Menu
o que é memória auditiva

Quando minha querida amiga Paula me chamou para escrever sobre sobre o que é memória auditiva, pensei: “Como é que ela sabe que estou estudando isso?

Na verdade, os méritos do meu conhecimento se devem às fonoaudiólogas Laura Mochiatti que mergulhou de cabeça no tema (que é sua tese de mestrado), à Ana Claudia Vieira (sua orientadora) e nossas incansáveis discussões.

Post escrito pela fonoaudióloga Mirella Horiuti

Memória auditiva

Ao pé da letra, o termo memória auditiva é a habilidade de lembrar palavras ou sons.

Falando mais sobre essa memória auditiva, ela é classificada como de “curto prazo”. Ou seja, ela é a capacidade cerebral de utilizar uma certa quantidade de informação por um curto período de tempo (15 a 30 segundos em média). É a informação que estamos pensando naquele momento ou que estamos tomando conhecimento.

Depois de adultos, a duração de quanto tempo retemos a informação e a quantidade de informação armazenada pode ser treinada e aumentada.

Mas durante atividades ou tarefas que envolvam duplo processamento, ou seja, duas tarefas realizadas ao mesmo tempo, a capacidade desta memória operacional torna-se limitada devido à distribuição das demandas cognitivas para diferentes respostas exigidas pelas tarefas, como por exemplo, a recordação de palavras e emissão das mesmas, de forma ordenada após uma tarefa de percepção de sentenças.

Como cria-se a memória auditiva?

O processo de criar uma memória auditiva envolve algumas etapas: primeiro ouvimos o som (ou seja, percebemos o som – estamos falando de audibilidade), depois escutamos esse som (damos atenção ao que ouvimos) e na sequência “armazenamos” em algum local no nosso cérebro.

Pronto … a memória auditiva está criada e armazenada.

Mas a segunda fase é a mais complexa de todas: é escutar o som e buscar nesse armazenamento a memória auditiva compatível para podermos entender o que se escuta.

Para normo-ouvintes, essa segunda etapa se torna mais difícil quando a situação não é favorável, ou seja, em locais ruidosos, com vários falantes ao mesmo tempo, voz fraca e mal articulada do falante, etc.

O que acaba acontecendo é um esforço enorme, chamado atualmente de “esforço auditivo” que nada mais é do que toda atenção e recursos cognitivos necessários que usamos para se entender a fala.

No caso de um deficiente auditivo, esse esforço acontece o tempo todo.

Esforço auditivo e memória

E qual a relação do esforço auditivo com a memória? Uma relação enorme, que já vem sendo estudada há alguns anos. Há estudos que comprovam que quanto melhor nossa memória operacional, menor nosso esforço auditivo. E ainda, que pessoas que são ótimos leitores têm uma memória operacional melhor.

Se pensarmos nisso, com um esforço auditivo menor, a performance no quesito “ entender as conversas” com certeza vai melhorar. E como posso melhorar minha habilidade de memória auditiva?

Faça uma avaliação com seu fonoaudiólogo de confiança e veja as opções para seu caso.c

Leia também:

GRUPO SURDOS QUE OUVEM no Facebook: seja membro!

LEIA MAIS SOBRE APARELHO AUDITIVO

Grupo SURDOS QUE OUVEM

Você se sente sozinho? Solitário? Não tem com quem conversar sobre a sua surdez? Gostaria de tirar mil dúvidas sobre os seus aparelhos auditivos? Gostaria de conversar com pessoas que já usam implante coclear há bastante tempo? Precisa de indicação de otorrino especializado em surdez e fonoaudiólogo de confiança?

Somos 22.000 pessoas com algum grau de deficiência auditiva no Grupo SURDOS QUE OUVEM. Para ganhar acesso a ele, basta se tornar Apoiador Mensal do Crônicas da Surdez a partir de R$5.





NOSSAS REDES SOCIAIS

LIVROS CRÔNICAS DA SURDEZ

Neste link você encontra os seguintes livros:

  1. Crônicas da Surdez: Aparelhos Auditivos
  2. Crônicas da Surdez: Implante Coclear
  3. Saia do Armário da Surdez

RECEBA NOSSAS NOVIDADES NO SEU EMAIL

Clique aqui para receber.

About Author

Paula Pfeifer é uma surda que ouve com dois implantes cocleares. Ela é autora dos livros Crônicas da Surdez, Novas Crônicas da Surdez e Saia do Armário da Surdez.

6 Comments

  • […] privada de construir memória auditiva, de construir pontes de comunicação com o mundo, porque a família quis acreditar na espera pela […]

    Reply
  • CYBELE DUARTE BARBOZA LIMA
    12/11/2018 at 2:40 pm

    Olá! Estou aprendendo muito sobre a memória auditiva. Agradeço as suas informações!!

    Reply
    • Pryscilla Cricio
      25/08/2020 at 3:51 pm

      Olá Cybele,

      Tudo bem?

      Venha para o nosso grupo fechado no Facebook com mais de 15.300 pessoas com deficiência auditiva que usam aparelhos ou implantes. Para se tornar membro, é OBRIGATÓRIO responder às 3 perguntas de entrada.

      https://www.facebook.com/groups/CronicasDaSurdez/

      E para receber avisos sobre nossos eventos e cursos, por favor, clique e responda 4 perguntas (leva 30 segundos):

      https://forms.gle/MVnkNxctr1eahqR5A

      Estamos te esperando!

      Abraços,

      Equipe Surdos Que Ouvem

      Reply
  • silbely
    01/11/2018 at 10:50 pm

    oi, sou estudante de licenciatura em musica estou em produção do meu tcc, gostaria de pedir a autorização para eu poder usar o texto acima como citação?

    Reply
  • Ana Lucia Santiago
    05/04/2018 at 4:42 pm

    Aprendendo com essas informações sobre memoria auditiva, bem interessante!

    Obrigada pelos esclarecimentos dado

    Reply
  • Renata Braga
    04/04/2018 at 10:13 pm

    Memória auditiva é assunto sério mesmo! Nos 4 primeiros meses depois de ter ativado meu IC, escutei uma piada por áudio no WhatsApp, consegui compreender perfeitamente e até gargalhei muito. Mais tarde tentei contar para meu marido e adivinhem… Não lembrei de nada!

    Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Copy Protected by Chetan's WP-Copyprotect.
Iniciar conversa
Grupo SURDOS QUE OUVEM
Grupo SURDOS QUE OUVEM