Menu

Não esperava ter uma recepção tão calorosa quando coloquei o Crônicas no ar. Confesso que me surpreendi!! Até agora foram mais de 170 comentários parabenizando, dando oi, desejando sucesso. Mas a parte mais incrível deste início de jornada foi receber muitos emails de leitoras que têm o mesmo problema! É por isso que amo a internet: não temos como saber quem está lendo aquilo que escrevemos, e muitas vezes a pessoa atrás da tela está vivenciando as mesmas situações que nós. E o objetivo master deste humilde blog é  a troca de experiências com quem convive diariamente com os extremos do som e do silêncio.

Algumas pessoas comentaram comigo, pessoalmente, que jamais imaginaram que eu não escutasse bem. Repito: jamais saí comentando este fato por aí, apenas quando era extremamente necessário. Por isso, a sensação de largar essa informação pro mundo foi libertadora. Acho que foi assim que Ricky Martin se sentiu semanas atrás quando saiu do armário!!! 🙂

Na medida do possível, vou contando minhas histórias por aqui. E adoraria saber das suas, também!! Quem já tem meu email, use-o. Ou, então, basta enviar sua mensagem através do formulário de contato no cabeçalho do blog.

Vou transcrever abaixo um poema que acho lindíssimo, que foi a epígrafe do meu trabalho de conclusão de curso em Ciências Sociais na UFSM: “Pensando a integração social dos sujeitos surdos: uma análise sobre a escolha da modalidade linguística – Língua de Sinais ou língua oral – pela família”.

Different

You can hear the wind rustling in the tree

The bird singing on the bough

You can hear the bells tolling in the belfry

The car flashing by on the highway

You can hear a child calling “Mummy”

The boy saying “I love you” to the girl

 

I cant’ hear the wind rustling in the tree

The bird singing on the bough

I cant’ hear the bells tolling in the belfry

The car flashing by on the highway

I cant’ hear the child calling “Mummy”

The boy saying “I love you” to the girl

 

BUT

 

I can see the wind rustling in the tree

The bird singing on the bough

I can see the congregation going to the church

The car flashing by foot hard down

I can see the child calling for “Mummy”

The boy smiling tenderly at the girl

 

(Hardi  Nordentoft)

Fonte: The Danish Association of Children of Deaf Parents, 1998.

Sobre

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 38 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

26 Comentários

  • Janaina
    18/11/2010 at 10:01 am

    O poema me fez chorar, lindo!!!

    Responder
  • xauxixaxauxixa (Nara Figueiredo)
    09/10/2010 at 3:16 am

    https://cronicasdasurdez.com/agradecimentos/ – O poema Different – lá embaixo de Hardi Nordentoft. Eu gosto muito!

    Responder
  • Guilherme Chazan
    01/09/2010 at 6:45 pm

    Oi Paula.

    Sou deficiente auditivo desde os 4 anos, mas fiz implante coclear há 7 anos. Tenho 23 anos atualmente e, apesar de ter recuperado a audição – ouço tudo, mas isso não quer dizer que eu entenda tudo, pois é um som mecânico, adaptação do usuário etc… -, meu mundo ainda é assim como descrito no poema: visual e não auditivo. Muito boa a síntese!

    Adiciona mais um leitor assíduo na lista aí. Ótimo blog, gostaria de trocar ideias.

    Responder
  • Marcele Dresch
    29/05/2010 at 4:58 pm

    Oi Paula!

    Já sou fã do teu blog faz tempo, e cada vez admiro mais vc.
    Muito sucesso!!!
    Bjs com carinho.

    Marcele

    Responder
  • 28/05/2010 at 1:40 pm

    Paula tb quero dar parabéns! To admirada com sua postura! Vou ler sempre o blog! beijinhos

    Responder
  • Aline
    27/05/2010 at 10:31 pm

    Lindo poema. Traduz os sentimentos de alguém que interage com o mundo de uma forma diferente. A percepção so é diferente. O que muitos chamam de “limitação”, eu gosto de chamar de “percepção diferente do mundo”. O mundo é o mesmo para todos nós!

    Adorei o seu blog!

