Menu
Crônicas da Surdez / Deficiência Auditiva / Post de colaborador convidado

10 coisas que seu namorado (ou marido) surdo gostaria que você soubesse

Seu namorado ou marido é surdo? Os homens surdos enfrentam no seu cotidiano alguns desafios consideravelmente mais complexos do que os homens com audição perfeita sequer são capazes de imaginar: desenvolvimento profissional, prática de exercícios, interação com pessoas, dirigir um carro… tudo isso exige abordagens bastante peculiares. 

De repente, você se descobre perdidamente apaixonada por um surdo que ouve através da tecnologia. Vamos destacar aqui algumas perspectivas que podem ser importantes para facilitar a convivência com um deficiente auditivo. Nosso foco estará nos usuários de implantes cocleares e próteses auditivas, mais conhecidos como #surdosqueouvem .

REALIZAÇÕES E CONCENTRAÇÃO

Êxitos profissionais, influência social, poder econômico… nada disso está fora do alcance de um surdo. Alcançar esses objetivos significa doses maiores de esforço e concentração por parte de uma pessoa com deficiência auditiva, particularmente nas fases iniciais da vida profissional ou quando ainda precisa estudar.

Some essa necessidade de esforço ao fato de que muitos homens têm problemas para realizar mais de uma tarefa ao mesmo tempo e multiplique pela perspectiva da surdez: se você tem expectativa de concretizar as realizações para quais ele está tentando se preparar… sua maior colaboração será não desviar o foco! 🙂

Dica 1

Se moram juntos: não converse com ele, resista à tentação de fazer breves comentários e, dependendo do grau de surdez dele e dos recursos que estiver utilizando, aproveite para ouvir música, ver televisão, telefonar para outras pessoas – você tem liberdade para produzir ruídos que incomodariam um ouvinte, mas que serão quase imperceptíveis para ele!

Dica 2

Se são apenas namorados, cada um em sua casa: não telefone, não envie mensagens… não interrompa (nem permita que o façam sem que seja uma emergência) até que ele próprio pare de estudar. O período máximo – numa média da capacidade humana – de absorção de conteúdo gira em torno de 3 a 4 horas, quando deverá ocorrer uma pausa e sua oportunidade de dizer e fazer tudo o que não pôde antes!

PROVAS DE AMOR

Casais costumam realizar certas atividades sociais juntos não apenas para se divertir, mas também para fortalecer e reafirmar os laços de seu relacionamento. São coisas que fluem naturalmente e, por sua banalidade, nem percebemos como elas são um desafio para os surdos.

Dica 3

Ir ao cinema, parte 1: Que tal irmos nos divertir assistindo àquela comédia brasileira que acabou de ser lançada? Para boa parte dos surdos essa é uma grande furada, pois os filmes brasileiros NUNCA TÊM LEGENDAS e o volume das salas de exibição muitas vezes se transformam em ruído através dos aparelhos auditivos, fazendo com que ele perca boa parte das tiradas humorísticas mais rápidas.

Com todo mundo rindo, é provável que ele finja rir ou, sentindo constrangimento e tédio, até se ofereça para ir comprar pipoca…  Não fique zangada se de repente o romance extremo tomar conta e ele preferir te beijar e te abraçar sem nem mais olhar para a tela!

Teatro é praticamente a mesma coisa…

Dica 4

Ir ao cinema, parte 2: OK, vamos ver um filme legendado? Que perfeito! Só se lembre que, caso o enredo seja envolvente, ele realmente vai estar lendo tudo com ainda mais atenção e velocidade, para (com a visão periférica) conseguir visualizar o máximo que puder das imagens: não se sinta rejeitada caso não rolem tantos beijinhos e abraços no meio da sessão.

Dica 5

As reuniões e festas em casa são ocasiões únicas para interagir e conhecer pessoas, certo? Talvez não para um surdo, pois o nível de ruído do ambiente pode tornar a compreensão das conversas bem difícil. Ele também terá dificuldades de entender alguma coisa naqueles momentos em que muita gente fala ao mesmo tempo:.

