Clipping Crônicas da Surdez

Facebook Community Leadership Program: o Crônicas da Surdez venceu

Tenho TANTA coisa para contar que nem sei por onde começar, mas vamos lá. Ano passado fui chamada para falar em dois eventos do Facebook Brasil – o Summit de Acessibilidade e o Facebook Experiences. Foi super bacana, e no primeiro eles disponibilizaram legendas em tempo real e foi um espetáculo de acessibilidade.

Tempos depois, a Sheryl Sandberg compartilhou um link na timeline dela chamando para inscrições no Facebook Community Leadership Program. Achei muito interessante e decidi inscrever o Crônicas da Surdez. Como dizem lá na minha terra, não tá morto quem peleia.

Para minha surpresa e felicidade, fui passando em todas as etapas. O processo era confidencial, portanto, eu não podia comentar nada com vocês sobre o que estava acontecendo à medida em que avançava mais e mais. Lembro do meu nervoso no dia da entrevista por vídeo com um executivo do Facebook que estava na Califórnia. Até pedi um intérprete de português mas, no fim, não precisei. Terminei aquela entrevista me sentindo Leonardo di Caprio na icônica cena do Titanic: “I am the king of the world!“. 🙂

Lá no fundo, eu tinha certeza que uma das 100 vagas de Fellowship era minha. Jamais me passou pela cabeça que poderia conseguir uma vaga de Resident, que eram apenas 5. O tempo foi passando e a resposta não chegava. Até que, numa segunda-feira de agosto, chega um email de “Congratulations”. Nossa, eu tremia enquanto lia. Nem lembro de ter sentido um nervoso igual antes. Li tão rápido que nem prestei atenção aos detalhes e liguei pro Luciano aos berros: “Consegui uma das 100 vagas!!”. E ficamos conversando sobre quem seriam os outros brasileiros selecionados e comemorando.

Eis que uns três dias depois, recebo um whatsapp do meu mentor no programa dizendo: “Estamos muito felizes de ter você como a Residente da América Latina!“. Fiquei tipo “oi, como assim?“. Minha ficha demorou um tempão pra cair!

 

 

O que isso significa?

Significa que ao longo de um ano vou trabalhar desenvolvendo junto com os experts do Facebook um projeto para a comunidade do Crônicas da Surdez, que será financiado por eles em até um milhão de dólares. Se você levou um susto ao ler essa cifra, imagine eu! É muita responsabilidade, mas também uma felicidade enorme poder fazer isso. A vitória é nossa! Quem está no nosso grupo sabe que pareço uma mala repetitiva falando: NÓS SOMOS UMA GRANDE FAMÍLIA. E é isso mesmo!

Nos ajudamos de maneiras maravilhosas. Seja oferecendo um ombro amigo, seja nos conhecendo nos Conexões Sonoras pelo Brasil (até em Lisboa já fizemos!), seja compartilhando informação importante, seja mostrando a luz no fim do túnel para quem acaba de receber seu diagnóstico de surdez, seja dividindo nossas experiências como usuários de aparelho auditivo e implante coclear com aqueles que vão começar a passar por isso, seja fazendo doações de aparelhos auditivos (até implante coclear novinho já foi doado lá no grupo!).

Costumo dizer sobre boas ações: “Deus tá vendo!“. E acho que ele viu o quanto a gente se dedica nessa rede linda de ajuda, de compartilhamento e de empoderamento, e nos mandou essa chance única de fazer ainda mais e melhor.

Além do Crônicas, outras comunidades brasileiras venceram nas vagas de Fellowship: Politiquê, Mommys,Startup Weekend, Associação do Câncer de Garganta e Pescoço, Mulheres Que Decidem, Maternativa, Força Meninas e Politize! Cada uma delas receberá até 50 mil dólares para desenvolver um projeto para sua comunidade. Para ler mais sobre o Facebook Community Leadership Program, clique aqui.

 

Nova Iorque

Como se a notícia incrível não bastasse, me chamaram para ir às pressas a Nova Iorque participar do lançamento do programa no Social Good Summit, da Mashable e Nações Unidas. E foi lá que conheci os outros 4 residentes: Adhunika (Índia), Christian (França), Noah (Quênia) e Latasha (Estados Unidos). Pensem numa turma incrível que faz a diferença na vida das suas comunidades ao redor do mundo: são eles!!!

