surpresa é progressiva. Quando minhas proteses apresentam problemas fico chateada a ponto não querer mais usar dependo delas, infelizmente são caras….estou aguardando minha nova protese chegar, espero que dê tudo certo. Ser avisada que está surda não é fácil, mas da para superar.

    Reply
  • Viviane
    19/07/2013 at 12:28 pm

    Marta, muito boa a sua história. Descobrimos nossa perda de maneira parecida. Minha colega de escritório falou comigo um dia, daí eu perguntei: “Porque você está cochichando?”…Como ela respondeu que falou normalmente, eu não acreditei e ainda fiquei com raiva e me perguntando porque que ela falou tão baixo, parecia brincadeira… Mas com o passar dos dias, percebi que eu é quem não estava ouvindo bem, e marquei logo um otorrino, achando ser um pequeno problema (sujeira ou coisa parecida). O diagnóstico me pegou de surpresa (otosclerose bilateral, surdez progressiva). E ainda falou que eu tinha que operar o mais rápido possivel. Fiquei na dúvida e fui embora chateada e pensando porque comigo? Contei que tive meningite aos 6 meses de idade, mas ele falou que é diferente, que tem várias doenças que se manifestam de formas direntes…Eu sabia que tinha algum problema com um dos ouvidos, mas nunca imaginava que pioraria e ainda seria nos doi lados, pois a otoclerose vem de forma lenta,e só percebi realmente a perda aos 30 anos. Minha familia achava que eu era voada desde criança, e não imaginavam que seria surdez. Fui chamada por outras até de metida,nariz empinado, que não respondia qualquer pessoa…Nunca fui de maltratar alguem.
    No meio do caminho, do otorrino para casa passei num cabelereiro e pedi que fizesse um corte moderno, porque como toda pessoa eu não merecia entristecer e não tomar providencia na vida. Deu vontade de mudar o visual de repente, como se tivesse ficado revoltada, ou que tinha que tomar alguma atitude, pois estava querendo mudar de alguma forma, sei lá…
    O corte ficou lindo. Mas com o passar dos dias tive que tomar uma atitude porque a perda me prejudicava no trabalho. O segundo otorrino constatou a doença, mas não quis operar, indicando aparelhos auditivos. O jeito foi correr atrás. E tambem foram muito caros…mas não tive outra escolha precisava continuar trabalhando e vivendo socialmente.Foi dificil a aceitação, mas consegui, graças a Deus. E esse blog tambem me ajudou muito…Agradeço a Paula por isso.

    Hoje não escuto mais a tv sem eles e tenho dificuldade em ouvir pessoas com a voz grave. Telefone! É um martírio quando atendo. Preciso colocar no viva-voz…
    Para superar tudo isso sempre penso que tem pessoas em situação pior e peço a Deus proteção e coragem para encarar mais este obstáculo.
    Tudo de bom para todos e muita força tambem…

    Reply
  • Carminha
    18/07/2013 at 6:51 pm

    Adorei esta história. Conhecendo minha amiga, com aparelho ou sem aparelho, é sempre muito bom tê por perto. Beijos, Carminha

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Marque a sua consulta na Clínica Sonora