Crônicas da Surdez Destaques

Epifanias da Surdez

Pequenas epifanias da surdez me ocorrem o tempo todo – e cada uma delas grava ainda mais fundo na minha alma a impressão de ter feito a escolha certa quando optei por tentar voltar a ouvir. Estendi minha canga na areia da Praia das Conchas, em Cabo Frio, e comecei a ler um livro. Imediatamente pensei: “que louco!“. O mar está bem atrás de mim, estou ouvindo o quebrar das ondas. Antes, eu precisava olhar para elas e imaginar o som que faziam, ou melhor, precisava puxar esse som da memória. O vento bate nos microfones dos meus implantes cocleares e me irrita, mas não tenho esse direito. Desejei tanto ser capaz de escutar o som do vento outra vez que preciso sorrir mesmo se estiver no meio de um furacão. Escuto as conversas das pessoas, os berros dos vendedores ambulantes, os gritos das crianças. Escuto o som da minha respiração e converso com o meu marido de costas, sem sequer precisar olhar para ele.

A tecnologia é poderosa:

Graças a ela, pude me reconectar com a natureza, comigo mesma e com outros seres humanos. Graças a ela pude me dar ao luxo de parar de imaginar sons e de tentar resgatá-los do fundo de um baú que não existia mais. Graças à tecnologia, o único sentimento que tenho o prazer de desconhecer hoje, no tocante ao sons, é a saudade. Os sons me emocionam, me irritam, me deixam feliz, cansada e eufórica, mas não sinto mais saudade deles.

Estão todos aqui!

Estão todos tocando no meu cérebro. Descrever o que significa ter voltado a ser a pessoa que um dia eu fui é algo que ainda não sou capaz de fazer. Posso tentar: me sinto inteira e muitas vezes me sinto com o coração na mão.

Gosto desse exercício de contemplação e gratidão. A realidade dos fatos – sou e continuarei sendo surda – me dá um suave tabefe ao tilintar do ‘pi pi pi‘ que me avisa que as baterias estão acabando. Não quero que acabem. Só quero silêncio para dormir, me concentrar ao escrever algo importante e para ouvir meus próprios pensamentos, coisa que, vezenquando, preciso. 🙂

46 amaram.

Sobre a Autora

Paula Pfeifer Moreira

Escrevo o Crônicas da Surdez desde 2010. Sou bacharel em Ciências Sociais pela UFSM, escritora e empresária. Moro no Rio de Janeiro e tenho 36 anos. Meu diagnóstico é de deficiência auditiva bilateral neurossensorial e progressiva. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Em 2013 lancei o livro Crônicas da Surdez (Ed. Plexus) e em 2015, Novas Crônicas da Surdez: epifanias do implante coclear (Ed. Plexus), que já foi traduzido para o inglês.

4 Comentários

  • Uau… !!! Muito lindo!!!
    Não sou surda, mas meu irmão ficou surdo (surdez bilateral profunda) há quase um ano, e tem sido um período muito tenso e difícil para ele, e para nós como família. Ele está na fila para o IC pelo SUS (pelo menos um lado para começar). E tenho me emocionado muito quando o assunto é surdez, principalmente, aqui em sua página que é maravilhosa, e que ele também acompanha sempre. Tenho que dizer, não imagino o sofrimento dele, nessa fase de adaptação, mas nós como família sofremos porque não sabemos (ainda) como lidar, como ter paciência, como ajudar, como nos comunicar… mas sempre tenho que me lembrar de ter empatia por ele e me colocar à disposição (sem mimar muito rs).
    Você, em sua página, tem ajudado muito!
    Bjs

Deixe seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.