Crônicas da Surdez Deficiência Auditiva Destaques

A maior privação causada pela surdez

Foto: Shutterstock

Quem convive com a surdez sabe de todas as privações que precisamos enfrentar no nosso dia-a-dia. São muitas, e além de serem desgastantes também nos deixam tristes e, muitas vezes, deprimidos.

Qual a maior privação que a surdez nos causa?

A conexão humana

Quando não conseguimos alcançar o que alguém diz, não nos comunicamos efetivamente com essa pessoa. E quando não nos comunicamos efetivamente com outro ser humano, perdemos a conexão humana, que é a conexão mais bela e mais poderosa da vida. É por ela que vale a pena viver. É através dela que nos sentimos vivos, plenos, completos.

Não alcançar os lábios ou não alcançar a voz de outro ser humano nos priva de estar em real contato com ele. Sem entender o que alguém diz não estamos conectados a esse alguém e, por consequência, também não nos expressamos com todo o esplendor que poderíamos. Quem nunca decidiu ficar quieto por vergonha ou por achar que não entendeu direito a fala do interlocutor, atire a primeira pedra…

E assim perdemos muita coisa na vida, todos os dias. Seja no trabalho, na vida familiar, com amigos, onde for, perdemos palavras e momentos que não voltam mais.

Eu não gosto de perder

Por isso, fui tão fundo na minha busca por reabilitação auditiva. Por isso transformei meus aparelhos auditivos nos meus melhores amigos, me apaixonei por usá-los e os usei até onde eles foram capazes de me ajudar. Por isso, mesmo após uma longa jornada até ficar bem com um implante coclear, decidi fazer outro e ficar ainda melhor. Por isso, até o fim dos meus dias farei tudo o que estiver ao meu alcance para aprimorar a minha audição biônica. Já fiquei tempo demais sem ouvir e tempo demais ouvindo mal…

A reabilitação auditiva me devolveu não apenas a conexão real e eficaz com outros seres humanos, mas também me permitiu voltar a pertencer ao mundo. A parar de sentir medo. A parar de me sentir inferior por perder tanto da comunicação. A me expressar infinitamente melhor. E, acima de tudo, me devolveu uma qualidade que eu costumava ter quando criança e quando ouvia naturalmente com meus ouvidos: a ousadia.

Com conexão humana e ousadia, o céu é o limite

Sabe, eu acho que você tem potencial para conquistar o que quiser, e acho que você se deve a chance de buscar reabilitação auditiva e conferir por si mesmo o que ela é capaz de trazer para a sua vida. Se não tentar, como vai saber? Se não tentar, como vai colocar a cabeça no travesseiro à noite com a consciência tranquila de ter feito tudo o que estava ao seu alcance para melhorar?

Existem muitas pessoas dando suor e sangue todos os dias – este foi o exemplo mais inspirador que encontrei nos últimos tempos. Clique no link e leia, por favor. Depois de ler, não diga que você já tentou, que não deu certo, que você não se adaptou, que não gostou, que prefere continuar como está. Seria covardia.

Estar vivo é um presente, e nós temos a obrigação de transpor os obstáculos que aparecem pelo caminho. Eu sei que a tecnologia ainda não ajuda TODOS os casos de surdez mas, se ela ajuda o SEU caso, qual a sua justificativa para não correr atrás? O Brasil possui uma das melhores políticas de reabilitação auditiva do mundo!

Se você tem deficiência auditiva e tem alguma chance de melhorar, por que não está em busca disso?

Por que está aí parado, de braços cruzados, à espera de um milagre?

Por que acha que só os outros é que precisam se adequar a você se você sequer tenta ficar melhor e facilitar a própria vida?

Por que não vence a inércia e se propõe a conquistar seus sonhos e a dar o seu melhor todos os dias?

Pense nisso. 😉

61 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010, e também escrevo o blog Sweetest Person desde 2007. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 34 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

2 Comentários

  • Oi Paula querida!

    Grata por compartilhar todas as suas vivencias com relação a surdez…isso me ajuda muito com minha filha que é ainda Bebê…tento entender um tanto do universo dela e adaptar segundo muito dos seus relatos e de outros…apesar que cada um é um! Mas vamos aprendendo muito aqui com ela e com essa troca pela rede!..
    Queria compartilhar com vc algo que sinto em relação a ela…que mesmo antes do IC sempre conseguiu se comunicar …se fazer entender e compreender o que queriamos dela…claro nas situações em que há o contato visual associado. Eu considero que a surdez…por experiência com ela é uma outra opção de comunicação…e é impressionante como que com ela essa comunicação sai quase que pelos poros…kkkk

    Então a nossa experiência com ela não é de sofrimento.. ela é feliz…alegre…comunicativa…e continua apos o IC que ainda está em adaptação e evoluindo aos poucos…ela tem apenas 2 meses de ativação.

    O que queria dizer é que sinto que o sofrimento inicial de diagnóstico e tudo da surdez foi nosso…Meu, do Pai dela e familiares e amigos ao nosso redor. E no momento em que percebi como ela era feliz assim como é percebi que se eu continuasse a sofrer pela perda auditiva dela e considerar todos os possíveis sofrimentos que ela iria enfrentar mais a frente na vida, por crenças que ja estao estabelecidas no inconsciente coletivo sobre a perda auditiva, que assim dessa forma eu ” contaminaria” a percepção dela da vida. Então nesse momento me decidi não sofrer mais…ela é feliz e nós somos tb com toda a condição…ESCOLHI que a Mim Vai Ser Assim!
    Mudei meu Paradigma!

    Um beijo grande!

    Lucília.

Deixe seu comentário