Menu
Crônicas da Surdez / Deficiência Auditiva / Surdos Que Ouvem

SERÁ QUE SOU SURDO? Atenção aos sinais da surdez

Você já se pegou pensando ‘será que sou surdo?’ após repetidas reclamações das pessoas próximas de que você ouve mal ou não ouve as coisas? É muito comum que as pessoas entrem em contato comigo na dúvida se são ou não surdas mesmo quando várias audiometrias dizem que sim.

Em primeiro lugar, você deve entender que a surdez tem GRAUS: leve, modera, severo e profundo. Existem diferentes tipos de surdez. Nem todo tipo e grau de surdez é considerado deficiência auditiva pela lei brasileira. E, por último, existe surdez curável e surdez tratável.

Talvez a grande dificuldade da maioria das pessoas em aceitar a surdez derive do desconhecimento geral da nação sobre a perda auditiva. As pessoas acham que surdo é só quem não ouve nada, que tudo bem escutar mal, que surdez é algo que só acontece na velhice, que todo surdo usa Libras e uma infinidade de outras bobagens com as quais têm dificuldade de se identidicar.

Há 1, 5 bilhão de pessoas com algum grau de surdez no mundo e 2,3 milhões de pessoas com algum grau de surdez no Brasil segundo o IBGE em 2021. É muita gente. E, por incrível que pareça, as pessoas levam em média 7 anos até procurar ajuda quando desconfiam de uma perda auditiva.

Não sei se as pessoas que me escrevem esperam que eu mude o diagnóstico de surdez dado pelo otorrinolaringologista, mas a verdade é que fica cada vez mais claro o quanto a experiência com a surdez é parecida para a grande maioria das pessoas.

Será que sou surdo?

Tudo começa com aquela sensação esquisita de ‘por que não ouvi isso?’, ‘por que preciso pedir que as pessoas repitam as coisas?’, ‘por que coloco a TV num volume tão alto?’, ‘por que esse zumbido não me deixa em paz?’. Depois, ao procurar ajuda médica e receber o diagnóstico de perda auditiva, muitos entram em parafuso e partem para a primeira parte dessa jornada: a negação.

Chega a ser engraçado receber uma mensagem na qual a pessoa relata cinco ou dez situações repetitivas nas quais fica mais do que óbvio que ela tem, sim, uma perda auditiva mas, por algum motivo que nem Freud explica, o fato não entra na cabeça do cidadão.

Vamos fazer uma comparação para deixar mais claro o motivo da minha perplexidade. Imaginem receber uma mensagem assim:

Oi Paula. Meu nome é fulana. O médico disse que estou acima do peso, mas acho que ele está equivocado. A balança acusou 75kg – meço 1,60 -, minhas calças jeans não entram mais, como muita porcaria, adoro refrigerante mas acho que houve um engano. Não é possível que justo eu, que não faço exercícios há anos e detesto frutas e vegetais, tenha engordado. O que você acha?

Pois é assim que leio as mensagens no tocante à surdez. Em geral, elas dizem mais ou menos o seguinte:

Oi Paula. Estou um pouco assustado pois hoje meu médico disse que tenho perda auditiva. Sinto muita dificuldade de entender as conversas quando várias pessoas estão falando, tenho zumbido, nem sempre entendo o que me dizem no telefone – isso quando escuto o telefone tocar -, escuto TV no último volume e minha esposa vive reclamando que eu não ouço quando ela me chama. Mas não sou surdo! Você acredita que o maluco do otorrino sugeriu que eu use aparelhos auditivos?

Alguém percebeu a semelhança no quesito negação em ambos os casos, ou fui só eu? 🙂

Já fui a pessoa que recebeu o diagnóstico e negou até onde pôde o fato de que escutava muito mal, que resistiu brava – e ridiculamente – a usar aparelhos auditivos. As consequências dessa atitude infantil?

Gastei energia à toa:

Passei anos achando que fingia super bem que não tinha deficiência auditiva e, pior, passei anos achando que as pessoas não percebiam e que a minha voz era igual à de uma pessoa sem nenhuma dificuldade de audição.

Sofri à toa:

Não usei aparelhos em fases cruciais da minha vida, como o ensino médio e a faculdade. Por causa disso, sofri desnecessariamente. Foram centenas de vezes em que chorei porque alguém me perguntou se ouvi algo que não ouvi, foram milhares de “hãn?” que evidenciavam o que eu queria esconder.

Foi muito stress e muita tristeza causados pela minha teimosia em negar que escutava mal e buscar ajuda.

Prejudiquei o meu cérebro à toa:

Está provado que aparelhos auditivos podem salvar o nosso cérebro! Quem precisa usar e não usa só faz comprometer mais e mais a sua capacidade de entendimento de fala. Depois não adianta procurar ajuda quando eles já não são mais capazes de ajudar…

Me tornei uma pessoa fechada:

Em vez de usar a tecnologia a meu favor tive a péssima ideia de ir me fechando cada vez mais, fugindo de interações sociais, escapando dos amigos e selecionando a dedo as pessoas com quem convivia. O que ganhei com isso? Nada!

Se você desconfia que está – ficando – surdo (ou perdendo a audição, use o português suave se preferir) e se muitas pessoas próximas reclamam que você não ouve as coisas e os chamados, tenho um pedido: procure um otorrinolaringologista especializado em SURDEZ e faça uma audiometria.