    Responder
  • Ale Bastos
    27/05/2010 at 10:20 pm

    Oi Paula,

    Parabéns pela iniciativa! Estou muito orgulhosa de vc! E fico feliz de ver que tem superado suas limitações com dedicação e bom humor. Venho de uma família de alérgicos. Crescemos assim, espirrando com qualquer cheiro diferente e com muita dificuldade para respirar… E adoramos esportes!!!! Ás vezes, era uma dureza viver fugando… Além das bolas fora, tipo mega crise com o perfume dado pelo namorado… Mas vamos dando um jeitinho… Casamento sem flores, anti alérgico de emergência na bolsa e muito, muito cuidado com Bom Ar e afins. O inimigo perfumado anda por toda a parte… Minha filha mais velha escapou, mas o caçula enfrenta isso desde o nascimento. Procuro explicar para ele que tudo a gente ajeita… E se cuida, para não piorar! Vou adorar ouvir suas estórias, conte sempre!!!! Mil bjs,

    Responder
  • Luís França
    27/05/2010 at 7:39 pm

    Oi Paula!

    Adorei seus textos. Acabei de conhecê-los por acaso, num retuitada de uma tia, hehehe

    Tenho uma razoável perda auditiva adquirida nos tempos do exército e durante uns anos que trabalhei como motorista de ônibus. Agora, preciso começar a tratá-la…

    Também sou blogueiro e escrevo sobre o meu cotidiano. Lendo seus textos percebi que ainda tenho muita coisa pra dizer lá, afinal, só nós sabemos as situações nem sempre engraçadas em que nos metemos, mas que depois acabam sendo lembradas como um aprendizado, diversão e também informação.

    Parabéns pela iniciativa!

    @luisfranca

    Responder
  • Thayse oliveira
    27/05/2010 at 7:11 pm

    Paula parabens pelo novo blog!

    nem imaginava que tú é surda.. bom eu tenho problemas auditivos devida uma inflamação..
    nada mto grave, mas já basta pra sempre fala Hã:? hã? eim? pareço uma velha surda.. hahahhaa

    espero ler mtas cronicas da surdez..

    beijo

    muito sucesso!

    Responder
  • Joseane
    27/05/2010 at 6:02 pm

    Parabéns pela iniciativa, Paula. Já acompanho o Sweetest e nem imaginaria….Eu também posso me considerar “metade” deficiente auditiva. Sou surda do ouvido direito. E no meu caso não existe aparelho que resolva. Mas me viro bem com um só, hehe. Já passei por situações parecidas com as suas =)
    Parabéns, mais uma vez!
    Beijos!

    Responder
  • Elianinha
    27/05/2010 at 4:29 pm

    Estes poemas também devem ter mais uma meta, a edição de um livro. Seria sensacional. Fico na torcida!
    Super beijos!!!

    Responder
  • Karina Bastos
    27/05/2010 at 3:41 pm

    Oi Paula!
    Parabéns pela iniciativa! Você escreve lindamente!

    Responder
  • Jéssica Baumwolle
    27/05/2010 at 1:50 pm

    Caraca, fiquei emocionada aqui.

    Que atitude legal a sua! Muito, muito legal!

    Mais uma nesta lista de comentários que você conseguiu imprimir orgulho.

    Terá uma leitora assídua, com certeza, apesar de não possuir qualquer “tipo” de surdez. Mas quero entrar em contato com este “mundo” desconhecido para mim. Para mim e para muitos, não é? Apoio a desmistificação!

    E outra certeza é que sempre que a situação se apresentar, vou indicar rapidamente este seu espaço!

    Um abraço e muito sucesso nesta empreitada.

    Responder
  • Priscila
    27/05/2010 at 12:18 pm

    Olá Paula,

    confesso que não sou a leitora mais assídua do teu blog, mas tô de vez enquando lá. Superadorei essa tua iniciativa, é impressionante como pensamos: blogueira phyna não tem problema, só com o cartão de crédito.
    Adorei! Vou repassar para toda a minha lista, mais uma vex vc anda quebrando paradigmas!

    Beijos,
    Pri

    Responder
  • Camila Menezes
    27/05/2010 at 11:20 am

    Liiiiinda é aquela prótese pink com florzinhas que está na foto superior, é a que você usa?

    Não sou leitora assídua do Sweetest – só acompanho com alguma frequência blogs de beleza/moda – mas estou absolutamente admirada com esse seu blog. Admiradíssima. Parabéns.

    Responder
  • Pri Sganzerla
    27/05/2010 at 2:42 am

    Orgulho alheio de você, viu?