Sempre considere a surdez antes de ficar com ciúmes pelo modo mais próximo que ele necessita para conversar com cada pessoa ou até mesmo, caso ele precise se afastar por estar incomodado com os ruídos do burburinho, não o julgue como sendo um ranzinza antissocial. 🙂

Já os grandes eventos e shows ao vivo multiplicam o número de pessoas presentes e o volume dos ruídos: as vibrações das músicas são ouvidas e propagadas pelo ar, e podem ser sentidas através do todo o corpo. Isso explica como alguns surdos conseguem até dançar nessas ocasiões, mas é certo que esse som, ao passar por aparelhos ou implantes, tem grande possibilidade de se tornar um ruído incômodo ou até mesmo causar dor física aos órgãos auditivos de seu companheiro!

Valorize o momento, pois é uma grande prova de que ele está tão interessado em sua companhia que até topou ir a um lugar desconfortável apenas para estar a seu lado e te fazer feliz.

DIÁLOGOS & DISCUSSÕES

A base de qualquer relacionamento é a comunicação. A maior parte das discussões e razões de término estão relacionadas à incapacidade de se compreender o que a outra pessoa está querendo dizer, mesmo quando ambos são ouvintes!

Dica 6

Mulheres falam, em média, 20 mil palavras por dia! Então tenha certeza de que seu namorado/marido surdo vai conseguir ouvir pelo menos as mais importantes: coisas ditas distraidamente podem não ser entendidas e causar algumas respostas muitas vezes hilárias de tão desconexas.

Um surdo maduro que lida bem com sua deficiência provavelmente dará boas gargalhadas, porém sempre há risco de que o diálogo incompreendido acabe causando constrangimento. Nesse caso, a melhor coisa a fazer é deixá-lo encontrar sua própria solução: tentar repetir o assunto em busca de esclarecimento ou demonstrar pena pode acabar causando ainda mais irritação.

Uma ótima ferramenta na rotina de qualquer casal é a criação dos “momentos de comunicação relevante”: inicialmente pode soar muito formal, mas é uma conversa rápida, objetiva e sem interferências — que pode ocorrer, por exemplo, antes ou depois das refeições — onde irão conversar sobre as coisas mais importantes, as tarefas a realizar… Permitindo que os dois andem na mesma direção, correndo menos risco de imprevistos por causa de palavras não compreendidas.

Dica 7

Mesmo com toda precaução, mais cedo ou mais tarde qualquer casal acaba enfrentando eventuais discussões. Nessa hora, as mulheres costumam afirmar que os homens não escutam e correm o risco de assumir inconscientemente uma postura defensiva-agressiva: fala mais rápida e mais aguda, gesticulação e movimentos de cabeça mais intensos, inclinar a face (testa para frente, boca para trás) e até mesmo falar de costas para quem a mensagem está sendo direcionada.

A dura verdade é que um surdo não vai mesmo te entender em vários momentos e situações!

Quem pratica o “momento de comunicação relevante” acaba conseguindo levar vantagem até nessa hora, pois será capaz de não se perder no calor da discussão e focar nos objetivos que deseja comunicar. Se você conseguir controlar os impulsos posturais inconscientes e se lembrar de FALAR DE FRENTE, DEVAGAR E REPETINDO SEMPRE QUE FOR PRECISO OU SOLICITADO, suas discussões com um surdo acabarão bem mais rápido e com mais chances de entendimento e acordo.

EM MOVIMENTO

Ao casal que pratica exercícios, o avanço da tecnologia possibilitou que muitos dispositivos de auxílio à audição pudessem se tornar resistentes à umidade e suor. Ambos são perigosos para aparelhos auditivo e implantes cocleares, pois há risco de corrosão aos componentes internos – são necessários cuidados como a utilização frequente do desumidificador e a revisão periódica dos aparelhos.

