Menu
Crônicas da Surdez

Para quem este site é feito e quem é bem-vindo por aqui

O Crônicas da Surdez é feito por uma surda oralizada para outros surdos oralizados. Quem é bem-vindo aqui? Todo mundo. Todo mundo que quer compartilhar suas experiências de vida que tenham a ver com deficiência auditiva, oralização, uso de aparelhos auditivos e de implantes cocleares. Todo mundo que quer conhecer as nossas experiências – porém, sem vir apontar o dedão citando a sua verdade como verdade universal. Em três anos de blog, posso dizer que já enjoei de ter que ler todos os dias emails e comentários desagradáveis com pérolas de sabedoria de boteco tipo essas…

  • Ser oralizado é fugir da realidade
  • Oralizados se odeiam e são deprimidos
  • Oralizados têm vergonha de si mesmos e querem se ‘normalizar’
  • Oralizados não sabem porcaria nenhuma sobre cultura surda, comunidade surda, movimento surdo
  • Surdos oralizados nem surdos são, são deficientes auditivos que não se aceitam
  • Oralizados não sabem o que é ser surdo
  • Se aceite, aprenda Libras e venha para a comunidade surda ser feliz
  • Bebês que nascem surdos devem continuar surdos porque Deus quis assim
  • Implante coclear é coisa do demônio
  • Não ao implante coclear pois ele pode acabar com a Libras

** O mais engraçado é que 99% desses comentários não são feitos por surdos sinalizados. Ou seja…

 

bem_vindo

 

Quero essa energia ruim longe daqui! Vou continuar até o fim dos meus dias mostrando pro mundo que os surdos oralizados existem, que existe diversidade na surdez, que existe tecnologia e a opção de voltar a ouvir para a maioria dos casos de D.A., que nossas necessidades de acessibilidade são diferentes e que existem milhares de pessoas que todos os dias transitam pelos dois mundos: o do som e o do silêncio.

Simples, né? Estou interessada em energia boa, em gente do bem e em tranquilidade.

Busco informar tanto aqui quanto na FanPage do Crônicas tudo o que descubro sobre tecnologia, legislação, acessibilidade, etc. É um trabalho feito com carinho para quem está em busca de si mesmo após descobrir a sua deficiência auditiva. Sigo em frente, mas a partir de agora todo comentário ofensivo será prontamente deletado. Como dizem aqui no Rio Grande do Sul, ‘tá feito o carreto’! 🙂

Sobre

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 38 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

15 Comentários

  • JOSE SIQUEIRA JUNIOR
    14/10/2013 at 3:31 pm

    PELA 2 VEZ ESTOU TROCANDO DE APARELHO,USO SO DO LADO ESQUERDO,GOSTARIA DE SABER SE É NORMAL DE CADA 2 ANOS TER QUE TROCAR,OU MINHA AUDIÇAO É QUE ESTA PIORANDO A CADA DIA.SOU USUARIO A APENAS 5 ANOS,E ESTOU DENOVO NA LUTA PRA COMPRAR OUTRO APARELHO QUE CUSTA EM TORNO DE 4.000,00,AQUI EM GUARULHOS – SP.

    Responder
  • Anna Maria Pennella
    08/10/2013 at 6:45 pm

    Paulinha, é por isso que TE AMO, e amo teu blog!!! Faço minhas suas palavras! Abaixo a ignorancia!! Bjs mil!

    Responder
  • Davidson H Estanislao
    08/10/2013 at 7:58 am

    Paula, quero lhe dizer que sou muito grato pela oportunidade seu blog me dá de conhecer melhor sua vida, sua jornada como D.A.
    Tenho certeza que, com a sua inteligência, senso de humor, criatividade e sabedoria, você tem despertado muitas mentes para o conhecimento de uma realidade diferente. É o meu caso.
    Tenho um irmão que surdo e, por causa dele, nos últimos 25 anos estou inserido nesta comunidade de onde parte a maioria destes posts ‘malware’.
    Eu também sou cientista social e quero lhe pedir uma graça, um grande favor: por obséquio (pedoe-me a redundância), não apague estes posts. O volume de acessos e comentários que vc recebe no blog compõe uma rica amostragem de um problema social muito relevante e interessante para ser pesquisado. Continue provocando e sendo graciosa, inclusive com os posts (os bytes armazenados), eu lhe asseguro que meu interesse é que haja paz entre as diferenças e contribuamos para um mundo melhor.
    Novamente, muito obrigado.

    Responder
  • Cristiane
    07/10/2013 at 9:50 pm

    Excelente denotação do Crônicas, Paula: “de surda oralizada para surdos oralizados”!
    Claro que todo leitor é bem vindo, mas o foco é outro!
    Outra questão que vc referiu, muito importante, é a de que as nossas necessidades de acessibilidade são diferentes, tanto da surdez sinalizada quanto das outras deficiências (física, visual e mental).
    É muito deprimente quando pessoas, órgãos, instituições, ONGs, fanpages e outros, por desconhecimento, desinformação ou “solidariedade” querem englobar essas deficiências…
    As necessidades de acessibilidade dessas deficiências não se assemelham umas às outras. Tudo junto e misturado… não dá!
    E é por isso que amamos o Crônicas e o DNO!