    Sua competência, sensibilidade e sua preocupação com os detalhes, eu já conheço através do Sweetest. Mas essa iniciativa de compartilhar algo tão pessoal na intenção de ajudar outras pessoas a se compreenderem, se identificarem, desmistificando preconceitos e mostrando o quanto isso NÃO deve servir para rotular e reduzir uma pessoa, é uma idéia especial e generosa.

    Com certeza falar sobre o assunto com quem viveu e enfrenta situações semelhantes faz muita diferença. 🙂

    Fiquei emocionada quando li a divulgação feita no “Trendy Twins”. Tão bom constatar pessoas interessadas em fazer diferença no mundo de uma maneira única.

    Parabéns! Que o blog te possibilite grandes momentos de catarse e te traga muitas coisas boas em retribuição ao bem que você está fazendo ao disponibilizar sua experiência de modo tão especial.

    Beijos!

    Responder
  • Shirley Stamou - Garotas Modernas
    27/05/2010 at 1:38 am

    Paulinha,
    Amiga (posso chamar vc de amiga, né? é assim que sinto vc no meu coração), todos nós temos nossas “limitações invisíveis”. As pessoas nos olham de fora e não imaginam os problemas que carregamos por dentro… Estes dias uma leitora do GM (que virou amiga) disse que não imaginava que eu estava passando por uma fase difícil (4 anos tentando engravidar sem conseguir) porque estou sempre sorrindo e pareço estar bem.
    Mas ás vezes eu choro embaixo do edredon, ou dirigindo… fico com raiva ao ver que um monte de gente que detesta crianças engravida assim que beija na boca… me frustro ao saber que terei que passar por mais uma fertilização in vitro sem garantia alguma.
    Mas precisamos fazer dos limões uma limonada (ou caipirinha, dependendo do dia da semana)! Somos o que somos por causa de tudo que temos e tb por causa de tudo aquilo que não temos.
    Já linkei seu novo blog lá no GM tb.
    beijos!

    Responder
  • Tayane
    27/05/2010 at 12:58 am

    Lindo o poema! Mais uma vez, parabéns pelo blog!

    Responder
  • mariana
    27/05/2010 at 12:48 am

    agora que eu choro mesmo, poema lindo Paulinha..
    você é demais, de-mais!

    Responder
  • Gabi
    26/05/2010 at 11:27 pm

    Paula, não lembro desde quando leio o Sweet mas estou completamente surpresa com esse blog, eu imaginava que seria uma extensão do Pequenos escritos, mas quando li que crônicas da surdez não era uma mera figura de linguagem, fiquei surpresa, sensibilizada e um pouco satisfeita por saber que você é gente como a gente, real, que já enfrentou coisas que eu nem poderia imaginar e apesar de tudo tornou-se essa pessoa maravilhosa, doce e inteligente. Tenho orgulho de ser “sua” leitora e fã, esse blog só veio a acrescentar experiências na minha vida.
    De coração, sucesso!!!
    Grande beijo,
    Gabi.

    Responder
  • Lindo! Parabéns mais uma vez!

    Responder
  • Juliana Zago
    26/05/2010 at 8:54 pm

    Sim, muito bem. Poema belíssimo! Lindo, perfeito… me fez lembrar do casamento de meu irmão. Que claro, foi (maravilhosamente!) traduzido. Lindo e muito perfeito!
    Maaas, tive que traduzir o texto.. por que meu inglês.. é bom… mas, teria que ficar pensando demais, haha.
    Beijo

    Responder
  • Samara Correia
    26/05/2010 at 5:34 pm

    Ahh!!! Eu já disse q amei e vou passar aqui sempre!

    E como eu tb tenho minhas histórias por conta da audição.. é claro que qualquer hora dessas eu escrevo contando casos, sempre tem, né?!

    Amei o poema

    “I can see” \o

    bjus mil

    Responder
  • Laís
    26/05/2010 at 5:09 pm

    Adorei seus blogs!parabéns!
    mto sucesso!
    bjos

    Responder
  • Fê Borges
    26/05/2010 at 5:01 pm

    Lindo!!! Sem mais palavras!

    Beijos

    Responder
  • joyce
    26/05/2010 at 4:08 pm

    ai eu adorei a iniciativa e imagino que não foi uma desição facil p vc .
    estou adorando ler , vc escreve muito bem por sinal.

    beijos
    joyce

    Responder
  • Adeline
    26/05/2010 at 4:06 pm

    Lindo poema!

    Responder

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.