Menu
Acessibilidade / Deficiência Auditiva / Surdos Que Ouvem / Tecnologia

FALTA DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS em bancos e cartões de crédito

falta de acessibilidade para surdos

A falta de acessibilidade para surdos têm impacto profundo na vida dos clientes com deficiência auditiva de bancos e operadoras de cartão de crédito. Fui assaltada ontem. Estava dentro de um táxi, com o vidro semicerrado, na Av. Nossa Senhora de Copacabana, quando o ladrão me deu um tapão no rosto e arrancou o celular da minha mão. Já escapei ilesa de tentativas de assalto como essa mas, dessa vez, infelizmente me ferrei e perdi o telefone. Passado o susto, fui tentar resolver a burocracia de bancos e etc. E é aí que o bicho pega, porque a falta de acessibilidade a surdos oralizados nos bancos e operadores de cartão de crédito no Brasil é constante e, ao que parece, eterna.

clube dos surdos que ouvem

0800 especial para deficientes auditivos e da fala NÃO É ACESSIBILIDADE

Talvez você não saiba, mas esse 0800 especial requer que você tenha em casa uma geringonça dos anos 60 chamada Telefone TDD. Em 2022, ele não serve para nada, e ainda custa uma fortuna. Além disso, acidentes, roubos e emergências podem acontecer a qualquer momento, em qualquer lugar e em qualquer horário. Se você tem deficiência auditiva e sofre um acidente na estrada, por exemplo, vai tirar um Telefone TDD de onde numa hora dessas? Se você é uma pessoa com deficiência auditiva viajando sozinha que é assaltada e está fora do país, vai tirar um telefone TDD de onde numa situação assim? Não importa a situação, o telefone TDD e esse 0800 especial são tudo, menos acessibilidade. É uma legislação caduca que parou no tempo e até hoje não foi atualizada, mas segue servindo de justificativa para instituições financeiras com ZERO preocupação com os clientes com deficiência.

Essa inutilidade do 0800 especial para deficientes auditivos é o primeiro ponto que impede a nossa acessibilidade em emergências – e bloquear contas e avisar os cartões de crédito que você foi roubado é uma emergência das grandes.

O segundo ponto é que os bancos e operadoras de cartão de crédito obrigam o cliente com deficiência auditiva ao telefone, o que não faz o MENOR sentido. Algus até têm chat no atendimento ao consumidor, porém, o chat funciona de segunda a sexta em horário comercial e só. Se lhe acontecer qualquer coisa fora do horário comercial e em finais de semana e feriados, você que se ferre. E nem ouse pedir para alguém telefonar e falar em seu nome, pois o atendente vai achar que é fraude e desligar o telefone.

Alguns ainda tentam enfiar goela abaixo a central com intérpretes de Libras como se Libras fosse acessibilidade para todas as pessoas com deficiência auditiva quando, ma verdade, é acessibilidade apenas para uma pequeníssima parcela dessa população (vide gráfico abaixo do IBGE em 2021).

maioria dos surdos NÃO usa libras

No caso das pessoas com deficiência auditiva, o atendimento de bancos e operadoras de cartão de crédito precisa levar em conta alguns pontos básicos:

  • nenhum cliente tem um telefone TDD em casa (e você não encontra isso em lugar algum)
  • a maioria dos clientes surdos não usa Libras
  • os clientes que usam apenas Libras também precisam de acessibilidade
  • clientes surdos e telefone definitivamente NÃO combinam

Isso dito, vou relatar a minha experiência com acessibilidade após o assalto, enquanto passei horas na frente do computador tentando resolver a minha vida (e, em alguns casos, até agora não consegui).

Falta de acessibilidade no Banco Safra

O Safra só atende os clientes fora do horário comercial e nos finais de semana e feriados através do telefone. Não há um SAC acessível a pessoas com deficiência auditiva. Não há um chat 24 horas para emergências. Não há nenhum modo de contato com os cartões Safra se não for pelo telefone. Isso fere completamente o princípio básico de que os clientes precisam de acessibilidade. Fiz uma reclamação no Consumidor.gov porque é impossível conseguir qualquer contato com o Banco Safra numa sexta-feira à tarde se não for por telefone – e eu havia acabado de perder o meu e além disso, sou surda. Isso é um absurdo, não tenho palavras que expressem a minha indignação.