    Responder
  • valquiria
    07/10/2013 at 8:05 pm

    Estava querendo montar um blog a respeito do mundo dos surdos oralizados, enquanto me deparo com o seu…. incrivel, o que acontece com a gente, os problemas que voce cita, da nossa batalha de seguir em frente, mostrar ao mundo que tambem podemos e tambem somos melhores que muita gente que “escuta” e fica parado, esperando o milagre acontecer!!!
    tenho 27 anos, Eu sou modelo e fisioterapueta, tenho perda profunda bilateral desde meus dois anos de idade e uso o IC ha 10 anos e sou oralizada!
    Parabens pelo blog, esta maravilhoso!!!

    Responder
  • Alda Lacerda
    07/10/2013 at 5:20 pm

    clap clap clap batendo palmas aqui prá você Paula!

    Entendo sim o que você quis dizer a respeito das críticas e fico impressionada com estas pessoas radicais, porque, tenho amigas que são surdas c/libras e também radicais. Já aconteceu de elas acharem que eu finjo não ser surda por não ter aprendido Libras. Ora bolas!

    Como sou surda parcial e oralizada, uso aparelho auditivo no ouvido direito e o do esquerdo não há como colocar aparelho auditivo por eu não ter aceitado em usar anos atrás, deixando-o paralisado e sem movimentar, piorando a surdez. Concordo plenamente que cada um é cada um, com o seu costume, criação e educação.

    Daí comentei com estas amigas radicais, que culpa tenho eu?
    Se fui criada pelos meus pais a conviver com pessoas ouvintes?

    Falei também que agradeço é aos meus pais que me “jogaram” pro mundo, tipo, “VOCÊ É CAPAZ!” fui… e sou! a meu modo de viver.

    Fato que batí muito a cara na parede, mas, sempre continuei/continuo na luta prá melhor enquanto viver.

    Me identifico muitíssimo c/você Paula, porém, com uma diferença: -Nascí surda e só fui conhecer um Otorrino depois de adulta, aos meus 20 anos de idade.
    Porquê? talvez a sua pergunta: -Porque não precisei, nunca tive “problemas de ouvido”, infecção nem nada.

    Beijos e sucessos!

    Responder
  • Greize
    07/10/2013 at 5:13 pm

    “O mais engraçado é que 99% desses comentários não são feitos por surdos sinalizados. Ou seja…”.
    São de pessoas que Ouvem e nunca tiveram problemas com audição e sim trabalham com surdos.Vejo manipulação das boas por ai.
    Nunca vi tanta divisão, na questão de deficiência ,como na surdez.

    Responder
  • João Ricardo Bittencourt
    07/10/2013 at 11:19 am

    Oi Paula
    Parece brincadeira. Era só o que faltava agora uma comunidade de ‘haters’ de surdos oralizados. Deficiente auditivo é surdo e ponto. Que viagem considerar os “surdos verdadeiros” e os “falsos surdos”. Cada um tem problemas diferentes e necessita de atenção diferente.
    Mas a luta continua 😀 Este teu trabalho é importantíssimo para que uma série de surdos oralizados “saiam do armário” e lutem pelo seus direitos
    Forte abraço!

    Responder
  • Daniela A.
    07/10/2013 at 10:35 am

    É sério isso? Sim, pq parece piada! Que gente tosca e idiota que não se aceita e vem criticar quem tá de bem consigo mesmo!
    Lamento que para fazer o bem de informar a todos sobre nossa deficiência, vc tenha que ler pessoas indo contra isso! Tá louco, não é pra qualquer um aguentar isso! Xô praguedo!!! rsrsrsrs

    Muita luz pra ti!

    Bjos

    Responder
  • alvaro da rocha viana
    07/10/2013 at 9:54 am

    Orgulho surdo foi boa. É fanatismo mesmo.

    Responder
  • Simone
    07/10/2013 at 9:53 am

    Paula, gostei da sua determinação e de suas atitudes em mostrar quem é, principalmente, como é o mundo do surdo oralizado.
    Está certo, tem muita gente que não sabe, não conhece, até não quer estar disposto a entender como é a coisa! Né!
    Assim como você, nós, surdos oralizados, podemos declarar com tranquilidade: “NÓS PODEMOS!” Ou seja, cada um dos surdos oralizados pode dizer: “EU POSSO!”
    😀
    Fico feliz!
    Haja muuuitas boas coisas na sua vida, Paula. Que não faltem as benções de Deus, amém.
    Um abraço.
    Simone.

    Responder
  • Caroline Bertoni
    07/10/2013 at 8:47 am

    Nossa, gente. Existe Orgulho Surdo assim como esses fanáticos de orgulho hétero e coisa assim ? haha

    Que horror.

    Responder
  • Vagner
    07/10/2013 at 12:57 am

    Adorei seu texto e muito feliz Paula em saber que um dos seus objetivos é contemplar as mais diversas experiências da vida seja ele surdo ou não, oralizado ou não. Beijos!

    Responder
  • Lak
    06/10/2013 at 10:10 pm

    Coisa de gente invejosa e infeliz, que não tem vida pra viver…
    Beijos

    Responder
  • soramires
    06/10/2013 at 10:00 pm

    Verdade verdadeira: não entendo o que esse pessoal fica vigiando tudo que a gente opina, escreve, divulga. Eu pouco me importo com o que os surdos sinalizados pensam ou fazem mas eles adoram entrar em nosso espaço para azucrinar.

    Responder

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.