Ícone do site Crônicas da Surdez – Surdos Que Ouvem – por Paula Pfeifer

Emails que não fico feliz de receber

Assim como recebo emails sensacionais de gente me contando como mudou de vida depois de descobrir o blog e o livro, também recebo muitos que me deixam de queixo caído. Algumas vezes já senti vontade de não responder, porque me sinto até um pouco ofendida com certas coisas que leio. Tipo, um monte de gente se esforçando pra desmistificar a surdez pro mundo e aí tem uma turma que faz de tudo pra esconder a sua surdez do mundo. E por que? Por vergonha. Porque são pessoas que não se aceitam. Porque estão perdendo tempo precioso da própria vida tentando fingir que ainda são ouvintes. Porque estão agindo como crianças birrentas com raiva desse ‘presentinho’ chamado surdez, como se raiva resolvesse alguma coisa. Gente, sério. Vocês devem saber melhor do que eu sobre a energia que gastam vivendo essa vida dupla solitária e triste. Porque é sim triste interpretar um personagem. Porque é triste se olhar no espelho e se odiar. Porque é triste ter vergonha de contar para as pessoas um detalhe tão banal das suas vidas. Vocês acham mesmo que o resto do planeta se importa com o fato de que vocês têm deficiência auditiva? Lamento informar que isso não acontece. Nem aqui, nem na China.

É como o guri desse gif animado acima que eu me sinto quando leio algumas pérolas tipo essas abaixo, todo santo dia desde 2010.

Eu não escuto nada com um ouvido, mas eu não sou deficiente que nem vocês

Uuuuuiiii, como nós? Você também é, fofura. Negar o fato para você mesmo não muda nada. Me poupe!!!!

Eu não entendo nada do que escuto, mas eu não tenho deficiência auditiva

Ah, não? Me conta quando fizer uma audiometria 😉

Você não acha um horror aquela parte externa do Implante Coclear?

Acho um horror alguém se preocupar com uma coisa tão fútil como estética quando deveria estar preocupado com qualidade de vida. Acho um horror alguém se privar de ouvir porque tem receio e medinho dos olhares curiosos das outras pessoas. Senhor, dai-me paciência.

Gostaria de dicas para esconder melhor os meus aparelhos auditivos

Tenho uma dica in-fa-lí-vel: esconda atrás da geladeira. Certeza que ninguém vai procurar lá. Agora me diz uma coisa, um fiozinho de plástico vai te invalidar como ser humano? Sério? Sempre quis fazer um cadastro nacional de psicólogos especializados em pacientes com surdez e quando recebo um email desses me dou por conta do quanto esse cadastro faz falta…

Vou voltar a estudar e não quero de jeito nenhum que as pessoas saibam que uso aparelhos e não escuto, o que eu faço?

Instituto Universal! Aquele que você estuda por correspondência, sabe qual é? O lugar mais difícil do planeta para alguém tentar esconder a surdez é numa sala de aula! Valha-me Deus!

Não conto para nenhum namorado(a) sobre a minha deficiência auditiva, o que você acha disso?

Que você está perdendo a chance de se relacionar de verdade com alguém. Relacionamento baseado em mentira é um sucesso, hein?

Quer me irritar, me manda um email desses. É tiro e queda. Acaba com meu humor na hora!!

Falando sério. Por que perder tanto tempo negando o óbvio? Tentando disfarçar o indisfarçável? Mentindo? Fugindo das pessoas? Se escondendo atrás de um personagem? Nada disso vai nos transformar em alguém que ouve naturalmente de novo. A pessoa que tem deficiência auditiva precisa usar o cérebro, não o coração. Sei que o coração fica machucado, magoado, fechado e endurecido. Mas ele não resolve o problema. Já o cérebro… É ele que vai te ajudar daqui para a frente, mas você precisa usá-lo. Em primeiro lugar, se você tem DA e não quer usar aparelho auditivo, só posso dizer que além de teimoso, você é burro e vai pagar o preço por isso mais lá na frente. É o mesmo que não enxergar e não querer usar óculos. Se você tomou a decisão de que não se importa em não ouvir, gosta do silêncio e está bem adaptado assim, ótimo, afinal, cada um na sua e a gente só pode respeitar as decisões alheias. Porém, se você não gosta do silêncio, não quer se adaptar a ele e quer voltar ao mundo dos sons, a única alternativa é: esforço pessoal constante. Você vai ter que se esforçar pra se adaptar aos seus aparelhos auditivos (ou implantes cocleares), você vai ter que se esforçar para aprender a ler os lábios das pessoas, você vai ter que se esforçar muito o tempo todo. Particularmente acho que vale a pena porque amo o som. Não vejo sentido em ser birrenta e me privar de ouvir as vozes das pessoas que amo, os latidos dos meus cachorrinhos, as músicas lindas do meu iPod, o som do vento e mil outros sons deliciosos. Sei tão bem quanto vocês como temos dias de fúria nos quais queremos mais é chutar o pau da barraca e fugir para as montanhas para viver em reclusão. Só que…essa é a solução mais fácil.

As palavras-chave para quem convive com a surdez: aceitação e resiliência.

Aceite-se, aguente o tranco e siga em frente todos os dias.

Sair da versão mobile