Site icon Crônicas da Surdez – Surdos Que Ouvem – por Paula Pfeifer

Contato dos leitores

A partir de hoje, está inaugurada a tag ‘Post dos Leitores’. Nela, vou mostrar emails que recebi de pessoas que também enfrentam a surdez. Quem quiser enviar a sua história, fique sossegado, pois não publicarei nomes – será tudo no mais santo sigilo. 🙂

“Paula,

impressionada, arrepiada, emocionada!!
Você não tem noção!!

Leio seu blog há alguns meses…Menina, também tenho deficiência auditiva! Desde os 10 anos de idade fui diagnosticada com um problema de audição mas somente há dois anos que a coisa piorou e acabei precisando fazer uso dos aparelhos auditivos. Tô no meu primeiro e é horrível não? Acho extremamente dificil ter que lidar com isso. Segundo minha psicóloga, estou na fase do luto que não quero ter. Quero fingir que não é comigo, que consigo ir em frente. E tenho tentado de todos os modos desde 2008 quando descobri. Mas, por não ter deixado meus sentimentos me soltarem, volto e meia tenha recaídas horríveis de não querer sair de casa e de achar que ninguém gosta de mim, essas besteiras que acredito serem comuns na minha – nossa! –  situação.

E estava numa dessas recaídas e quando vi esse link no seu blog e abri pra ler, mulher do céu… Tô jorrando lágrimas aqui!! Não sei se pela identificação (não conheço ninguém com o problema e de certo modo, tenho um pouco de medo de conhecer também), pelas histórias parecidas… O fato é que precisava escrever pra você falando tudo isso!!

Mesmo com todas as coisas boas na minha vida, parece que o ouvido fica fazendo a vez da maior parte, sabe? Me incomodando. Tenho medo do contato com pessoas que já tiveram/tem essas experiências por ter medo da dor!! De chorar. Não quero viver assim. Incomodar os outros com isso. E não quero os outros sentindo pena de mim, acho que você entende né?

Quero uma vida normal, mas  não consigo ter uma vida normal, sem me ligar nisso. Quero parar de pensar no que os outros estão pensando de mim. Poxa, não sou o personagem principal da vida das pessoas né? Porque elas vão ficar falando de mim, me comparando ao que eu era?? Não sei explicar!! É muito ruim. Eu quero sair, me divertir, falar com as pessoas do jeito que sempre fui. Mas parece que isso sempre me puxa pra baixo. Me leva pra não querer sair, não querer falar com as pessoas… ficando enfiada em casa. Quero me soltar, chorar. Mas me prendo. Nem pra psicóloga eu choro. Ela fala que é isso que tá faltando!! Mas é dificil….

O que tem me “salvado”, além do meu namorado, são os blogs. Porque leio, leio e leio, e vejo maquiagem, creme, vestido das celebs… sério! Isso me faz pensar que ainda tenho uma chance, mas ao mesmo tempo não me identifica com ninguém, apenas com alguém que eu quero ser e não sou. E aí o círculo volta de novo!!

Muito boa a sua idéia de se mostrar assim e admiro muito! Enfim, parabéns pelo seu trabalho. Entra em contato comigo pelo email que coloquei no formulário! Vamos trocar experiências!! Beijoss querida!! Te admiro ainda mais do que já admirava!!”

A pior parte da surdez, a meu ver, é lidar com a tormenta que inferniza a nossa cabeça. O choque inicial é tão grande que mais parece que recebemos uma sentença de morte. E demora um tempão até cansarmos do dramalhão mexicano e começarmos a viver. É sobre isso que falarei no próximo post – só para não cansar vocês, já que este já está enorme!! 🙂

Sair da versão mobile