Dica 8

Devido ao elevado custo de aquisição e manutenção das próteses e implantes, pode ser que seu namorado/marido opte por não os utilizar durante as atividades físicas. Aí, pode ser que as atividades conjuntas não sejam tão interativas. Por favor, nunca considere isso como uma demonstração de desinteresse por você, mas sim como uma forma de poupança a ser investida em coisas ainda mais importantes do próprio relacionamento. Melhor gastar dinheiro com lazer, viagens e afins do que com conserto de aparelho, não?

Dica 9

Quando um surdo está dirigindo um automóvel, precisa se concentrar mais que a maioria dos motoristas ouvintes nas informações visuais e eletrônicas disponíveis nos retrovisores e no painel. É possível e natural conversar durante todo o trajeto, mas lembre-se de que, mesmo ao usar próteses, ele sempre corre o risco de não ouvir buzinas e outros alertas sonoros e busque prover discretamente esse tipo de informação.

Se a conversa estiver muito boa, não se ofenda caso ele subitamente peça silêncio ao chegar num cruzamento ou outra situação que exija maior atenção: não é falta de interesse, mas ele precisa se concentrar no trânsito e não tem como continuar usando a visão periférica para fazer a leitura labial. Guarde o assunto onde parou que, assim que tudo se acalmar, o diálogo certamente poderá prosseguir.

Importante: muitos surdos não conseguem dirigir e conversar ao mesmo tempo, pois necessitam do apoio da leitura labial. E dirigir e ler lábios ao mesmo tempo é impossível…

SONO

Aquele barulhinho suspeito lá fora, o telefone que inexplicavelmente toca de madrugada, as crianças que acordaram chorando, as trovoadas e a tempestade, a gritaria na vizinhança, o despertador no horário combinado… Ele simplesmente não vai tomar conhecimento enquanto estiver dormindo!

Dica 10

A única forma de acordar um surdo caso não seja possível esperar pelo seu despertar natural é tocando ou sacudindo seu corpo! Se tiver condições, um relógio inteligente (smart watch) é um excelente presente a ser oferecido, pois não apenas vai permitir que, através de suas vibrações, ele passe a acordar na hora certa, mas que também seja alertado por coisas como mensagens chegando pelo celular ou eventos marcados na agenda. Despertadores vibratórios também vão te deixar livre de precisar ser um despertador humano! 🙂

Esperamos que as dicas que foram oferecidas algumas dicas que podem facilitar a convivência com um deficiente auditivo. Você acrescentaria mais alguma? Deixe nos comentários!

*Convidamos Geovane Souza, surdo que ouve, para escrever este texto

Venha para o Grupo Surdos Que Ouvem

Sobre

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 38 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

7 Comentários

  • Jair de Oliveira
    25/07/2020 at 8:25 am

    Geovane,
    Seu texto é pertinente, coerente e um roteiro para boa convivência do casal. Acredito que, se o surdo for a mulher, o homem precisa ter cuidados iguais com pequenas adaptações.
    Uso AASI há 30 anos, tinha insuficiência auditiva desde a infância, tinha perda nos sons agudos e me tornei deficiente gradativo a partir dos 25 anos, já estava casado, e a necessidade de uso do AASI a partir ds 35 anos com perdas nos sons graves e acentuação dos agudos. Há 20 anos sou diagnosticado com petda severa e atualmente, om 65 anos, estou avaliando fazer implante coclear, decorrente de piora no compreensão da fala.
    Minha mulher e dois filhos sofreram muito por ausência de compreensão de todos estes pontos que você abordou. Por mais qyue eu tentava explicar, sempre ficava a dúvida, pois ora eu parecia ser ouvinte normal, lugares silenciosos, e ora ficava irritado, lugares ruidosos.
    Sempre tentei e tento ser marido e pai presente, mas, tem hora que beira o impossível.
    Meus dois filhos sairam cedo de casa e foram formar suas famílias e já se vão 15 anos. Neste período de casal sem filhos, foi quando estas regras comecaram a ficar clara para ambos.
    Ambas as partes se esforçaram para convergir o relacionamento para algo saudável e regras de convivência como estas se fizeram presentes e são muito úteis. Minha mulher, Ivone, não se estressa como.antes e eu fico menos tristes com a não participação de muitos momentos dela.
    Li o comentário da Anonima e acredito que eka esteja na fase de conflito com a surdez por não ter a compreensão de seu parceiro ou de não ter parceiro e atribuir isso à surdez.
    Ouvinte ou não, sempre seremos objetos de criticas. O ser humano tem esta prática desde sua chegada à terra. As criticas decorrem das comparações e raramente pessoas e fatos são comparáveis, mas o ser humano insiste no método da analogia para validar se é bom ou ruim.
    Adorei o seu texto. Espero que todos os surdos, homens e mulheres, o mostem para o seu parceiro e consigam um ponto de equilíbrio no relacionamento. Também deveriam divulgar nos seus meios sociais e profissionais, afim de obter convivência social mais harmônica e sem vitimismo.
    Abraço e agradecido por registrar os meus sentimentos como se fossem seus e, ou vice versa.

