Menu
Aparelhos Auditivos / Publicidade / Telex

Dicas para uma boa adaptação aos aparelhos auditivos

Quando um paciente recebe a informação de que deve usar um aparelho auditivo, é muito comum que pense que é uma situação passageira ou que irá fazer a compra do aparelho e não será necessário retornar ao centro auditivo.

Ao fazer a primeira consulta de adaptação do AASI o usuário se dá conta da quantidade de novas informações que precisará aprender nessa jornada. Colocar e remover a pilha, posicionar o aparelho na orelha, aprender a limpá-lo e manusueá-lo de forma correta são apenas algumas delas. Todas essas atividades são tarefas de simples execução mas que, se desempenhadas de forma incorreta, podem atrapalhar o uso da nova solução auditiva.

Uma boa adaptação começa quando o usuário absorve que a solução auditiva fará parte da sua vida diária e estará presente em todos os momentos importantes. Assim como os óculos, usar os aparelhos auditivos diariamente torna o processo de adaptação e aclimatização mais natural. Quanto mais o paciente usar seus AASI, mais perceberá seus benefícios! Ver TV, falar ao telefone, participar das conversas com os familiares e amigos e das reuniões de trabalho se tonarão tarefas mais agradáveis e menos desafiadoras – e você se tornará mais ativo.

Durante o processo de adaptação, os Fonoaudiólogos propõem sessões de acompanhamento, que servem para que os usuários tirem dúvidas e falem sobre a nova experiência que estão vivenciando.  Aos poucos, cria-se uma relação de confiança mútua. Nessas sessões, o profissional conseguirá ajudá-lo com novos ajustes do som após receber seu feedback sobre seus aparelhos auditivos. Esses ajustes são as novas programações, que poderão ser feitas para tornar a qualidade do som cada vez mais personalizadaÉ importante ressaltar que a boa adaptação também depende do tipo e grau de perda auditiva que o usuário possui.

Passar a ouvir sons que antes estavam esquecidos pode ser uma aventura diária: ouvir sons do ar condicionado, ventilador, sons de talhares, do trânsito… Todas essas novas sensações são enriquecedoras durante o processo de adaptação e devem ser compartilhadas com o profissional para as devidas orientações e, em alguns casos, adequação da intensidade sonora.

O processo de adaptação acontece sempre de forma individualizada e é cheio de novas experiências. Cabe ao usuário lidar com essas novas informações sonoras como um aprendizado diário, o que tornará a vivência auditiva rica e emocionante! 🙂

*Post escrito pela equipe da Telex Soluções Auditivas

About Author

Moro no Rio de Janeiro e tenho 39 anos. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Sou autora dos Crônicas da Surdez e Novas Crônicas da Surdez.

1 Comment

  • […] como se fôssemos surdos e ouvintes, dependendo da situação auditiva! Quando ouvimos algo sem os aparelhos auditivos (AASI), ou achamos que ouvimos bem demais com eles, começamos a duvidar se somos surdos ou […]

    Reply
  • […] com seu livro ‘’Crônicas da Surdez’’. Hoje estou com 55 anos, e já fiz uso de vários aparelhos auditivos.  Nos últimos dois anos, já não conseguia mais muita ajuda dos AASI, minha surdez piorou tanto […]

    Reply
  • Maria deLourdes
    10/09/2017 at 2:46 am

    Usar aparelho AUDITIVO e a mesma coisa que usar óculos. Ambos são perdas. Eu sou surda familiar e nunca tive vergonha de assumir.

    Reply
  • […] Mirella Boaglio Horiuti, do Não Escuto – ela é especialista em adaptação de aparelhos auditivos e Mestre pela Escola Paulista de Medicina. E foi a Mirella ela quem mais me ajudou na jornada […]

    Reply
  • […] estranho, que faltava alguma coisa. Então aos 19 veio o baque, descobri que precisaria usar aparelhos auditivos. Esse resultado, que para mim era quase uma sentença, foi dado em São Paulo, cidade em que eu […]

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Iniciar conversa
Marque a sua consulta na Clínica Sonora