Deficiência Auditiva Notícias

Bebês fazem leitura labial durante o processo de aprendizagem da fala

Fonte: Revista Crescer.

As primeiras palavras do bebê podem não ser totalmente articuladas, mas são capazes de fazer qualquer pai e mãe chorar. E não é à toa, a fala é um complexo processo e envolve uma importante interação entre você e seu filho.

Um estudo realizado no Florida Atlantic University, nos Estados Unidos, por exemplo, acaba de revelar que para aprender a falar, a criança faz (imagine!) a leitura labial dos seus interlocutores. Isso significa, que seu filho não só escuta, como também presta muita atenção nos movimentos dos seus lábios quando você conversa com ele – algo que talvez você já tenha percebido.

Segundo a pesquisa, esse processo se inicia aos 6 meses de idade, quando a atenção do bebê deixa de estar voltada para os olhos e passa a ser dirigida à boca dos pais. Os cientistas chegaram a essa conclusão com a análise de 180 crianças expostas a gravações de vídeos, nos quais uma mulher dizia frases tanto na língua materna das crianças (no caso, o inglês), como em um idioma estrangeiro (no caso, o espanhol).

Nas falas em inglês, as reações dos bebes revelaram que aos 4 meses de idade, a atenção das crianças é focada nos olhos, aos 6, ela é dividida entre a boca e o olhar, já dos 8 aos 10 meses, a boca se torna o principal foco. Aos 12, a atenção volta novamente aos olhos.

Mas nas gravações em espanhol, todos os bebês se concentraram na boca durante a exibição das imagens. O que isso significa? Para os pesquisadores, esse resultado demonstra que as crianças precisam de informações extras quando ainda não reconhecem o significado dos sons, por isso, a importância da leitura labial no desenvolvimento da linguagem.

Ao ler os lábios, as crianças fazem um resgate na memória dos sons que já ouviram e que têm sentido para ela“, explica a a fonoaudióloga Adriana Souza Martins.

Mais um motivo, destaca a especialista, para você buscar a interação com o bebê a fim de incentivar o aprendizado da linguagem, de forma que ele entenda que ao falar, pode satisfazer desejos e outras necessidades. “Ler ou contar histórias, cantar, brincar e conversar são ótimos meios de interação”, sugere Adriana. “Durante essas atividades, mostre os objetos, as cores, pessoas e seus respectivos nomes.” Assim, com o estímulo dos pais, logo ele vai perceber que, além de apontar os objetos, há maneiras mais fáceis de conseguir o que quer!

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

5 Comentários

  • NA DÉCADA DE 60 MEU OUTRORA PROFESSOR GERALDO CAVALCANTI DE ALBUQUERQUE (JÁ FALECIDO) FOI MEU GRANDE PROFESSOR DE LEITURA LABIAL QUE ME DEU VIDA!

  • Boa matéria Paula!
    Eu já fiz a leitura labial desde aos 1 aninho que os meus pais me ensinaram… E muito interessante… é uma prova de amor. Lindo!
    Beijo,
    Ana Claro

  • Meu, interessante! Nem sabia! Só entendo quando eu leio labial ao mesmo tempo com som da fala. Sou como um bebê rsrs

    Gostei do post!
    Total!!!

    Bruno

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.