Menu
Crônicas da Surdez

Plágio é crime: como você pode compartilhar o nosso conteúdo?

Nesta semana tivemos mais um episódio de “agência de marketing digital” que foi paga por uma loja de aparelhos auditivos para criar conteúdo e cuidar das suas redes sociais, mas achou mais fácil vir ao nosso site e roubar o nosso conteúdo. Feio, não? Plágio é crime. Como algumas pessoas têm dificuldade em compreender isso, decidimos escrever esse post para explicar melhor essa questão!

Plágio é crime, sim!

A internet não é terra sem lei. Respeito ao conteúdo alheio é o mínimo que se espera, especialmente se você é um criador de conteúdo. Se você está em dúvida sobre essa questão, sugerimos a leitura atenta deste post, da advogada Rosane Monjardim.

O direito autoral é a propriedade do autor sobre sua obra. No meu caso, especificamente, sou escritora e criadora de conteúdo, ou seja, minha obra é todo o conteúdo escrito e em vídeo que crio e publico. A lei nº. 10.695, de 1º./7/2003, conhecida como Lei dos Direitos Autorais ou Lei Anti Pirataria, explica que o roubo da propriedade intelectual – o famoso plágio – é, sim, crime.

Art. 184. Violar direitos de autor e os que lhe são conexos:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa

No mais recente episódio de plágio que sofremos, a dita agência veio aqui, copiou e colou o nosso conteúdo em todas as redes sociais do cliente (site, Instagram, Facebook e sabe-se lá mais aonde). Assim, na cara dura, sem o menor constrangimento. “E se eles tivessem pedido autorização?”não daríamos. Por que deveríamos fornecer o nosso conteúdo para que alguém o usasse com o intuito de vender algum produto e lucrar com isso? Não faz o menor sentido. É o mesmo que, se eu vendesse congelados fitness, eu entrasse no site de uma cozinheira famosa e copiasse/colasse tudo, e usasse como se fosse criação minha. Patético, não? “Ah, mas eu só queria agregar conhecimento” – perfeito, então é só criar o seu próprio conteúdo para descobrir como isso consome muitas horas de trabalho e muito conhecimento acumulado. 🙂

Há uns dois anos, descobrimos que uma conhecida rede de aparelhos auditivos brasileira contratou uma “agência de marketing digital” copiona, porém, mais cuidadosa. Eles copiavam e colavam nosso conteúdo tomando o cuidado de mudar algumas palavras. As pessoas liam os posts e me mandavam mensagens como “ué, mas não foi você que escreveu isso?”, “você está escrevendo posts para a XXX?”. Lembro que entrei em contato com o CEO, que se fez de desentendido e sumiu do mapa. Na época, eu tinha outras prioridades e deixei passar. Se fosse hoje, a conversa seria bem diferente.

O que mudou?

Crônicas da Surdez e Surdos Que Ouvem são marcas registradas junto ao INPI. Investimos muito tempo e recursos nisso após vários anos tendo nosso conteúdo usado por pessoas desonestas. Trabalho criando conteúdo, nada mais óbvio e natural do que protegê-lo. 🙂

E se eu pedir autorização para usar o seu conteúdo?

Nós damos autorização para o uso do nosso conteúdo em casos de trabalhos acadêmicos ou nos casos em que um criador de conteúdo independente nos pede para reproduzir um post (com os devidos créditos e links adequadamente inseridos) em alguma situação que, após análise, achamos que não há problema algum e faz sentido.

Como você PODE compartilhar os nossos conteúdos?

  • Tudo o que nós publicamos no Instagram pode ser repostado caso você use apps como Repost – o próprio aplicativo dá os devidos créditos ao autor do post (clique aqui para ver um passo a passo de como fazer)
  • Tudo o que nós publicamos no Facebook pode ser compartilhado usando o botão COMPARTILHAR, pois dessa forma o Facebook mostra a origem do conteúdo
  • Tudo o que postamos aqui no blog, você pode copiar/colar O LINK DO POST caso queira compartilhá-lo em suas redes sociais (como Linkedin, Pinterest, etc), pois elas mostrarão a origem do conteúdo!