    Responder
    • Pryscilla Cricio
      30/07/2020 at 4:32 pm

      Olá Jair,

      Tudo bem?

      Venha para o nosso grupo fechado no Facebook com mais de 15.300 pessoas com deficiência auditiva que usam aparelhos ou implantes. Para se tornar membro, é OBRIGATÓRIO responder às 3 perguntas de entrada.

      https://www.facebook.com/groups/CronicasDaSurdez/

      E para receber avisos sobre nossos eventos e cursos, por favor, clique e responda 4 perguntas (leva 30 segundos):

      https://forms.gle/MVnkNxctr1eahqR5A

      Estamos te esperando!

      Abraços,

      Equipe Surdos Que Ouvem

      Responder
  • adeli de freitas neves
    02/06/2020 at 6:41 pm

    Eu sou surdo, muitas vez~es em viagem de carro minha esposa fica brava, pois pede pra olhar prá ele quanto estiver falando, eu digo , não posso dirigir e l~e seus labios ao tempo

    Responder
    • Pryscilla Cricio
      03/08/2020 at 3:27 pm

      Olá Adeli,

      Tudo bem?

      Venha para o nosso grupo fechado no Facebook com mais de 15.300 pessoas com deficiência auditiva que usam aparelhos ou implantes. Para se tornar membro, é OBRIGATÓRIO responder às 3 perguntas de entrada.

      https://www.facebook.com/groups/CronicasDaSurdez/

      E para receber avisos sobre nossos eventos e cursos, por favor, clique e responda 4 perguntas (leva 30 segundos):

      https://forms.gle/MVnkNxctr1eahqR5A

      Estamos te esperando!

      Abraços,

      Equipe Surdos Que Ouvem

      Responder
  • Anônima
    11/05/2020 at 4:20 pm

    O post foi bem machista, deu impressão de que as mulheres não sabem lidar com a surdez do namorado ou marido. Isso pareceu mais como uma relato de experiência muito particular. De fato, não curti. Em contrapartida, seria ótimo abordar e dar mais visibilidade para mulheres surdas que sofrem machismo dentro da relação amorosa. Eu sou surda e tenho várias amigas surdas e quase todas elas sofreram ou sofrem com comentários extremamente agressivo por parte dos homens ouvintes, isso sim é um tema que deve ser discutido e abordado!

    Responder
  • Alice
    11/05/2020 at 3:59 pm

    Que post mais machista! Não custava reler e refletir?

    Responder
    • Geovane Souza
      11/05/2020 at 4:35 pm

      Fui convidado para dar dicas, não elaborar leis, para auxiliar a evitar conflitos desnecessários e que, inclusive, aborda alguns pontos que muitos homens não pararam pra considerar.

      Longe de ser um guia completo, o texto sequer tem pretensão de modificar o que funciona bem nos atuais relacionamentos: veja o título e, claro, vamos esperar pela versão feminina!

      Responder

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.