Menu
Histórias dos Leitores / Implante Coclear

Eduarda: adolescente com implante coclear bilateral

eduarda

 

Não se sabe exatamente o que causou minha surdez. Não demorou muito para meus pais perceberem que eu tinha deficiencia auditiva pois eu não respondia quando era chamada e não me assustava com barulhos. Eu me chamo Eduarda, tenho surdez bilateral e uso dois implantes cocleares. Usei aparelhos auditivos durante 5 anos, na época foi muito útil, consegui ser alfabetizada como uma criança normal. Em 2008 minha audição piorou e o meu otorrino que na época era o Dr. Sady Selaimen da Costa achou que estava na hora de procurar saber se eu era candidata para o Implante Coclear, e então me indicou o Dr. Celso Dalligna no Hospital Moinhos de Vento também em Porto Alegre/RS. Marcamos uma consulta e fomos a Porto Alegre, fiz alguns exames que apontaram que eu era candidata ao IC, decidimos fazer o quanto antes.

Eu tinha 8 anos na primeira cirurgia do implante e estava na 3ª serie do ensino fundamental. Minha cirurgia foi tranquila apesar da ansiedade e do medo de dar errado, mas como fiz o implante no ouvido esquerdo que não tinha memória auditiva não me adaptei ao IC, ou seja, perdi a audição do ouvido esquerdo. Em 2010 decidimos fazer no ouvido direito para ver no que daria. Novamente a cirurgia ocorreu tranquilamente, estava mais tranquila do que a primeira cirurgia porém dessa vez me adaptei rapidamente ao IC, tanto que hoje não sei viver mais sem. Hoje tenho 15 anos, e estou cursando o 1º ano do Ensino Médio. Sou surda oralizada, não uso Libras, apesar de saber algumas coisas e ter muito interesse em aprender. Fiz a ativação com a fonoaudióloga Luciana Cigana uns 15 dias depois. E depois segui fazendo acompanhamento com a minha fono da minha cidade Alegrete/RS, Elaine Rosso Viana. A emoção de voltar a ouvir foi incrível, descobrir sons que nunca havia escutado, foi uma sensação maravilhosa, foi como se eu tivesse nascido de novo.

Não conseguia conter a ansiedade para finalmente escutar. Ouvir minha mãe chamando o meu nome sem a ajuda de leitura labial foi emocionante, e foi automático, estava falando com a fono e quando ouvi minha mãe respondi rapidamente. O barulho da chuva, o barulho da água caindo.. sons que gosto muito e que me fascinaram quando comecei a escuta-los. Quando voltei para a escola, estranhei muito. Desde que entrei na escola, sempre sentei na 1ª carteira para que o professor pudesse ler seus lábios. Conversas em grupo sempre foram tormento, pois não conseguia acompanhar direito. Nos primeiros dias de adaptação de IC, qualquer lugar barulhento que eu ia, sentia uma vontade enorme de tirar os aparelhos e quando tirava, era um alivio.

Nunca gostei de locais muito barulhentos, apesar de gostar de shoppings, o barulho até hoje me incomoda, salões de beleza, mercados.. E também em salas de aulas muito barulhentas. Em casa, a minha comunicação com meus pais melhorou muito, minha mãe sempre usou um tom mais alto, a TV estava sempre em volume altíssimo, músicas em volumes que hoje me pergunto como conseguia entender alguma coisa com o volume daquele jeito, e também comecei a falar com tom de voz adequada.

Quando coloquei o IC, aqueles famosos “hã?” diminuíram muito e consegui ouvir músicas tranquilamente além de acompanhar conversas. Esse ano fui para a Disney, e todo santo dia eu olhava para o IC e falava: “o que seria de mim sem você?” e viajar sozinha foi tranquilo, consegui me comunicar no idioma americano tranquilamente, e com as minhas colegas de quarto também. Apesar de não conseguir escutar alto falantes em aeroportos, e aviões, sempre tinha alguém que me ajudava, e quando não entendia o que era dito, perguntava. Sofri muito preconceito, em cidade pequena as pessoas não possuem conhecimentos e não estão habituadas ao novo e ao diferente e todos os lugares a quais frequentava e frequento ainda, sou a única deficiente auditiva. Mas também encontrei pessoas maravilhosas ao longo da minha vida, que me respeitaram e me fizeram perceber que a deficiência está nos olhos de quem vê. Aprendi a levar a opinião dos outros e as piadinhas como algo insignificante ou simplesmente aprendi a deixar de lado.