A gente fica SUPER FELIZ E HONRADO de ver todo mundo compartilhando o que criamos com tanto suor e carinho. Mas do jeito certo! Como tudo na vida, tem o jeito certo e o errado de se fazer alguma coisa. Quando sentir vontade de fazer do jeito errado, pense: eu gostaria que fizessem o mesmo comigo?

Como você NÃO pode usar os nossos conteúdos?

  • Salvando nossas artes e usando como se fossem suas (pior ainda quando você remove a nossa logo delas) – TODAS as nossas artes são feitas por designers e ilustradores pagos por nós
  • Copiando-colando trechos dos nossos textos (ou o texto inteiro) no seu site/redes sociais SEM PEDIR AUTORIZAÇÃO
  • Caso tenha pedido nossa autorização e ela tenha sido concedida, copiando-colando trechos dos nossos textos (ou o texto inteiro) no seu site/redes sociais SEM OS DEVIDOS CRÉDITOS – e dar os créditos significa colocar o nosso link de origem adequadamente (o último plagiador colava no final dos posts o link para que não soubéssemos o que ele estava fazendo, já que dessa forma não somos notificados com um pingback) e marcar os nossos perfis!
  • Você não pode fazer download dos nossos vídeos no Youtube e republicá-los nas suas redes, muito menos cortar trechos dos vídeos e usar como bem entender
  • Você também não pode usar as nossas marcas para produzir e vender produtos com elas (como camisetas, artigos de papelaria, etc).

Eu vi uma marca/loja/profissional usando o conteúdo do Crônicas da Surdez, e agora?

O mais importante é ter um print disso e nos enviar. Dessa forma, podemos repassar ao nosso setor jurídico para que tomem as providências legais cabíveis. Não seja conivente com roubo de conteúdo.

Agradecemos a colaboração de todos

São dez anos criando conteúdo que ajuda a mudar a vida de milhares de pessoas, que faz com que milhares de pessoas busquem reabilitação auditiva e passem a usar aparelhos auditivos e implante coclear. Nada disso seria possível sem a presença constante de vocês por aqui e todo o apoio que dão a tudo o que fazemos. Muito, muito obrigada!

Sobre

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 38 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

2 Comentários

  • Darcy
    26/06/2020 at 11:48 am

    Tenho 4 ou 5 trabalhos publicados com ISBN, estão no clubedeautores. Particularmente, tenho a

    impressão que o registro me garante o uso do material sempre que necessito, e se alguém, usar pode

    só não vai conseguir de me impedir de usar minha própria criação. Por isso procuro registrar, mas

    no restante, vejo que respeitar as obras e seus criadores é o mínimo que a descência pede.

    Mas, há tanta agressividade contra quem trabalha, que nos deixa tristes. Um pastor estava falando que

    apropriação indébita é sim pecado. Depois lhe perguntei se na sua máquina todos os programas portam

    as respectivas licenças, ele ficou surpreso, nunca havia pensado. Pois ao comprar um notebook, o

    danadinho deve vir nos trinks, não é, porém, a pirataria é bem mais comum senhor pastor do que V.Excia

    pensa. Vamos vivendo a aprendendo.

    Responder
    • Pryscilla Cricio
      30/07/2020 at 5:59 pm

      Olá Darcy,

      Tudo bem?

      Venha para o nosso grupo fechado no Facebook com mais de 15.300 pessoas com deficiência auditiva que usam aparelhos ou implantes. Para se tornar membro, é OBRIGATÓRIO responder às 3 perguntas de entrada.

      https://www.facebook.com/groups/CronicasDaSurdez/

      E para receber avisos sobre nossos eventos e cursos, por favor, clique e responda 4 perguntas (leva 30 segundos):

      https://forms.gle/MVnkNxctr1eahqR5A

      Estamos te esperando!

      Abraços,

      Equipe Surdos Que Ouvem

      Responder

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.