Crônicas da Surdez

Balada x Surdez

Balada e surdez não são grandes amigas. Isso porque surdez e escuro são incompatíveis. Particularmente, não gosto de ir a lugares com som muito alto, como barzinhos, pubs, shows, etc, utilizando meus AASIs (aparelhos de amplificação sonora individual, para quem não sabe). É barulho demais, por mais irônico que isso possa soar.

O primeiro problema é a (falta de) luz

Quando a balada é muito bem iluminada, não há problema nenhum. Com luz, seus olhos farão leitura labial e tudo se resolve perfeitamente. Porém, quando a balada é E-S-C-U-R-A, meu Deus! Para uma pessoa surda, usuária ou não de aparelhos auditivos, isso poderia se enquadrar na categoria “sessão de tortura chinesa”.

É claro que, se você sair com seus amigos e permanecer com eles a noite inteira, a saída será bem tranquila.

Paquera, balada, e surdez

Agora, e quando “um certo alguém” decide partir pro ataque e vir com conversinhas ao pé do ouvido surdo no escurinho? É pra morrer – de angústia, de nervoso, e de dar risada no outro dia.

Quando o “certo alguém” é uma mala sem alça, a missão é facílima, basta deixá-lo falando sozinho. Ok, é maldade. Mas mesmo pessoas ouvintes fazem isso, por que diabos nós não podemos, na hora do aperto? Temos o direito! 🙂

Quando o “certo alguém” tem lá sua importância, então acho que chegamos a desenvolver uma síndrome do pânico temporária. Nervos à flor da pele. Se vocês perguntarem: “Por quê?”, respondo: quando nossa surdez é “disfarçável” (por pura falta de palavra melhor) com aparelhos auditivos, não vemos motivo nenhum para sair por aí alardeando isso. Ou seja, no geral, o “certo alguém” nem imaginará que você não escuta ou escuta mal. Nessas horas, então, a deficiência invisível nos coloca em maus lençóis.

No mínimo, você precisará fazer uso de duas artimanhas: chamar o bendito para conversar onde tenha luz, ou ativar sua visão de raio-X e pedir que ele fale de frente para você. Off-topic: por acaso alguém conhece um bofe com talento para passar aquela conversa direto olho-no-olho, sem apelar pro papinho no ouvido com sussurros no pescoço?? Rsrsrsrsrs.

Eu queria. Mas não entendi nada do que ele disse

Lembro de um “causo” (faz tempo, nossa!) em que esperei horas até que o bendito viesse falar comigo. Quando ele finalmente tomou coragem, eu já tinha tomado umas, mas ele escolheu justamente um local específico do recinto com iluminação precária. Assim, coloquei um sorrisão Colgate no rosto, e concordei com tuuudo o que a criatura disse. Quando nos despedimos, ele falou, pelo que lembro:“Então amanhã a gente combina!”. Aliás, ele falou, falou, falou… Mas essa foi a ÚNICA parte da conversa que eu entendi. 🙁

No outro dia, em casa, fiz todo o esforço humanamente possível para tentar relembrar o papo. E nada! Foi tão desesperador não saber com o que eu havia concordado durante o papo que, quando o benditinho me chamou no MSN naquele dia, fiz a egípcia sonsa (tradução: ignorei!).

PS: esse post foi escrito em 2010, quando eu estava na surdez profunda e usava aparelhos auditivos. Hoje, uso dois implantes cocleares e com eles, consigo ouvir praticamente tudo.

Surdez e escuro, pra mim, só na hora de dormir. E deu pra bola! 🙂

Alguém quer contar nos comments algum causo engraçado envolvendo surdez e balada?

Entre para o Grupo Surdos Que Ouvem no Facebook

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

21 Comentários

  • Meus “causos”, nem envolvem baladas, eu NUNCA fui numa balada, morro de medo de sair sozinha! hahaha
    Mas já passei mto por isso na escola, 9° ano (8ª série) e o ensino médio, meu deus, os xavequeiros q não eram da minha sala cismavam em chegar aos sussurros, tenho dó até hj dos q foram ignorados pq eu nem cheguei a ver-los!

  • Entçao gente..

    queria fazer uma pergunta..

    estou fazendo meu trabalho de conclusão de Curso, e o meu projeto é uma balada para Surdos..

    eu li alguns comentarios a sobre sua dificuldades..

    o que voces acharam de uma balada especifica para surdos?

  • Detesto balada pela escuridão, isso me tira a leitura labial. Também não consigo entender nada que falam ao redor com o implante por causa do barulho.

    Pra quem é homem e tem deficiência auditiva, nem dar em cima das gurias é fácil, porque isso normalmente é feito falando no ouvido por quem sabe controlar bem a voz… tenho medo de gritar no ouvido e por respeito acabo falando de frente mesmo, o que não soa tão sexy. It sucks…

    Mas hoje vou em uma festa depois de muito tempo! Vamos ver se mudo de opinião ;p

    • Pô, estou passando por isso também, é muito complicado chegar na mulher (ouvinte), porque primeiro ela se assusta por escutar voz diferente e tal e fica meio assim.. e a gente fica meio assim, nao consegue continuar a conversa com elas..
      passa o seu email para gente trocar as idéias em relação das baladas..
      Abraço!