Fui criada 100% normal, meus pais sempre foram compreensivos e nunca tentaram esconder a minha surdez, me preparam para os maiores desafios da vida, me criaram da melhor forma possível, nunca deixaram me faltar nada, sempre tive o que mais precisava: amor. E eu sou eternamente grata por tudo o que fizeram por mim e por me ensinarem que a vida é uma caixinha de surpresas, só se da bem quem não se assusta com o que tem dentro. A vida começa quando você descobre o valor que você tem e quando você descobre o que você realmente é e o que realmente importa pra você. Aprendi a não deixar a minha deficiência me definir. Sou deficiente auditiva com muito orgulho, a surdez se tornou parte de mim e foi graças a ela que tornei a pessoa que sou hoje, e aprendi coisas que não teria aprendido sem as dificuldades que passei.

Logo após colocar o implante, eu tinha muita vergonha de usá-lo por ser a única deficiente auditiva da minha escola. Já passei por muitas coisas relacionadas a isso, mas com o tempo fui me acostumando, fui percebendo que aqueles olhares diretamente para mim não significavam coisas ruins, muitas vezes era curiosidade. Imaginem, quando minha bisavó era adolescente não existiam essas modernidades todas e devemos pensar nisso. O aparelho pode ser grande, pode não ser tão bonito, mas ele ajuda a ouvir e isso é um privilégio enorme. Ouvir é tão bom.

Eu aprendi a não me deixar levar por motivos fúteis, porque a vida passa muito rápida e quando você parar para pensar, pode ser tarde demais. Aprendi que a vida é como um carro, você é o piloto e você escolhe por qual caminho vai seguir. Você pode agradecer por ter o luxo de uma escolha e aproveitar o máximo dela ou, você pode escolher se isolar e não se dar ao prazer dessa oportunidade. Você pode escolher entre ser feliz ou não. Eu escolhi ser feliz e se eu puder dar um conselho: aproveitem essa chance, corram atrás, tenham o que é de vocês e não desistam, a vida é uma só e vocês devem ser felizes. “Ouvir é natural do ser humano, mas para quem tem deficiência auditiva, é um presente que a medicina nos dá, através da melhor tecnologia já inventada: O implante coclear.” Agradeço a Graeme Clark, inventor do implante coclear. Você trouxe pessoas do mundo do silêncio para o mundo do som e ajudou pessoas do mundo todo. A minha eterna gratidão a todos os profissionais e pessoas maravilhosas que encontrei ao longo da minha vida. E se eu consegui vocês conseguem também. No final sempre dou risada e nunca perco essa minha mania de ter fé na vida.

About Author

Moro no Rio de Janeiro e tenho 39 anos. Tenho Implante Coclear nos dois ouvidos. Sou autora dos Crônicas da Surdez e Novas Crônicas da Surdez.

15 Comments

  • Renata Silva
    26/10/2018 at 1:56 pm

    Muito linda sua história Eduarda , tenho uma filha de 3 anos que está implantada a quase 2 anos , ela não se acostuma com o implante as vezes pra por ela chora as vezes esconde , estou perdida não sei o que fazer pra ela acostumar com o implante ela não fala nada tbm por enquanto , vc pode me dar alguma dica ? Obrigada

    Reply
  • Eduarda Marcon
    26/04/2016 at 2:12 am

    Oii, mil desculpas pela demora! Estava dando uma olhada pela página e resolvi ver se não tinha nenhum comentário novo! https://m.facebook.com/profile.php?id=100000939792830 Esse é o meu facebook, pode me adicionar!!
    Beijão!