Busque uma rede de apoio

Se for constatado que você tem algum grau de perda auditiva, o melhor conselho que posso lhe dar é: trate-a. A vida é muito curta para ficar sofrendo por causa de algo tão banal e corriqueiro quanto usar aparelho auditivo. Vem pro nosso CLUBE SURDOS QUE OUVEM.

Converse com pessoas que usam aparelhos auditivos de marcas como Phonak, Oticon, Resound, Widex, Signia, Rexton, Argosy, Starkey e Unitron no Clube dos Surdos Que Ouvem. E assista essas aulas ANTES de comprar um aparelho auditivo para conhecer todos os segredos da indústria da audição e não ser feito de bobo.

CLUBE DOS SURDOS QUE OUVEM: junte-se a nós!

grupo de surdos que ouvem deficiência auditiva surdez

A sua jornada da surdez não precisa ser solitária e desinformada! Para que ela seja mais leve, simples e cheia de amigos, torne-se MEMBRO do Clube dos Surdos Que Ouvem. No Clube, você terá acesso às nossas comunidades digitais (grupos no Facebook, Whatsapp e no Telegram), conteúdos exclusivos, descontos em produtos e acesso aos nossos cursos*.

São 21.700 usuários de aparelhos auditivos e implante coclear com os mais diferentes tipos e graus de surdez para você conversar e tirar suas dúvidas a respeito do universo da deficiência auditiva (direitos, aparelhos, médicos, fonos, implante, concursos, etc).

MOTIVOS para entrar para o Clube dos Surdos Que Ouvem:

  1. Estar em contato direto com quem já passou pelo que você está passando (isso faz toda a diferença!)
  2. Economizar milhares de reais na compra dos seus aparelhos auditivos
  3. Aprender a conseguir aparelho de audição gratuito pelo SUS
  4. Não cair em golpes (a internet está abarrotada de golpistas do zumbido, de aparelhos de surdez falsos e profissionais de saúde que não são especializados em perda auditiva!)
  5. Conversar com milhares de pessoas que têm surdez, otosclerose, síndromes e usam aparelhos para ouvir melhor
  6. Conhecer centenas de famílias de crianças com perda auditiva
  7. Fazer amigos, sair do isolamento e retomar sua qualidade de vida
  8. Pegar indicações de médico otorrino especialista em surdez e fonoaudiólogos do Brasil com pessoas de confiança

Se você for mãe ou pai de uma criança com perda auditiva, uma das comunidades digitais do Clube é um Grupo de Telegram com centenas de famílias se ajudando mutuamente todos os dias.

o melhor aparelho auditivo

Os erros que você NÃO PODE cometer ao comprar APARELHO AUDITIVO

Eu já passei pela saga da compra de aparelhos auditivos várias vezes. Já fui convencida a me endividar para comprar um aparelho auditivo “discreto e invisível” que sequer atendia a minha surdez. Já fui enganada ao levar um aparelho auditivo para o conserto na loja onde o comprei: a fonoaudióloga disse que ele não servia mais para mim sem sequer verificá-lo ou fazer uma nova audiometria. Já quase caí no conto do vigário de gastar uma fortuna num aparelho auditivo para surdez profunda “top de linha”, cujos recursos eu jamais poderia aproveitar devido à gravidade da minha surdez. Já fui pressionada a comprar um aparelho auditivo porque supostamente a “promoção imperdível” duraria apenas até o dia seguinte. E também quase cometi a burrada de comprar um aparelho de surdez que já estava quase saindo de linha por causa de um desconto estratosférico que ‘acabava amanhã’.

Mas VOCÊ não precisa passar por isso.

Criei um curso online rápido de 1h e 30min de duração que reúne tudo o que aprendi sobre comprar aparelho auditivo em 42 anos convivendo com a surdez 24hs por dia e que vai te fazer economizar muito dinheiro, tempo e energia para voltar a ouvir. Nele, você vai conhecer as PIORES PRÁTICAS da indústria da audição e tudo o que você precisa saber e perguntar ao profissional de saúde que estiver testando AASI com você.  Torne-se aluno AQUI.

CURSOS SURDOS QUE OUVEM

 

 


About Author

Paula Pfeifer é uma surda que ouve com dois implantes cocleares. Ela é autora dos livros Crônicas da Surdez, Novas Crônicas da Surdez e Saia do Armário da Surdez e lidera a maior comunidade digital do Brasil de pessoas com perda auditiva que são usuárias de próteses auditivas.

2 Comments

  • […] Segundo, começa a busca pela ‘cura gramatical’ da surdez, não admitindo ser chamado de surdo (isso me dá um sono, mas um sono…) e querendo substituir a palavra por variações do tipo […]

    Reply
  • Rubens
    29/08/2017 at 20:02

    Paula, acompanho suas postagens e em geral compartilho das suas ideias. Nesse último “será que sou surdo” , acho que vc extrapolou um pouco. Vc quer provar que toda pessoa que tem deficiência auditiva (me incluo nesses) é surdo. Seria a mesma coisa que dizer que uma pessoa que tem um grau de miopia (meu caso) é cego e eu nem uso óculos. Acho que dá para conviver com perda auditiva, desde que ela não comprometa sua vida. É óbvio que se a pessoa é surda, não escuta nada, tem que procurar ajuda. Agora, deixar de escutar um comentário, perder alguma frase no telefone ou não entender uma dublagem na TV, não compromete a vida de ninguém. Acho que não é questão de negação mas com a idade as pessoas passam a conviver com uma série de impedimentos, que prejudicam a sua rotina normal, sem que isso se torne um obstáculo a uma vida plena. Parabéns pelo blog.

    Reply

Leave a Reply