O momento em que pus a hashtag #surdosqueouvem e #cronicasdasurdez na parede do Facebook foi histórico para mim. Chorei! Aliás, me lavei chorando na noite anterior, deitada na cama do hotel, pensando no início disso tudo. Senti uma saudade tão grande da minha mãe que fui procurar mensagens antigas dela no meu email, e encontrei uma que dizia: “Minha filha, essa é a sua missão!“. Ela deixou no primeiro post do Crônicas. Não preciso nem dizer que desidratei chorando depois que li. Sou muito obcecada por sinais, e na manhã seguinte desci ao lobby do hotel e encontrei um livro, que abri numa página aleatória. Li, e era sobre como as mães morrem mas continuam conosco, embora às vezes a gente não perceba a sua presença. Ali, senti como se ela estivesse segurando a minha mão. Faz muita falta na minha vida porque era quem mais vibrava com qualquer mísera conquista minha, e é muito triste não ter ela aqui para dividir essa tão importante. Pronto, já chorei mais e mais.

 

O time do Facebook que nos recebeu em NY (Brianna, Anna, Amira, Deepti e Rebecca) foi muito hospitaleiro e divertido! Na foto acima, estávamos passeando de riquixá no Central Park.

 

 

Passamos dois dias em reuniões nos escritórios do Facebook e do Instagram em NY – no meu Instagram @paulapfeiferm tem toda a aventura nos destaques, confere lá.

Social Good Summit

 

No dia “D”, que nervooooosooooo!!! Tudo rolou ao vivo no palco, e eu estava em pânico, porque a sensação era de que meu cérebro ia fritar. Ouvir, entender, raciocinar e ainda falar em outra língua 24hs por dia por vários dias me fez conhecer um esforço auditivo que eu ainda não havia enfrentado. Foi um mega treinamento auditivo, é claro, mas meu estômago coitado pagou a conta de tanta adrenalina.

No fim tudo deu certo. Eu disse aos meus colegas que olho para cada um deles e penso nas seguintes frases, que eles disseram em algum momento dos nossos dias juntos:

  • Adhunika: “Qual é a sua desculpa para não fazer nada?”
  • Noah: “Acredite em você mesmo!”
  • Christian: “Sempre solidário, nunca solitário!”
  • Latasha: “Um lugar seguro, um espaço de cura!”

Que inspiração! Quantas lições de vida tive durante esses dias. Pensei tanto, me emocionei tanto, revi toda a minha – e a nossa – trajetória para chegar até aqui. Não foram poucos os dias em que pensei em desistir, afinal, o Crônicas da Surdez consome a mair parte do meu tempo, e em muitos meses/anos não consegui/consigo viver exclusivamente dele. Em 2016, entrei para a iniciativa privada por causa disso, mas quando percebi que não conseguia mais tempo para criar conteúdo e administrar nossa comunidade como ela merecia, pedi demissão. Aí vem uma maré alta de trabalho, depois maré baixa. Não é fácil administrar os altos e baixos, longe disso…

O que o Facebook quer é ajudar pessoas comuns que fazem coisas extraordinárias (e na maioria das vezes nem percebem e nem consideram o que fazem extraordinário) a construírem projetos sustentáveis a longo prazo para as suas comunidades. Desse modo, essas pessoas (eu incluída) poderão transformar seu trabalho comunitário num trabalho de verdade e terão a chance de se dedicar a ele 100% do tempo, por muitos anos. É ou não é um sonho?

Quem encontrei por lá…

 

O surdo americano famosão, o Nyle DiMarco. Ele é tão, mas tão bonito, que todo mundo fica de queixo caído ao olhar para ele.

Viajante Biônica next stop: Menlo Park

 

Ainda tenho muitas novidades para compartilhar aqui, pois ficarei nos Estados Unidos até o dia 13 de outubro. Daqui alguns dias embarco para Atlanta, para o Congresso da Academia Americana de Otorrino junto com o Luciano. Depois, vou para o Vale do Silício, mais precisamente para Menlo Park, onde fica o quartel-general do Facebook. Lá, os 105 participantes receberão o primeiro treinamento e conhecerão mais detalhes sobre o programa. Fico na torcida para que tenha a chance de conhecer ao vivo a Sheryl Sandberg e o Mark Zuckerberg, claro!