Acessibilidade a clientes com deficiência auditiva na XP

Ainda bem que eu tinha um número de contato via WhatsApp gravado e contatei. O chatbot rapidamente me direcionou a um atendente, mas até o atendente compreender que o site dava erro seguindo as instruções que ele me passava, o ladrão já podia ter saqueado a minha conta e detonado o meu cartão. Muitos minutos depois que comecei a ser atendida é que o próprio atendente fez os bloqueios necessários. A XP precisa agilizar esse atendimento a pessoas surdas que precisam bloquear contas e cartões rapidamente.

Acessibilidade a clientes com deficiência auditiva no banco Inter

Eu é que não sou boba de depender de chatbot e entrar em chat de banco virtual e achar que serei atendida em 5 minutos – isso é uma ilusão danada. A minha sorte é que eu tinha guardado no meu email uma troca de emails de atendimento de pessoa física com o Banco Inter porque, se você entrar no chatbot ou no chat, sente e espere dias por um retorno. Foram necessários vários emails com o atendente até que ele compreendesse que eu precisava bloquear as contas de pessoa física e jurídica, foram 23 minutos trocando emails. O banco Inter precisa ter um chat de atendimento instantâneo a clientes com deficiência auditiva que funcione 24hs.

O descaso da FEBRABAN

Em 2011, entrei em contato com a FEBRABAN para reclamar exatamente sobre tudo o que estou reclamando neste post. Eles responderam informando que seguiam a legislação sobre o 0800 especial. De lá para cá, quase nada mudou. Esta instituição deveria ter tomado as medidas necessárias para garantir acessibilidade a todos os clientes neste mundo digital em que vivemos há muito tempo. Usar uma legislação defasada e ultrapassada para justificar a falta de acessibilidade para surdos não dá mais.

Elogio ao atendimento da Apple

O atendimento da Apple no Brasil é maravilhoso. Consegui entrar rapidamente num chat com um ser humano que me ajudou a bloquear o meu telefone. Se não fosse esse atendimento, não sei o que poderia ter acontecido, já que o assaltante levou meu celular desbloqueado.

O que você pode fazer sobre a falta de acessibilidade para surdos em bancos

Reclamar. Acionar a Febraban. Fazer reclamação escrita no consumidor.gov relatando a falta de acessibilidade do seu banco e cartão de crédito. Acionar a ouvidoria dos bancos e cartões que você é cliente. Hoje isso aconteceu comigo, amanhã pode acontecer com você. Ninguém está livre de ter o cartão clonado num sábado à noite, de ser assaltado de madrugada, de perder o cartão de crédito num domingo. Tudo pode acontecer e sempre acontece. Não espere acontecer com você para sentir o desespero que só a falta de acessibilidade comunicacional proporciona numa hora dessas.

Antes de viajar para o exterior, faça o teste e finja que seu cartão não funciona para ver como será se isso acontecer com você lá fora. Explore os caminhos de falta de acessibilidade para surdos nos bancos e cartões de crédito que você é cliente, encontre os furos e entre em contato com as Ouvidorias solicitando a resolução desses problemas. Se não funcionar, teremos que nos unir e provocar o Ministério Publico Federal pedindo ajuda nessa questão.

CLUBE DOS SURDOS QUE OUVEM

Torne-se MEMBRO do Clube dos Surdos Que Ouvem, a maior comunidade digital de pessoas com perda auditiva da América Latina. São 22 mil usuários de próteses auditivas com os mais diferentes tipos e graus de surdez para você conversar sobre as suas dúvidas a respeito do universo da deficiência auditiva. Estar em contato direto com quem já passou pelo que você está passando faz toda a diferença! Vem com a gente aprender a retomar a sua qualidade de vida e a economizar milhares de reais na hora de comprar um par de aparelho auditivo – ou até mesmo a como conseguir aparelhos auditivos grátis quando você não tem grana para comprar do próprio bolso!

Como MEMBRO do Clube dos Surdos Que Ouvem, você tem acesso às nossas comunidades digitais, conteúdos exclusivos, descontos em produtos e acesso aos nossos cursos. E o mais importante: a sua jornada da surdez deixa de ser solitária e desinformada e passa a ser muito mais leve, simples e cheia de amigos.




About Author

Paula Pfeifer é uma surda que ouve com dois implantes cocleares. Ela é autora dos livros Crônicas da Surdez, Novas Crônicas da Surdez e Saia do Armário da Surdez e lidera a maior comunidade digital do Brasil de pessoas com perda auditiva que são usuárias de próteses auditivas.

No Comments

    Leave a Reply

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

    Iniciar conversa
    Clube dos Surdos Que Ouvem
    Grupo SURDOS QUE OUVEM