  • Paula

    Sou surdo (ou deficiente auditivo.. tanto faz) risos.
    Também sofro na balada, ficando calado a noite toda. A outra solução, além de ativar raio-x na visão e conversar no lugar iluminado, é sair com amigos com deficiência auditiva, pois estes sabem como conversar. rs rs rs
    Bom, eu já teclei contigo no ICQ há muito anos.
    Abraço
    Rodrigo

  • Rss gente que bacana, adorei este blog é muito engraçado ja passei com toda situação deste comentário..rs rkrk
    Quem faz leitura labial é sempre tem uma piada..rrsrs

  • Carammba… que blog bancana.
    Paula, parabéns pela escrita maravilhosa, e pela articulação de suas idéias… Você manda muito bem !

    Apois, sou deficiente auditiva, tenho uma perda bilateral severa pros sons agudos. Dai esses cochichos são sempre agudos e eu fico louuuca tentando advinhar o que a pessoa tá dizendo e confirmando ou negando as coisas sem saber o que são… é muito chato! é um pânico mesmo…tentar ouvir e não conseguir.

    tenho vários causos desses, qndo não há luz de forma nenhuma no ambiente eu puxo logo o celular e aponto pra boca da vítima…

    pior é quando vou dormir na casa de alguém, dai a pessoa apaga a luz e começa a conversar… nooooossa! fico mto louca querendo entender as coisas… ai nao aguento e vou logo acendendo a luz… Ou então qndo tô conversando com alguém, ai por qqr motivo a pessoa vai e põe a mão na boca… é institivo eu vou e tiro a mão da boca da pessoa, e se eu nao tiver intimidade suficiente pra isso, peço pra que a pessoa retire a mão…

    (Acho que isso deve acontecer com todo mundo que faz leitura)

    Como faço leitura labial fico sempre olhando pra boca da pessoa que tá falando comigo, dai algumas vezes essas pessoas acham que eu quero beijá-las, ou que a boca tá suja, o dente tá sujo… é engraçado o comportamento dos outros em relação a nossas deficiências….

    bem… acho que sobre esse post só tenho isso a dizer!

    Que você continue tendo esse dom de escrever bonito e de tocar quem lê !

    Paz e Luz pra vocês !!!

  • Ah, não tenho causos por aqui sobre surdez e balada, isso pq detesto baladas mesmo, prefiro bons restaurantes, qlqr lugar com iluminação, e com som ambiente bem agradável.
    Mas shows eu vou numa boa!

  • Texto interessantissímo,não tinha parado para pensar nesse sentido…
    Agora fico imaginando o constrangimento que as pessoas com deficiência auditiva passam,vai muito além do que a gente pode supor…
    Sem contar que achei muito engraçadas as estórias do texto,com todo respeito é claro,pois só que está ‘na pele’ é capaz de saber o quão difícil é.
    Parabéns,Beijos!!

  • Ai Paulinha, e como isso acontece, né?
    Comigo parece que as pessoas “adivinham” e só vêm falar do lado que o ouvido não funciona. Fazer o que, né? Fico igual a uma lagartixa balançando a cabeça, rindo e concordando com tudo.
    uahauhau

    Beijão

  • paula gostaria de mandar por email um video q fiz pra um trabalho de faculdade. Fala um pouquinho sobre a minha experiencia com a surdez….mas não acho o endereço e gostaria mais uma vez q vc entrasse em contato comigo … bjos

    • Boa tarde,
      Gostaria que me mandasse o video se puder, sou surdo bilateral profundo e queria conhecer um pouco da sua experiencia, pode ajudar bastante os outros.. =)
      Obrigado,
      Marcos K.

  • Menina ………. passo aperto sempre … não só na balada é em qlqr lugar !!!!!!!!!!! Mas tbm morro de rirrrrrrrr!!!!!!!! rsrrsrs

  • oi pessoal!!!

    Balada X Surdez

    complicado agora

    pra mim é meio difícil conversar nas baladas!!!!
    embora eu não vou muito!!
    mas ja tem aparelhos q controlam isso!!!!

    abraços

  • Essa eu também sou fera… Tenho perda severa do ouvido esquerdo e total do direito e sempre me virei bem nas baladas, porque em ambientes de som alto é melhor tirar o aparelho e colocá-lo no bolso uma vez que todos falam bem alto o que fica bem mais fácil de entender além da leitura labial, porém minha maior tortura sempre era quando ia a shows sertanejos ou forró, isso porque a mulher ao dançar comigo sempre ficava com o rosto virado para o ouvido que não escuto para driblar a situação eu procurava monopolizar a conversa ao máximo até a musica acabar e poder olhar olho no olho para ver o que ela diria a respeito, mas muitas vezes isso não dava certo e a mulher não parava de falar e eu só ali balançando a cabeça sem entender nada… rsrsrsrs

  • Aihh eu não sou muito de balada, mas assim, como eu escuto com um ouvido e com o outro não, eu sempre tento colocar as pessoas do lado que eu escuto, mas parece que tem dia que não tenho a menor sorte e os benditos decidem ficar do lado que eu não escuto nada.

    Daí, tenho que ficar virando o rosto quase quebrando o pescoço, nessas de virar o rosto.. é claro que quase fui beijada por alguns “benditos”, pq vc imagina… o bendito tá falando com uma guria no ouvidinho e tudo mais, e do nada ela vira o rosto super pra perto de vc… alow.. hora de agir! huahuahuahu

    Mas enfim, para evitar, o melhor é tomar coragem de movimentar um pouco e tentar trocar de lado, mas quando tá sentado como fazer isso?! xD

    bjus

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.