    Reply
  • Ana Caroline
    19/10/2015 at 8:02 pm

    Duda (posso te chamar assim ?), eu me identifiquei MUITO! Também tenho 15 anos, e ainda me surpreendo por ter maturidade nessa idade porque vejo as outras pessoas na mesma idade e só pensam em coisas fúteis. Eu tenho Surdez Unilateral de grau Moderado a Grave e estou pensando em conversar com minha fono pra ver se sou uma candidata ao IC no ouvido direito, no qual o uso de AASI não me proporcionou uma melhora significativa. Poderia me adicionar no Facebook, para que possamos conversar e esclarecer minhas dúvidas ? Grata.

    Reply
  • Gustavo
    25/11/2014 at 6:12 pm

    Você pode me esclarecer algumas dúvidas por e-mail?. Há pouco tempo atrás comecei a notar que minha audição não está boa, mas ainda possuo muitas dúvidas sobre perda de audição em geral(aparelhos auditivos, IC…)

    Reply
    • Eduarda
      28/11/2014 at 4:01 pm

      Claro!
      Fique a vontade para me escrever, tentarei ajudar na medida do possível!
      Meu e-mail é dudamarcona@hotmail.com
      Bjos

      Reply
  • Mariana
    21/11/2014 at 2:06 pm

    Eduarda, vc poderia passar o seu facebook pra mim ? Queria te conhecer melhor, pois me identifiquei muito com vc! Bjos

    Reply
  • Camila Sátiro
    12/11/2014 at 11:48 am

    Muito bom ler seu texto Eduarda, sou mãe de um menino de 4 anos usuário de implante desde os 2 e como toda mãe sempre me pergunto coisas como : “Será que ele será feliz?”, “Como será que ele irá lidar com a deficiência quando for adolescente?”, é muito bom ver uma adolescente tão bem resolvida, acalma minha mente inquieta de mãe!

    Reply
    • Eduarda
      14/11/2014 at 11:22 pm

      Muito obrigada, fico muito feliz em ajudar! Quando você quiser, pode me adicionar no facebook ou me procure, vou ajudar te ajudar!! Um beijo! ??

      Reply
  • roberta lazzaretti
    07/11/2014 at 2:28 pm

    Parabéns pelo texto Eduarda, e pela sensibilidade com a qual respondeu as minhas perguntas quando lhe procurei, naquele momento estava assustada, preocupada com o futuro da minha filha, que também é Eduarda, mas você conseguiu acalmar meu coração. Beijo grande e que sua estrela continue sempre brilhando e que seu futuro seja lindo!!!!!!!!!

    Reply
    • Eduarda
      14/11/2014 at 11:21 pm

      Muito obrigada Roberta!! Gostei muito quando você me procurou, sempre que precisar estou a disposição! Te desejo tudo em dobro, para você, filhos, familia!! ??

      Reply
  • Andrea Marcos
    07/11/2014 at 11:30 am

    Lindooooo depoimento Eduarda! Me emocionei! Tenho uma sobrinha de 8 anos com deficiencia auditiva que é meu xodó!

    Beijo

    Reply
    • Eduarda
      14/11/2014 at 11:25 pm

      Obrigadaa! S2

      Reply
  • eliane
    07/11/2014 at 11:24 am

    Fiquei feliz em ler teu texto Eduarda, feliz por ver uma menina de 15 anos tão madura e assumindo sua perda auditiva com tanta bravura. Eu que já sou avó só mesmo nesta fase é que estou assumindo e conversando com outras pessoas sobre esta minha deficiência. Comecei a perder a audição com meus 17 anos e o resto de minha vida passei com o uso de AASI do qual quase nenhuma pessoa do meu convívio sabia, exceto a família. Fiz um implante e ativei no dia 5 passado também com a fonoaudióloga Luciana Cigana mas aqui em Floripa. Adorei saber que o Dr. Celso Dalligna é otorrino. Ele morou aqui quando criança, conheço inclusive as irmãs dele. Eduarda parabéns, com certeza você é uma jovem que faz a diferença….

    Reply
    • Eduarda
      14/11/2014 at 11:24 pm

      Sério? Adoro o dr. Celso, ele e a Luciana me ajudaram em muitas coisas, sou eternamente grata!! Como o mundo é pequeno, não é? Haha beijos! Muito obrigada!

      Reply

Leave a Reply

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Iniciar conversa
Marque a sua consulta na Clínica Sonora