Por último, quero fazer um agradecimento à Cochlear Brasil, que me emprestou um Nucleus 7 para essa longa viagem. Ele está facilitando demais a minha vida!!! Em breve vou reunir todas as impressões a respeito da minha experiência de uso sobre ele num post aqui no Crônicas da Surdez. Já adianto que não precisar de nenhum acessório para ouvir música, me sair melhor em ambientes de ruído ou falar no telefone elevou minha experiência como usuária a outro patamar – eu quase não ouvia música antes, por exemplo, porque minha paciência para carregar/lembrar de pôr na bolsa/conectar acessórios é praticamente nula!

Acompanhe a viagem no Instagram: @paulapfeiferm

Entre para o Grupo Crônicas da Surdez no Facebook

44 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

13 Comentários

  • Uau, Paula ! Que realização !

    Um enorme e sincero parabéns !! É um marco de muita luta, dedicação, perseverança… Sobretudo, muito amor !

    Torço de coração que continue sempre na subida ! É a parte da vida mais gratificante que existe !!

    Um super e carinhoso abraço !!

  • Parabenizo pelo esforço de uma grande conquista que projetará suas idéias a nível internacional por meio das redes sociais meios onde tudo é resolvido a nível de retórica. Que seu projeto possa de fato representar a todos nós, surdos que ouvem com apoio da tecnologia, num país de tantas diferenças lingüísticas e sociais. Que possa buscar em sua sabedoria e silêncio interior os recursos necessários para um projeto solidário em que nossos likes nessa rede influenciadora sejam bem direcionados:-)

  • Paula,

    Meus parabéns pelo grande feito!

    Orgulho de você! Parabéns pela conquista! Estou curioso quanto o que virá a ser o projeto!

    Acredito piamente que a mudança na nossa sociedade vem ou virá de projetos sociais/culturais!

    Parabéns!

    Felipe Hidalgo

  • Paula, quantas notícias maravilhosas, que conquista importante, tenho certeza de que você continuará fazendo um belíssimo trabalho que ajudará muitas pessoas.

    Sempre admirei a sua inteligência, ponderação e equilíbrio, você nunca atacou as pessoas em suas crônicas, mesmo quando fazia uma observação ou crítica era de forma respeitosa, e você foi um bálsamo na minha vida porque sempre tive muitas dificuldades em aceitar as minhas limitações auditivas e ao conhecê-la você me fez ver de forma totalmente diferente, eu pensei olha que exemplo legal, você mostrou um outro olhar um modelo positivo para todos nós.

    Confesso que me emocionei com o relato sobre a sua mãe, mas acredito que onde ele estiver está muito feliz e orgulhosa , na verdade todos estamos orgulhosos por você. Que Deus a abençoe e acompanhe sempre. Um beijo.

  • Desidratada estou eu agora. As lágrimas rolando em bicas!!
    Quanto orgulho de você, Paula querida. Quanto orgulho de mim mesma também, por fazer parte do seu time, por ter traduzido seu livro (que agora terá muito mais leitores), por ser ser capacitada a “devolver a audição”.
    Você ainda terá muitos motivos para celebrar mais e mais.
    ???????????

  • Paula querida, hiper mega orgulho de você! Você acreditou no seu sonho e fez com que ele se tornasse realidade!
    Ao ler, lembrei de sua mãe. E logo nas linhas seguintes você falou dela!
    Que venham outras conquistas!
    Você merece!

  • Mais do que acreditar em um sonho é planejar e realiza-lo. Parabéns por correr atrás daquilo que você tanto gosta que de certa forma beneficia muitos outros.

  • Chorei junto aqui… Vc jogou duro… Não sei o que você pretende elaborar de projeto, mas já ganhei um concurso de escrita aqui, só por ser esta doida que vos escreve… Então, se algo entre as minhas experiências puder servir de colaboração a este lindo e grandioso projeto, cá estou… Parabéns!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  • Very nice. Very interesting.

    A vitória de outras pessoas nos envaidecem, ficamos felizes por elas. Isso prova que há espaço.

    Certo estou de que somos escolhidos pelo que fazemos, não nos cansamos, estamos semrpe a postos.

    Felicidades mil.
    Parabéns.

    A vitória é para que luta.

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.